Saiu do portal e matou a família

Publicado em 2 de janeiro de 2017
isamara

(Isamara e seu filho João Victor, os alvos do assassino machista)

Os mortos e feridos na chacina de Campinas são as primeiras vítimas fatais do ódio à esquerda estimulado pela mídia nos últimos anos. Para arrancar o PT do poder, revistas, jornais e emissoras de rádio e TV incentivaram o machismo, a misoginia, a homofobia, a raiva irracional a todo pensamento progressista. Alimentaram a besta.

A carta do assassino nada mais é do que uma colagem dos pensamentos toscos que lemos nos comentários dos portais noticiosos todos os dias, inspirados em (de)formadores de opinião aos quais a mídia deu espaço. Não há nada de surpreendente ali: à parte seus problemas pessoais e psicológicos, o atirador utiliza as mesmas palavras que a direita usa nas redes sociais cotidianamente para atingir “inimigos”, sobretudo mulheres, homossexuais e defensores dos direitos humanos.

Não é à toa que o assassino machista de Campinas apela à mesmíssima expressão para se referir tanto à mãe do seu filho quanto à presidenta Dilma: “vadia”. A palavra “vadia” aparece 12 vezes na carta. Este é o termo mais usado contra mulheres hoje no Brasil, arroz de festa nas redes sociais. Foi o primeiro insulto que recebi ao inaugurar o blog, em 2012, vindo de um roqueiro de direita que se sentiu incomodado por um texto meu –e ele recebeu em seguida o apoio de uma jornalista da Globo.

Contra Dilma, foram incontáveis as vezes em que ela foi chamada de “vadia” e outros termos homólogos a “prostituta” na internet e em cartazes nas manifestações verde e amarelas: “puta”, “vaca”, “vagabunda”, “quenga”. Em 2010, o cartunista Nani foi pioneiro no machismo contra Dilma ao mostrar a candidata “rodando a bolsinha” numa esquina; a charge foi divulgada pelo portal mais visitado, o UOL. Chamar uma mulher de “vadia”, seja ela anônima, jornalista ou presidenta da República virou algo normal, “liberdade de expressão”. No twitter e facebook, xingar mulher rende “likes”. Vão dizer que não? Se até deputados fazem isso e têm milhões de seguidores…

Quem inventou o ódio às feministas presente na carta do atirador de Campinas? Quem o disseminou? Nos programas pseudohumorísticos da televisão aberta e nas redes sociais, é considerado piada inofensiva chamar as feministas de “feminazis”, achincalhá-las noite e dia, demonizá-las. É inegável que, para atingir Dilma, a mídia naturalizou o desprezo às mulheres que se destacam e que lutam contra o machismo. Precisa assumir sua enorme responsabilidade na misoginia que insuflou.

O caso de Campinas infelizmente não é fato isolado. Enquanto a direita brada contra as feministas, todos os dias morrem mulheres vítimas de feminicídio no Brasil. Esta semana, um advogado de Vitória, no Espírito Santo, espancou uma faxineira na porta de casa e teve o desplante de “pedir desculpas”, como se fosse um mero esbarrão. Ficará quanto tempo preso? Em novembro, a sobrinha-neta do ex-presidente José Sarney foi estuprada e morta pelo próprio cunhado, dentro de casa.

Não precisa conferir as estatísticas, basta olhar os portais: todo dia uma mulher é agredida ou morta por ex e atuais companheiros. Desta vez os alvos foram mais numerosos, mas o assassino demonstra sua motivação misógina ao escrever que iria levar junto com ele “o máximo de vadias”. Das 12 vítimas fatais da chacina, nove são mulheres. Em março de 2015, Dilma foi criticada pelo maior jornal do país por sancionar a lei que torna o feminicídio crime hediondo. Em sua carta, o assassino de Campinas chama a lei Maria da Penha de “vadia da penha”.

A combinação de ódio com a defesa do armamento pessoal é literalmente explosiva, e conta com o apoio midiático. Na época do plebiscito, em 2005, a revista mais vendida do Brasil não hesitou em se posicionar, na capa, contra o desarmamento. Uma das bancadas da direita hidrófoba com mais poder dentro do Congresso, todo mundo sabe, é a da bala, formada por políticos que são financiados pela indústria do armamento –a mesma que produz balas de borracha para massacrar estudantes em protestos.

Diante das chacinas que se tornaram praticamente semanais no mundo “civilizado”, seguimos enxergando um uníssono culpado: o fanatismo religioso, esquecendo que todos os fanatismos são igualmente nocivos. O fanatismo político também é sangrento e este encontrou um poderoso eco nas grandes corporações midiáticas, capazes de construir e destruir governantes.

Este é um sentimento perigoso, o ódio. É muita irresponsabilidade para com o país disseminá-lo em nome do antipetismo, estamos alertando há anos. Quantas vezes escrevi aqui aquele provérbio espanhol, “cria cuervos y te sacarán los ojos”? O antipetismo desencaminhou o Brasil, estamos indo para um rumo tenebroso. O único limite para o ódio é o sangue.

E assim começamos 2017… Minha solidariedade às vítimas desta tragédia. Mas sabem o que é ainda mais triste? Saber que nos esgotos de onde o assassino saiu não faltará gente para aplaudi-lo.

 

 

 

Publicado em

Em Blog

0 Comente

Os pais dos desenhos animados são quase todos idiotas –mas os homens nem ligam

Publicado em 14 de outubro de 2016
gumball

(A família de Gumball: a mãe Nicole e as crianças Anais, Gumball e Darwin; além do pai, Ricardo, dormindo)

Se tem uma coisa que me intriga é como não incomoda os homens que praticamente todos os pais dos desenhos animados sejam completos imbecis. Imaginem se fizessem isso com as mulheres: se todas as mães dos desenhos que nossos filhos assistem fossem burras, preguiçosas, desastradas e inúteis. Ia ser uma gritaria danada das feministas, com razão. Mas os homens aparentemente nem ligam de ser retratados de forma depreciativa, um anti-exemplo para as crianças em termos de figura masculina. Por que será?

Quem acompanha a nova safra de desenhos sabe do que estou falando. O caso mais recente de “pai idiota” é Ricardo, de O Incrível Mundo de Gumball, desenho superdivertido do canal Cartoon Network. Sim, Ricardo é amoroso e doce com os filhos Gumball, Darwin e Anais. Mas, ao mesmo tempo, é infantilizado até na voz, uma criança a mais da qual a mãe, Nicole, tem de cuidar. E não é por que Nicole trabalha fora e Ricardo toma conta das crianças que o torna um mané, mas o fato de ele ser uma pessoa adulta sem nenhum discernimento ou responsabilidade –por sinal, Ricardo aparece quase sempre dormindo no sofá, com a baba escorrendo pelo canto da boca, enquanto cuida delas.

ricardo

Um clássico do “pai idiota” dos desenhos animados é, claro, Homer Simpson. Todo mundo já conhece a peça, famosa por dizer a frase “quando eu cheguei já estava assim” para se defender das burradas que apronta. Homer é um péssimo pai, capaz de esgoelar o filho Bart quando ele, na verdade, repete suas molecagens. Não sabe nem sequer como se chama a filha mais nova, Maggie. Homer é tão idiota que virou parâmetro para o jornalismo da rede Globo: em 2005, o professor Laurindo Leal Filho revelou que o Jornal Nacional só transmite o que “os Homers”, como o telespectador médio do noticiário global era definido por William Bonner, é capaz de entender.

homerpizza

O mais interessante é que, em contraponto ao pai inútil, todas as mães são sensatas, inteligentes e responsáveis. Nicole, a mãe de Gumball, tem que estar sempre de olho no marido e por isso vive estressada. Sem Marge, a mulher de Homer, provavelmente os Simpsons já teriam sido presos e as crianças, dadas para adoção. E não são só os pais e maridos que são idiotas: a maior parte das figuras masculinas dos desenhos animados seguem os instintos enquanto as mulheres usam o cérebro. Anais, de Gumball, é a inteligente da casa; Lisa, de os Simpsons, idem. Clarêncio, o Otimista, coitado, é quase naïf; o Titio-Avô é um adorável paspalhão.

titioavo

A estrela-do-mar Patrick é talvez o personagem mais burrinho dos desenhos animados; o próprio Bob Esponja, protagonista do desenho, não é lá estes gênios todos, né? Já o esquilo Sandy Bochechas é espertíssima, luta karatê e é uma grande inventora.

bobesponja

É preciso lembrar que nem sempre as séries televisivas e os desenhos animados retrataram os homens como idiotas. Taí o número absurdo de super-heróis do sexo masculino que não me deixa mentir. Houve uma involução. Na minha primeira infância, as famílias das séries que eu assistia na TV eram formadas por pais e mães igualmente inteligentes e sensatos. Lembro de Perdidos no Espaço e Elo Perdido, sitcoms familiares dos anos 1970.

Ao que tudo indica, esta tendência de transformar o elemento masculino no idiota da turma começou com Al Bundy (Ed O’Neill), do seriado Married… with Children (Um Amor de Família no Brasil), de 1987, transmitido pela mesma Fox dos Simpsons, que estrearia dois anos depois, em 1989. O beberrão Bundy, além de tudo, é machista, ao contrário de Homer. Mas é um idiota igual –um idiota hilário, mas idiota.

bundy

Será que estes pais imbecilizados dos desenhos não terão alguma influência sobre esta geração de jovens do sexo masculino imbecilizados que vemos nas redes sociais? Meninos que só se preocupam em “zoar”? Não sei. Mas estes pais da ficção são inegavelmente significativos da paternidade, ou Homer não teria vencido uma pesquisa em 2012 no Reino Unido como “melhor exemplo de pai” (além de pai “mais embaraçoso” e “mais engraçado”).

Outra pesquisa feita em 2013 pelo site britânico Netmums revelou que 93% dos pais acham que a programação infantil não representa os pais da vida real. “Programas de televisão, livros e propaganda que depreciam os pais estão arruinando a percepção das crianças sobre a paternidade”, diz o site. Quase metade dos pais pesquisados (46%) dizem que desenhos animados como Peppa Pig, Simpsons e até mesmo os Flintstones mostram os pais como preguiçosos ou estúpidos.

“Cerca de um terço dos pais (28%) acham que isso é ‘uma forma sutil de discriminação contra os pais’, enquanto 18% foram mais incisivos, dizendo que esta programação faz as crianças acreditarem que os pais são ‘inúteis’ desde a mais tenra idade e que seria ‘um escândalo’ se isso fosse feito contra as mães.”

Não é verdade? Por que será que os pais não reclamam? Vejo tantos homens evoluindo como pais, se dedicando a modificar o papel que o pai sempre teve na família, mas não vejo preocupação deles sobre o conteúdo dos desenhos que seus filhos assistem como certamente aconteceria fosse com as mulheres. Será que acham que é só “engraçado”? Será que faz parte do perfil masculino não se importar com este tipo de coisa? A impressão que eu tenho é de que os homens não gostam de parar para pensar sobre si mesmos. Ou será que os homens possuem uma capacidade maior de rir de si próprios do que as mulheres?

Gostaria de ouvir algumas opiniões.

Um novo estudo, conduzido por Savannah Keenan, pesquisadora da Brigham Young University, nos Estados Unidos, mostra que 40% dos sitcoms para pré-adolescentes da Disney apresentam a figura paterna de forma depreciativa, “de maneira ridícula ou risível”. A cada 3,24 minutos um pai age como idiota nestes programas. A dúvida da pesquisadora é a mesma que a minha: será que estes programas não estão afetando a forma como as crianças do sexo masculino veem seus pais e consequentemente a eles mesmos?

“Nós sabemos como os pais são representados negativamente pela mídia”, disse Savannah em entrevista ao blog da BYU. “Mas não temos muitas pesquisas sobre como estes programas afetam na vida real o comportamento e as atitudes das crianças. Acho que a coisa mais importante que precisamos saber agora é: como isto está afetando nossos filhos? Se os programas de televisão estão retratando os pais como incompetentes –especialmente quando estão direcionados a um grupo em idade tão sensível quanto os pré-adolescentes– o que estas crianças vão pensar sobre seus próprios pais?”

 

Publicado em

Em Blog

0 Comente

O empoderamento de Patrícia, a acusadora de Feliciano: “Só tem homem burro no PSC”

Publicado em 22 de setembro de 2016

lula-005

Quando encontro Patrícia Lélis, a garota de 22 anos que acusa o pastor Marco Feliciano de estupro, em um café de Brasília, ela acaba de vir de uma reunião no CFEMEA (Centro Feminista de Estudos e Assessoria), uma das entidades que a auxiliam na denúncia contra o deputado federal do PSC. Patricia chega acompanhada pela mãe, Maria Aparecida, que, desde julho, quando a história veio à tona, acompanha a caçula por toda parte, que nem mãe de miss. Patricia é pequena e muito bonita, apesar da maquiagem excessiva que usa no rosto, com muita base escondendo as pintinhas e as sobrancelhas marcadas com kajal.

Patrícia vem com um sorriso estampado no rosto e brilho no olhar. Está encantada com a recepção que teve no CFEMEA. Nem parece a mesma garota que, em abril, atraiu a atenção do partido de Feliciano com vídeos cujo principal alvo eram as feministas. “Não conheço uma feminista bonita”, disparava, em um vídeo de abril deste ano, fazendo chacota da campanha que pipocou nas redes sociais contra os adjetivos “bela, recatada e do lar” utilizados por uma revista semanal para definir a sra. Michel Temer, Marcela.

Ou a mesma menina arrogante que, em maio, publicou um texto no facebook chamando uma professora, com quem havia se desentendido em um debate em Gurupi (TO), de “feminazi” e “feinha” e zombando dos cabelos cacheados da moça. Após ter denunciado o abuso, virado alvo da direita e encontrado apoio justamente em quem atacava, Patrícia não esconde o entusiasmo com as novas aliadas e a, bem… sororidade demonstrada por elas.

– Elas são lindas. Eu não conhecia o feminismo, acreditava que feminismo era o oposto de machismo. Engano meu! Conheci mulheres fortes, inteligentes, independentes, trabalhadoras, amáveis e que realmente têm o intuito de ajudar. Achei todas muito inteligentes, com conceitos muito concretos e embasados. As feministas só querem seus direitos. Todas nós, mulheres, queremos respeito, queremos poder denunciar um estupro e não ser chamadas de ‘loucas’, com laudos falsos.

A mãe intervém na conversa:

– Elas são preocupadas com a mulher. Se a mulher sofreu um abuso, não importa se é de esquerda, de direita, se a mulher está ali fazendo programa, não importa: ela não é obrigada a ter relações.

Não se pode dizer que a experiência de Patricia com a direita representada pelo PSC e os Bolsonaros e Felicianos da vida tenha sido longa. Seu primeiro vídeo foi postado no facebook no início do ano e bombou. Em abril, conta, foi procurada pela Juventude do PSC.

– Fui procurada pela Sara Winter, que me mandou mensagem pelo face. A Sara veio a Brasília e me levou até a sede do partido. Quando cheguei lá, me trataram superbem e me pediram para eu me filiar. Acharam que meu discurso tinha muito a ver com o PSC. Depois que me filiei, gerou mais audiência ainda, tanto para o partido quanto para mim. Tenho vídeos que tiveram quase 1 milhão de acessos. Foi quando eles me colocaram como líder da Juventude e me disseram que eu seria candidata a deputada em 2018.

Sara Winter é aquela garota que se tornou famosa mostrando os seios em protestos como representante brasileira do grupo radical ucraniano Femen, do qual foi desligada sob acusações de desonestidade; desde então, se tornou uma ferrenha ex-feminista e antiabortista. Atualmente, também se dedica a detonar a ex-amiga em suas redes sociais com um argumento que se tornou a principal linha de ataques à estudante de jornalismo após a denúncia de tentativa de estupro: dizer que Patricia tem “distúrbios psicológicos”. Só a chamam nas redes sociais de “Patricia Lelé”, além de espalharem o boato de que a jovem seria garota de programa, o que fez com que homens passassem a enviar emails para ela perguntando quanto cobra por hora.

Em um hangout no início do mês, transmitido ao vivo no facebook, Sara Winter, Kelly Bolsonaro (fã do clã reaça que adotou o sobrenome, mas sem parentesco) e a psicóloga da “cura gay”, Marisa Lobo, candidata a vereadora pelo Solidariedade em Curitiba, “analisam” Patricia de todas as formas. Marisa, sem qualquer exame prévio, “diagnostica” a jovem como “mentirosa compulsiva”, “doente, que precisa de ajuda” e que “pode parar num hospital psiquiátrico”.

A “avaliação” de que Patrícia é “louca”, “desequilibrada”, comum entre machistas (fizeram o mesmo com a presidenta Dilma Rousseff). é “embasada” em um laudo encomendado pela polícia civil de São Paulo afirmando que a jornalista seria “mitomaníaca”. A conclusão se choca com outro parecer, elaborado por psicólogas do IML (Instituto Médico-Legal) de Brasília, que não encontrou evidências de qualquer alteração “psicopatológica” na jovem.

Os advogados de Patrícia Lélis pediram o afastamento do caso do delegado Luiz Roberto Hellmeister, de São Paulo, que a rigor nem deveria ter entrado, já que Marco Feliciano, como parlamentar, possui foro privilegiado e a investigação deveria ter sido feita desde o princípio pela Procuradoria-Geral da República, como acontece agora. No início do mês, Hellmeister pediu a prisão preventiva de Patrícia por “extorsão e denunciação caluniosa”. Os defensores de Patrícia também solicitaram a anulação do inquérito.

emersondelegado

Patrícia acusa o titular do 3º DP, na Santa Ifigênia, de ter preparado o depoimento dela antes de chegar à delegacia e de estar ligado ao grupo de Feliciano, já que aparece em uma foto no facebook posando com Kelly e Emerson Biazon, autor da filmagem em que Patricia supostamente tenta “extorquir” a turma de Feliciano (ela diz que o vídeo foi editado e que o valor citado teria sido oferecido a outro envolvido no imbróglio, Arthur Mangabeira, para filmá-la negando tudo). Aliás, Talma Bauer, o chefe de gabinete do deputado que aparece no vídeo, também é policial civil em São Paulo. Em agosto, Bauer chegou a ser preso sob a acusação de manter a jornalista em cárcere privado.

– Quando eu cheguei à delegacia, minha oitiva já estava pronta. O delegado ficava falando para mim: “você é criminosa, você é pior do que a Suzane von Richthoffen! Você tem duas alternativas para sair daqui bem: a primeira é assinar um atestado dizendo que tudo isso é uma mentira, tudo invenção da sua cabeça, e daqui eu te encaminho direto para um manicômio; e a outra, se você quiser brincar com a minha cara, é você assinar e vou te indiciar e você vai ser presa.’ Falei para ele: ‘não sou louca, não estou mentindo. Quero assinar o que vou ser indiciada’. E aí começou um bafafá, uma gritaria… Quando saímos, ele falou: “Vou te prender, sua bandida.” Eu não sou bandida, não peguei nem um real de ninguém. No histórico deste delegado na internet tem vários casos absurdos, pode olhar.

De fato, Hellmeister é o mesmo delegado que, em 2015, apareceu na mídia como o titular do 2º DP, no Bom Retiro, em São Paulo, onde a travesti Veronica Bolina foi barbaramente espancada e ficou com o rosto desfigurado. Hellmeister também foi acusado por uma jornalista da rede Record de agressão.

Após Patricia ter denunciado Feliciano, o PSC passou a negar que ela tivesse se filiado, mas não é difícil achar fotos da estudante em eventos públicos do partido, inclusive com Sara Winter, segurando uma ficha de filiação. Além disso, no próprio site do PSC Patrícia é citada como uma das líderes da juventude do partido.

patriciapsc

É importante dizer que Patricia se aproximou do PSC contra todos os conselhos da mãe, Maria Aparecida, que, apesar de ser evangélica, teve algumas más experiências com pastores das igrejas que frequentava. Hoje Aparecida prefere orar em diversos templos para não criar vínculos.

– Eu falei para ela não se aproximar de pastores. Já pertenci a uma igreja por muito tempo, mas me decepcionei com um pastor, que acabou me expulsando de lá. O cara tinha ‘ene’ mulheres, enganava todo mundo. Também conheço caso de pastor que tem relações com a própria enteada de 13 anos, mas a gente tem medo de denunciar, porque além de pastor ele é PM… Ou seja, vivendo a minha vida de evangélica nessas igrejas vi muitas coisas absurdas. Frequento várias hoje, porque já vi de tudo, também no sentido financeiro, de pastor que pede dinheiro para comprar casa, carro… Por isso que eu não queria que ela se aproximasse deles, sempre avisei.

As desconfianças de Patrícia e de sua mãe em relação ao PSC não vieram depois da alegada tentativa de estupro por parte de Feliciano. A estudante se queixa que o pastor Everaldo, presidente do PSC, vivia tentando lhe empurrar pretendentes entre os homens do partido.

– Sempre o pastor Everaldo falava: ‘esse é o homem perfeito para você, um homem de Deus’. Uma coisa muito estranha. Cheguei no pastor e falei para ele: ‘Olha, pastor Everaldo, eu não quero. Acho que só tem homem burro aqui no PSC’.

– Ele ria quando você falava isso?

– Não, ele não ria, não. Ele dizia que eu ia acabar sozinha.

Um dos “homens de Deus” que Everaldo teria insistido para Patricia namorar foi o filho de Bolsonaro, Eduardo, deputado federal do partido. Que, como os demais, a jornalista achou burro, burríssimo, e se recusou a sair com ele.

– O Eduardo é um asno, uma mula. É do tipo que, se vê uma menina na Câmara um pouco mais bonita, ele passa a mão na bunda, chama de gostosa. Ele tem altos casos na Câmara, porque tem mulher que gosta. O Eduardo não tem voz nenhuma: o pai dele fala ‘você vai fazer isso’ e ele vai lá e faz. Ele mesmo não tem opinião de nada, coitado, não sabe de nada. O Jair deve ter dito pra ele: ‘essa é uma menina bonitinha pra aparecer com você nas fotos’. ‘Ajeitadinha’, porque ele chama assim, né? Aí o coitado vai lá e faz umas coisas bizarras…

– Tipo o quê?

– Tipo vai conversar com a gente e não tem assunto nenhum, começa por aí. Ele joga umas coisas assim: ‘você é jornalista? Gosto tanto de dar entrevista… no motel’. É disso pra baixo, é muito burrinho. Conheço outros deputados, tipo o Glauber Braga (do PSOL), e você vê outra postura. O cara é inteligente, é respeitoso. Então eu tenho um parâmetro.

Outra coisa que ela diz ter estranhado, ainda dentro do partido, são as advertências feitas pelo PSC aos jovens que engrossam suas fileiras para que não tenham nenhuma espécie de contato com feministas ou pessoas de esquerda em geral. Como se tivessem medo de que virassem vermelhos por osmose –ou por conhecer melhor as ideias que são compelidos a combater.

– O PSC pedia para a gente não ter contato. Dizia que quando você conhece a esquerda, eles fazem alguma lavagem cerebral e você acaba questionando as coisas, o feminismo, o casamento gay. Então sempre pediram para a gente manter distância mesmo. Eu conhecia a advogada do PSOL, sempre foi muito educada. Mas nunca sentei para conversar… E eles pedem nitidamente para não se envolver com esquerdistas, porque são tipo os anticristos do mundo. Eles faziam reuniões explicando por que ser contra o feminismo, por que ser contra os gays, segundo a Bíblia… A gente sentava para montar estratégias de como criar confusão em alguma sessão do Congresso, para tentar tirar a credibilidade. E hoje vejo o Bolsonaro invadindo o plenário, colocando o dedo na cara da Maria do Rosário… Coisas absurdas. Eu sou nova, nunca imaginei que as coisas eram desse jeito.

– O nível intelectual das pessoas que você está conhecendo agora é melhor?

– Nossa… Muito maior. Muuuuuito. É outra coisa, até o jeito de falar. Todo dia é uma surpresa diferente. Ao mesmo tempo que a direita me massacra –porque eles me odeiam, né?, me chamam de esquerda infiltrada, falam que o Jean Wyllys me pagou… Eu cumprimentei o Jean no máximo cinco vezes! Falam que eu ganho dinheiro do PT, do PSOL… Então, ao mesmo tempo que a direita me massacra, o pessoal do outro lado –não só de esquerda, mas muito de centro também– me manda várias coisas, tipo textos de autoconhecimento mesmo. ‘Aproveita que agora você não pode trabalhar, vamos ler, vamos estudar’. E são coisas que, nossa… fazem sentido. Até então, a gente sempre entendeu que o outro lado é que é culpado. A filosofia do PSC é o Estado intervir diretamente na vida da pessoa. É uma intervenção do Estado mesmo na vida pessoal. Quantas vezes eu escutei o pastor Everaldo falar: ‘o Estado não pode deixar as mulheres abortarem. O Estado não pode deixar os gays adotarem’. É ridículo.

Patrícia admite que, como muitos jovens que se definem de direita para “zoar” nas redes, começou a postar vídeos dizendo barbaridades para ficar famosa. Ela sempre quis trabalhar na televisão, razão pela qual topou ir contar sua história em programas como o Superpop, de Luciana Gimenez, e o programa de Roberto Cabrini, dos quais saiu mais desacreditada do que entrou.

Continua, porém, repetindo a mesma versão que deu no princípio de agosto ao blog Coluna Esplanada, do portal UOL: que foi até o apartamento de Marco Feliciano em junho para participar de uma reunião sobre a CPI da UNE; que, chegando lá, não havia reunião alguma e ficou a sós com o deputado, que teria tentado beijá-la à força e arrastá-la para o quarto; que ela teria recusado o assédio e recebido um chute na perna e um soco na boca; que teria gravado dois vídeos negando tudo sob ameaça de morte; e que não aceitou nenhuma das ofertas de dinheiro que teriam sido feitas pelos assessores do pastor Feliciano e pelo pastor Everaldo. Ambos rechaçam as acusações.

Tudo isso será alvo de investigação pela Polícia Federal, que entrou no caso na semana passada, por decisão do STF (Supremo Tribunal Federal). O ministro Edson Fachin atendeu ao pedido da Procuradoria-Geral da República e determinou abertura de inquérito para apurar a denúncia. Até que se comprove ou desminta, fica a palavra de Patrícia contra a de Feliciano.

Pergunto a Patrícia Lélis qual seu objetivo ao prosseguir com a acusação.

– Meu objetivo principal é que Feliciano pague por tudo aquilo que me fez, por tudo que me prejudicou, pois é uma pessoa que se faz de santo em frente a milhares, mas que nos bastidores tem um caráter terrível; que as pessoas alienadas entendam que existem pessoas ruins em todos os lados, que entendam que crime não tem partido político; que o nome de Deus não seja usado de forma tão banal; e principalmente que as pessoas parem de votar em pessoas por conta de religião.

 

 

Publicado em

Em Blog

0 Comente