Mini-guia Socialista Morena de esquerdismo caviar: mercados

Publicado em 27 de janeiro de 2017
saojoaquim

(Feira de São Joaquim, Salvador)

Tem gente que ama shopping, eu adoro mercados. Toda vez que chego a uma cidade, faço questão de conhecer o mercado municipal. Aquela profusão de frutas, verduras, peixes, carnes, ervas, artesanato, causa um estranho efeito calmante sobre mim. Me diverte e enriquece conversar com os donos das bancas, com a freguesia, e também comprar produtos feitos na região para levar para casa.

Como tinha feito antes com o mini-guia de São Paulo, preparei estas dicas de mercados que conheci no Brasil e no exterior. O único critério utilizado foi que só entraram aqueles onde estive pessoalmente; ou seja, este guia pode crescer a qualquer momento. Se estiverem de férias nestas cidades, aproveitem para conhecer os mercados. Tenho certeza que vão entender do que estou falando…

NO BRASIL

Feira de São Joaquim, Salvador – Vou começar por um dos mercados mais incríveis do Brasil: a gigante feira de São Joaquim, considerada a maior feira do Nordeste, com quatro mil boxes. Uma verdadeira cidade! Tem de tudo por lá, de temperos a carne de bode, mas chama a atenção a variedade de bancas dedicadas ao candomblé, com imagens de orixás em ferro e gesso, belíssimos. É coisa para várias horas percorrer os corredores de São Joaquim vendo tudo, uma experiência antropológica. Onde: Avenida Conselheiro Pontes, Comércio. De segunda a sábado, das 5h às 18h, e domingo, das 5h às 14h. No domingo de manhã tem roda de samba.

farinha

(Farinhas de mandioca na feira de São Joaquim)

orixas

(Sincretismo: presente!)

lampioes

(Miniaturas de lamparinas em São Joaquim)

Ceasinha do Rio Vermelho, Salvador – É o lugar ideal para comprar coisas para levar antes de viajar de volta para casa quando for visitar a capital baiana. Tem carne de sol e de fumeiro, e muitas bancas que vendem todo tipo de biscoitinhos, doces e beijus de tapioca feitos no interior. Aqueles de tomar com café, sabem? No mercado, todo reformado, também tem uma praça de alimentação onde se pode comer pratos típicos que não se encontram nos restaurantes “para turistas”, como o sarapatel e o cozido. Onde: Av. Juracy Magalhães Neto, 1624. De segunda a sábado, de 7 às 20h; domingos de 7 às 14h.

Mercado da Lapa, São Paulo – Todo mundo comenta o Mercado Municipal de São Paulo, com seu sanduíche de mortadela e pastel de bacalhau, mas, para fazer compras, em minha opinião, não há lugar melhor do que o Mercado da Lapa. Quem gosta de carne de jabá (ou carne seca ou charque; na capital paulista, chamam de carne de sol) vai se espantar com a variedade, feitas com qualquer parte do boi, não só “traseiro” e “dianteiro”, como no supermercado. Tem até filé de carne seca! A peixaria também é muito boa e as lojas populares ao redor são ótimas para comprar coisas para casa a preços baixos. Onde: rua Herbart, 47, Lapa. De segunda a sexta, de 8h às 19h e sábados de 8h às 18h.

Mercado Municipal de Sorocaba, São Paulo – Outro dia fui fazer uma palestra em Sorocaba e acabei conhecendo o mercado de lá, muito simpático, limpo e organizado. O prédio, de 1938, tem estilo art-déco. Tem uma boa banca de ervas medicinais e também encontrei bons queijos e linguiças caseiras. Onde: rua Comendador Nicolau Scarpa, 80, centro. De segunda a sexta, de 7 às 18h30 e sábado até às 14h.

campinas

(Fachada neomourisca do Mercado de Campinas)

Mercado Municipal de Campinas de Campinas, São Paulo – Projetado pelo arquiteto Ramos de Azevedo em estilo neomourisco, lembra, por fora, uma mesquita. Gostei de comprar lá: café da região torrado na hora, tabaco orgânico, lentilhas e feijão. Há uma variedade enorme de feijões, destes que não se encontram no supermercado, como o feijão-manteiga. Do lado de fora ficam os peixes e carnes. Onde: Praça Carlos Botelho, centro. De segunda a sábado de 7h às 18h.

Mercado Público de Porto Alegre, Rio Grande do Sul – Adoro! Já fui várias vezes. O prédio é lindo, bem no centro da cidade, e tem um monte de coisas gostosas e diferentes, tipo linguiças, queijos e frios artesanais das colônias italiana e alemã. Também pode-se comprar massas artesanais prontas para cozinhar em casa. E o melhor para mim: a salada de frutas com nata da Banca 40, verdadeiro patrimônio da capital gaúcha. A salada de frutas é fresquinha e a nata ninguém nunca viu igual… É como um chantilly só que beeemmm mais firme e saboroso… Onde: Galeria Mercado Público, 85 – Centro. De segunda a sexta-feira, das 7h30 às 19h30 e sábados das 7h30 às 18h30.

mercadopoa2

(Detalhe da fachada do Mercado Público de Porto Alegre…)

mercadopoa

(…e a incrível salada de frutas com nata da banca 40)

Mercado Ver-o-Peso, em Belém, Pará – Faz muitos anos que estive lá, e li que está sendo submetido a um polêmico projeto de reforma. Mas é uma experiência inesquecível sentir os cheiros e ver as cores dos peixes e plantas típicos da região no Ver-o-Peso, histórico mercado brasileiro com mais de três séculos de história. Não vá sem um local acompanhando, para descobrir cada recanto da feira e também saber onde comprar o melhor açaí fresquinho… Atração à parte são as bancas onde se vendem produtos medicinais feitos com plantas amazônicas que prometem curar tudo, de disfunção erétil a diabetes. Onde: Tv. Marquês de Pombal, 75, Cidade Velha. De segunda a domingo, de 4h às 20h.

Mercado Público da Redinha, em Natal, Rio Grande do Norte – O grande atrativo deste pequeno mercado, que fica à beira-mar, é comer “ginga com tapioca”, que são pequenos peixinhos (ginga) fritos no azeite de dendê e servidos dentro do beiju, algo que me pareceu ancestral, dos tempos pré-colonização. De fato, o acepipe acabou recebendo recentemente o título de “patrimônio imaterial” do Estado, e o mercado, com mais de 100 anos, foi tombado pelo patrimônio histórico. Onde: Largo João Alfredo, SN, Praia da Redinha. De segunda a sábado, de 8h às 17h.

Mercado de Peixe São Pedro em Niterói, Rio de Janeiro – Este lugar é um paraíso para quem gosta de frutos do mar. Antes ou depois de visitar o incrível museu Oscar Niemeyer, não deixe de conhecer. O barato é comprar, por exemplo, camarões frescos no andar de baixo e pedir para algum dos bares que ficam no andar de cima preparar para você. Prove também as incríveis sardinhas fritas que os botecos do mercado fazem, hipercrocantes, entre as melhores que já comi na vida. Onde: Rua Visconde do Rio Branco, 55, Ponta d’Areia. De terça a sábado, de 6h às 15h, segundas de 6h às 12h30 e domingos de 6h às 13h.

Feira do Guará, em Brasília – Além de frutas, verduras, peixes e da melhor banca de tapioca do centro-oeste, a feira do Guará também tem roupas para adultos e crianças. É um lugar que todo turista que aparece por aqui adora conhecer. Como na capital federal tem gente de toda parte, na feira se encontram produtos nordestinos e também do Norte do país. Se você está achando difícil fazer uma receita da sua terra, lá irá encontrar os ingredientes que faltam, com certeza. E comer um dos melhores pastéis de Brasília. Único defeito: é uma feira cara. Onde: Guará II QE 25. De quarta a domingo, de 8h às 18h.

Mercado Municipal de Curitiba, Paraná  Como tudo na capital paranaense, é organizadíssimo e limpíssimo, talvez até demais, porque senti falta do barulho e agitação típicos dos mercados. Não abre cedo: o horário oficial é 7h, mas cheguei cedinho e a maioria das bancas ainda estava fechada. Tem uma variedade muito boa de grãos e, como o de Porto Alegre, muitos produtos coloniais: queijos, linguiças, frios… Onde: Avenida Sete de Setembro, 1865. De terça a sábado, de 7h às 18h; segundas de 7h às 14h; e domingos de 7h às 13h.

Mercado Central de Belo Horizonte, Minas Gerais – É outro dos meus favoritos, faço questão de ir lá toda vez que viajo à capital mineira. Para comprar todo tipo de queijo, goiabada, cachaça e linguiças artesanais e voltar para casa com o embornal cheio! No primeiro andar tem também várias lojas de artesanato. E o que é melhor: ir só para tomar uma cachacinha ou uma cerveja acompanhada dos sensacionais petiscos mineiros. Recomendo o fígado acebolado com jiló. Onde: Av. Augusto de Lima, 744, centro. De segunda a sábado, das 7h às 18h; domingos e feriados de 7 às 13h.

NO EXTERIOR

Mercado de Maravillas, em Madri, Espanha – Na Espanha eles aproveitam todas as partes do porco, até o focinho e a cara. Neste mercado, portanto, se podem encontrar todos os ingredientes para uma boa feijoada longe de casa… O legal também é que, em Madri, que os espanhóis brincam ser “o maior porto da Espanha” (sem ter porto), os mariscos e peixes podem ser comprados fresquíssimos, ainda vivos! Se estiver por lá, aconselho buscar os produtos da estação, como os aspargos ou as picotas (espécie de cereja), deliciosos. Este mercado tradicional fica um pouco afastado da área central, mas tem metrô pertinho. Fiquem atentos que fecha no horário da siesta. Onde: calle Bravo Murillo, 122 (metrô Cuatro Caminos). De segunda a sábado, das 9h às 14h e das 17h às 20h.

Mercado Central de Santiago, no Chile – Confesso que estava muito ansiosa para conhecer este mercado principalmente pelo que me falavam dos restaurantes de lá, onde se podem comer frutos do mar que não se encontram no Brasil, como centollas e um tal de picoroco. Mas achei a comida meio para turistas, cara e nem tão saborosa. Enfim, de qualquer maneira é um ponto turístico de Santiago e vale a pena conhecer. O prédio é histórico, de 1872, e bem bonito. Quem sabe vocês não têm melhor sorte do que eu com os restaurantes? Onde: calle San Pablo, 943 (metrô: Puente Cal y Canto). De segunda a domingo, de 8h às 19h.

montevideu

(Mercado del Puerto, em Montevidéu. Foto: Artigas Pessio/Intendencia de Montevideo)

Mercado del Puerto de Montevidéu, no Uruguai – É o melhor lugar para se comer uma boa carne na capital sul-americana que já possui a fama de ter a melhor carne do mundo. Tem tantos restaurantes de parrilla que eu nem me lembro de ter visto bancas de verduras ou frutas… Artesanato, sim. Para quem não come carne, também há restaurantes que oferecem massas e frutos do mar. Onde: Piedras, 237, Cidade Velha. Horários: no interior, só no almoço; fora, almoço e jantar.

Mercado Pesquero El Mosquero de La Guaira, na Venezuela – É um mercado de peixes perto do aeroporto de Caracas, portanto bem distante do centro da capital venezuelana. Mas vale muito a pena conhecer e sobretudo comer nos restaurantes que ficam do lado de fora. Eu provei um prato típico delicioso, com fama de ser afrodisíaco, a Fosforera Siete Potencia, uma espécie de sopa com sete frutos do mar! Também são famosas as empanadas de arraia. É um lugar simples, frequentado por locais, perfeito para conversar e conhecer a realidade venezuelana por eles mesmos. Onde: Maiquetía, Vargas. De terça a domingo, das 5h30 às 16h.

 

 

 

 

Publicado em

Em Rolé

0 Comente

Passar a tarde em São Tomé de Paripe, a “praia da Dilma e do Lula”

Publicado em 12 de dezembro de 2015
paripe0

(As fotos do post são minhas)

Lembram daquela praia em Salvador onde o Lula foi fotografado em 2010 carregando um isopor? Pois então, é possível ir ao mesmíssimo lugar em que também a presidenta Dilma gosta de passar as férias (a área deles é reservada por questões de segurança, claro).

A orla da praia de São Tomé de Paripe, no subúrbio soteropolitano, foi reformada pela prefeitura em outubro do ano passado e se tornou uma ótima opção de passeio, totalmente fora do roteiro manjado do turismo na capital baiana. Eu mesma nunca havia ido.

(Lula em São Tomé. Foto: Lúcio/agência A Tarde)

(Lula em São Tomé. Foto: Lúcio Távora/agência A Tarde)

Para começar, é uma praia de locais. Vê-se pouquíssima gente de fora por ali. Uma das vantagens disso é que não se cobra aluguel pelos guarda-sóis e cadeiras. Os preços das porções fartas de tira-gostos também são muito mais baixos do que em qualquer praia da “cidade alta” (Barra, Ondina, Piatã…) ou do litoral norte (Arembepe, Imbassaí, Praia do Forte…). A farta porção de pititinga frita (com farofa, vinagrete e feijão fradinho) sai por 20 reais! Uma bagatela. Recomendo ainda os caldos de sururu e polvo e o arrumadinho de carne de sol.

paripe

Os melhores dias para ir são durante a semana. Aos sábados e domingos fica muito lotado. Vale a pena enfrentar a distância: Paripe fica a cerca de 40 minutos de carro do centro da cidade. O caminho até lá é um mergulho na Salvador profunda, que não está nos cartões postais. Também é possível ir de trem até Paripe e de lá pegar um táxi até a praia. A primeira visão é deslumbrante, as águas transparentes, caribenhas. O mar é mansinho, ótimo para crianças. E é tão bom para nadar quanto o Porto da Barra.

paripe6

No passado, São Tomé do Paripe foi refúgio de famílias tradicionais que iam passar o veraneio na bucólica enseada onde ainda se podem ver casas antigas, algumas do século 19. Do cais saem barcos para passeio pelas ilhas da baía de Todos os Santos: ilha de Maré, ilha dos Frades… Baratex: 5 reais por pessoa.

paripe3

arvore

paripe2

Infelizmente, na reforma, a prefeitura de Salvador se esqueceu de colocar lixeiras na praia, e no final da tarde catamos dois sacos cheios de copos plásticos na beira do mar… Falta uma campanha de conscientização. Praia e plástico não combinam! Quando sair da praia, leve seu plástico embora!

Como estou falando da região, também não custa lembrar que a Marinha, responsável pela Base Naval de Aratu, tem sido criticada por disputar terras nas proximidades da praia com a comunidade quilombola do Rio dos Macacos desde a década de 1970. Em novembro deste ano, o Incra reconheceu 104 hectares como pertencentes ao antigo quilombo. A comunidade ainda luta para reaver seu território, que originalmente tinha mais de 900 hectares.

Assista este documentário de Josias Pires sobre a luta da comunidade do Rio dos Macacos. Atualmente, Josias está finalizando um longa-metragem sobre o mesmo tema.

 

 

Publicado em

Em Rolé

0 Comente

ACM Neto não será um bom prefeito

Publicado em 7 de novembro de 2012

Três letras em política me causam calafrios: ACM e DEM, por exemplo. Jamais votaria no neto de ACM para nada, mas ele foi eleito prefeito de Salvador, a capital da minha terra natal. Desejo sinceramente que faça um bom trabalho, não por ele, mas pelos que vivem lá. Infelizmente, não acredito que fará.

Mais uma vez, Salvador tem um prefeito eleito com um voto não de esperança num futuro melhor, mas contra o prefeito atual. Foi assim inúmeras vezes desde que, em 1988, ano do centenário da abolição da escravatura, políticos profissionais ditos “progressistas” não permitiram que Gilberto Gil se lançasse à prefeitura. Gil teria sido o primeiro negro eleito prefeito de Salvador, que até hoje não houve. Um marco, tenho certeza, sobretudo para a auto-estima dos negros soteropolitanos. A cidade só deu errado a partir dali.

Depois do não-Gil, veio o radialista Fernando José (já falecido), que se tornaria rapidamente o prefeito pior avaliado do Brasil. Lídice da Mata foi eleita em seguida contra Fernando José e, com o velho ACM fazendo-lhe oposição junto ao governo federal de então, não teve melhor destino. Antonio Imbassahi, aliado de ACM, foi eleito contra Lídice. E João Henrique ganhou contra Imbassaí. Agora, ACM Neto se elegeu contra João Henrique e o PT.

Há quanto tempo os soteropolitanos não votam porque acreditam de fato em alguém? Não sei. Estive em Salvador no final de semana da eleição. Enfurecidos com o tratamento dado pelo governo estadual (petista) aos professores e policiais grevistas, até na minha família pela primeira vez teve gente que votou no neto de ACM. Incrível como o governador Jaques Wagner, sendo um ex-sindicalista, pôde ser tão inábil: a greve dos professores durou 115 dias!

Não encontrei ninguém que dissesse: “Estou votando em fulano porque é o melhor para o Salvador”. E sim: “Voto em Neto porque não suporto Pellegrino” (o candidato do PT). Ou: “Voto em Pellegrino porque não suporto Neto”. É compreensível, mas triste, entregar o destino de uma cidade a alguém motivado pela rejeição a um ou outro candidato.

Mas ACM Neto não vai ser um bom prefeito para os soteropolitanos porque, como todos os demais, não vai mexer no que realmente importa. Sim, fará uma cidade empesteada pelo lixo, sujeira e descaso parecer “bonita” para os turistas. O Pelourinho, a reforma fake que seu avô fez no Centro Histórico, vai voltar a ficar “limpinho” e policiado, que é o que interessa a quem apenas passa pela capital baiana. Quem vive lá, porém, não vai sentir diferença alguma.

ACM Neto vai melhorar a vida dos habitantes dos bairros da periferia, onde os turistas não vão? Massaranduba, Narandiba, Sussuarana, Mussurunga, já ouviu falar? O lixo vai sair de lá também? Vai melhorar as escolas municipais? Vai colocar centros de cultura e lazer nestes bairros? Vai melhorar o transporte público nestas áreas? E os viciados em crack do centro histórico, o que vai fazer com eles? Vai tentar resolver ou agir à maneira do DEM, simplesmente “limpando” a área? Vai acabar com os “cordeiros”, jovens negros e pobres, escravizados pela indústria dos blocos de carnaval? Duvido –e gostaria de estar errada.

Até mesmo para os turistas tenho dúvidas que ACM Neto irá governar bem. Existe uma pendenga judicial em torno dos quiosques da orla marítima de Salvador, que foram retirados há mais de dois anos para serem substituídos e, até agora, nada. Como não há estrutura alguma para atender os banhistas e é proibido usar fogões na areia, quem vai à praia é teletransportado à África mais sofrida: negros com alimentos na cabeça passam a todo momento apregoando seus produtos. ACM Neto vai conseguir resolver essa pendenga e, mais do que isso, ceder os quiosques a quem já está trabalhando na praia dessa maneira?

Isso se ele não largar a prefeitura para se candidatar a governador, daqui a dois anos. Já prometeu que não, mas quem duvida? Essa é uma aposta que gostaria de perder. Salvador, no entanto, me parece uma cidade complexa demais para as soluções simplistas de um político do DEM, identificado com a desigualdade social desde a origem –e até mesmo responsável por ela, no caso de um ACM. Desafortunadamente, ainda não apareceu o político ideal para governar a capital da Bahia, em quem as pessoas votassem a favor, não contra.

Em minha opinião, o problema é que não basta alegria para ser prefeito da Cidade da Bahia. Parodiando Vinicius, seria preciso um bocado de tristeza para governar Salvador. Governar Salvador não é piada, quem governa assim não é de nada, governar Salvador é uma forma de oração. Ou devia ser.

Os barquinhos do Porto da Barra, com Itaparica ao fundo

O vendedor de picolé; atrás, a senhora que ganha a vida lavando os pés (!) dos banhistas do Porto (foto Ciro Buarim)

Como não tem quiosques, quem leva os tabuleiros na cabeça?

A linda menina que vende acarajé na praia de Jaguaribe

 

Publicado em

Em Rolé

24 Comente