Socialista Morena
Cultura

Conquistadores ou estupradores? Descobridores ou genocidas? A língua como instrumento de poder

A história da América é também uma história dos eufemismos: as palavras escolhidas para definir o que aconteceu foram importantes para forjar uma versão oficial

Hernan Cortés, o "herói" da nota de mil pesetas
Cynara Menezes
19 de maio de 2015, 21h14

Imaginem a cena: navegadores astecas chegam à Espanha, matam milhares de pessoas, sequestram e assassinam o rei, roubam todos os artefatos em ouro e prata e derretem tudo, e estupram as princesas, com as quais têm filhos. Como eles seriam chamados? Certamente “bárbaros”, “monstros”, “assassinos”. Pois foi exatamente isso que os espanhóis fizeram no México e no Peru em nome de Deus e da coroa, mas são chamados “conquistadores”, “descobridores”, “colonizadores” e até “heróis”.

A história da América é também uma história dos eufemismos, de como as palavras escolhidas para definir o que de fato aconteceu após a chegada dos europeus foram importantes para forjar uma versão oficial, mais “nobre”, de uma matança. Pinçados a dedo, estes vocábulos são a prova viva de como a história é narrada sob a ótica dos vencedores: a língua foi utilizada como instrumento de poder para subjugar todo um continente.

Hernan Cortés (1485-1547), o “conquistador da América”, protagonizou um banho de sangue no México, mas é tido como “herói” na Espanha, onde se tornou até efígie de cédula na época das pesetas. Era, na verdade, um saqueador que roubou todo o ouro dos astecas, uma civilização evoluída que conhecia inclusive a escrita. Quando entrou em Tenochtitlán, a cidade sagrada dos astecas, o primeiro que fez foi acorrentar os pés do imperador Moctezuma, o que lhe causou “não pouco espanto”, nas palavras do próprio Cortés.

Moctezuma acreditava que a chegada dos espanhóis era a concretização das profecias sobre o retorno do deus Quetzalcóatl, e não opôs resistência. Passados alguns meses, os chefes astecas foram convencidos a fazer um grande desfile com todo o povo ricamente paramentado, como era de seu costume fazer e como se estivessem a sós, sem visitantes. Foram então chacinados pelos “descobridores”.

“Começaram a cortar sem nenhuma piedade, naquela pobre gente, cabeças, pernas e braços, e a estripar, sem temor a Deus, uns partidos pela cabeça, outros cortados ao meio, outros atravessados pelas costas; uns caíam logo mortos, outros fugiam arrastando as tripas até cair. (…) E não contentes com isso os espanhóis foram atrás dos que subiram ao templo e dos que se esconderam entre os mortos, matando quantos podiam estar à mão. O pátio ficou com grande lodo de intestinos e sangue que era coisa espantosa e de grande lástima ver tratar assim a flor da nobreza mexicana que ali faleceu quase toda”, narra um cronista da época, Juan de Tovar, no Códice Ramirez.

Como se chama isso? “Conquista” ou “genocídio”? Morto Moctezuma a pedradas pelos seus próprios súditos ou a punhaladas pelos invasores (as versões variam), os espanhóis são derrotados pelos astecas em seguida. Mas Cortés e seus homens se organizam para voltar à carga. Cortam a água potável que chegava a Tenochtitlán por um inovador aqueduto e também a comida. Famintos e sedentos, os mexicas acabam derrotados em nova chacina e o último senhor asteca, Cuauhtémoc, é torturado e depois enforcado. Calcula-se que pelo menos 100 mil índios morreram durante a “conquista”; do lado inimigo, entre 50 e 100 espanhóis apenas. Um massacre.

Com Francisco Pizarro (1476-1541) no Peru não foi diferente. Chegando a Cajamarca, logrou capturar o imperador Atahualpa após este se negar a reconhecer a Bíblia (!). O inca propôs então encher de ouro e de prata o quarto onde estava preso duas vezes em troca de sua liberdade. Pizarro aceitou e recebeu o resgate (84 toneladas de ouro e 164 de prata), mas, como qualquer sequestrador sem palavra, ordenou a execução de Atahualpa, estrangulado. Os tesouros roubados pelos espanhóis do Peru foram ainda mais valiosos do que os saqueados por Cortés no México.

O mais impressionante, para mim, foi descobrir que tanto Pizarro quanto Cortés tiveram a desfaçatez de, ainda por cima, se unirem e terem filhos com as princesas dos impérios que destruíram. Os únicos filhos conhecidos de Pizarro, que chegou com 57 anos ao Peru, nasceram de duas princesas incas: a primeira, Quispe Sisa, filha do imperador Huayna Capac, e a segunda, Cuxirimay, viúva do próprio Atahualpa. Cortés engravidou três filhas de Moctezuma. Uma delas, estuprada pelo espanhol, rejeitou a criança que nasceria, Leonor Cortés de Moctezuma. Um prato cheio para Freud…

Que palavras, portanto, saem na real dessa história? “Tortura”, “assassinato”, “sequestro”, “roubo”, “estupro”, “chacina”. Nenhuma delas gloriosa. De todos os cronistas da “descoberta” da América, o único que foi honesto em nomear o que houve por seu verdadeiro nome foi o frei Bartolomeu de las Casas, que sempre falou em “tragédia”, “destruição” e “história sangrenta” em suas obras e jamais as beneficiou com qualquer adjetivo louvável.

cortesmalinche

Imagem hollywoodiana de Cortés com uma de suas mulheres índias, Marina, a Malinche

Para o linguista Marcos Bagno, professor de Línguas Estrangeiras e Tradução da Universidade de Brasília, o melhor termo para definir a chegada dos europeus a nosso continente é “invasão”. Eu conversei com ele sobre o tema.

Socialista Morena – Falar em “colonização”, “conquista” ou “descobrimento” não é uma forma de edulcorar o que foi feito na América pelos europeus?

Marcos Bagno – Sem dúvida. O discurso da História oficial é o discurso do vencedor. Por exemplo, quando estudamos a História do Brasil, falamos das “invasões” holandesas e francesas, mas nunca da “invasão” portuguesa. O termo “colonização” é o mais sincero, porque significa exatamente instalar-se nas terras dos outros, povoá-la e subjugar os outros, os donos da terra.

SM – Se você tivesse que escolher palavras para definir a chegada dos europeus à América, quais escolheria?

MB – Eu sempre me refiro à chegada dos europeus no continente americano como “invasão”. O termo “descobrimento” é absurdo, porque sugere que até então aquelas terras eram “ocultas” ou “desconhecidas”. Repito: a narrativa é sempre a do vencedor. Os seres humanos que aqui viviam anteriormente são considerados como de segunda categoria. Somente com a chegada dos europeus é que começou uma verdadeira “civilização” digna desse nome. Todo o passado dos povos americanos ancestrais é apagado, sua história é riscada, assim como foram riscados da vida milhões de indivíduos, massacrados no grande genocídio que foi a “conquista da América”.

SM – Há um movimento na África do Sul atualmente de “descolonização”, ou seja, questionar personagens tidos como “heróis” mas que eram todo o contrário, assim como ocorre com os bandeirantes aqui. Seria também possível descolonizar a linguagem?

MB – Existem diversas áreas dos estudos da linguagem que se dedicam precisamente a questionar e a criticar o discurso que impõe a ideologia dominante como a única possível. A análise do discurso, a sociologia da linguagem, a linguística aplicada crítica, por exemplo, se esforçam em demonstrar que não existe linguagem neutra, que todo e qualquer uso da língua implica uma visão de mundo. Descolonizar a linguagem é possível, tanto quanto desmasculinizar a linguagem.

SM  Como, em sua opinião, o poder se utiliza da língua para dominar?

MB – Historicamente, o poder simplesmente se valeu da repressão pura e simples, do genocídio, para impor sua língua e, com ela, suas crenças e seus valores. As “conquistas” dos romanos, por exemplo, apagaram da História centenas de povos que viviam na Europa ocidental e dos quais hoje só temos vagas referências. E as línguas desses povos também desapareceram para sempre, muitas delas sem deixar nenhum vestígio. No período moderno, na chamada expansão marítima, as línguas dos europeus foram impostas aos povos africanos, americanos e asiáticos submetidos ao controle das potências coloniais. Hoje em dia, o predomínio quase exclusivo do inglês como língua internacional reflete o poderio econômico-político-militar-ideológico dos Estados Unidos. No interior de cada país, de cada sociedade, há também uma nítida divisão social por meio da linguagem: o estabelecimento de uma “norma-padrão”, inspirado nos usos das elites e da literatura consagrada, é um modo de separar os que “falam bem” dos que “falam mal” ou que simplesmente “não podem falar”. A linguagem como instrumento de poder é um fenômeno tão antigo quanto a espécie humana.

SM  Todo este pensamento “dominante” a partir do idioma está impregnado nas escolas e universidades. É possível mudar isso?

MB – Muito dificilmente essa situação se transforma. Só mesmo quando há alguma revolução social, alguma perturbação radical da ordem estabelecida, é que os conceitos de “certo” e “errado” se alteram. Pierre Bourdieu diz que só é possível haver uma “subversão herética”, isto é, uma derrubada da doxa vigente e uma substituição de uma “língua legítima” por outra quando há também uma transformação radical na sociedade. De todo modo, nas escolas e universidades é possível questionar o discurso dominante e propor pelo menos uma crítica dele.

SM  Em que setores da sociedade também se nota o uso da língua como instrumento de poder?

MB – Em toda a sociedade, o tempo todo. Nas relações mais íntimas, por exemplo, entre o poder masculino e o não-poder feminino, a linguagem é instrumentalizada para definir os papéis e as hierarquias. Assim também nas relações entre as etnias, as classes sociais, as faixas etárias etc. A sociedade é hierarquizada e não se pode separar linguagem de sociedade.

pizarrolima

A estátua do “herói” Pizarro na Plaza Mayor em Lima

***

O mais lamentável dessa história toda é quando a gente se dá conta de quanto conhecimento fomos privados por conta da devastação proporcionada em nosso continente pelos “conquistadores”… Menos mal que no México, país orgulhoso de suas raízes indígenas, não há um só monumento a Cortés, ao contrário do Peru: na praça principal de Lima há uma estátua de Francisco Pizarro e seus restos mortais estão depositados na catedral da capital peruana. Igualzinho ao que nós fazemos com os bandeirantes. A propósito, o adjetivo para definir os bandeirantes é sanguinários, não “heróicos”.

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(2) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Leonardo Farah em 06/05/2019 - 17h21 comentou:

Olha vamos por parte. A Conquista dos Astecas também por acaso e astúcia de Cortéz. Falar de “aceitação” do povo Asteca ou “sujeição” “presságios”. Ora desde que Cortéz chegou na América Central (1519) passou por diversos combates até a conquista de Tenochtitlán (1521). A ideia de “cumprimento de profecias” é uma tese criada pelo clero espanhol colonial, escrito muitos anos após a Conquista com objetivo de pacificar o índio. Ora… Montezuma recebia relatórios diários sobre Cortéz e foi aconselhado a enviar Emissários até Cortéz com o objetivo de ir a uma cidade aliada dos Astecas para lutar com os espanhóis. Houveram diversos acasos na História da Conquista, sem precisar de uma explicação marxista:

1o – O território onde é o México atual tinha diversas nações, diversas tribos a mais importante era dos Astecas, e havia duas línguas predominantes: o nauatle (asteca) e o Maia. Cortéz usou a desunião do povo para conquistar os Astecas. Neste ambiente Quando Cortez chega em Iucatã entra em guerra com os índios locais e depois a paz é firmada, em troca, Cortéz ganha diversas escravas, uma delas é Malinche (sem ela a conquista não seria possível e Malinche não era fã dos Astecas – pois a garota falava a língua asteca e a língua Maia – ela era a tradutora) – isso ai é um golpe de sorte. Sem Malinche não havia Conquista.
2o – Cortéz ao longo de sua jornada fez aliança com os inimigos mortais dos Astecas, os Tlaxcalanos. Com essa união, ele teria: suprimentos, soldados e armas.
3o – Desde o início, Montezuma II queria atrair Cortéz para a cidade (Choulula) para poder matá-lo. Os Astecas sabiam que combater em campo aberto com os espanhóis eles iriam ser prejudicados.
4o – Os Tlaxcalanos olhavam pra seu próprio umbigo, da mesma forma que os espanhóis faziam. Os líderes dos talxcalanos (Xicohtencatl II) desejavam sentar-se no trono de Montezuma (rei Asteca), e é claro, que desde o início Xicohtencatl II se opôs aos espanhóis. Quando os espanhóis conseguiram o controle de Tenochtitlán e fazer seu rei prisioneiro (Cauthemoc), Cortéz não iria precisar mais de Xicohtencatl II e inventou um motivo para assassiná-lo.
5o – a proliferação de doenças infecciosas (Varíola e o Tifo). A proliferação de qualquer doença é aleatória, não há como prevenir estando numa época sem controle rigoroso ou quarentena. Em 1519 (chegada dos espanhóis – o território Asteca contava com 25 milhões de habitantes) até 1550 (início da Guerra dos Chichimecas – havia 6 milhões de habitantes) morreram aproximadamente, 19 milhões de índios em 40 anos – isso ai é The Walking Dead sem zumbi – toda estrutura social, econômica, política deixada pelos Astecas desapareceu em menos de 10 anos. Imagina o que aconteceria com nossa civilização se isso acontecesse?
6o – Os espanhóis não tinham “munição infinita” e eles sabiam disso. Assim, os espanhóis usaram seus aliados (Tlaxcalanos) para lutar contra os Astecas, enquanto os espanhóis ficavam na retaguarda dando cobertura usando canhões e mosquete.
7o – o que aconteceu com os Astecas pode acontecer novamente. Ora… A inversão do campo eletromagnético da Terra (que já se perdeu 30%) isso mexe nas migrações de baleias, aves e conosco (mexe com GPS e os satélite que iriam pifar) e voltaríamos a Idade Média. Outra. Uma epidemia de larga escala. Uma super erupção solar a cada 100 anos, ocorresse iria dar tilt (satélites, bombas de gasolina, luz elétrica, celular, tudo que é elétrico não iria funcionar – e nós iríamos retornar a normalidade depois de uns 50 anos, ou não e aí voltaríamos a Idade média). E é claro, o supervulcão e a falha de Saint Andreas (Califórnia) poderia causar um mega-tsunami ao longo da costa do pacífico. Ou uma erupção vulcânica bem pequena nas Ilha Canárias no Atlântico Norte poderia causar um tsunami que atingiria o Brasil, desde o Rio Grande do Norte até Santa Catarina. Resumindo, nem tudo é luta de classes, assim como, nem tudo é acaso, mas ele existe na história, basta pessoa aproveitá-lo.

Responder

Monique em 22/05/2019 - 14h30 comentou:

Leonardo, só por desencargo de consciência… quais são as suas fontes?

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Direitos Humanos

Acampamento Terra Livre, por Rogério Assis


O fotógrafo paraense Rogério Assis é um especialista em fotografar índios. Iniciou a vida profissional documentando etnias indígenas para o Museu Emílio Goeldi, em Belém, e foi o primeiro fotógrafo a ter contato com os Zo’é,…

Direitos Humanos

Brasil tem mais queixas na Comissão Interamericana de DH do que a Venezuela


Segundo Sandra Carvalho, diretora da organização não-governamental Justiça Global, aumento "é representativo do momento que o país vem atravessando"