Socialista Morena
Politik

A surreal história de um “JD” que serviu para atingir dois petistas ao mesmo tempo

Em fevereiro deste ano, os principais jornais do país noticiaram que José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil do governo Lula, teria recebido 48 milhões de reais da Odebrecht entre 2009 e 2010. A fonte da informação eram os investigadores da Polícia Federal na operação Lava-Jato, que afirmavam corresponder a Dirceu a sigla JD, citada quatro […]

Cynara Menezes
29 de setembro de 2016, 21h06
jnjd

(Notícia no Jornal Nacional associando a sigla JD a José Dirceu, em fevereiro)

Em fevereiro deste ano, os principais jornais do país noticiaram que José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil do governo Lula, teria recebido 48 milhões de reais da Odebrecht entre 2009 e 2010. A fonte da informação eram os investigadores da Polícia Federal na operação Lava-Jato, que afirmavam corresponder a Dirceu a sigla JD, citada quatro vezes na planilha da empreiteira abaixo dos anos de 2009 e 2010 e ao lado de valores que somavam R$ 48 milhões. A tese, então, era de que Dirceu teria recebido dinheiro da Odebrecht ilegalmente e repassado ao PT.

Esta semana, porém, a PF disse que “errou” e que a sigla JD não corresponderia a José Dirceu, mas a Juscelino Antonio Dourado, ex-chefe de gabinete de Antonio Palocci; ambos foram presos na segunda-feira 26. Trata-se de uma “correção” que vem a calhar, porque Palocci, segundo o próprio juiz Sergio Moro, foi preso sem provas. O ex-deputado e ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil é acusado de receber propina da Odebrecht, mas, como não foram encontradas provas, Palocci ficará preso para que elas apareçam, ou “enquanto não houver tal identificação”, nas palavras de Moro. Associá-lo ao JD da planilha é, portanto, uma mão na roda para a tese dos investigadores.

A tese agora é que Palocci, o “italiano”, recebia propina da Odebrecht (“via JD”?) para atuar pela empreiteira no governo federal e no Congresso Nacional. Tanto Palocci quanto Dourado e ainda Branislav Kontik, outro assessor do ex-ministro, se queixaram, por meio de seus advogados, que as prisões foram “arbitrárias” e “autoritárias”.

vejajd

Como o cidadão brasileiro pode acreditar neste imbróglio todo? Como saber se a mesma PF que se equivocou antes com a sigla JD está correta agora? Aliás, isso é investigação ou palpite? Fica difícil de acreditar na eficiência de uma polícia que confunde personagens sempre do mesmo partido, o PT, claro. Sem contar que a diferença da “notícia” envolvendo Dirceu e da “correção” feita pela PF é brutal: a acusação contra Dirceu saiu, por exemplo, com destaque no Jornal Nacional da Globo; a retificação foi feita en passant, no meio do noticiário.

Imaginem: uma mera sigla numa planilha foi usada para atingir dois petistas ao mesmo tempo. José Dirceu já está preso e condenado. Palocci está preso apenas temporariamente. Curioso é que, em relação a políticos de outros partidos, citados nominalmente na lista da Odebrecht, não é expedida nem uma mísera ordem de prisão. E nem precisa de chute, ops, investigação para saber de quem se tratam.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Justiça morosa, justiceiros a jato (mas só em relação a Lula)


A justiça brasileira, campeã em lentidão, bate recorde de celeridade e marca para janeiro o julgamento do líder de todas as pesquisas

Politik

Juiz proíbe Universidade do Recôncavo de dar título de “doutor honoris causa” a Lula


Mais um capítulo da perseguição judicial a Lula: acionado pelo DEM, juiz da Bahia tenta impedir o ex-presidente de receber título em universidade que ele mesmo inaugurou