Socialista Morena
Feminismo

Ao votar pela reforma da Previdência, Tabata se alinhou ao “feminismo do 1%”

Precisamos de mulheres na política, sim, mas de mulheres que representem e defendam os interesses da classe trabalhadora

Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Maíra Miranda
15 de julho de 2019, 16h52

O nome de Tabata Amaral, jovem deputada federal oriunda da periferia de São Paulo e que chegou a Harvard, se fez gigante logo nos primeiros dias do governo Bolsonaro, em que a aplaudimos em embates memoráveis, como aquele com Ricardo Vélez Rodrigues que iniciaria seu processo de saída do ministério da Educação. A pasta é a principal preocupação da deputada, que se define como ativista pela educação.

O argumento da juventude, porém, não serve como justificativa para as escolhas que Tabata tem feito desde então. Como mulheres, estamos cientes do caráter imprescindível do feminismo nos dias atuais, bem como a urgência de ampliar a representatividade feminina em um campo marcado pela presença masculina como a política. Não é fácil proferir críticas a uma mulher parlamentar com uma trajetória como a de Tabata, que “venceu na vida” depois de enfrentar dificuldades da infância pobre. Sim, não podemos tirar o mérito de Tabata.

Não podemos tirar o mérito de Tabata, mas, enquanto progressistas, é necessário pontuar que precisamos de parlamentares mulheres que defendam os direitos da classe trabalhadora, aliás a classe de origem dela

Mas, enquanto progressistas, é necessário pontuar que precisamos de parlamentares mulheres que defendam os direitos da classe trabalhadora, aliás a classe de origem dela. No vídeo no twitter em que justificava o voto, Tabata diz que ser de esquerda não pode significar ser contra um projeto que torna o Brasil “mais inclusivo e mais desenvolvido”, quando é justamente o contrário. Quando Tabata diz “sim” à reforma da Previdência, diz “não” à classe trabalhadora, já que a reforma irá prejudicar sobretudo os mais pobres.

“Não podemos deixar que o medo da ultradireita nos leve ao feminismo liberal”, disse Nancy Fraser em alguns dias depois do lançamento no Brasil e em oito países do manifesto Feminismo para os 99%, em 8 de março deste ano.

O manifesto foi elaborado por três nomes do feminismo atual. Além de Fraser (filósofa política, intelectual e feminista estadunidense e professora da New School for Social Research), Cinzia Arruzza, feminista italiana, também professora da New School of Social Research e autora do livro  Marxismo e feminismo — Entre Casamentos e divórcios, e Tithi Bhattacharya, professora de História do Sul da Ásia e Diretora do Centro de Estudos Globais na Universidade de Purdue (EUA), feminista marxista e uma das organizadoras da Greve Internacional de Mulheres nos Estados Unidos, além de ativista da causa palestina.

No manifesto lançado em março, as autoras criticam o “feminismo do 1%”, defendido por personalidades como Sheryl Sandberg, diretora do facebook, mas que enxerga o feminismo, na verdade, como mero serviçal do capitalismo

A edição brasileira do livro vem com prefácio emocionante da deputada Talíria Petrone, que homenageia Carolina Maria de Jesus, escritora negra, pobre e favelada e nome fundamental da literatura brasileira, mas pouco estudada, “e sua resistência silenciada”. Talíria finaliza o prefácio lembrando Marielle Franco e seu ativismo na causa feminista.

No livro, as autoras criticam o “feminismo do 1%”, o feminismo que impulsiona mulheres no mercado de trabalho a “fazer acontecer”, defendido por personalidades como Sheryl Sandberg, diretora de operações do facebook, mas que enxerga o feminismo, na verdade, como mero serviçal do capitalismo. “Querem um mundo onde a tarefa de administrar a exploração no local de trabalho e a opressão no todo seja compartilhada igualmente por homens e mulheres da classe dominante”, dizem as autoras.

“Embora condene a ‘discriminação’ e defenda a ‘liberdade de escolha’, o feminismo liberal se recusa firmemente a tratar das restrições socioeconômicas que tornam a liberdade e o empoderamento impossíveis para a ampla maioria das mulheres. Seu verdadeiro objetivo não é a igualdade e sim a meritocracia. Em vez de buscar abolir a hierarquia social, visa a ‘diversificá-la’, ‘empoderando’ mulheres ‘talentosas’ para ascender ao topo”, diz um trecho do manifesto.

“Não podemos deixar que o medo da ultradireita nos leve ao feminismo liberal”, disse Nancy Fraser, uma das autoras do manifesto Feminismo para os 99%. “O feminismo para os 99% não é apenas antineoliberal, mas também anticapitalista”

Com o Feminismo para os 99%, as autoras propõem um feminismo mais abrangente, que alcance todas as classes e que lute por justiça social. “O feminismo para os 99% abarca a luta de classes e combate o racismo institucional. Concentra os interesse das mulheres da classe trabalhadora de todos os tipos: racializadas, migrantes ou brancas; cis, trans ou não alinhadas à conformidade de gênero; que se ocupam da casa ou são trabalhadoras sexuais; remuneradas por hora, semana, mês ou nunca remuneradas; subempregadas; jovens ou idosas. Incondicionalmente internacionalista, esse feminismo se opõe firmemente ao imperialismo e à guerra. O feminismo para os 99% não é apenas antineoliberal, mas também anticapitalista.”

Precisamos sim de mulheres na política. A presença de Tabata na Câmara fortalece a democracia quando oferece esse espaço de representatividade, mas a enfraquece quando a deputada opta por um caminho que contribui com a opressão da classes trabalhadora em vez de lutar por ela.

 


(3) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

João Marcos Florênça em 15/07/2019 - 18h21 comentou:

Qual a diferença entre a Tabata Amaral e a Joyce Hasselman? O partido.

Responder

Evaldo em 26/08/2019 - 14h51 comentou:

As críticas são infundadas! A Deputada agiu pelo que acredita e ao que parece não desfruta da mesma visão feminista defendida no texto. A previdência, da forma como está, não é sustentável. Isso é fato. Por outro lado, tem sido mais fácil criticar as propostas a apresentar uma que convença a população. A esquerda defende a liberdade de escolha, a democracia, mas na prática repudia e age com a mesma intolerância aos que discordam dos seus preceitos. Falta pouco a expulsarem do partido! Tomara que não! Não obstante ser jovem, vem demonstrando muita sabedoria e coragem. Sucesso para ela!

Responder

Luci Cléa Soalheiro em 10/10/2019 - 17h27 comentou:

A jovem deputada é uma mala, e o trouxa do Ciro Gomes pensou que ela era outra coisa.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Violência doméstica mata cinco mulheres por hora no mundo


Da ActionAid: Cinco mulheres são mortas a cada hora no mundo por um parceiro ou parente, de acordo com um relatório divulgado pela ActionAid. Para ler o relatório completo, clique aqui. Os dados são resultado de uma…

Feminismo

Companheira de presidente eleito do México considera termo “primeira-dama” classista


Beatriz Gutiérrez pede que a chamem "Beatriz, nada mais"; presidente eleito anunciou gabinete metade masculino, metade feminino