Socialista Morena
Politik

Barroso acusa Gilmar de ser “parceiro da leniência” com o crime de colarinho branco

Foi um barraco hoje no Supremo Tribunal Federal: Luís Roberto Barroso chamou Gilmar Mendes de mentiroso e de julgar movido pelo ódio e pelo compadrio

Fotos de Carlos Moura e Rosinei Coutinho/SCO/STF
Da Redação
26 de outubro de 2017, 20h33

Foi um barraco hoje no Supremo Tribunal Federal. O ministro Luís Roberto Barroso fez críticas duríssimas a seu colega Gilmar Mendes diante das câmeras da TV Justiça. Chamou Gilmar de mentiroso, de julgar movido pelo ódio e pelo compadrio, e de ser leniente com os crimes de colarinho branco. “Nós prendemos, tem gente que solta”, alfinetou Barroso, em referência ao habeas corpus concedido por Gilmar Mendes ao empresário do ônibus do Rio de Janeiro Jacob Barata, de cuja filha foi padrinho de casamento.

Não transfira para mim essa parceria que Vossa Excelência tem com a leniência em relação à criminalidade do colarinho branco

Em resposta ao desafeto, Gilmar disse que Barroso “mandou soltar José Dirceu”, quando na verdade o ministro perdoou a pena com base no indulto natalino da presidência da República, mas o ex-ministro continuou preso, porque havia sido condenado pela Lava-Jato. “É mentira. Aliás, Vossa Excelência normalmente não trabalha com a verdade”, disse, em direção a Gilmar. Barata ficou preso menos de um mês, enquanto Dirceu cumpriu pena de três anos.

“Vossa Excelência tá queixoso porque perdeu o caso dos precatórios. Deveria ouvir a nova música do Chico Buarque: ‘a raiva é filha do medo e mãe da covardia’. Vossa Excelência fica destilando ódio o tempo inteiro, não julga, não fala coisas racionais, articuladas. Use um argumento”, disparou Barroso. “José Dirceu permaneceu preso sob minha jurisdição. Ele cumpriu a pena e foi solto por indulto, mas mesmo assim permaneceu preso. Não transfira para mim essa parceria que Vossa Excelência tem com a leniência em relação à criminalidade do colarinho branco”, disse.

Ao rebater as declarações de Barroso, Gilmar Mendes afirmou não ser “advogado de bandidos internacionais”, em referência ao trabalho do ministro como defensor do ex-ativista italiano Cesare Battisti, antes de ser nomeado ao STF. Na tréplica, Barroso disse a Gilmar: “Vossa Excelência vai mudando a jurisprudência de acordo com o réu. Isso não é Estado de Direito, isso é Estado de compadrio. Juiz não pode ter correligionário”, concluiu.

O bate-boca só terminou quando Cármen Lúcia lembrou aos colegas que estavam “no plenário de um Supremo Tribunal” e que deveriam retomar o caso em julgamento, a decisão da  Assembleia Legislativa do Ceará que extinguiu os tribunais de contas dos municípios do Estado. Os ministros mantiveram a decisão da Assembleia.

Com informações da Agência Brasil

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(3) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Orlando em 27/10/2017 - 13h55 comentou:

Lindo, maravilhoso supimpa… Parabéns ministro Barroso, Gilmar Mendes devia esquecer o PSDB e legislar para quem paga o salário dele. O Povo brasileiro!!!

Responder

Sergio em 30/10/2017 - 16h44 comentou:

Gilmar Mendes desempata e STF decide soltar José Dirceu. Sob tentativa de pressão do MPF, ministros da 2ª Turma do Supremo decidem por três votos a dois pela soltura do ex-ministro de Lula (Fonte: Carta Capital). De um lado ou de outro, muito polêmico!

Responder

Yorkshire Tea em 30/10/2017 - 17h23 comentou:

É o roto falando do rasgado. Barroso é PIOR do que Gilmar Mendes, pois é um golpista calhorda dissimulado que defende o poder sem voto (a juristocracia) contra o poder com voto (o parlamento). Gilmar Mendes pode ter todos os defeitos do mundo (e os tem de sobra), mas, neste caso (do Aécio), ele está certo, ainda que pelos motivos errados.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Trabalho

Corporativismo da classe médica é derrotado pelo programa Mais Médicos no STF


O Supremo recusou, por maioria, ação da Associação Médica Brasileira que visava acabar com o programa criado pela presidenta Dilma Rousseff

Politik

Eduardo Cunha, o boi de piranha mais suculento da República


A celebração pela prisão de Eduardo Cunha foi chocha diante do regozijo dos articulistas da imprensa chapa-branca em “provar” aos críticos da Lava-Jato que a operação “não é seletiva” nem tem como alvo apenas petistas,…