Socialista Morena
Politik

Cadê as Forças Armadas para proteger o Brasil da insanidade de Bolsonaro?

Ah, já sei: estão do lado do insano que nos governa, em vez de estar do lado do país que juraram defender

Bolsonaro e Carla Zambelli em Florianópolis. Foto: Alan Santos/PR
Cynara Menezes
11 de agosto de 2021, 10h18

“Não fazemos juramento a indivíduos”, disse o chefe do Estado Maior das Forças Armadas dos Estados Unidos, Mark Milley, diante da insistência do então presidente Donald Trump de não aceitar o resultado das eleições que perdeu para Joe Biden, em novembro do ano passado. “Não fazemos juramento a um rei ou rainha, a um tirano ou a um ditador. Não fazemos juramento a um país, a uma tribo ou religião. Fazemos um juramento à Constituição.”

Bolsonaro submeteu nosso país ao vexame internacional, colocando equipamentos sucateados para desfilar na Esplanada com o intuito de intimidar o Congresso. Por um capricho golpista, Bolsonaro expôs as Forças Armadas brasileiras a uma vergonha histórica. Por que não reagem?

No Brasil, o mais importante e significativo compromisso dos militares é o juramento à bandeira, onde deixam claro que sua missão é defender a Pátria e não o presidente aboletado no Planalto. “Prometo dedicar-me inteiramente ao serviço da Pátria, cuja honra, integridade e instituições defenderei com o sacrifício da própria vida”, diz o juramento, que é feito diante do pavilhão verde e amarelo desde a época de recruta até o oficialato.

Nesta terça-feira, 10 de agosto, o presidente Jair Bolsonaro submeteu nosso país ao vexame internacional, colocando uma fileira de equipamentos militares sucateados para desfilar na Esplanada com o intuito de intimidar o Congresso Nacional no dia da apreciação em plenário do projeto do voto impresso (que foi derrotada). Por um capricho golpista, Bolsonaro expôs as Forças Armadas brasileiras a uma vergonha histórica, com tanques da década de 1970 soltando fumaça diante do Palácio do Planalto –e sendo que não temos nenhum inimigo externo que demandasse uma demonstração de “força”.

Bolsonaro tem governado o país de forma indubitavelmente desastrosa. Desde a gestão ambiental criminosa até o combate à pandemia que não houve, todas as decisões que tomou foram danosas ao país, ao erário, à economia e à nossa imagem no mundo. É responsável direto pelas quase 600 mil mortes por Covid-19 no Brasil. Ao nomear militares para cargos antes ocupados por civis na Saúde, arrastou as Forças Armadas para o seu lamaçal de milicianismo, negacionismo e corrupção.

Ao contrário dos militares dos EUA, a trincheira dos militares brasileiros é a defesa de Bolsonaro, não do país. Deveriam, por coerência, mudar o juramento à bandeira, onde prometem defender o Brasil com a própria vida e parar de se autodenominarem “patriotas”

E isso teve um preço: uma pesquisa divulgada em junho mostra que a confiança dos brasileiros nos militares caiu 12 pontos percentuais desde que o governo começou e está em queda livre. Nos bastidores, generais reconhecem o impacto negativo do bolsonarismo na farda e encomendam pesquisa para conhecer o tamanho do buraco que cavaram com as próprias mãos.

O que nos leva a perguntar: cadê as Forças Armadas para proteger a nação da insanidade de Bolsonaro? A resposta a gente já sabe: estão do mesmo lado do insano que nos governa, em vez de estar do lado do país que juraram defender. A trincheira dos militares é a defesa de Bolsonaro, não do Brasil. Deveriam, por coerência, mudar o juramento à bandeira e parar de se autodenominarem “patriotas”.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(4) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

PAULO ROBERTO MARTINS em 11/08/2021 - 15h39 comentou:

Tal qual o exército alemão ,que jurava obediência até à morte para Hitler,o nefasto exército brasileiro falta pouco para jurar lealdade ao patético e palhaço Bozo,até a morte.Nós é que sustentamos toda esta sucata velha,este lixo soltando óleo queimado,semelhante às idéias dos velhos caducos e asquerosos do Clube Militar e do generalato gorila.Pobre Brasil! Pobre povo abestalhado!

Responder

Bernardo Santos Melo em 16/08/2021 - 00h39 comentou:

GENÔ o mutante , ressurgirá como GENI , e as pedras arremessadas crescerão .
Em desabalado impulso golpista com sua frota movida à lenha , o fumacê escondeu Genô , ao ressurgir como cachorro sem dentes, latindo e sangrando todos constataram , é a GENI sendo apedrejada !
De repente surge um defensor , com vozeirão e porte avantajado porém velho , cafona e sem noção . Experiente em tombos nos palcos , eis que o escudeiro Sérgio Reis surge como um cometa para apoiar GENI e parar o Brasil.
Bravateiro admitiu erroneamente que os caminhoneiros cairiam na cantilena do esposo da Micheque ,àquele sujeito que terceirizou ao Tchuca a desgovernança econômica de um Brasil rumo ao caos social ,digno de uma sexta-feira treze do mês de agosto .
Mas ainda há ESPERANÇA , XANDÃO possui muitas pedras para arremessar em GENI até o tombo final . OREMOS !

Responder

Verônica Maria Santos de Souza em 18/08/2021 - 16h15 comentou:

Belo texto… Curto e completo. Milagrosa ressureição de Geni !!!… Parabéns !!! Que não falte pedras… Geni, merece.

Responder

Verônica Maria Santos de Souza em 18/08/2021 - 16h24 comentou:

Obrigada.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Kapital

Correios privatizados no mundo não melhoraram prazo de entrega e ficaram mais caros


Projeto de Bolsonaro de privatizar Correios copia ideia de Trump; lá, os trabalhadores do serviço postal já se mobilizam contra

Politik

2019, o ano em que meus piores pesadelos se concretizaram (e foi só o…


Não vejo perspectivas de que tenhamos um "feliz ano novo"; me agarro às alegrias pessoais e sugiro que façam o mesmo