Socialista Morena
Cultura

Carta Aberta da Fundação Darcy Ribeiro sobre a Aldeia Maracanã

Reproduzo abaixo a carta aberta da Fundação Darcy Ribeiro, que atuou como interlocutora no processo, sobre a desocupação do Museu do Índio, no Rio. Darcy foi o idealizador do museu que agora querem derrubar. “Em todos os lugares do mundo, as cidades cultuam seus monumentos, seus lugares de memória. Constroem-se equipamentos sociais como forma de […]

Cynara Menezes
24 de março de 2013, 17h32

(Índios durante a desocupação, na sexta-feira, 22 de março. Foto: Vanderlei Almeida/AFP)

Reproduzo abaixo a carta aberta da Fundação Darcy Ribeiro, que atuou como interlocutora no processo, sobre a desocupação do Museu do Índio, no Rio. Darcy foi o idealizador do museu que agora querem derrubar. “Em todos os lugares do mundo, as cidades cultuam seus monumentos, seus lugares de memória. Constroem-se equipamentos sociais como forma de valorizar a história e a cultura de seu povo. No Rio de Janeiro, o governo do Estado trabalha na contramão, desconstruindo”, critica o presidente da Fundação.

***

Por Paulo Ribeiro
Presidente da Fundação Darcy Ribeiro

A Fundação Darcy Ribeiro vem publicamente expressar o seu repúdio sobre a decisão do governo do Estado do Rio de Janeiro de interromper abruptamente o diálogo e as negociações, expulsando as diversas etnias que ocupam, há anos, o prédio do antigo Museu do Índio, conhecido popularmente por Aldeia Maracanã.

A Fundação Darcy Ribeiro foi convidada pelas lideranças que ocupam a Aldeia Maracanã para participar do processo como interlocutora qualificada junto ao Estado.

Temos, desde então, mantido contato permanente junto às lideranças das diversas etnias que habitam e circulam pela Aldeia Maracanã e com a Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos no sentido de apresentarmos soluções consensuais para a destinação do prédio e acolhimento dos seus moradores.

É importante salientar que a participação da Fundar no litígio tem como princípio preservar a memória e a luta do professor Darcy e do Marechal Rondon, que em 1910 implantou ali o Serviço de Proteção aos Índios-SPI, atual Fundação Nacional do Índio- Funai, e em 1953, junto com Darcy, o Museu do Índio, reconhecido pela Unesco, como o primeiro museu do mundo a combater o preconceito e a discriminação étnica.

Por isso, causa-nos estarrecimento a ausência, em todos os momentos, da Funai, instituição que tem entre as suas atribuições, defender a causa indígena e ser representante de seus legítimos anseios. Assim também a visão do governo do Estado, que reconhece o grupo apenas como aqueles que devem ser transferidos, deslocados de um lugar para outro, e não como um grupo étnico diferenciado que reivindica não apenas o abrigo, mas, sobretudo, espaço apropriado para expressar e difundir sua cultura.

A proposta apresentada pela Comissão, composta pelas lideranças indígenas e a Fundação Darcy Ribeiro, era a de se construir um Centro de Referência Indígena no local, capaz de contemplar a história dos mais diversos grupos brasileiros, com exposição de cultura material e imaterial, servindo também como espaço para que eles pudessem se organizar, discutir e pensar coletivamente seus problemas e potencialidades.

Ao longo do processo fomos informados sobre os possíveis locais para a instalação do grupo, sempre de forma genérica nas “cercanias” da Aldeia Maracanã. Somente na quinta-feira desta semana objetivou-se, por fim, um local próximo à Quinta da Boa Vista e outras duas opções, notícia que provocou positiva expectativa no grupo. Os índios gostariam de conhecer os locais, visitá-los. No entanto, o governo do Estado, ao invés de viabilizar essas visitas, que poderiam levar a um acordo amigável, inflexibilizou o prazo de desocupação e, preferiu, unilateralmente, encerrar o diálogo, acionando a força policial.

Em todos os lugares do mundo, as cidades cultuam seus monumentos, seus lugares de memória. Constroem-se equipamentos sociais como forma de valorizar a história e a cultura de seu povo. No Rio de Janeiro, o governo do Estado trabalha na contramão, desconstruindo, tentando apagar aquilo que um dia serviu de modelo ao mundo pelas mãos do professor Darcy Ribeiro.



Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(8) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Renato em 24/03/2013 - 18h08 comentou:

Um grande Viva ao grande Darcy Ribeiro, cujas ideias, preservadas e mobilizadas pela Fundação, acentuam ainda mais a pequenez de alguns outros.

Responder

JOice Mendonça Silva em 24/03/2013 - 20h44 comentou:

Em meu entendimento, querem acabar com nossa "Identidade Nacional", (se podemos assim dizer). Já vivemos em uma sociedade permeada da valorização da Cultura do "outro", onde os valores se vão….. E com essa demosntração…… se vão mesmo…..

Responder

Luis em 24/03/2013 - 20h51 comentou:

Cabral é um vermícula.

Responder

miro ouriques em 24/03/2013 - 22h57 comentou:

Talvez esse Governo truculento desconheça a história a dos primeiros habitantes e a importância de difundir sua cultura.

Responder

Camila em 25/03/2013 - 16h51 comentou:

A Aldeia Maracanã do Cabral é o Xingu da Dilma.

Responder

Ton Israel em 30/03/2013 - 19h59 comentou:

E quem termina ditando o direito à memória é o Estado mesmo. Aí entra o que acha mais conveniente. A memória dos povos indígenas é a pedra no sapado dele.

Responder

nilton de souza em 04/10/2013 - 13h56 comentou:

itapebA

Responder

NILTON DE SOUZA em 04/10/2013 - 13h57 comentou:

CORDEIRINHO MORAVA DARCY RIBEIRO

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

Darcy Ribeiro, o melhor presidente que o Brasil nunca teve


“Como é que uma nação pode perder o amor por suas crianças? Como elas podem estar soltas no mundo, abandonadas? O Brasil não tem um bezerro abandonado, um cabrito. Um frango qualquer que você encontra,…

Direitos Humanos

A mais terrível de nossas heranças – Darcy Ribeiro


Darcy ajuda a entender a importância das cotas, das políticas de ação afirmativa, para reparar uma injustiça histórica