Socialista Morena
Politik

Com o DEM, com tudo: a aliança que Ciro está costurando contradiz suas críticas ao PT

O pedetista costumava atacar Lula e os petistas por se unirem ao PMDB, mas faz o mesmo agora ao se associar ao partido de José Agripino e Caiado

Ciro Gomes em debate em 2018. Foto: André Carvalho/CNI
Cynara Menezes
16 de setembro de 2020, 15h39

Em sua participação na convenção municipal do PDT em Salvador neste final de semana, Ciro Gomes elogiou o DEM e convocou o atual prefeito da cidade, ACM Neto, a ajudá-lo a construir “um projeto alternativo a essa quadra de desmantelo, entreguismo, destruição das nossas riquezas”. A convenção selou a aliança entre o PDT e o DEM na capital baiana: o candidato de ACM Neto, o vice-prefeito Bruno Reis, é do DEM; e sua candidata a vice, Ana Paula Matos, é do PDT.

Ciro se rasgou em elogios ao partido de ACM, o avô de Neto, a quem se referiu como seu “velho amigo, apesar das diferenças” –nem parecia o mesmo que chamou Neto de “tampinha” e “anão moral” e ouviu de ACM que era “covarde”, “desonesto”, “sem caráter” e “escória da política brasileira”. Segundo o pedetista, o DEM “tende a se alinhar nos grandes momentos às forças progressistas”, citando a redemocratização do país, quando setores do antigo PDS (ex-Arena) criaram o PFL, hoje DEM. Disse ainda que “às vezes as pessoas usam a superfície” para criticar a sigla.

O pedetista se rasgou em elogios ao partido de ACM, o avô de Neto, a quem se referiu como seu “velho amigo” –nem parecia o mesmo que chamou Neto de “tampinha” e “anão moral” e ouviu de ACM que era “covarde”, “sem caráter” e “escória da política brasileira”

ACM Neto, por sua vez, declarou que o PDT e o DEM compartilham “uma visão de país” e “o desejo de um futuro mais promissor para o Brasil”. O prefeito disse para o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, que está interessado “em um namoro futuro” com o partido, e Lupi retribuiu: “A gente também quer namorar”. Em Fortaleza, o PSDB desistiu de ter candidatura própria para apoiar o candidato do PDT, selando a reaproximação entre Ciro e o tucano Tasso Jereissati.

Estas movimentações indicam que o candidato do PDT está costurando uma aliança para 2022 basicamente em torno da união de quase todos os partidos que integrou: desde o PDS que virou DEM até o PSDB e PSB (só faltam o Cidadania, ex-PPS, e o Pros). No Recife, o PDT Nacional interveio no diretório municipal e destituiu o deputado federal Túlio Gadelha da presidência para apoiar o candidato do PSB, João Campos, filho de Eduardo Campos. Túlio queria sair candidato à prefeitura, mas o diretório nacional fechou com Campos e indicou a vice, Isabella Roldão.

O arco de apoios ambicionado por Ciro depende da posição em que aparecer nas pesquisas em 2022, porque ele tem um rival claro nessa disputa por apoios na centro-direita, e não é o PT, mas o atual governador de São Paulo, João Doria. Se Doria pontuar à frente do pedetista em termos de chances reais de derrotar Jair Bolsonaro, é difícil crer que o DEM, velho parceiro dos tucanos, se una a Ciro e não a ele.

Há quem duvide ainda que DEM e PSDB estejam tão imunes assim ao bolsonarismo, afinal apoiaram todas as propostas econômicas do governo. Quem nos garante que, se o pitbull Jair for “domesticado”, as duas legendas não façam algum tipo de acordo com o presidente, num cenário em que sua reeleição esteja garantida?

Para o senador petista Jaques Wagner, amigo de Ciro Gomes, o pedetista comete um erro de avaliação ao apostar numa aliança de centro-direita para 2022. “Ciro está tentando ser a direita razoável, mas nenhum candidato de centro-direita vai decolar, é ilusão dele. Vai ficar essa mosca na sopa dele que é o PT. Ou Lula”, disse Wagner ao site. “Quem tem chances contra Bolsonaro é a centro-esquerda.”

O que chama a atenção é a incoerência de Ciro. O pedetista tem se esmerado em atacar o PT pelas alianças que fez. Mas qual a diferença entre Sarney e José Agripino? Entre Eunício e Caiado? Entre Temer e Onyx, ministro de Bolsonaro? Entre Renan e ACM Neto?

Por enquanto, o que chama a atenção na empreitada de Ciro é sua incoerência. Nos últimos anos, e sobretudo desde que perdeu a eleição em 2018, o pedetista e seus correligionários nas redes sociais têm se esmerado em atacar o PT pelas alianças que fez com figuras como Eunício Oliveira, José Sarney, Michel Temer e Renan Calheiros. Mas qual a diferença entre Sarney e José Agripino? Entre Eunício e Ronaldo Caiado? Entre Temer e Onyx Lorenzoni, aliás ministro de Bolsonaro? Entre Renan e ACM Neto?

Coloco Renan justamente ao lado de ACM Neto porque ambos, embora no espectro da centro-direita, sempre se portaram como liberais em termos de costumes, ao contrário dos bolsonaristas. E, justiça seja feita, ACM Neto teve uma atuação exemplar no combate à pandemia, unindo-se inclusive ao ex-rival Rui Costa, o governador baiano do PT. Não há, portanto, diferenças fundamentais entre Renan e Neto, a não ser o fato de que o segundo apoia Ciro enquanto o primeiro apoiava o PT.

O Brasil agradecerá a qualquer um que livrar o país de Bolsonaro. Se for Ciro Gomes, ótimo. Mas o pedetista precisa abandonar a hipocrisia que o tem guiado, apontando o dedo para as alianças dos outros enquanto não mostra tantos pruridos ao construir as suas próprias. Não há possibilidade de governar o país sem fazer alianças e Ciro sabe disso. Ao se associar ao DEM, partido dos coronéis do Nordeste, ele perdeu de vez a pose de “virgem no bordel” que assumiu por rancor aos petistas e a Lula –de quem, não podemos esquecer, também já foi aliado.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(7) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Bernardo Santos Melo em 16/09/2020 - 19h51 comentou:

Não devemos repetir o erro de ter colocado Temer como vice de Dilma , é hora de prestigiar a dupla Ciro-Dino e toda esquerda apoiar BOULOS-ERUNDINA na prefeitura Paulista , assim eliminaremos o FACISMO em SAMPA .

Responder

Victor Alves em 17/09/2020 - 08h36 comentou:

O Coroné Ciro engana muitos incautos na esquerda. A mim nunca enganou.

Responder

MIGUEL ARAUJO DE MATOS em 17/09/2020 - 22h36 comentou:

Vou ali ver o que diz Miguel do Rosário, daquele site de que fui assinante um dia, O Cafezinho.

Responder

Altair Rosa Junior em 18/09/2020 - 09h22 comentou:

Ciro sempre falou em unir o Brasil em uma centro-esquerda, – aí vc vai dizer que o DEM é direita- onde o DEM pode estar incluso, pois no Brasil fica complicado estigmatizar essas siglas. Sendo assim, não há como ter governabilidade em um país democrático sem apoios, o que se tem que fazer é controlar e fiscalizar esses, de forma que não sofra uma lava jato como o PT sofreu, sendo hoje, o calo da esquerda do Brasil. Além disso, não fico surpreso com seu texto, pois é o que restou ao PT, dizer que os outros são iguais, já que não pode mais dizer que é diferente. Sugiro que leia o novo livro de Ciro Gomes, nele está bem explicitado o que digo aqui no início. Um abraço. Paz.

Responder

José Carlos de Abreu em 18/09/2020 - 12h11 comentou:

O Ciro enganou muita gente com sua conversa fluente.
A mim, por exemplo, não convence mais.
O limite da boa vontade com o Ciro acabou no dia em que, a esquerda precisando dele, ele FUGIU para Paris.
E, de uns tempos pra cá, ataca o Lula, apenas para que a mídia publique, e ele permaneça com seu nome.
Após SETE partidos traídos, não vejo como acedita nele.
Para mim, é um dos políticos que vão para o LIXO da história.

Responder

Paulo Roberto Martins em 22/09/2020 - 10h51 comentou:

Concordo com o Abreu.Acreditar num oportunista(embora não seja o único,justiça seja feita) é cair na mesma arapuca que via o Collor como o justiceiro,caçador de marajás,ou o Aécio,a renovação jovial,a Tabata como a voz da juventude.Infelizmente não temos mais politicos,temos “oportunísticos”,não temos mais partidos,temos “seitas”.A ditadura conseguiu matar toda uma geração e nos deixou isto que está aí,o restolho,o que sobrou da terra arrasada.Neste sentido a ditadura obteve sucesso.Depois que abriram as portas do inferno,com a inacreditável eleição deste fascistóoide que está aí,será muito dificil fechá-la novamente,a menos que haja muita luta – e do povo,não dos politicos.

Responder

Altair Rosa Junior em 22/09/2020 - 11h23 comentou:

Na verdade, quem deu as costas primeiro foi o PT a Ciro Gomes, no momento em que lançou o poste em detrimento a uma chapa que deveria ser encabeçada por Ciro Gomes. O PT está fadado ao fracasso se continuar achando que vai ganhar alguma coisa sozinho. Fui eleitor do PT, mas não voto mais. E pode ter certeza que como eu, hoje, tem uns 20 milhões de eleitores de esquerda que também não votam mais.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Os melhores memes e fantasias com a retroescavadeira antifascista de Cid Gomes


Senador "quebrou a internet" desde que tentou invadir um batalhão da polícia em Sobral

Politik

Jeitinho direitista de governar: ACM Neto, do DEM, planta cactos antimendigos em Salvador


O prefeito de Salvador, Antonio Carlos Magalhães Neto, do DEM, resolveu inovar nas técnicas de tortura que os políticos de direita inventam no Brasil para impedir moradores de rua de dormirem embaixo dos viadutos: está…