Socialista Morena
Mídia

José Geraldo Couto: “é engraçado ver imprensa cobrar ‘outro lado’ de doc sobre a Vaza-Jato”

Para o crítico, dificuldade de fazer autocrítica ou vergonha por ter feito papel de linha auxiliar tornam filme de Maria Augusta Ramos incômodo à mídia

Moro é premiado por João Roberto Marinho, da Globo, em 2014. Foto: divulgação
Da Redação
20 de junho de 2022, 17h41

O crítico de cinema José Geraldo Couto postou em seu facebook um texto curto, mas esclarecedor sobre o papel da mídia comercial em relação aos eventos dos últimos anos no Brasil. A mesma imprensa que cobriu a Lava-Jato sem nenhuma crítica, passando por cima das ilegalidades e sem checar qualquer informação que lhes era vazada por Sergio Moro, Deltan Dallagnol e companhia, agora cobra “imparcialidade” do documentário de Maria Augusta Ramos sobre a Vaza-Jato, Amigo Secreto.

“É engraçado ver a grande imprensa cobrar de Amigo Secreto, um documentário autoral, aquilo que ela própria não fez durante cinco anos: ouvir o outro lado”, escreveu Zé Geraldo. “Um filme não tem a mesma responsabilidade de um órgão de imprensa. Pode defender o ponto de vista que bem entender. Quem quiser que faça outro, apresentando outra versão. É o que vive fazendo a produtora bolsonarista Brasil Paralelo, por exemplo.”

“Criminoso é um jornal, ou uma emissora de TV, apresentar uma versão unívoca e tendenciosa dos fatos como se fosse ‘a verdade’. E ainda se vender como pluralista e apartidário. A dificuldade de fazer a autocrítica, ou a vergonha por ter feito papel de linha auxiliar da operação caça-Lula e erigido Sergio Moro em paladino anticorrupção, torna muito incômodo para essa gente o documentário de Maria Augusta Ramos”, conclui o crítico.

O documentário, da mesma autora de O Processo, estreou nos cinemas na última semana, e traz os bastidores da descoberta dos diálogos secretos dos integrantes da Lava-Jato, na cobertura jornalística iniciada pelo site The Intercept Brasil e apelidada de “Vaza-Jato”. As gravações, facilitadas por um hacker, deixaram evidente a parcialidade do juiz Moro e sua parceria com membros do Ministério Público na acusação ao presidente Lula, o que é ilegal. Os protagonistas são os jornalistas que participaram da cobertura.

“É engraçado ver a grande imprensa cobrar de Amigo Secreto, um doc autoral, aquilo que ela não fez durante 5 anos: ouvir o outro lado. Um filme não tem a mesma responsabilidade de um órgão de imprensa. Pode defender o ponto de vista que bem entender” “

Foi a revelação destes diálogos que tornou possível a anulação em abril do ano passado, pelo Supremo Tribunal Federal, de todas as condenações do petista. Mas o filme vai além, e questiona a própria operação como destruidora da Petrobras e da indústria da construção civil no país. Na crítica que publicou sobre o documentário no site do Instituto Moreira Salles, José Geraldo Couto já havia previsto que a acusação de “parcialidade” viria, e defendeu o direito da Maria Augusta, cineasta de esquerda, de escolher o caminho que escolheu, até porque esta visão dos fatos havia sido escamoteada dos brasileiros todos estes anos para justificar a prisão de Lula.

“Durante cinco anos, edificou-se na nossa mídia hegemônica uma narrativa favorável, de modo uníssono e acrítico, à atuação lavajatista, a ponto de erigir Sergio Moro em salvador da pátria e paladino anticorrupção. Se a grande imprensa, nesse período, não se preocupou em investigar e apontar as evidentes distorções e desvios de conduta da Lava-Jato e de seu personagem-símbolo, Amigo secreto toma para si o direito de construir uma alternativa a essa mitologia”, escreveu o crítico.

E não deu outra. A Folha de S.Paulo, por exemplo, apontou a “visão parcial” do documentário, como se tivesse feito a cobertura mais isenta do mundo sobre a Lava-Jato. “O filme provavelmente desapontará os que estiverem em busca de uma narrativa equilibrada. Ele adota sem ressalvas o ponto de vista dos críticos mais contundentes da Operação Lava-Jato e abre pouco espaço para visões alternativas”, diz o texto.

Por que não cobraram “imparcialidade” quando José Padilha fez O Mecanismo?

 

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(2) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Bernardo Santos Melo em 20/06/2022 - 22h34 comentou:

Globo & Cia .
A entrega do Estado Brasileiro , uma verdadeira hora da Xepa Nacional , liquidação geral . Eletrobras & Petrobras jamais brasileiras .
Privataria e Milícia .
Obedeçam ou mataremos !
Cuidado Lula , todo cuidado será pouco.
Mas que tal um samba , canta Chico !
Um sambinha esperançoso , uma brisa de poesia cantada , um vento democrático pra varrer 2022 .
Chico é pé quente , embala este povo Chico , bota essa gente pra cantar forte e tirar de nossa frente esta pestilência da morte .

Responder

Luís Carlos Kerber em 27/06/2022 - 21h21 comentou:

É necessário ter uma diversidade maior no que é chamado de grande imprensa, como são poucas as famílias donas da grande imprensa, essa grande imprensa acabou se tornando um partido político, como partido político a grande imprensa tem lado e geralmente não é o lado da verdade, é o lado dos interesses econômicos e políticos dos donos da grande imprensa. Somente com uma Ley de Medios que regule o papel da imprensa, permitindo uma diversidade de visões de mundo que não existe hoje, que obrigue a produção de conteúdo local pelas famílias ou grupos empresariais, que impeçam o surgimento ou o funcionamento de um monopólio sobre a notícia como há hoje, que situações como essas da Lava-Jato, do impeachment fraudulento de Dilma, da eleição do genocida Bozo deixariam de ocorrer. Hoje a grande imprensa é um verdadeiro Big Brother orwelliano devido ao seu alto grau de “siamenismo”, o que se vê na sonegadora Globo é semelhante ao que se vê na Bandeirantes, que não é diferente do que se vê no SBT, na Folha, no Estadão ou Veja.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Socialista Morena na TV


Recebi um convite da RedeTV! para comentar política diariamente no principal telejornal do canal, que será reformulado. O sr. Amilcare Dallevo, presidente da emissora, me garantiu que terei TOTAL LIBERDADE de opinião e de temas.…

Politik

Pesquisa mostra que 77,9% das mulheres jornalistas sofreram assédio moral no trabalho


Difícil encontrar um jornalista que não tenha uma história para contar sobre gritos histéricos de superiores na redação, chefes que arremessam objetos, humilham, destratam… É tão comum este tipo de comportamento que muita gente nem…