Socialista Morena
Politik

Moro se exime de culpa na exoneração de Bruno Pereira da Funai: “A decisão não passou por mim”

Exoneração de indigenista desaparecido foi assinada pelo secretário-executivo da pasta em 2019; ex-ministro da Justiça afirma que não tomou conhecimento

O então ministro Moro e Bolsonaro em 2019. Foto: Alan Santos/PR
Da Redação
14 de junho de 2022, 16h30

Em entrevista coletiva onde não anunciou nada nesta terça-feira em Curitiba, o ex-juiz e ex-candidato à presidência Sergio Moro negou ter sido responsável pela exoneração do indigenista Bruno Pereira do cargo que ocupava na Funai (Fundação Nacional do Índio) quando era ministro da Justiça de Bolsonaro, em 2019. “Eu era ministro da Justiça e a Funai era um dos órgãos vinculados. Então, essa decisão não passou por mim, esse ato não é por mim assinado, e na época não tive conhecimento nem controle de tudo que acontece dentro do ministério ou das unidades vinculadas”, afirmou.

Na verdade, é muito difícil que Moro não tivesse tomado conhecimento da exoneração de Bruno do cargo de Coordenador Geral de Indígenas Isolados e de Recente Contato, porque ela foi assinada pelo secretário-executivo da pasta, Luiz Pontel, o segundo na hierarquia do ministério, logo abaixo do ministro. Em pouco mais de dois meses, entre agosto e outubro de 2019, o sub de Moro assinou a exoneração de 11 dos 15 coordenadores-gerais da Funai, além do ouvidor do órgão. O indigenista e o jornalista britânico Dom Phillips estão desaparecidos há uma semana.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Sergio Moro (@sf_moro)

Bruno Pereira foi substituído por um pastor evangélico ligado à ministra Damares Alves, com experiência não exatamente em indigenismo, mas em catequização de indígenas. Ricardo Lopes Dias acabou também sendo exonerado do cargo meses depois, diante de decisões desastradas que tomou, como a indicação de missionários para a área de indígenas isolados, o que fere a política de não contato prevista na Constituição. Ele também tentou entrar com uma comitiva na Terra Indígena do Vale do Javari (onde Dom e Bruno desapareceram), quebrando a quarentena da Covid-19 e expondo os indígenas à doença.

Um áudio divulgado pelo site The Intercept em fevereiro de 2019 mostrou que Lopes Dias foi nomeado para o cargo justamente com a missão de “converter” os indígenas. Tudo isso aconteceu com Moro à frente do Ministério da Justiça. Ele só deixaria o comando da pasta em abril de 2020. Lopes Dias foi exonerado em novembro, quando o ministro já era André Mendonça.

Corajosamente, já que até hoje não haviam questionado Moro sobre este assunto e nem ele se pronunciado nas redes sociais a respeito, o jornalista José Marcos, da Folha de Londrina, perguntou na coletiva: “Eu gostaria de saber se o senhor se recorda o motivo da exoneração de Bruno Pereira da Funai durante a sua gestão no ministério e se o senhor não se considera um pouco responsável por esse desmonte da Funai e a situação de descalabro na Amazônia”.

O ex-ministro da Justiça prestou “solidariedade” às famílias do indigenista e do jornalista, a quem disse ter conhecido pessoalmente em uma ocasião. “Tive a oportunidade de conversar com ele, um profissional competente”, disse Moro. “O Bruno Pereira infelizmente não o conheci. Não tenho nenhuma responsabilidade em relação a isso.” Sobre o desaparecimento, disse: “Espero que sejam encontrados, que os fatos sejam esclarecidos, mas não são só eles que são vítimas dessa atividade criminal organizada, se foi isso mesmo que aconteceu”.

A portaria com a exoneração de Bruno

Moro afirmou ser necessário criar um plano de segurança específico para a região amazônica diante do que vê como “crescimento do crime organizado” na região. “O que existe e que nós, brasileiros, devemos ter presente, é a preocupação com o crescimento do crime organizado na Amazônia, responsável não só pelo tráfico de drogas como pela destruição ilegal da floresta, seja através de desmatamento ou de queimada.”

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(4) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Bernardo Santos Melo em 14/06/2022 - 18h14 comentou:

Moro é uma grande FAKE NEWS , um grande cabo eleitoral do Capetão , um grande agente americano , um grande amigo do Dallagnol ,
um grande colaborador financeiro da Conja ,
um grande sucateados da engenharia nacional , um grande envolvido com doleiros , um grande e ambicioso carreirista embalado pela grande mídia para liquidar com a Petrobras / Pré Sal . Mas no meteórico caminho do juiz rumo ao PODER surgiu um inesperado clã escorpiônico , a Familícia !
Este clã não só ficou enciumado como também o excluiu antes que fosse tarde .
E agora ?
Moro corre atrás de um foro privilegiado ?
O futuro deste paranaense certamente já encontra-se financeiramente bem encaminhado , apenas uma curiosidade permanece .
Qual o paradeiro do porteiro do Condomínio Vivendas da Barra ?

Responder

João Ferreira Bastos em 15/06/2022 - 11h56 comentou:

Tambem não eram dele os 2.5 bilhões roubados da Petrobras.

mas teve que devolver

Responder

Alex em 23/06/2022 - 06h14 comentou:

Ótimo trabalho e super gata como sempre!!!!

Responder

Benjamin Eurico Malucelli em 28/06/2022 - 10h53 comentou:

Mas ainda tem quem acredita no moro?

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Incapazes de entender pesquisa do MBL, bolsominions “derrotam” o “mito”


É essa gente, que não possui capacidade cognitiva para responder uma simples enquete, que quer escolher o próximo presidente do Brasil

Cultura

Como o nazismo perseguiu a arte e os artistas (e o tiro saiu pela…


Hitler também encampou a perseguição à arte sob a desculpa de "defender a moral e os bons costumes", como fazem os bolsonaristas