Socialista Morena
Cultura

Não é só Olavo: a Ku Klux Klan também perseguiu os Beatles

Em 1966, a extrema direita dos EUA incitou jovens a queimar álbuns dos Beatles por conta da frase "Somos mais populares que Jesus"

Álbuns dos Beatles queimando na fogueira da Ku Klux Klan. Foto: reprodução
Cynara Menezes
07 de setembro de 2019, 19h43

Em agosto de 1966, quando os Beatles estavam excursionando pela quarta vez nos Estados Unidos, a Datebook, uma revista para adolescentes, republicou com estardalhaço uma entrevista feita com o quarteto meses antes, em março, por Maureen Cleave para o jornal London Evening Standard. Ao contrário dos britânicos, os editores norte-americanos resolveram destacar na capa a frase de John Lennon que passaria à História: “Somos mais populares do que Jesus”.

De nada adiantou Lennon matizar a declaração posteriormente. “Se eu tivesse dito que a TV é mais popular do que Jesus, eu teria me dado bem”, tentou consertar. Mas o alvoroço estava montado. Locutores de rádio do país inteiro conclamavam adolescentes a jogar os álbuns dos Beatles no lixo e a boicotar os shows do grupo. A coisa ficou feia quando um membro da organização racista Ku Klux Klan deu entrevista dizendo que iria tocar o terror no show de Memphis, Tennessee.

“Vamos demonstrar, com diferentes jeitos e táticas, como parar essa performance”, disse o homem encapuzado de óculos escuros. “Somos conhecidos como terroristas. Temos meios de acabar com isso se for esse o caso.”

O “Grande Dragão” da Ku Klux Klan Bob Scoggin apareceu pessoalmente jogando livros dos Beatles em uma fogueira na Carolina do Sul em 11 de agosto de 1966.

Chefão da KKK joga discos dos Beatles na fogueira. Foto: AP

No documentário Danny Says, em cartaz no Netflix, o editor da revista, Danny Fields, conta que não pretendia colocar os Beatles sob ameaça de morte, mas admitiu que queria ver o circo pegar fogo, com “mais gente tendo problema ao dizer as coisas certas”. Além da frase de Lennon, ele também destacara a declaração de Paul McCartney na mesma entrevista, sobre os Estados Unidos: “É um país nojento onde qualquer pessoa negra é chamada ‘negro sujo'”. Uma crítica que a KKK não pôde suportar: a verdade dói.

Quando a gente vê Olavo de Carvalho, o guru intelectual dos Bolsonaro, atacando os Beatles de maneira amalucada, dizendo que quem escreveu as letras do grupo foi o filósofo alemão Theodor Adorno, não há nada de novo sob o sol

Ninguém se machucou no final, mas, a não ser pelo histórico concerto no terraço da Apple Records em Londres, em 1969, nunca mais os Beatles tocaram em público depois dessa fatídica temporada nos EUA. Pode-se dizer que a Ku Klux Klan acabou com as turnês da banda, que deixaria de tocar junto definitivamente em 1970.

“Eu não quero fazer turnês de novo, especialmente depois de ter sido acusado de crucificar Jesus, quando tudo que fiz foi pronunciar uma frase irreverente, e ter que aguentar a Klan do lado de fora e fogos de artifícios do lado de dentro. Eu não posso suportar mais”, disse Lennon em uma  coletiva de imprensa naquele mesmo ano. No concerto de Memphis, alguém jogou uma bombinha na plateia e houve princípio de pânico porque pensaram que fossem tiros.

Então quando a gente vê Olavo de Carvalho, o guru intelectual dos Bolsonaro, atacando os Beatles de maneira amalucada, dizendo que quem escreveu as letras do grupo foi o filósofo alemão Theodor Adorno, não há nada de novo sob o sol. Desde os nazistas, a extrema direita sempre perseguiu a arte.

O legal é que a “teoria” de Olavo logo virou motivo de galhofa no twitter.

O mais bizarro dessa história toda é que os Beatles também foram acusados de contribuir para o fim da União Soviética. Os álbuns dos roqueiros britânicos eram proibidos pelos comunistas e sua música e estilo de vida, admirados às escondidas pelos jovens soviéticos, teria dado um empurrãozinho à Glasnost.

Como será que Olavo explica isso?

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(2) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Ana Lopes em 14/09/2019 - 08h42 comentou:

Olavo acredita e dissemina ideias conspiratórias, algumas completamente descoladas da realidade como essa sobre os Beatles. É uma mente perigosa pois tem muitos seguidores, influencia os bolsonaros e é considerado uma referência importante da direita. Essa tese sobre os Beatles é imbecil e idiota como a pessoa que criou e espalhou ela.

Responder

Héber Pelágio em 01/12/2019 - 04h54 comentou:

Completando a sua matéria tendenciosa, não foram apenas Olavo de Carvalho e a Ku Klux Klan: Che Guevara também perseguiu os Beatles e promoveu a censura e proibição de qualquer banda ou artista de rock em Cuba, proibição essa – praticada também na China de Mao Tsé-tung – que aquele país somente abandonou após o colapso da U.R.S.S., que praticamente SUSTENTAVA a economia cubana.

Caso alguém que esteja lendo duvide dessa informação, sugiro uma leitura da matéria contida no seguinte link: http://shogunidades.blogspot.com/2011/08/che-guevara-nao-gostava-de-rock-relatos.html

Aliás, esse fato constitui um dos motivos MENOS GRAVES por que o neto de Che Guevara – o escritor Canek Guevara, à época da Revolução Cubana um jovem fã de rock – tornou-se um crítico ÁCIDO da vida e obra do seu tio, como ele relata no seu livro Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2016/10/1825004-neto-de-che-guevara-narra-angustia-e-tedio-da-vida-de-servidor-em-cuba.shtml

Grande abraço e ótimas leituras para todos!!

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Kapital

Por que a unificação das Alemanhas destruiu o futebol do lado Oriental?


Logo após a queda do Muro, jogadores do lado Oriental eram maioria na seleção; hoje apenas um titular vem da ex-Alemanha comunista

Politik

O socialismo é antidemocrático?


Por Joseph M. Schwartz*, na Jacobin Tradução Mauricio Búrigo Ensinaram a uma geração de norte-americanos que a Guerra Fria se travou entre a liberdade e a tirania, com a vitória decisiva a favor do capitalismo…