Socialista Morena
Politik

Novos vazamentos sugerem que delações só eram aceitas se incriminassem Lula

Segundo a Folha, delação de Léo Pinheiro só foi aceita depois que ele mudou sua versão "diversas vezes" para agradar aos procuradores

O chefe da força-tarefa Deltan Dallagnol. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Da Redação
01 de julho de 2019, 21h16

Os novos vazamentos de diálogos entre os procuradores da força-tarefa da operação Lava-Jato sugerem que as delações “premiadas” só eram aceitas pelos procuradores se incriminassem Lula. E quem é que, preso, não diria o que fosse necessário para se safar?

É o que se pode deduzir do caso do executivo da OAS, Léo Pinheiro. Segundo matéria publicada pelo jornal Folha de S.Paulo neste domingo em parceria com o site The Intercept Brasil, a delação de Léo Pinheiro só foi aceita depois que ele mudou sua versão “diversas vezes” para agradar aos procuradores. “Léo Pinheiro, ex-presidente da construtora OAS, só passou a ser considerado merecedor de crédito após mudar diversas vezes sua versão sobre o apartamento tríplex de Guarujá (SP) que a empresa afirmou ter reformado para o líder petista”, diz a reportagem.

“Uma pessoa que acompanhou as conversas da OAS com a Lava-Jato disse que, inicialmente, Léo Pinheiro descreveu o triplex como um presente que oferecera a Lula sem pedir nada em troca. A insatisfação dos procuradores o levou a mudar sua versão pelo menos duas vezes”

O executivo só apresentou a versão que incriminou Lula em abril de 2017, mais de um ano depois do início das negociações com a Lava-Jato, em fevereiro de 2016. “Uma pessoa que acompanhou as conversas da OAS com a Lava-Jato na época disse à Folha que, inicialmente, Léo Pinheiro descreveu o triplex como um presente que oferecera a Lula sem pedir nada em troca. Segundo essa pessoa, a insatisfação dos procuradores o levou a mudar sua versão pelo menos duas vezes até chegar àquela adotada em 2017.”

O depoimento de Léo Pinheiro foi fundamental para condenar Lula, mas agora o chefe da força-tarefa, Deltan Dallagnol, afirma que teria sido “apenas um dos elementos de prova que embasaram a condenação”. Que provas? Estaria ele se referindo ao famigerado power point?

Quanto ao juiz Sergio Moro, ministro da Justiça de Bolsonaro, sem ter o que rebater, preferiu ameaçar os jornalistas do Intercept. “Até quando a honra e a privacidade de agentes da lei vão ser violadas com o propósito de anular condenações e impedir investigações contra corrupção?”, disse, numa clara tentativa de intimidação.

O excesso de prisões preventivas para forçar delação já havia sido denunciado como “tortura” por vários juristas no Brasil e no exterior, inclusive o ministro do STF Gilmar Mendes. “O uso da prisão para obter delação premiada certamente não encontra guarida no texto da Constituição brasileiro. Isso tem outro nome e se chama tortura”, disse Gilmar em abril do ano passado.

Como disse o advogado australiano Geoffrey Robertson, são técnicas importadas diretamente da Santa Inquisição pela Justiça (sic) brasileira.

Ou seja, os vazamentos estão confirmando o que todo mundo sabia, até o Porta dos Fundos.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(2) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

João Junior em 02/07/2019 - 01h30 comentou:

O problema com a estética fascista é que ela é basicamente negação. Não existe uma autoafirmação de Bolsonaro com tantas vergonhas, sem falar nos retrocessos, que ele vem impondo ao Brasil. O que há é uma constante negação do PT. Essa foi a estética construída e reforçada dia após dia pela mídia, da qual Bolsonaro depende. Até o inimigo fascista é o mesmo: o comunismo. A culpa de Lula é uma violência simbólica que passa pelo mesmo processo, “ele é culpado porque não é santo (inocente)”… o jogo autossugestivo de que não sou santo então Lula não é também, não passa do moralismo sem moral que condena quem pensa diferente do pensamento hegemônico, que nunca foi o da esquerda. O materialismo histórico é o que desmonta o simplismo dessa retórica ilógica e que desvia o olhar do que realmente interessa: os corruptos estão roubando mais do que nunca!

Responder

Jose carlos lima em 03/07/2019 - 04h57 comentou:

Moro, filhote de Fillinto Muller+
O BRASIL NÃO PRECISA DE UM NOVO FILINTO MULLER –
“A biografia do temido chefe de polícia da ditadura Vargas Em O homem mais perigoso do país, o historiador norte-americano R. S. Rose traça um perfil nada óbvio de Filinto Müller – que foi chefe do Conselho Nacional do Trabalho, líder de dois partidos políticos, líder da maioria no Senado em um governo democrata e três ditadores e presidente do Senado. Desde seu nascimento, em Mato Grosso, em uma família de origem alemã, passando pela educação católica, até sua morte, em 1973, em um acidente aéreo no qual a esposa, Consuelo, e o neto Pedro também foram vítimas. Para entender quem foi de fato Filinto Müller, o autor se voltou durante anos sobre esse personagem fundamental da história do Brasil. Entre suas fontes de pesquisa, mais de 66 mil documentos, 500 recortes de jornais, material impresso e 165 itens audiovisuais pertencentes ao acervo da Fundação Getulio Vargas, do período de 1924 a 1948. Anita Leocádia Prestes assina a orelha do livro.”

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

A consciência tranquila de Dilma. Pode-se dizer o mesmo de seus algozes?


Com o discurso coerente e a postura mais uma vez altiva, serena e digna diante dos algozes, a presidenta Dilma Rousseff assegura o lugar no panteão das vítimas históricas da injustiça. Concretizado o golpe, Dilma…

Politik

“Em nenhum palácio do mundo cabem dois presidentes”, disse Lula a Mino


Entrevista feita dias antes das revelações da Folha/Intercept confirma resistência do ex-presidente em aceitar o cargo de ministro