Socialista Morena
Cultura

Paulo Coelho vai bancar Festival de Jazz censurado por secretário otário de Cultura

Escritor ofereceu 145 mil reais para o festival do Capão, impedido de captar via Lei Rouanet com "argumentos" políticos e até religiosos

Faixa do Festival do Capão em 2019. Foto: divulgação
Da Redação
14 de julho de 2021, 20h22

O escritor Paulo Coelho anunciou nesta quarta-feira no twitter que a Fundação que mantém em seu nome e da mulher, a artista plástica Cristina Oiticica, irá bancar o Festival de Jazz do Capão, na Chapada Diamantina, censurado pelo secretário de Cultura de Bolsonaro, Mário Frias. A secretaria negou ao festival o direito de captar recursos via Lei Rouanet utilizando argumentos políticos e até religiosos.

“A Fundação Coelho & Oiticica se oferece para cobrir os gastos do Festival do Capão, solicitados via Lei Rouanet (R$ 145.000). Entrem em contato via DM pedindo a alguém que sigo aqui que me transmita. Única condição: que seja antifascista e pela democracia”, tuitou Coelho.

Entre os motivos para negar a captação de recursos da lei Rouanet para o festival, que já está em sua 9ª edição, a secretaria de Cultura de Bolsonaro utilizou uma postagem no facebook do ano passado em que o festival se define como “antifascista e pela democracia”.

“É um parecer absurdo, em nenhum momento o parecerista analisou o projeto de maneira técnica, artística”, criticou o saxofonista Rowney Scott, idealizador e diretor artístico do festival, ao jornal Correio. “Ele simplesmente foi na nossa página e achou um post avulso, publicado num ano em que não teve captação de recursos e nem teve evento. Nos posicionamos enquanto evento antifascista e pela democracia, e ele fez o parecer em cima disso, com citações religiosas que desvirtuam completamente do que um parecer deveria tratar.”

Na “análise técnica” da secretaria, aparece uma frase atribuída ao músico alemão Johann Sebastian Bach, que morreu em 1750: “O objetivo e finalidade maior de toda música não deveria ser nenhum outro além da glória de Deus e a renovação da alma”. Criticado nas redes sociais, Mario Frias ameaçou de processo a jornalista Fabiana Moraes, que o chamou de “otário”.

O perfil do festival agradeceu a Paulo Coelho pela iniciativa e confirmou a realização do festival em novembro.

Toma, otário!

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(2) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Rose Brandão Costa em 16/07/2021 - 15h47 comentou:

Viva a cultura, a arte e toda forma de liberdade.

Responder

Rose Brandão Costa em 16/07/2021 - 15h47 comentou:

Arte sempre!

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Grandes enganações do capitalismo: o CD


Existe tecnologia mais fail do que CD? A porcaria arranha, quebra, fura, mofa, descasca ou simplesmente NÃO TOCA! Quem nunca passou raiva com um CD que fica rodando, rodando, rodando e zunindo sem parar? Aí…

Politik

Por que os “inimigos do crime” Bolsonaro e Moro nunca se empenharam no caso…


O presidente e seu ministro da Justiça deveriam ser os principais interessados em solucionar o crime, que prejudica a imagem do país