Socialista Morena
Cultura

Pô, amar é importante

Em tempos de incitação ao ódio e à violência, quatro gibis poéticos dão um respiro ao retratar o amor em situações distintas

Detalhe da capa de Um Oceano de Amor
Piu Gomes
13 de julho de 2022, 16h49

Tá puxado, como se ouve nas ruas. Inflação, desgoverno, guerra, pandemia, incitação ao ódio e à violência… Mas a editora Nemo dá um descanso merecido com quatro lançamentos de histórias em quadrinhos que falam de amor em situações distintas: Gioconda, Suzette – ou o grande amor, A Adoção e Um Oceano de Amor são gibis para quem quer adoçar o cotidiano com histórias belas e singelas.

Todos os gibis trazem outras reflexões ao falar de amor. Suzette aborda com sensibilidade o etarismo; A Adoção desnuda os preconceitos da classe média francesa e Um Oceano de Amor fala do lixo marinho. Reforçam que o amor é um sentimento revolucionário

Gioconda conta a história de Francisco, imigrante brasileiro que trabalha na equipe de limpeza do Louvre e é apaixonado por ninguém menos que… a Mona Lisa! Quando encontra uma jovem no metrô extremamente parecida com a pintura, sua vida sofre uma reviravolta que envolve coincidências e desapego a uma leitura cartesiana da vida, e ele vai viver o amor de verdade. Além do romance que se inicia, a história da própria Mona Lisa é abordada, sendo que a musa do sorriso enigmático tece belos comentários na trama.

O roteiro de Felipe Pan surgiu de uma visita de seus alunos à Exposição Leonardo da Vinci e foi concebido originalmente para o cinema. Depois de publicar sua primeira HQ, ele se uniu a Olavo Costa, que entre outros trabalhos ilustrou O Astronauta, único quadrinho que Lourenço Mutarelli apenas escreveu. Contemplados no PROAC do Governo de São Paulo, produziram o álbum, que tem cores de Mariane Gusmão.

Ilustração de Gioconda

O trabalho dela é muito sensível, alternando tons ocres e vibrantes, realçando a arte de Olavo, que abusa de retículas e traz personagens que flertam com a caricatura, num traço leve e agradável, repleto de citações a obras de arte e pinceladas de aquarela. A falta de requadro até nos recordatórios (os textos apresentados fora do balão, que conduzem a narrativa) incorporam a leveza também na diagramação.

Depois de A Odisseia de Hakim, Fabien Toulmé está de volta com Suzette. Depois da morte do avô, Noémie descobre que a vida conjugal de sua avó Suzette não foi exatamente como ela imaginava. A descoberta de um romance anterior ao casamento, numa pequena vila italiana, levam as duas protagonistas, que estão em diferentes momentos da vida, a dividir suas visões sobre relacionamentos, sexualidade, fidelidade e o papel social da mulher. Uma road trip rumo à Itália trará consequências não só para Suzette, mas também para Noémie, que está experimentando pela primeira vez a vida a dois.

Ilustração de Suzette – ou O Grande Amor

O traço de Toulmé continua sutil e bem-humorado, e a paleta de cores está mais vibrante. A diagramação clássica traz quadros definidos, e explode em quadros de página inteira para dividir quase em capítulos a trama. Através de diálogos interessantes, vamos aprendendo sobre a forma como cada personagem enxerga o mundo, e os preconceitos, sobretudo sobre amor e sexualidade, são desnudados.

A proposta mais ousada vem com Um Oceano de Amor, que abre mão de diálogos para contar a odisseia de Monsieur, um pescador da Bretanha pego por um gigantesco navio-fábrica e arrastado para uma acidentada viagem mar afora

A Adoção, de Zidrou e Monin, explora a relação entre Gabriel, um burguês aposentado de 75 anos, e recém-chegada Qinaya, uma órfã peruana de 4 anos, vítima de um terremoto e adotada por seu filho Alain. O velho turrão inicialmente não se deixa seduzir, mas a convivência com a garotinha acaba por transformá-lo em um avô mais presente do que foi quando pai. Uma surpresa o levará ao Peru e a um novo olhar sobre sua vida.

Ilustração de A Adoção

A arte de Arno Monin honra a escola franco-belga, com personagens que misturam realismo e caricatura com aguadas de aquarela. Os cenários são repletos de detalhes e trazem cores fortes. O clássico roteiro do belga Zidrou traz questionamentos importantes, como quando um personagem se pergunta: “Todo o amor que não demos… ele vira o quê? Ninguém nunca pensou em fazer contâineres de reciclagem?”.

A proposta mais ousada vem com Um Oceano de Amor, que abre mão dos diálogos para contar a odisseia de Monsieur, um pescador da Bretanha que é pego por um gigantesco navio-fábrica e arrastado para uma acidentada viagem mar afora. Paralelamente, sua esposa decide tentar encontrá-lo e também partirá para uma jornada atribulada.

Ilustração de Um Oceano de Amor

O roteiro de Lupano traz muito humor e também momentos de tensão, além de incorporar a participação especial de Fidel Castro. A arte de Panaccione é deslumbrante, com personagens caricatos, uma paleta de cores que se alterna conforme as emoções descritas nas passagens e uma diagramação que inclui cortes de imagem e tempo sensacionais, usando com maestria pranchas de página dupla que enchem os olhos.

Todos os gibis trazem outras reflexões ao falar de amor. Suzette aborda com sensibilidade um tema importante como o etarismo –preconceito de idade que atinge idosos em todo o mundo; Gioconda mostra que o amor pela arte se estende à vida; A Adoção exibe preconceitos pequeno-burgueses da classe média francesa e Um Oceano de Amor traça comentários sobre o lixo nos oceanos. Eles reforçam que o amor é um sentimento revolucionário e, quando o praticamos, nos abrimos para um mundo melhor.

Gioconda
AUTORES: Felipe Pan, Olavo Costa e Mariane Gusmão
EDITORA NEMO, 112 págs., R$ 64,90

Suzette – ou o grande amor
AUTOR: Fabian Toulmé
TRADUTOR: Fernando Scheibe
EDITORA NEMO, 336 págs., R$ 94,90

A Adoção
AUTORES: Zidrou e Monin
TRADUTORA: Renata Silveira
EDITORA NEMO, 136 págs., R$ 74,90

Um Oceano de Amor
AUTORES: Lupano e Panaccione
EDITORA NEMO, 224 págs., R$ 79,80

PIX DO PIU: Para contribuir com o autor do texto, anote o Pix: 34390120182 (CPF). Obrigada por colaborar com uma nova forma de fazer jornalismo no Brasil, sustentada pelos leitores.


(2) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Luciane de Campos Silva em 13/07/2022 - 17h00 comentou:

Que ótimas resenhas, Cynara! Obrigada!
🎶Você não imagina a aflição que eu fico🤩🤣🤩🤣🤩

Responder

Bernardo Santos Melo em 14/07/2022 - 12h24 comentou:

Marielle , Givanildo , Bruno e Dom não me permitem acreditar no amor .
Brasil a cada dia , mais luto .
Tesoureiro executado , janela da Folha SP baleada , Lira delinquindo com seu regimento minuto .
Não há tempo para nada , apenas para mortes.
Meu amor agora é Anitta .🦜

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

“Mito” do amor romântico? Tô dentro


De uns tempos para cá, virou moda falar mal do amor romântico. Coloca-se na fatura do “mito” do amor romântico muitas das frustrações, sofrimentos e angústias dos seres humanos. Dizem que se não déssemos tanta…

Cultura

Dicas literárias para um Natal vermelho III


Como já é tradição, as dicas de compras de fim-de-ano do blog. Se é para consumir, consumam livros! Vejam a lista do ano passado aqui e a do retrasado, aqui. (É possível que até o Natal…