Socialista Morena
Politik

Política, futebol e religião se misturam? Na Argentina, sim

Como a seleção argentina se meteu no conflito árabe-israelense e conseguiu desagradar judeus, muçulmanos e até católicos

Charge: Carlos Latuff
Martín Fernández Lorenzo
12 de junho de 2018, 17h05

Com o pouco entusiasmo dos argentinos em relação à Copa do Mundo da Rússia, a AFA (Associação de Futebol Argentina), sob a direção de Hector “Chiqui” Tapia, decidiu tomar medidas sobre o assunto e buscou despertar o espírito popular com uma “proposta” corajosa: inserir a equipe argentina no conflito do Oriente Médio.

O último jogo da seleção, dez dias antes do Mundial, seria contra o time de Israel na cidade de Haifa. Acontece que, dias mais tarde, a organização local acabou mudando a sede da partida para Jerusalém, justamente em meio à violência desatada com a transferência da embaixada norte-americana para esta cidade. Um detalhe bobo que passou despercebido pelos dirigentes da AFA, talvez distraídos com a quantidade de dinheiro recebida pela partida: 2 milhões de dólares. Ou o equivalente a uma meia usada do atacante Messi, que tem salário de 40 milhões de euros.

Em apenas 24 horas, a seleção argentina conseguiu gerar um conflito com judeus, muçulmanos e católicos. A AFA fez, em um dia, mais pelo estado laico do que o próprio estado laico nos últimos dez anos

A poucos dias da apresentação, tudo estava encaminhado para ver a seleção e seu capitão em solo israelense, quando surgiu um problema inesperado: o protesto dos palestinos contra o jogo. “Messi é um símbolo de paz e amor, pedimos a ele que não participe na limpeza dos crimes da ocupação israelense”, disse o presidente da Federalão Palestina, Jibril Raioub. Ele entregou ao representante da Argentina em Ramallah, na Cisjordânia, uma carta para a Federação Argentina pedindo o cancelamento da partida.

“Lançaremos uma campanha contra a Federação Argentina. Messi tem milhões de fãs nos países árabes e muçulmanos. Pedimos a todos que queimem as camisetas com seu nome e os pôsteres com sua imagem. De uma partida esportiva, este evento se converteu numa ferramenta política, o governo israelense está tentando dar um alcance político a ela, insistindo que aconteça em Jerusalém”, explicou Raioub.

Não foi nada agradável para os jogadores argentinos ver palestinos atearem fogo a camisas da seleção ou exibi-las manchadas de sangue. Pensaram então que participar da partida talvez não fosse uma boa ideia e se negaram a jogar. A partida foi suspensa. Mal estar em Israel.

Alguns extremistas apontaram a recusa da seleção argentina de jogar em Jerusalém como uma ação “antissemita”, um velho truque dos sionistas contra os críticos do governo israelense, embora entidades como a ONU e os Médicos Sem Fronteiras tenham condenado o “banho de sangue” em Gaza no dia da inauguração da nova embaixada.

Imediatamente, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, ligou para o presidente da Argentina, seu aliado Mauricio Macri. O mesmo chamou a equipe nacional para tentar convencer seus jogadores a realizar a partida, mas, com Messi à frente, o pedido do presidente de tomar posição política no quiproquó foi nula. Macri, em seguida, ligou para seu amigo Bibi para se desculpar, explicando que a recusa dos jogadores era definitiva e que não havia nada a fazer a respeito.

Mas, para a seleção, a coisa estava apenas esquentando. À negativa de se jogar com Israel, somou-se também o inesperado cancelamento do encontro já agendado com o papa Francisco, que iria acontecer no dia 6 de junho. O diretor de imprensa do Vaticano, Greg Burke, teve que retificar no twitter, no mesmo dia, a suposta chegada do time e o posterior cancelamento.

Ou seja, em apenas 24 horas, a seleção argentina conseguiu gerar um conflito com judeus, muçulmanos e católicos. A AFA fez, em um dia, mais pelo estado laico do que o próprio estado laico nos últimos dez anos.

No final, apenas os palestinos ficaram felizes com o W.O.. “Num momento em que o presidente dos EUA e o governo de Israel estão tentando tirar Jerusalém da mesa de negociações, é importante ver que o poder do povo produz resultados”, comemorou a representante da Associação Palestina de Futebol, Susan Shalabi. Bem, os palestinos e o grupo terrorista Hamas, que parabenizou a seleção através de sua conta no twitter: “Obrigado, Argentina!”.

Tapia, no dia seguinte, explicou que a recusa da seleção em apresentar-se em Jerusalém teve o objetivo de garantir a segurança dos jogadores e que “é uma contribuição para a paz mundial”.

Não houve declarações do presidente da nação, o que não deixa de ser estranho quando se sabe que Macri, em todas as reuniões com os líderes mundiais que participa, não perde a oportunidade de comentar sobre o esporte “de la redonda”.

Em sua despedida do futebol, Maradona, um craque que sempre misturou futebol com política, disse uma frase para a história: “Não se mancha a bola.” Os jogadores da seleção não permitiram que a manchassem, e nisso temos que aplaudi-los. Dos políticos e dirigentes do futebol argentino não podemos dizer o mesmo.

 


Apoie o autor

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

(5) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Sei quem sou em 12/06/2018 - 20h37 comentou:

Pq chamar o Hamas de terrorista e não chamar o governo de Israel?

Responder

John em 12/06/2018 - 23h05 comentou:

Hamas terrorista? nada disso, é uma organização de cunho defensivo.

Responder

Miranda em 13/06/2018 - 10h55 comentou:

A mim soou estranho chamar o Hamas de terrorista. O governo de Israel não mata muito mais, alem de ocupar territorios palestinos? Tambem não ficou claro se o cancelamento do encontro com o Papa se deveu a esse motivo. O texto de Martin Fernandez me pareceu dúbio.

Responder

Luis CPPrudente em 15/06/2018 - 08h00 comentou:

Terrorista é o Estado Sionista de Israel, Estado esse que vem praticando assassinatos de palestinos ao longo de dezenas de anos.

Responder

Paulo Martins em 16/06/2018 - 11h19 comentou:

Que bola fora esta de chamar o Hamas de terrorista! Afinal,não ficou claro se o autor do artigo condenou ou não a atitude dos jogadores e nisto se estaria de acordo com os sionistas ao classificar esta ação como “antisemita”.Esta falta de firmeza ideológica por nossos “especialistas” em politica me irrita profundamente.Decida-se!

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Os 10 posts mais lidos de 2015


Política, sexualidade, religião, negritude, humor… Estes foram os grandes destaques do blog em 2015 na opinião dos leitores. Para minha satisfação, as reportagens históricas foram campeãs em compartilhamentos nas redes sociais. Sinal de que minha…

Kapital

Nosso futuro? Energia elétrica pode custar mais que o aluguel na Argentina


Pequenas e médias empresas são as mais afetadas: uma rotisseria chega a pagar mais de 11 mil pesos de luz (quase 1900 reais)