Socialista Morena
Cultura

Vai que é tuuuuuaaaaa, Galvão (de novo)

Se tivesse lei de meios, como na Argentina, o Brasil iria ter transmissão da Copa do Mundo pela TV Pública e você não precisaria pagar para NÃO ouvir os jogos da seleção sendo narrados pelo Galvão Bueno pela enésima vez. Já imaginou que alívio? Acho que farei como meu pai e tirarei o som da […]

Cynara Menezes
12 de junho de 2014, 15h07
galvaopatricia

(Galvão e sua colega Patrícia Poeta)

Se tivesse lei de meios, como na Argentina, o Brasil iria ter transmissão da Copa do Mundo pela TV Pública e você não precisaria pagar para NÃO ouvir os jogos da seleção sendo narrados pelo Galvão Bueno pela enésima vez. Já imaginou que alívio? Acho que farei como meu pai e tirarei o som da TV para acompanhar os jogos com algum locutor de rádio narrando. A rádio pública vai transmitir os jogos, sabia? Clique aqui para ver a lista e os dials das rádios. Para quem gosta do Galvão, beleza, o importante seria ter mais opções gratuitamente, senão vira monopólio até de voz.

Entrevistei Galvão Bueno uma vez, pelo telefone, quando estava na revista VIP e ele na Alemanha para a Copa de 2006. Foi, sem dúvida, uma das mais divertidas entrevistas de minha carreira até agora. O apresentador global ficou nervoso e quase desligou o aparelho. Muita coisa permanece atual. Já não tem mais os RRRRRRs de Ronaldo na seleção, mas tenho a impressão que vão rolar uns NeymaRRRRRRR.

Divirtam-se e boa Copa para o Brasil.

***

HAAAJAAA CORAÇÃO! Não adianta parte da torcida espernear: pela oitava vez (agora é a décima), o locutor global dispara seus manjadíssimos bordões numa Copa do Mundo. E se engana quem pensa que será a última. A situação é dramáááticaaaa: aos 55 anos, ele renovou seu contrato com a Globo até 2014. Vai que é suuuuaaaa, Galvão!

Você se acha chato ou é maldade da galera?
Às vezes sou chato, sim. Quem não é?

E revê suas performances?
Sempre que possível. Faço minhas lições de casa direitinho.

Já se arrependeu de algum comentário feito no calor da hora?
Claro. O maior de todos foi o “eu sabia, eu sabia”, do título do Ayrton Senna no Japão, quando ele deixou o Gerhard Berger ultrapassar no final. Eu errei. Não é que eu sabia, eu imaginava que aquilo pudesse acontecer pelo que passou nas corridas anteriores. Mas o “eu sabia” me rendeu uma advertência do Boni (José Bonifácio Sobrinho, então vice-presidente da Globo), com toda razão. Ele disse assim: “Se você sabia, por que não contou antes?” Também me arrependo de uma crítica que fiz ao Ronaldão na Seleção Brasileira. Fui grosseiro com ele e já pedi desculpas.

De onde tirou esses erres arrastados antes de Ronaldinho que todo mundo implica?
Não acho que as pessoas impliquem. A maioria gosta. O Casseta & Planeta, por exemplo, adora… Na hora que eu faço, não tem muito laboratório, não. Sai naturalmente. É que o Pelé não tinha o R, o Zico não tinha, mas o Ronaldo tem! As pessoas têm a memória curta. O Rrrronaldinho já foi Rrrrrromário também.

Faz alguma coisa pra cuidar da voz?
Hoje, como não sou mais criança, tenho cuidado um pouco mais, sim. Tenho feito aquecimentos antes das transmissões, coisa que antes não fazia, e estou cuidando de uma sinusite e uma rinite crônicas. Diminuí meus charutos, mas parar não vou. A vida é que nem bicicleta, se parar você cai.

Tem alguma preparação antes dos jogos, tipo ficar em concentração como os atletas?
Não, imagina. Isso é uma questão de profissionalismo. Não posso transar antes das transmissões só porque minha mulher não está aqui e eu sou um homem casado, uma pessoa decente, fiel. Ela só vem na última semana da Copa.

Você deu um upgrade no visual, né?
Foi há uns seis anos e desde então mantenho o mesmo peso. Fiz uma lipo e uma plástica – tirei umas bolsas de baixo dos olhos, uma coisa estética e higiênica. Sou uma figura pública, tenho que ter respeito com as pessoas que estão me vendo do outro lado. Além do mais, sou vaidoso. Quem é casado com uma mulher bonita como a minha tem obrigação de tentar se manter melhor. Faço musculação, ando, corro, jogo meu golfe… Antes jogava futebol, hoje não dá mais.

Depois da guaribada, não fica chateado com o narigão que o pessoal do Casseta põe no Gavião Bueno?
Não, tento entender que o narigão é o bico do gavião, que não tem nada a ver com o meu nariz. Eu não sou bonito p*rra nenhuma, mas também não tenho um nariz daqueles… Tô longe de ser bonito, bonito é o Beckham. Eu vejo essa história do Casseta com muito orgulho, pra mim é uma homenagem. Se você não tivesse feito um trabalho importante, não seria personagem de humor. Só se é quando faz algo marcante.

Quando você sai, as pessoas o tratam bem ou tem gente que enche o saco? Muitíssimo bem, com muito carinho. Nas cidades onde você não vai sempre, com a Seleção principalmente, no Norte, Nordeste, cidades que não são capitais, é uma coisa até em excesso –o assédio, o carinho, a tietagem. Não me lembro de chegar num restaurante e alguém faltar com o respeito. Sou uma pessoa polêmica, sou a voz do esporte da Globo, mexo com paixão. Futebol acima de qualquer coisa é paixão. Então às vezes tem uns corinhos no estádio, tem quem gosta, tem quem não gosta, é moda dizer que não gosta… Mas a relação direta com o público é superpositiva.

No Orkut tem mais de 30 comunidades do tipo “eu odeio Galvão Bueno”…
Isso é normal. Há tantos anos sou a voz que leva as emoções do esporte pro povo brasileiro! Isso não me preocupa. Sou um homem bem-resolvido, muito feliz, tranqüilo.

Você souve que criaram um João Bobo com a sua cara, o Bobueno?
Não. Legal, vai vender bem.

bobueno

(Por onde andará Bobueno?)

Essas provocações incomodam?
De jeito nenhum. Se eu não tivesse importância, nada disso existiria.

O que achou da escalação da seleção? É a sua ideal?
É boa. Tenho uma certa preocupação com o quadrado mágico, a gente fica um pouco vulnerável e não sei se num determinado momento não seria bom ter uma postura um pouco mais cautelosa… Mas o Parreira é competente pra resolver isso.

Dizem que o Roque Júnior não foi convocado por ter respondido às suas críticas publicamente…
Isso não faz sentido nenhum, é uma bobagem sem tamanho. Primeiro, porque não tenho esse poder e não quero ter esse poder. Segundo, porque seria dizer que o Parreira não tem força nenhuma e tem algum desvio de caráter. É uma coisa absurda!

Também se comenta que você virou persona non grata da torcida Mancha Verde e por isso não vai mais ao estádio Palestra Itália. É verdade?

Não.

Então, qual foi o último jogo que você narrou lá?
Não me lembro.

E o Casagrande, virou seu inimigo mesmo?
Vem cá, materinha legal essa, hein? Se eu soubesse, não estava nem falando contigo. É só para me sacanear? Parece. Acho que vocês deviam perguntar isso para o Casagrande. O Casagrande é uma pessoa ótima, um ótimo profissional, é meu amigo. Estive com ele nessa fase de recuperação da hepatite, ele está vindo para cá, vamos trabalhar juntos. Não tenho problema nenhum com o Casagrande, nunca tive. Trabalhamos juntos há alguns anos, não sei de onde vêm essas coisas.

Mas ele andou dando entrevista numa rádio falando que você se comporta como estrela…
E no dia seguinte ligou para mim dizendo: “Galvão, pelo amor de Deus, eu não falei nada disso”. A verdade é que ultimamente existe muito sensacionalismo, muita maldade. Essa coisa de paparazzi, de correr atrás da vida alheia…

Quando você assiste futebol, quem gosta de ver narrando?
Gosto dos nossos dois narradores, acho o Cléber Machado e o Luís Roberto extremamente competentes. Gosto muito do Luciano do Valle, somos algo parecidos nessa coisa da emoção. E sempre achei o Silvio Luiz divertidíssimo.

Você entende de tudo quanto é esporte?
Tenho a obrigação de tentar conhecer todos eles. Sou um viciado em esporte, vejo o máximo possível em todos os países. Mas tem um que eu não gosto, aquela coisa de hóquei no gelo. Não consigo ver a bola! Não posso gostar de um jogo em que não consigo ver a bola.

Qual será o maior adversário do Brasil na Copa?
O próprio Brasil. O Brasil tem que jogar de uma forma que não seja só o time com os melhores jogadores, mas o melhor time. Se conseguir isso, ganha. Não tem nada a ver com salto alto, com fama e com dinheiro. As peças precisam se encaixar, dar certo.

De onde vem seu ódio pela Argentina?
Eu adoro a Argentina. Adoro Buenos Aires, a carne, os vinhos, gosto de tango, acho uma cidade bonita, elegante, um pedaço da Europa dentro da América do Sul. Eu e a Desirée ( sua mulher) sempre vamos para lá. Mas a rivalidade entre Brasil e Argentina no futebol é a maior do mundo! E aí eu pergunto: tem coisa melhor do que ganhar da Argentina? Não tem. Para eles, tem coisa melhor do que ganhar do Brasil? Não tem. Isso não quer dizer que eles não gostem do Brasil. Eu adoro a Argentina e adoro ganhar da Argentina.

E seu amor pelo Flamengo, hein?
Como? Não tô escutando, a ligação ficou ruim…

Não quer responder?
Nem sob tortura.


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
PIX: [email protected]
(23) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

glauber em 12/06/2014 - 16h18 comentou:

concordo que o galvão exagere em alguns momentos, mas eu o considero um bom narrador! acho que de certa forma acabou se tornando um modismo falar mal dele! nos anos 80/90 não me lembro de pegarem tanto no pé dele! e acho que ele narrou com competência momentos importantes do nosso esporte (tetra, senna) assim acho! talvez essa rejeição a sua pessoa se confunda a rejeição a empresa a qual ele trabalha!

Responder

Aldo em 12/06/2014 - 22h06 comentou:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=576572762

Responder

Francisco Bezerra em 12/06/2014 - 22h36 comentou:

Eles sorrateiramente junto com CBF e Mr. Teixeira em seus 23 anos de desserviços, alteraram tudo isso. Pois, outrora, tanto os campeonatos da primeira divisão, como jogos da seleção brasileira passava na TV pûblica. Mudaram tudo, na maior safadeza. Os clubes ficaram pobres, pedindo dinheiro a emissora, não podem mais excursionar a Europa, pois ela quem manda. Ninguêm faz nada para mudar. Jornalistas investigativos são poucos, a maioria recebem benesses, como passagens aereas para copa. Lei de mîdia jâ. Não aguentamos mais isso.

Responder

João Sarmento em 13/06/2014 - 00h13 comentou:

Cara, nada mais democrático o que você fez, não gosta, mude, escute o rádio, outro canal, desligue, vá dormir.
Mas e eu? Eu tenho o mesmo direito que o seu, e gosto muito de ouvir Galvão Bueno, assistir o jogo na Globo, porque você não gosta, eu tenho que também não gostar?? E por favor não me venha com aquela lenga lenga, me tachando de fantoche da mídia golpista, da direita conservadora e blá,blá, blá. Por favor, me venha com argumentos sérios e me convença de que eu não posso ver o jogo, ou qualquer outro programa onde eu quero, e onde eu acho melhor. Argumente seriamente e convença-me que eu tenho que ter uma única opção para ver o que desejo. Opção essa que será determinada por um tecnocrata, com certeza, alinhado à algum pensamento político. Liberdade, eu quero ver o que eu quero, se não gosto mudo, troco.

Responder

Jair em 13/06/2014 - 00h30 comentou:

Quero um bobueno!

Responder

Renato em 13/06/2014 - 01h31 comentou:

Galvão em jogo do Brasil já não tem como assistir há muito tempo e agora juntando o Ronaldo o negócio virou freak show. Pelo amor de Deus, aposenta depois da copa Galvão.

Responder

joca em 13/06/2014 - 10h32 comentou:

Não sei de quando é a entrevista e se havia uma vontade de fazer uma pegadinha com ele, só posso dizer que ele se saiu muito bem.Bem melhor que a reporte que tentava incomodar. Nunca fui fan do Galvão, sempre fui de malhar, mas a entrevista assim dada de supetão mostrou o porque dele ser a cara da Globo no futebol. Para um entendedor profundo de futebol ou um que se ache assim o galvão pode ser até ruim. Para a grande massa ele é

Responder

Marcelo Paz em 13/06/2014 - 12h23 comentou:

Dá pra assistir na Band. É de graça.

Responder

Greick Alves em 13/06/2014 - 14h34 comentou:

Via lá para Argentina então. Talvez, lá não tenha Galvão, mas você viverá numa boa ditadura dos meios de comunicação. Essa sua mentalidade socialista…hahaha

Responder

cacá em 13/06/2014 - 16h29 comentou:

adorei ver esse paspalho irritadinho…

Responder

ceticista em 16/06/2014 - 00h14 comentou:

Não sou fã de futebol, é mais um circo pra alienar mesmo.

Mas enfim, não gosto desse Galvao Bueno, ele cheio de ufanismo. Mas la nos bastidores ate brigou com pessoal lá. Passa imagem de alegre faz tipo, etc.

Mas vc foi bem sensaciolista qdo foi entrevistar ele, tava mais pra fofoca q jornalismo — sobre perguntas de Casagrande, etc.

E isso de tv publica melhor q comercial é balela. Tv publica da vtde de dormir, qdo nao eh documentario sobre a decada de 60/70 ou até 80, é sobre indio da decada, ou programa reprisado. Narrado esportivo de tv publica deve ser uma diversao (sendo ironico).

Responder

    @Centralista1 em 25/06/2014 - 02h00 comentou:

    PRA SALVAR NO TWITTER:

    Não sou fã de futebol, é mais um circo pra alienar mesmo.

    Mas enfim, não gosto desse Galvao Bueno, ele cheio de ufanismo. Mas la nos bastidores ate brigou com pessoal lá. Passa imagem de alegre faz tipo, etc.

    Mas vc foi bem sensaciolista qdo foi entrevistar ele, tava mais pra fofoca q jornalismo — sobre perguntas de Casagrande, etc.

    E isso de tv publica melhor q comercial é balela. Tv publica da vtde de dormir, qdo nao eh documentario sobre a decada de 60/70 ou até 80, é sobre indio da decada, ou programa reprisado. Narrado esportivo de tv publica deve ser uma diversao (sendo ironico).

Fabio em 16/06/2014 - 01h08 comentou:

Copa só na Band

Responder

Nirjano em 17/06/2014 - 00h17 comentou:

jajajajaja adorei Cynara! Eu odeio o galvão, Você estava tirando sarro da cara dele na entrevista?

Responder

    morenasol em 17/06/2014 - 14h47 comentou:

    total ; P

    @Centralista1 em 25/06/2014 - 02h01 comentou:

    Tirar sarro eh reportagem?

    Por isso qualidade das reportagens tao cada vez melhor.

    Danilo Henrique em 14/08/2014 - 18h59 comentou:

    Profissionalismo nota socialista

Felipe Martins em 18/06/2014 - 20h22 comentou:

Cynara, a entrevista foi muito divertida. Tenho asco de ouvir falar em Galvão Bueno. Percebo que ultimamente, qualquer artigo seu aqui no blog é seguido por uma massa de anti-comentaristas que vem aqui só pra te azucrinar. São seus dias de Galvão Bueno. Abraço

Responder

    morenasol em 18/06/2014 - 22h03 comentou:

    sinal que se incomodam comigo. não é ótimo? ; )

    lidiane em 20/06/2014 - 18h30 comentou:

    Leio outros blogs de esquerda( conversa afiada,blog do miro) e não vejo tantas ofensas aos seus autores como as que vejo aqui, mas o pior que não são posições contrárias apenas por ideologia política , mas também tentam menospreza-la como profissional ,percebo que os neoliberais são também machistas. Parabenizo você pela competência e jogo de cintura.

    @Centralista1 em 25/06/2014 - 02h03 comentou:

    Incomoda nada. Eh tanta fantasia, parece coisa de Olavo de Carvalho só q da esquerda.

    Tem horas q aqui tenta ser um CQC = Comunistas Quer Comedia

    kkkkkkk

Vitor em 24/06/2014 - 17h02 comentou:

Põe na Band… No rádio, vc vai ouvir o narrador gritar gol uns 5 minutos antes de ver a bola entrar…

Responder

Rodrigo em 28/06/2014 - 15h07 comentou:

Galvão é insuportável mesmo. Mas não sei o que seria pior, ele ou um jornalista esportivo dessa tal TV pública. Ah, dá pra assistir na Band tb.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

“Foi como se tivesse roubado a carteira de um inglês”, disse Maradona


Frase do craque no documentário de Emir Kusturica ilustra como o futebol serviu como "doce vingança" dos países pobres contra os ricos

Mídia

O “jornalismo” misógino e chapa branca da revista IstoÉ ataca novamente


Desde que Lula chegou ao poder, o jornalismo brasileiro entrou em uma espiral de decadência: mal feito, machista, reacionário, provinciano e capaz de rifar sua linha editorial em troca de anúncios