Socialista Morena
Cultura

“Bebê Rena” concretiza os maiores pesadelos do macho hétero branco

Série britânica sucesso na Netflix é uma espécie de "Os Apuros de Penélope" onde, em vez da mulher, é o homem a vítima

Richard Gadd vivendo o "Bebê Rena" da série. Foto: reprodução
Cynara Menezes
06 de maio de 2024, 14h43

***ATENÇÃO: ESTE TEXTO CONTÉM SPOILERS DA SÉRIE. SE VOCÊ AINDA NÃO ASSISTIU GUARDE PARA LER DEPOIS***

Quando eu era criança, havia um desenho animado chamado “Os Apuros de Penélope”, onde a mocinha, Penélope Charmosa, era exposta a toda sorte de perigos para então ser salva por seus baixinhos protetores da Quadrilha de Morte. A mesma personagem aparecia também na “Corrida Maluca”, outro sucesso de minha infância, sempre às voltas com perseguidores que ameaçam sua existência.

A imagem da donzela em apuros me veio imediatamente à memória ao assistir “Bebê Rena”, a série britânica que é um estrondoso sucesso mundial na Netflix. Supostamente baseada em fatos reais, “Bebê Rena” conta a história do jovem comediante de stand-up Donny Dunn (Richard Gadd), que passa os sete episódios da série sendo alvo de alguma ameaça, como uma Penélope Charmosa do sexo masculino, inocente, frágil e indefesa, à espera do resgate.

“Bebê Rena” prendeu a atenção dos espectadores do mundo todo pelo suspense e pela personagem fascinante da “vilã” Martha, mas é impossível simplesmente ignorar a homofobia, transfobia, gordofobia, etarismo e misoginia implícitos

A série, também criada por Gadd, é muito boa, bem dirigida, com atores excelentes. Mas tem algo ali que perturba, que provoca incômodo, além da tensão de roer as unhas. A stalkeadora, Martha (Jessica Gunning) é uma mulher gorda, mais velha e feia; o abusador de Donny Dunn, Darrien (Tom Goodman-Hill), é um homem também mais velho e gay. É como se “Bebê Rena” concretizasse os maiores pesadelos do macho branco hétero: ser perseguido por uma mulher gorda, mais velha e feia e ser estuprado por um homossexual.

“Tadinho dele!”, o espectador é induzido a pensar todo o tempo. A mulher gorda, mais velha e feia o persegue, o assusta e “atrapalha” sua vida e ascensão profissional. O homossexual o seduz como a aranha a uma mosca, atraindo-o à sua teia com drogas e promessas, como o mais clichê dos vilões das histórias infantis. Martha é a bruxa de risada escandalosa que o enche de elogios para então assombrá-lo; Darrien é o lobo mau que vai dar “doces” para a Chapeuzinho e então comê-la. A figura do homem é vitimizada o tempo todo: há perigos lá fora para os rapazes também, pobrezinhos.

Quando Donny se descobre bissexual, a “culpa” é atribuída ao abusador. Ele mesmo diz que, não fosse pelo estupro,  jamais descobriria que suas certezas de gênero não eram tão sólidas. Corroído pela dor e pela vergonha, Donny se entrega ao sexo desenfreado com homens e mulheres, e sofre com isso. Encontra o amor na figura da bela transexual Teri (Nava Mau), mas lhe falta coragem para assumir publicamente o romance, que mantém oculto entre quatro paredes. Mais tarde, o fato de ter perdido Teri é posto na conta da perseguição de Martha, não na enorme covardia de Donny.

Um aspecto em particular me causou indignação: enquanto a mulher gorda, mais velha e feia é denunciada à polícia e presa, o estuprador escapa incólume. Martha tornou a vida de Donny um inferno, é verdade, mas Darrien o drogou e sodomizou. Por que nunca foi denunciado?

No final, o indefeso macho hétero branco acaba resgatado dos perigos por duas mulheres negras. Mas isso não o impede de continuar alimentando seu frágil ego com os elogios da stalkeadora Martha. Donny usa a obsessão de Martha para viver e ganhar confiança em si próprio. Tampouco o abuso sexual que sofreu o impede de reencontrar com o homossexual poderoso que vai ajudá-lo a subir na carreira. Tem um aspecto em particular que me causou indignação: enquanto a mulher gorda, mais velha e feia é denunciada à polícia e presa, o estuprador escapa incólume.

Na vida real, está acontecendo uma busca frenética pela verdadeira Martha, a stalkeadora. Os tabloides britânicos já apresentaram meia dúzia delas. Mas há muito menos especulação em saber quem foi o produtor de TV que estuprou Richard Gadd, um crime muito mais grave do que stalkear alguém. Martha tornou a vida de Donny um inferno, é verdade, mas Darrien o drogou e sodomizou. Por que não há tanta gente querendo saber quem é ele? E por que ele nunca foi denunciado?

Fico imaginando se a stalkeadora fosse uma mulher linda, magra e jovem. Qual seria a reação do público? Odiaria ela tanto quanto odeia Martha? Ou sentiria um pouco mais de empatia? E Donny, seria zoado por não ceder ao assédio de uma mulher atraente? Sim, mulheres bonitas também stalkeiam. Dê um google e vai encontrar várias –e vários, já que as mulheres são muito mais frequentemente vítimas de stalkers do que os homens: 78% das vítimas são mulheres e 87% dos stalkers são homens.

E se o estuprador fosse um homem heterossexual? Longe da ficção, são homens héteros que estupram gays e não o contrário, a despeito do medinho que machos inseguros de sua masculinidade parecem sentir dos homossexuais. Volta e meia saem notícias de jovens gays sendo estuprados “corretivamente” por homens, e o número de estupros de LGBTQIA+ tem crescido: aumentaram 88% durante os anos em que Jair Bolsonaro, aquele que preferia um filho morto a um filho gay, estava no poder.

“Bebê Rena” prendeu a atenção dos espectadores do mundo todo pelo suspense e pela personagem fascinante da “vilã” Martha, mas é impossível simplesmente ignorar a homofobia, transfobia, gordofobia, etarismo e misoginia implícitos. Que pelo menos a série contribua para encorajar mais homens a enfrentar o tabu do assédio e do abuso sexual que sofreram –até porque colocá-los no lugar de vítimas rendeu uma empatia que poucas vezes vimos com as mulheres na vida real.


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta: 000591852026-7
PIX: [email protected]
(7) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Rogério Atanázio de Souza em 06/05/2024 - 16h14 comentou:

Libera para compartilhar no ZAP

Responder

    Cynara Menezes em 06/05/2024 - 20h57 comentou:

    uai, é só compartilhar

Patrícia Braga em 06/05/2024 - 21h12 comentou:

Olá, Cynara!

Direto da Boa Terra também conhecida como Salvador 1️⃣3️⃣❗️😍😜
A série Outlander também tem uma cena de abuso do protagonista.
Como a série é grande, não sei se é no início ou no meio, pois não continuei a assistir.
Prefiro filmes!
Te adoro!!!

😘😘
Pati Braga

Responder

An em 07/05/2024 - 19h58 comentou:

Você piscou: ele fala sobre isso no episódio 5.

“Tem um aspecto em particular que me causou indignação: enquanto a mulher gorda, mais velha e feia é denunciada à polícia e presa, o estuprador escapa incólume.”

Responder

Fernando em 07/05/2024 - 20h48 comentou:

Poucas vezes vi uma “critica” tão mal feita, forçando em cada detalhe para fazer uma leitura adequada a um certo feminismo/ lgbtismo delirante.O personagem é homem branco, cis, poderia ser azul, sofre bastante e tem uma bonita mensagem sobre como traumas e sofrimentos nos aprisionam.A articulista parece torcer e se satisfazer com o sofrimento do personagem.Classifica-o como hetero, ele não é.Hierarquiza crimes para aliviar para a mulher obesa.Tenta provar que o estuprador é hetero, um show de horrores!Tente outros filmes, Dick Vigarista serviria melhor aos seus propósitos, ele sim é branco, meia idade, cis, classe média e talvez hetero, só precisa aliviar para o cachorro.

Responder

Gerson Miller em 12/05/2024 - 15h12 comentou:

Bah! Cynara! Tua análise levou eu e minha esposo a olhares e analogias diversas e nos fez ampliar o espectro de nossas discussões sobre essa série, que no mínimo, deixou-nos muito desconfortáveis ao assisti-la.

Responder

    Cynara Menezes em 13/05/2024 - 11h16 comentou:

    que legal!

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Vídeos

O Rebanho: e se fôssemos nós e não eles?


Um curta chocante que aborda, sob o ponto de vista feminista e vegano, como seria estar no lugar dos animais que criamos para comer.  

Vídeos

“Vem de Cuba” retrata a vida dos médicos cubanos no RN


"Vem de Cuba" retrata a vida dos médicos cubanos no RN