Socialista Morena
Maconha

Maratona 4h20: filmes doidões para chapar assistindo Netflix

Uma seleção feita pelo site de filmes e documentários que tratam sobre maconha e drogas no canal de streaming

"Baseado em Fatos Raciais". Foto: Nerflix/divulgação
Rubens Ervald
05 de março de 2020, 14h43

Uma seleção de filmes e documentários que abordam, direta ou indiretamente, a maconha e outras drogas para assistir no Netflix. Confira:

1. Sem Destino (Easy Rider)

Um clássico da contracultura, estrelado por Dennis Hopper, Peter Fonda e Jack Nicholson em 1969. Dirigido por Hopper, o filme conta a história de Wyatt e Billy, dois motoqueiros que cruzam os EUA para chegar até o carnaval de New Orleans (Mardigras). No caminho, uma paisagem belíssima, trilha sonora imperdível e a perseguição dos caretas. Em uma das cenas, o trio fuma maconha de verdade, a ponto de Nicholson errar suas falas e cair na gargalhada.

2. The Sunshine Makers

Dirigido por Cosmo Feilding-Mellen, o documentário conta a história de Nicholas Sand e Tim Scully, dois jovens norte-americanos que acreditaram ter a missão de produzir e distribuir milhões de doses de LSD gratuitamente para o mundo inteiro e assim mudar a energia do planeta. Sério, isso existiu! Juntos eles criaram em 1967 um dos ácidos mais famosos da história, o legendário Orange Sunshine. Bem-feito e cômico ao extremo.

3. Baseado em Fatos Raciais (Grass is Greener)

O pioneiro do hip hop Fab 5 Freddy conta neste documentário como o racismo esteve por trás da proibição da maconha nos Estados Unidos, desde o começo, inclusive para perseguir músicos de jazz como Louis Armstrong, que era um consumidor de cannabis assumido. Com a participação enfumaçada de Snoop Dogg, o filme mostra como os negros sofreram na proibição e são excluídos da liberação: apenas 4,3% do negócio bilionário da maconha medicinal e recreativa nos EUA têm empreendedores negros à frente.

4. Flagrantes de Família (Family Business)

Ao ser informado que a França está prestes a legalizar a maconha, uma família judia resolve transformar seu açougue à beira da falência em um bar onde a ganja é totalmente liberada. Série cômica na mesma pegada de outras produções que transformam cidadãos comuns em “traficantes”, como Weeds.

5. The Legend of 420

O filme aborda o atual status da maconha, pós-legalização em vários Estados norte-americanos, com seu uso sendo disseminado não só de forma medicinal e recreativa, como criativa: na arte, na gastronomia… De maneira entusiástica e bem humorada, retrata os interesses financeiros, a estupidez e a falta de lógica por trás da proibição da cannabis.

6. Segurando as Pontas (Pineapple Express)

Essa comédia com James Franco e Seth Rogen é daquele tipo só para gargalhar sem compromisso. Rogen é um maconheiro que compra as melhores cannabis de seu fornecedor, Franco. O problema começa quando, sem querer, o doidão flagra o assassinato cometido por um supertraficante que passa a persegui-lo após achar uma pista: o chapadão deixou cair na cena do crime uma bagana de Pineapple Express, um híbrido que só ele comercializa.

7. Reincarnated

Snoop Dogg, o maior maconheiro vivo (pau a pau com nosso Marcelo D2), conta como, para fugir um pouco do tema da violência, migrou do hip hop para o reggae em 2013, produzindo o disco Reincarnated sob o pseudônimo de Snoop Lion. No doc, Snoop percorre as melhores quebradas de Kingston, sempre fumando as melhores maconhas da Jamaica. Numa cena hilária, enquanto fuma um morrão em cima de um morro, o rapper é abordado por uma garota, que lhe dá uma flor e fala: “Nossa, mas você é muito parecido com o Snoop Dogg”. E ele, chapadão: “Ééééé… Todo mundo me diz isso”.

8. Lommbock

Este filme alemão é uma continuação de Lammbock, de 2001 (ele está disponível no youtube com legendas em inglês). Os dois amigos chapadões da comédia original, Kai e Stefan, são agora dois coroas que seguiram rumos diferentes: o bonitão Stefan está prestes a se casar com uma herdeira milionária em Dubai, enquanto Kai continua bastante ligado em fumar maconha sem parar. É o típico filme para dar risada despretensiosamente no sofá, mais ou menos como os protagonistas…

9. O Barato de Iacanga

O documentário dirigido por Thiago Mattar conta a história do Festival de Águas Claras ou Festival de Iacanga, que aconteceu em 1975, no auge da ditadura militar; em 1981, após a anistia; e em 1983 e 1984, às vésperas da redemocratização. Conhecido como “o Woodstock brasileiro”, a cidadezinha de Iacanga recebeu, nas quatro edições do festival, os maiores nomes da MPB: Gonzaguinha, Raul Seixas, Mutantes, Walter Franco, Luiz Gonzaga, Alceu Valença, Belchior, Gilberto Gil… Além de muita gente pelada, de boa, ouvindo música. E a grande incógnita: João Gilberto enfrentará a lama e os problemas técnicos e cantará no festival? Assistam, é o maior barato.

Esta lista não tem fim: é para curtir até a última ponta. Volte sempre para conferir as novidades.


(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Alexandre Silva em 14/03/2020 - 16h02 comentou:

Obrigado, ajudou no fechamento do meu THC… Ops desculpe, meu TCC

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

Slow Filme exibe “História da Alimentação no Brasil”, baseado em Câmara Cascudo


Festival que acontece até domingo no Cine Brasília une o cinema à gastronomia, com filmes, palestras e degustações

Cultura

Padilha diz ter sido extremamente fiel aos fatos em filme sobre sequestro de avião


"A verdade não precisa de defesa, a mentira precisa", disse o cineasta em Berlim ao lançar Sete Dias em Entebbe, que estreia no Brasil