Socialista Morena
Cultura

A biblioteca de Darcy, para todos

  Um velho sonho de Darcy Ribeiro (1922-1997), ídolo deste blog, vai se tornar realidade 50 anos depois: idealizada pelo antropólogo em 1962, a Biblioteca Básica Brasileira distribuirá gratuitamente 360 mil livros para todas as bibliotecas públicas do País. São livros de ensaios sobre o Brasil, para brasileiros. O lançamento do primeiro volume, abrindo as […]

Cynara Menezes
22 de outubro de 2012, 19h17

 

(foto de Darcy colorizada pelo cineasta Ivan Cardoso)

Um velho sonho de Darcy Ribeiro (1922-1997), ídolo deste blog, vai se tornar realidade 50 anos depois: idealizada pelo antropólogo em 1962, a Biblioteca Básica Brasileira distribuirá gratuitamente 360 mil livros para todas as bibliotecas públicas do País. São livros de ensaios sobre o Brasil, para brasileiros.

O lançamento do primeiro volume, abrindo as comemorações pelos 90 anos de nascimento de Darcy, será na quinta-feira no Rio de Janeiro. Se estivesse vivo, Darcy Ribeiro se tornaria nonagenário no dia seguinte, 26 de outubro.  América Latina: a Pátria Grande, obra que inaugura a coleção, reúne ensaios sobre identidade e integração latino‐americana.Visionário, Darcy destaca a liderança que o Brasil teria nesse bloco político.

Aliada à Fundação Biblioteca Nacional e à Editora UnB, a Fundação Darcy Ribeiro constituiu um comitê editorial que redesenhou o projeto. Com a inclusão de 50 novos títulos, a coleção apresentará 150 obras, com distribuição gratuita para todas as bibliotecas que integram o Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas e ocorrerá ao longo de três anos. Os temas foram definidos por Darcy: O Brasil e os brasileiros; Os cronistas da edificação; Cultura popular e cultura erudita; Estudos brasileiros e Criação literária. O projeto tem o patrocínio dos Correios e da Petrobras.

Vão lá: Lançamento América Latina: a Pátria Grande
Dia: 25 de outubro, às 18h00, no auditório Eliseu Visconti, da Fundação Biblioteca Nacional
Rua México s/nº – Centro Rio de Janeiro (acesso pelo jardim)


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(2) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

@waasantista em 22/10/2012 - 19h37 comentou:

Também sou fã de Darcy Ribeiro que, por sinal, faz uma falta…

Responder

Gladistone Gripp em 18/02/2014 - 11h15 comentou:

Acho excelente a iniciativa da homenagem ao Mestre Darcy. Muito mais que merecida. É muito importante que os livros estejam lá, nas bibliotecas. No entanto, quando vejo essas louváveis iniciativas, começo a ficar mais preocupado. Me explico: Trabalhei a vida quase inteira em escolas públicas de MG e RJ, e frequentei as bibliotecas escolares e outras. Impossível não ser assim, sendo professor. No entanto, percebi que a grande maioria dos livros lá existentes, e são muitos e de variadas áreas do conhecimento, fica(va)m quase sempre intocados. Como queremos que os alunos leiam se o professor não lê!? Como mudar a Educação se não mudamos nossa visão de mundo!?
Me perdoe pelo pessimismo, mas algo essencial falta à formação dos professores: mudar sua "Cultura" interior. Não basta um discurso afiado. É preciso praticar, experimentar, ousar ter novas ideias e utilizá-las! Como sempre fez Darcy Ribeiro!

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Maconha

Criminalização da maconha e racismo


Nos Estados Unidos, os negros têm quase quatro vezes mais chances de serem presos por causa de maconha do que os brancos, embora fumem tantos baseados quanto os primeiros. No Brasil, a maioria dos presos…

Cultura

Histórias Cruzadas: as domésticas nos EUA


Quando o filme Histórias Cruzadas estreou nos Estados Unidos, em 2011, sofreu muitas críticas de entidades afro-americanas por mostrar a vida das empregadas domésticas do Mississipi sob uma ótica “branca”. Isso porque é uma “patroazinha”,…