Socialista Morena
Politik

Argentina em queda livre com a direita no poder: Macri pede adiantamento ao FMI

Apesar das medidas, dólar continua a disparar e país já é o quarto do mundo em inflação; na América do Sul, fica atrás apenas da Venezuela

Mauricio Macri caracterizado como sr. Burns dos Simpsons. Charge de Serko
Martín Fernández Lorenzo
29 de agosto de 2018, 21h21

A Argentina já superou a mera crise econômica e foi para o estágio do abismo em queda livre. Ninguém sabe como isso vai acabar, mas o que todos concordamos é que a realidade do país é financeiramente desastrosa e à beira do colapso. A primeira verdade que o direitista Mauricio Macri disse depois de dois anos e meio de um ajuste brutal e repetido, onde os argentinos perderam 50% do poder adquirido, é que agora chegam os meses mais difíceis. Aterrorizante. Pior do que já está?

Nesta quarta-feira, o presidente divulgou uma mensagem de dois minutos onde comunica que pediu um adiantamento ao FMI para “acalmar os mercados”. “Sei que estas situações tormentosas geram angústias e preocupação em muitos de vocês, sei e entendo. Mas saibam que estou tomando todas as decisões necessárias para cuidar disso. Estamos fazendo tudo o que está a nosso alcance para seguir em frente”, disse Macri.

A resposta dos mercados foi o dólar continuar disparando: um dólar vale hoje quase 35 pesos. Na época de Cristina Kirchner, valia 9,75 pesos, um aumento de 250% desde que Macri assumiu. As ações de empresas argentinas na Bolsa de Nova York despencaram e o risco-país ultrapassou os 700 pontos. Para se ter uma ideia, no Brasil, quando a tensão pré-impeachment alcançou seu auge, o risco-país atingiu 505 pontos.

A queda recorde da atividade econômica, que em maio foi de 5/8%, foi superada pela de junho, que desceu ainda mais: 6,7%. Julho não será exceção. Se, poucos meses atrás, o argentino médio não conseguia chegar ao final do mês por causa das altas taxas, dos aluguéis e despesas que subiram em apenas 32 meses para valores insanos, atualmente a renda das famílias não consegue passar da primeira quinzena.

As ações de empresas argentinas na Bolsa de Nova York despencaram e o risco-país ultrapassou os 700 pontos. Para se ter uma ideia, no Brasil, quando a tensão pré-impeachment alcançou seu auge, o risco-país atingiu 505 pontos

A mídia comercial tenta maquiar a realidade argentina com sugestões para “driblar” a crise. O “diário oficial” de Macri, o Clarín, promove como tendência entre as crianças o aluguel de brinquedos. O portal Infobae dá “dicas” sobre como gastar menos gás (como não “exagerar” em abrir as janelas para não prejudicar a calefação) e fazer compras menores ou “inteligentes” para economizar. O La Nacion aconselha menos compras e costurar suas próprias roupas. O canal chapa-branca El Trece bateu todos os recordes ao ensinar as pessoas como reaproveitar o pão duro.

“O pão duro pode ser recuperado?”

O pão é um dos itens cujo preço mais subiu, graças ao aumento absurdo no preço da farinha de trigo. O saco de 50 quilos de farinha subiu 188% em quatro meses: em fevereiro, custava 250 pesos e agora está sendo vendido a 720 pesos, superando os preços internacionais. A inflação projetada para o ano foi de 15,7%, em 7 meses chegou a 19,6%. Somente a Venezuela, o Sudão do Sul e o Sudão superam a Argentina em países com mais inflação em todo o mundo.

A mídia comercial, para puxar o saco do governo, se esmera em sugestões para “driblar” a crise, como ensinar a reaproveitar o pão duro. Macri cortou até a dose de vacina contra meningite para crianças de 11 anos

Para toda essa queda financeira, se somam as demissões e a repressão aos protestos de trabalhadores. Há três semanas que 57 universidades nacionais estão em greve exigindo um salário digno e, mais grave, o governo cortou até a dose de vacina contra meningite para crianças de 11 anos. Sinistro. A maior central de trabalhadores argentina, a CGT, convocou nesta quarta-feira uma greve geral contra as medidas do governo para o dia 25 de setembro.

Na semana passada, milhares de argentinos tomaram as ruas de Buenos Aires. O motivo? Nenhum dos acima mencionados. O slogan foi a “busca e apreensão” das propriedades de Cristina Kirchner. No dia seguinte, o poder político-judicial liderado pelo juiz Bonadío fez o desejo de parte da cidade e a casa de Cristina foi invadida.

Não há pão, mas não nos falta um circo.

P.S.: Todas as fontes de mídia deste post são de veículos pró-governo. Imagine se não fossem.

 


Apoie o autor

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

(2) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Roberto em 29/08/2018 - 22h19 comentou:

Logo a mídia (de lá e daqui) estará ensinando como vasculhar latas de lixo para achar comida. E dirão que é a última moda…

Responder

Rodrigo em 29/08/2018 - 23h18 comentou:

Mesmo a esquerda sendo eleita no Executivo, o povo monoteísta, acostumado a um único poder no céu, não entende bem para que serve o Legislativo. Isso explica como Lula foi eleito em 2002 junto com um Congresso extremamente reacionário. Dessa forma, não há maneira da esquerda conseguir democratizar a mídia que segue fazendo a lavagem cerebral no povo, o que impede a esquerda de avançar. Dizem que este ano a tendência no Brasil é um Congresso mais progressista. Veremos.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Esquerda X direita e a prioridade ao coletivo


(Foto: Jornalistas Livres) Em resumo, ser de esquerda é um modo de ver o mundo onde se luta por mais justiça social e igualdade e se preocupa menos com a ideia de “vencer” na vida…

Direitos Humanos

“Marchei contra meu pai genocida”: filhos de agentes da repressão argentina criticam redução da…


Ao aplicar redução de pena a torturadores, genocidas e demais agentes da repressão na ditadura, Corte Suprema da Argentina favorece que todos os condenados por barbaridades durante o regime militar sejam colocados na rua