Socialista Morena
Feminismo

Bancada de mulheres de esquerda dobra na Câmara dos Deputados

Como um todo, bancada feminina cresceu de 51 para 77 deputadas; PSOL e PT foram os partidos que mais ganharam mulheres

Mulheres de esquerda da Câmara em 2019 com a decana, Luiza Erundina, em destaque
Da Redação
08 de outubro de 2018, 18h36

Como se diz na Bahia, vai ser barril dobrado para os machistas, literalmente: a bancada de mulheres de esquerda na Câmara Federal pulou de 12 para 23 deputadas e é a melhor notícia desta eleição em que o movimento #EleNão protagonizou as ruas. Metade delas ocupará pela primeira vez uma cadeira no Parlamento. Ou seja, além de mais mulheres feministas, teremos energia renovada.

Os partidos de esquerda que mais ganharam representantes femininas foram o PSOL, que só tinha Luiza Erundina e agora terá as jovens Áurea Carolina (MG), Talíria Petrone (RJ), Fernanda Melchionna (RS) e Sâmia Bomfim (SP); e o PT, que ganhou a Professora Rosa Neide (MT), Marília Arraes (PE), Rejane Dias (PI) e Natalia Bonavides (RN), sem contar com a senadora Gleisi Hoffmann, que agora será deputada pelo Paraná. O mesmo aconteceu com Lídice da Mata, do PSB baiano, eleita para a Câmara.

O mais bacana é que o perfil é diverso, representando à altura a mulher brasileira: tem brancas, negras, jovens, maduras… A mais nova é a cientista política com origem na periferia de São Paulo e que estudou em Harvard, Tabata Amaral (PDT), que, aos 24 anos, recebeu mais de 260 mil votos. A mais velha é Luiza Erundina, do PSOL, que aos 83 anos vai para seu sexto mandato como deputada federal.

O perfil é diverso, representando à altura a mulher brasileira: tem brancas, negras, jovens, maduras… Entrou inclusive a primeira mulher indígena a se tornar deputada. A mais nova é Tabata Amaral, com 24 anos, e a mais velha, Luiza Erundina, 83

Entrou inclusive a primeira mulher indígena a se tornar deputada, a advogada Joenia Wapichana, pela REDE (RO). Desde 1982, quando elegeu Mário Juruna, o país não levava uma representante indígena para a Câmara. As mulheres negras têm agora cinco representantes na esquerda: Benedita da Silva (PT-RJ), Perpétua Almeida (PCdoB-AC), Talíria, Áurea e a também novata Silvia Cristina (PDT-RO). Ainda é pouco, levando em conta que as mulheres negras representam metade da população feminina brasileira, mas é um avanço.

Como um todo, a bancada feminina na Câmara aumentou de 51 para 77 deputadas, mesmo com a onda misógina que vivemos, o que significa 15% das cadeiras. Atualmente, a bancada feminina representa 10% da Câmara, com 51 deputadas. Entre as eleitas, 43 ocuparão o cargo de deputada federal pela primeira vez.

Veja a lista completa das mulheres de esquerda na Câmara abaixo. Escolhemos apenas candidatas do PT, PSOL, PSB, PcdoB, PDT e REDE que se identificam com a luta feminista e pelos direitos das minorias. Caso outras deputadas eleitas também se identifiquem com as causas progressistas, adicionaremos à relação.

Perpétua Almeida – PCdoB-AC
Professora Marcivania – PCdoB-AP
Alice Portugal – PCdoB-BA
Lídice da Mata – PSB-BA
Luizianne Lins – PT-CE
Erika Kokay – PT-DF
Professora Rosa Neide – PT-MT
Áurea Carolina – PSOL-MG
Margarida Salomão – PT-MG
Gleisi Hoffmann – PT-PR
Marília Arraes – PT-PE
Rejane Dias – PT-PI
Talíria Petrone – PSOL-RJ
Jandira Feghali – PCdoB-RJ
Benedita da Silva – PT-RJ
Natalia Bonavides – PT-RN
Fernanda Melchionna – PSOL-RS
Maria do Rosário – PT-RS
Silvia Cristina – PDT-RO
Joenia Wapichana – REDE-RR
Tabata Amaral – PDT-SP
Sâmia Bomfim – PSOL-SP
Luiza Erundina – PSOL-SP

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(3) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Marinalva Santana em 08/10/2018 - 22h46 comentou:

Rejane Dias – PT-Pi é uma fundamentalista religiosa. Quando deputada estadual, foi ferrenha opositora da PEC que alterou a Constituição do Piauí para incluir a proibição de discriminação contra LGBT

Responder

Francisco de Assis d'Avila em 09/10/2018 - 21h00 comentou:

O movimento deve começar agora para criar novas lideranças nas comunidades para em 2020 nas câmaras municipais e em 2020 deputadas federais e estaduais chegar a 50% ! Vocês mereceem no mínimo a metade ! Para quem não tinha o direito de votar está chegando a hora da igualdade mais do que nunca !

Responder

Ronau Gomes de Mello em 09/10/2018 - 22h01 comentou:

Só as mulheres nos salvarão. #elenão

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Ruralista, Maggi diz que fusão de Agricultura com Meio Ambiente prejudica o agronegócio


Atual titular da pasta e seu colega do MMA lamentaram decisão de Bolsonaro salientando que será ruim para os negócios do Brasil

Politik

Como seria o Brasil de Bolsonaro (de acordo com suas próprias palavras)


Um exercício futurístico sobre o destino que nos reserva se o candidato de extrema-direita for eleito no próximo domingo