Socialista Morena
Mídia

Brasil é um dos três países onde a confiança na mídia mais caiu

Graças às fake news e às notícias "distorcidas", pela primeira vez a mídia aparece como a menos confiável entre as instituições

O apresentador do Jornal Nacional, William Bonner. Foto: reprodução
Da Redação
01 de abril de 2018, 20h36

Nunca se confiou tão pouco na imprensa: o Brasil, a Índia e os Estados Unidos são os três países do mundo onde a confiança na mídia mais caiu, de acordo com o estudo global Edelman Trust Barometer 2018, divulgado no último dia 28 de março. Pela primeira vez, a mídia aparece como a instituição menos confiável em relação às outras (governo, empresas e ONGs) em 22 dos 28 países pesquisados. A explicação para a queda são as notícias “distorcidas” e as fake news.

A confiança na mídia nos três países caiu cinco pontos e chegou a 43%. A redução da confiança nas plataformas digitais (mecanismos de busca e redes sociais) está entre as responsáveis pelo cenário e entre os brasileiros também caiu cinco pontos, chegando a 64%. Entre os brasileiros, os números são vergonhosos para os donos de meios de comunicação: nada menos que 67% acreditam que os veículos apoiam uma ideologia em vez de informar. Ou seja, a ideia de que são “imparciais” já não engana quase ninguém.

Nada menos que 67% dos brasileiros acreditam que os veículos apoiam uma ideologia em vez de informar. Ou seja, a ideia de que são imparciais já não engana quase ninguém

Quase metade dos entrevistados afirmou não saber em quais empresas de mídia confiar. Para 74% dos brasileiros, jornais, rádios, emissoras de TV e internet estão mais preocupados em atrair uma grande audiência do que em noticiar. Outros 71% acreditam que os meios de comunicação sacrificam a exatidão para darem uma notícia em primeira mão. De forma preocupante, 58% dos brasileiros não sabem diferenciar uma notícia verdadeira de uma mentirosa; 68% não sabem em quais políticos confiar e 48% não sabem em quais companhias ou marcas confiar. E mais: 75% têm medo que as fake news sejam usadas como armas.

O engajamento no consumo de notícias de grandes veículos também foi avaliado. Segundo o documento, 39% estão desengajados e consomem notícias menos de uma vez por semana. Outros 23% consomem cerca de uma ou duas vezes por semana. Já 38% leem notícias uma ou mais vezes por semana e compartilham ou postam esses conteúdos várias vezes por mês.

Quando o assunto é o porta-voz mais confiável, houve um crescimento da fé em especialistas e um declínio na credibilidade entre pares (amigos e familiares) globalmente. No Brasil, a confiança em relação aos jornalistas aumentou 12 pontos e foi para 47%.

De forma preocupante, 58% dos brasileiros não sabem diferenciar uma notícia verdadeira de uma mentirosa; 75% têm medo que as fake news sejam usadas como armas

A credibilidade da pessoa comum despencou 8 pontos e foi para 70%. No entanto, na opinião dos entrevistados, continua sendo o porta-voz mais confiável. O que se pode concluir disso é que as pessoas priorizam ouvir, ler e compartilhar pontos de vistas semelhantes aos seus. Trocando em miúdos, confiam mais em suas “bolhas” do que em informações que venham de fora.

O Edelman Trust Barometer entrevistou mais de 33 mil pessoas de 28 países entre os dias 28 de outubro e 20 de novembro de 2017.

Com informações do Portal  Imprensa


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

João Junior em 04/04/2018 - 00h23 comentou:

Talvez não seja tão desanimador como parece. Talvez a história esteja sendo melhor compreendida e, afinal, a estética capitalista esteja começando a perder força. O lado ruim é que o fascismo, mesmo assim, avança e isso faz supor o contrário, de que a mídia esteja mesmo conseguindo canalizar a opinião política para a extrema direita, já que o fascismo depende da mídia de massas, e isso é que é realmente preocupante, ainda que a população esteja mais consciente da manipulação da informação.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Trabalho

Folha terá que pagar multa a jornalista que fez acróstico “chupa Folha” em obituário


Por Silvana Moreira, do TRT-SP A empresa Folha da Manhã, autora de uma reclamação trabalhista, foi condenada pelos magistrados da 5ª Turma do TRT da 2ª Região a pagar uma multa ao reclamado, um ex-jornalista…

Politik

La Garganta Poderosa, a revolucionária revista argentina que dá voz ao povo, não à…


  Por Erika Morhy*, de Buenos Aires, exclusivo para o Socialista Morena   Algumas ligações, um par de emails e, finalmente, consigo os primeiros contatos. O prédio onde funciona a sede da revista La Garganta…