Socialista Morena
Cultura

De Piketty e cia. para Merkel: “Chérie, seu plano de austeridade deu errado, reconheça”

O badalado autor de O Capital no Século 21, Thomas Piketty, se aliou a quatro outros colegas intelectuais e divulgou esta semana uma carta pública à chanceler alemã Angela Merkel onde a exorta a reconhecer que o plano de austeridade que traçou para a Grécia deu errado e a corrigir urgentemente o rumo para o […]

BERLIN, GERMANY - MARCH 23: German Chancellor Angela Merkel and Greek Prime Minister Alexis Tsipras listen to their countries' national anthems upon his arrival for talks at the Chancellery on March 23, 2015 in Berlin, Germany. The two leaders are meeting as relations between the Tsipras government and Germany have soured amidst contrary views between the two countries on how Greece can best work itself out of its current economic morass. (Photo by Sean Gallup/Getty Images)
Cynara Menezes
09 de julho de 2015, 16h24
(O primeiro-ministro grego Alexis Tsipras e a chanceler alemã Angela Merkel)

(O primeiro-ministro grego Alexis Tsipras e a chanceler alemã Angela Merkel)

O badalado autor de O Capital no Século 21, Thomas Piketty, se aliou a quatro outros colegas intelectuais e divulgou esta semana uma carta pública à chanceler alemã Angela Merkel onde a exorta a reconhecer que o plano de austeridade que traçou para a Grécia deu errado e a corrigir urgentemente o rumo para o bem do mundo. Lembrou do perdão à dívida alemã no passado e pediu que a dívida grega seja reduzida. “É hora de um reexame humanitário do punitivo e falido programa de austeridade dos últimos anos”, diz o texto. Confira, traduzi da The Nation.

***

Por Heiner Flassbeck, Thomas Piketty, Jeffrey D. Sachs, Dani Rodrik e Simon Wren-Lewis

A austeridade ‘sem fim’ que a Europa está enfiando ‘goela abaixo’ do povo grego simplesmente não está funcionando. Agora a Grécia disse bem alto: “chega”.

Como a maior parte do mundo sabia que iria acontecer, as exigências financeiras feitas pela Europa destroçaram a economia grega, levaram ao desemprego em massa, a um colapso do sistema bancário e fizeram com que a crise da dívida externa ficasse pior ainda, com o problema subindo para impagáveis 175% do PIB. A economia agora está quebrada, com as receitas fiscais em queda livre, produção e emprego em baixa e os negócios famintos por capital.

O impacto humanitário tem sido colossal –atualmente, 40% das crianças vivem na pobreza, a mortalidade infantil sobe à estratosfera e o desemprego dos jovens chega perto de 50%. Corrupção, evasão de impostos e uma terrível contabilidade do governo grego anterior ajudaram a criar o problema da dívida. Os gregos cumpriram com muito do pedido da chanceler alemã Angela Merkel por austeridade –cortaram salários, cortaram os gastos do governo, reduziram as pensões, privatizaram e desregularam e aumentaram os impostos. Mas, nos últimos anos, uma série dos tais ‘programas de ajuste’ infligidos à Grécia serviu apenas para fazer uma Grande Depressão, do tipo que não era visto na Europa desde 1929-1933. O remédio prescrito pelo Ministério das Finanças alemão e por Bruxelas fez sangrar o paciente, não curou a doença.

Juntos, nós exortamos a chanceler Angela Merkel e a Troika a considerarem uma correção de curso, para evitar maiores desastres e permitir que a Grécia continue na Zona do Euro. Neste momento, estão pedindo ao governo grego para que aponte uma arma para sua cabeça e puxe o gatilho. Infelizmente, a bala não irá matar apenas o futuro grego na Europa. O efeito colateral irá matar a zona do euro como um baluarte da esperança, democracia e prosperidade, e poderia levar a consequências econômicas de longo alcance ao redor do mundo.

Nos anos 1950, a Europa foi fundada graças ao perdão de dívidas passadas, notadamente as alemãs, o que gerou uma contribuição massiva à paz e ao crescimento econômico do pós-guerra. Hoje, nós precisamos reestruturar e reduzir a dívida grega, dar à economia um espaço para se recuperar e permitir que a Grécia pague um fardo menor de dívida em um longo período de tempo. É hora de um reexame humanitário do punitivo e fracassado programa de austeridade dos últimos anos e de aceitar uma redução substancial das dívidas gregas em conjunção com as tão necessárias reformas necessárias no país.

Para a chanceler Merkel nossa mensagem é clara: nós a exortamos a tomar essa atitude vital de liderança para a Grécia e Alemanha, e também para o mundo. A história irá lembrar de você por suas ações esta semana. Nós esperamos e contamos com você para dar os passos corajosos e generosos em direção à Grécia e que serão úteis à Europa por gerações.

Atenciosamente,

Heiner Flassbeck, ex Secretário de Estado no Ministério Federal das Finanças alemão

Thomas Piketty, Professor de Economia na Escola de Economia de Paris

Jeffrey D. Sachs, Professor de Desenvolvimento Sustentável, Professor de Políticas Públicas e Gestão e Diretor do Instituto Terra na Universidade de Columbia

Dani Rodrik, Professor da Fundação Ford de Economia Política Internacional, Escola Harvard Kennedy

Simon Wren-Lewis, Professor de Política Econômica, Escola de Governo Blavatnik, Universidade de Oxford

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Maconha

A maconha é uma nova commodity


Uma das coisas que me espantam no capitalismo, sobretudo o brasileiro, é a absoluta falta de criatividade. Se depender do sistema, nem mesmo as maneiras de se fazer dinheiro se renovarão. Vejam o caso das…

Politik

Estendendo o pires em causa própria


Deu no El Pais: pela primeira vez em sua história, a Cruz Vermelha espanhola faz uma campanha não para ajudar países pobres do terceiro mundo, como o Haiti, mas famintos da própria Espanha. O vídeo…