Socialista Morena
Politik

Fachin prorroga inquérito contra Eunício, Jucá e Maia porque PF não cumpriu diligências

Em 60 dias, nenhuma das diligências nem as perícias solicitadas pela PGR nos sistemas da Odebrecht foram feitas pela Polícia Federal

O presidente do Senado, Eunício Oliveira, e o senador Romero Jucá. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Da Agência Brasil
16 de maio de 2018, 22h02

O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a prorrogação por mais 60 dias de um inquérito contra os presidentes do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), os senadores Romero Jucá (RR), presidente do MDB, e Renan Calheiros (MDB-AL), bem como o deputado Lúcio Vieira Lima (MDB-BA).

A investigação tem como base a delação premiada do ex-presidente-executivo da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, e de outros cinco executivos da empresa, que relataram o pagamento de mais de 7 milhões de reais aos parlamentares para que duas medidas provisórias favoráveis ao grupo fossem aprovadas no Congresso.

Marcelo Odebrecht e outros cinco executivos da empresa relataram o pagamento de mais de 7 milhões de reais aos parlamentares para que duas medidas provisórias favoráveis ao grupo fossem aprovadas no Congresso

Na justificativa para o pedido de prorrogação, a procuradora-geral da República Raquel Dodge citou investigações “pendentes” da Polícia Federal: nos últimos 60 dias, nenhuma das diligências previstas foi cumprida pelos delegados, entre elas a oitiva, como testemunha, de Carlos Parente, executivo da Braskem, uma subsidiária da Odebrecht. Nos últimos dois meses, também não foram feitas perícias nos sistemas de comunicação e contabilidade paralela da Odebrecht, chamados Drousys e Mywebdayb, conforme previstas, destacou a PGR.

O prazo para o fim das investigações da Polícia Federal já havia sido prorrogado uma vez por igual período, mas os delegados responsáveis voltaram a solicitar mais tempo.

 


(3) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Maria de Fatima Lima em 16/05/2018 - 22h33 comentou:

Cara, me sinto muito idiota obedecendo leis ridículas enquanto esses canalhas riem. O que mais me deixa furiosa é ter que aturar coxinha que defende esses bostas! Sem saco pra essa merda toda, sabe Morena! Desculpa.

Pow, aqui no Rio, sou obrigada a ter meus eventos (cineclube para adultos e crianças) sendo sabotados pela igreja (prefeitura) do Crivella que tem como argumento para a não autorização de eventos em favela a violência!!!!! Patético! Esse país precisa começar a pensar… Artista de rua, tem que pagar para realizar seus trampos na “rua”, que deveria ser pública, plural e democrática.

Responder

João Junior em 17/05/2018 - 09h27 comentou:

A justiça, sempre dando aquela forcinha pros camaradas…

Responder

Sergio em 17/05/2018 - 10h18 comentou:

Caríssimo eleitor, iremos eleger esse povo novamente? A pergunta é ao eleitor! Vamos tomar vergonha na cara ou continuaremos elegendo Eunício, Jucá, Calheiros e cia?

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Advogados de Lula: “Sérgio Moro foi conduzido pela política e não pela lei”


Por Katia Guimarães* Em um comunicado na página de Lula no Facebook, seus advogados reafirmaram a inocência do ex-presidente e atacaram duramente a decisão do juiz de primeira instância Sérgio Moro de condená-lo a 9…

Politik

Geoffrey Robertson: Moro alarga prisões para forçar delação


Geoffrey Robertson, fundador do escritório Doughty Street Chambers, principal banca especializada em Direitos Humanos do Reino Unido, diz que delações são "uma prática medieval, tortura"