Socialista Morena
Cultura

Fotógrafo recria divindades hindus com a pele morena escura que deveriam ter

Imagens desafiam racismo no país, onde o negócio do clareamento movimenta 400 milhões de dólares anuais. Que dizer do Jesus "loiro"?

A deusa Lakshmi. Foto: Naresh Nil/reprodução
Da Redação
10 de janeiro de 2019, 14h35

Na Índia, onde a maioria do povo tem a pele morena escura, a obsessão por embranquecer se tornou uma indústria milionária. Os 89 anos de colonização britânica trouxeram à sociedade indiana a concepção de que ser branco é sinônimo de poder e status (nada tão diferente do que se vê por aqui, quando um vice-presidente da República de origem indígena louva o “branqueamento da raça”…), e as mulheres do país gastam 400 milhões de dólares anualmente em cosméticos para branquear a pele. Em 2o12, uma marca de creme clareador foi acusada de racismo ao propagandear um produto para clarear… a vagina.

Nos últimos anos, várias campanhas, como a Dark is Beautiful (Escuro é bonito) têm aparecido no país com a intenção de convencer os indianos de que a tez escura é bonita e proteger sobretudo as mulheres dos produtos clareadores, que podem causar infecções na pele. Em julho do ano passado, a adolescente Aranya Johar viralizou com seu “Guia da Beleza da Pele Morena”, um vídeo onde declama um poema que diz: “Esqueça Branca de Neve/Diga alô para o chocolate marrom/Eu vou escrever meu próprio conto de fadas”.

O fotógrafo Naresh Nil resolveu ir além e transformou as divindades hindus em figuras de pele morena escura, em contraponto às imagens mundialmente conhecidas dos deuses e deusas com pele clara, azulada ou acinzentada. “A divindade tem muitas formas e as cores têm sido usadas de várias maneiras para representar o divino. Na cultura comum, ainda achamos que a divindade está representada através da pele ‘branca’ ou ‘clara’, desde a pequena foto de Deus na loja do bairro, até a grande foto emoldurada pendurada dentro de uma casa”, escreveu Nil em seu perfil no facebook. “Ao retratar os deuses que reverenciamos como pele escura, esta iniciativa visa celebrar uma visão diferente de sua divindade, serenidade e toda a beleza penetrante, indo além das percepções. Escuro não é apenas bonito, mas divino.”

A série de fotos se chama, justamente, “Escuro é Divino”. Confira as imagens tradicionais e algumas das reinterpretações feitas por Nil.

Lakshmi

O deus Shiva

Shiva

A deusa Sita e seus filhos Lava e Kusha

Sita

A deusa Durga

Durga

Em 2001, o antropólogo britânico Richard Neave criou um modelo sobre o que seria um homem da Galileia da época de Jesus Cristo, inspirado em como se pareciam os habitantes da região na época. E chegou ao seguinte resultado:

O homem palestino na época de Jesus

No entanto, a maior parte dos cristãos continua a adorar um Jesus loiro, de olhos azuis. Quanto de racismo, de complexo de colonizado e de auto-depreciação há nessa visão?

Jesus “white power”

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(6) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Ellen M. em 14/01/2019 - 01h10 comentou:

São divindades, não é um cidadão indiano fantasiado como nas fotos. Divindades não são humanos transformados. Nunca vi grego soltando raios, nem nórdicos de tapa olho detonado geral em outros mundos. Tremenda bobagem.
Sobre clarear vaginas, acho ridículo mas há quem alise/enrole os cabelos, usam perfumes, sabonetes etc. Nenhum deles é realmente necessário (alguns inclusive refutados atualmente, o excesso de “higiene” está nos deixando doentes) mas a desculpa de “questão de higiene” para manter o fútil vício está aí. O nome é hipocrisia, e quem discorda apenas não pensou profundamente ainda.
Bora rapar a vagina enquanto o pelinho da axila cresce gritando por liberdade.
Blah.

Responder

Med em 24/01/2019 - 15h48 comentou:

Espera aí. Quer dizer que alguém pegar um bronze para ficar com a pele escura, mas eu não posso querer que a minha pele seja clara? Eu não pedi para nascer com essa pele parda amareleada, logo não tem nada de errado em querer um pele clara atráves de produtos. Não estou fazendo mal a ninguém.

Responder

Rodrigo Sobota em 03/02/2019 - 18h18 comentou:

Tá errado, e é contra a Tradição deles. PS> estudei Vedanta por 2-3 anos, e sei muito bem. É puro marketing, e nada mais. O modo tradicional, ortodoxo e estabelecido sempre foram as demonstrações de pele clara, até do Buda é assim.

Responder

Kate em 23/02/2019 - 18h44 comentou:

Tragico! o ser humano sempre necessitando modificar o que é lhe é natural. Por todo o Oriente a busca é por uma pele clara e aqui no ocidente, é a pele bronzeada, mesmo que lhe custe um Melanoma e ainda necessite criar uma lei para impedir o bronzeamento artificial.

Responder

Giovana Silveira em 07/03/2019 - 21h58 comentou:

Ellen M.
Vamos ser amigas ?
Belíssimo comentário!

Responder

ALEF DE MORAES RAMOS em 17/04/2019 - 21h00 comentou:

Engraçado que nunca vi ninguém reclamando que as divindades são representadas com forma humana. Mas aí é só fazer uma representação negra que vira um absurdo humanizar as divindades. Puta merda, que hipocrisia é essa, hein?

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

A cruzada anti-aborto já começou


Enquanto o PSDB e o PT se digladiam pelo poder, os fundamentalistas já estão pavimentando o caminho para, novamente, mergulhar a disputa presidencial e o País no obscurantismo. E temo que nenhum dos dois partidos…

Cultura

Dois textos de Stan Lee que parecem ter sido escritos para os bolsominions


Um dos criadores do Pantera Negra, o roteirista escreveu em 1968 e 1969 contra o racismo, a xenofobia, o ódio e o preconceito