Socialista Morena
Direitos Humanos

Homenagem a Marielle por diplomatas deixa Temer e Aloysio em saia justa

Paraninfa da turma, a embaixadora Thereza Quintella cobrou a ausência de mulheres nos cargos de comando do Itamaraty

Aloysio Nunes e Temer na formatura dos novos diplomatas. Foto: Marcos Corrêa/PR
Da Redação
20 de abril de 2018, 20h28

A homenagem à vereadora do PSOL Marielle Franco, escolhida como patrona da turma 2017-2018 pelos novos diplomatas formados no Instituto Rio Branco, deixou Michel Temer e seu ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, numa saia-justa nesta sexta-feira em Brasília. Temer teve que explicar o porquê de os assassinos da vereadora, executada há um mês no Rio de Janeiro, ainda não terem sido descobertos, e Aloysio foi cobrado pela ausência de mulheres nos cargos de comando no Itamaraty.

“As investigações sobre o crime avançam com método e critério. As autoridades competentes trabalham para que os responsáveis sejam identificados e levados à Justiça”, enrolou Temer, qualificando o assassinato como “inaceitável e covarde”. Os pais da socióloga e ativista também foram homenageados na cerimônia.

Hoje, dos 12 postos mais relevantes do Ministério das Relações Exteriores, nenhum é ocupado por mulher, reflexo do que acontece em todo o primeiro escalão desde que Temer chegou ao poder

A paraninfa da turma, a embaixadora Thereza Maria Machado Quintella, primeira mulher formada pelo Instituto Rio Branco a chegar ao posto de embaixadora no Brasil, elogiou a escolha da turma. “Mostra consciência de justiça social e de direitos humanos”. Ela contou ter sido eleitora de Marielle e lembrou sua luta para a equidade de gênero, aproveitando a deixa para cobrar do governo a pequena presença feminina no corpo diplomático e nos principais postos do Ministério das Relações Exteriores de Temer.

A embaixadora relatou as dificuldades enfrentadas quando ingressou na carreira, que é dominada por homens, destacou o problema de sub-representação das mulheres no Itamaraty e apresentou um dado preocupante: hoje, dos 12 postos mais relevantes do ministério, nenhum é ocupado por uma mulher, reflexo do que acontece em todo o primeiro escalão desde que Temer chegou ao poder.

O que mais preocupa atualmente é a ausência de mulheres na estrutura de comando do Itamaraty. Só espero que isso seja conjuntural, e não sinal de retrocesso

“O que mais preocupa atualmente é a ausência de mulheres na estrutura de comando do Itamaraty. Só espero que isso seja conjuntural, e não sinal de retrocesso”, criticou Thereza Quintella. A turma que se formou nesta sexta tem 30 diplomatas, dos quais nove são mulheres.

Em 2014, no governo Dilma Rousseff, do PT, o Ministério das Relações Exteriores criou o Comitê Gestor de Gênero e Raça, para ampliar a participação das mulheres e dos negros em nosso corpo diplomático, tradicionalmente branco e homem. Bem a propósito, o orador da turma, terceiro-secretário Meinardo Cabral de Vasconcelos Neto, abriu seu discurso citando Martin Luther King: “É sempre o tempo certo para fazer o que está certo”.

Aloysio Nunes reconheceu as dificuldades enfrentadas pelas mulheres ao decidirem ingressar na carreira e disse que deve haver uma preocupação em ampliar o número delas no corpo diplomático, sem explicitar nenhum projeto neste sentido. Ele não respondeu por que não há mulheres nos principais cargos de seu ministério.

Com informações da Agência Brasil e do Sinditamaraty

 

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(3) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Maria em 20/04/2018 - 23h46 comentou:

Emocionada!
Tem muita coisa boa acontecendo. Apesar da presença de um presidente ilegítimo, a homenagem à Marielle, o conteúdo dos discursos do formando e da paraninfa resgatou o brilhantismo que a cerimônia merece.
Perfeito!

Parabéns turma! O Brasil precisa servidores com compreensão do Brasil.

Responder

Sergio em 23/04/2018 - 09h52 comentou:

Saia justa? Eles passam por saias muito piores e não estão nem aí? Políticos experientes que são, dão sempre respostas evasivas!

Responder

João Junior em 24/04/2018 - 23h32 comentou:

Que se mirem em Celso Amorim, maior diplomata brasileiro vivo e que, se quisesse o PT, seria um excelente candidato a presidente.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Feminismo

O empoderamento de Patrícia, a acusadora de Feliciano: “Só tem homem burro no PSC”


Quando encontro Patrícia Lélis, a garota de 22 anos que acusa o pastor Marco Feliciano de estupro, em um café de Brasília, ela acaba de vir de uma reunião no CFEMEA (Centro Feminista de Estudos…

Feminismo

O 8 de Março e as escolhas: de que lado você está?


Viver é fazer escolhas sobre todos e tudo. Até mesmo o ato de não escolher é uma escolha, uma forma de decidir