Socialista Morena
Cultura

HQ sobre Carolina Maria de Jesus é indicada ao Jabuti

Joia rara “garimpada” pelo jornalista Audálio Dantas em uma favela do Canindé em 1958, Carolina é "descoberta" mais uma vez, agora em quadrinhos

Carolina em quadrinhos por João Pinheiro
Cynara Menezes
23 de outubro de 2017, 21h18

Parece que o destino de Carolina Maria de Jesus é ser descoberta e redescoberta. Há três anos, o centenário da autora mineira radicada em São Paulo, célebre pelo livro Quarto de despejo: Diário de uma Favelada, traduzido em 13 idiomas, não teve o destaque que merecia. Mas, de lá para cá, a obra de Carolina aos poucos vem sendo relembrada. No início do mês, uma graphic novel sobre a escritora negra, escrita por Sirlene Barbosa e desenhada por João Pinheiro, foi indicada ao prêmio Jabuti como uma das melhores histórias em quadrinhos do ano.

É como se Carolina, joia rara “garimpada” pelo jornalista Audálio Dantas em uma favela do Canindé em 1958, tivesse sido mais uma vez encontrada, agora em HQ. Sirlene, que é professora da rede municipal, explica que escolheu Carolina para biografar porque se deu conta que a escritora quase nunca aparece nos currículos escolares da educação básica. “Em uma breve pesquisa com uma média de 40 professores de sala de leitura, apenas cinco conheciam a escritora, mas nenhum havia usado sua literatura em sala de aula”, diz Sirlene.

Professora da rede municipal em São Paulo, Sirlene explica que escolheu Carolina porque a escritora quase nunca aparece nos currículos escolares da educação básica

Coordenadora de Sala de Leitura da rede municipal paulista, ela conta que a partir de 2014 a Secretaria de Educação passou a gerir um projeto de leituras de escritoras e escritores que estão fora do cânone literário, e Carolina estava no meio. Justamente no ano do centenário da escritora, o projeto recebeu alguns livros para compor o acervo: duas caixas com livros do poeta Ferreira Gullar (40 unidades) e apenas dois Quarto de Despejo…

“Essa discrepância de importância literária –e isso não significa dizer que Gullar não é importante– me colocou na condição de apresentar a escritora, com urgência, principalmente para os alunos. O gênero que acreditei ser mais apropriado foi a História em Quadrinhos, pois os estudantes curtem muito o gênero e porque tenho um quadrinista em casa”, brinca. João, o quadrinista, é seu companheiro.

Para fazer a HQ, Sirlene e João foram “respirar” os ares de Carolina Maria de Jesus em Sacramento, Minas, a cidade onde a escritora nasceu e viveu até os 23 anos. “Pisamos no chão que ela pisou, conhecemos a escola que ela estudou por apenas dois anos, mas fundamentais para sua vida, pois não mais parou de ler, conhecemos o acervo da cidade em que se encontram algumas páginas originais da autora e alguns de seus objetos pessoais”, conta a autora. Baseado nas pesquisas de Sirlene, o quadrinista roteirizou e desenhou o gibi de 128 páginas.

Ouvi de um intelectual negro que ele desejaria enterrar Carolina –ficou na vontade, pois ela é semente e está sempre renascendo

Mesmo entre as lideranças do movimento negro ainda falta o reconhecimento devido a Carolina Maria de Jesus. Sirlene Barbosa, por sinal, conta uma história estranha. “Acho que Carolina aparece bastante e é muito enaltecida. No entanto, em 2014, eu palestrei num seminário que o Núcleo Étnico-Racial da Secretaria de Educação promoveu e ouvi de um intelectual negro que ele desejaria enterrar Carolina –claro que ficou na vontade, pois ela é semente e está sempre renascendo.” Por que será que ele queria “enterrá-la”? Talvez sua presença ainda seja forte demais?

A dificuldade de encontrar um editor também foi grande. O casal apresentou o projeto da graphic novel para algumas editoras e recebeu como resposta vários “não nos interessa”. Felizmente, o roteiro ganhou o prêmio do ProAc São Paulo (programa de incentivo do governo paulista) no ano do centenário e a Veneta se ofereceu para publicar. Em 2018, Carolina, agora em HQ, volta a “viajar” pelo mundo: a obra será lançada na França.

Carolina
Autores: Sirlene Barbosa e João Pinheiro
Editora Veneta, 128 págs., R$39,90


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

6 razões pelas quais reaças jamais gostarão de Moonlight, o vencedor do Oscar


1. Reaças não possuem empatia suficiente para se sentir tocados pela história de um menino negro, pobre, filho de mãe solteira e viciada em crack. Eles devem olhar para a tela pensando assim: “Ah, esse…

Direitos Humanos, Maconha, Politik

O Questionário Proust ervoafetivo


Encontrei um cara sentado numa praça fumando um baseado à sombra das sapucaias em flor no domingo de manhã e resolvi submetê-lo ao Proust Questionnaire, um clássico das entrevistas que o escritor francês Marcel Proust…