Socialista Morena
Direitos Humanos

Dimas, um dos guerrilheiros que justiçaram Boilesen, financiador da tortura

História do sádico executivo foi relembrada após confirmação de que ossada encontrada em Perus pertencia a militante envolvido em sua morte

Foto: Comissão da Verdade/SP
Cynara Menezes
28 de fevereiro de 2018, 11h34

Quando era criança na Dinamarca, Henning Boilesen um dia assistiu a colegas de escola serem castigados por uma travessura e colocados de frente para a parede. Em vez de se sentir solidário, o pequeno Henning se divertiu vendo os outros serem punidos. A reação peculiar chamou a atenção dos professores, que fizeram uma observação sobre o episódio nas costas de seu boletim estudantil.

Esta cena do documentário Cidadão Boilesen, de Chaim Litewski, pareceria inventada se não fosse real. A informação é dada aos realizadores do filme por uma arquivista municipal em Frederiksberg, nas cercanias de Copenhague, e espanta por ser um indício, freudianamente falando, do que aquela criança se tornaria, quase meio século depois, no Brasil: um voyeur de tortura. “A cultura que Henning encontrou na América Latina lhe deu oportunidade para viver seus pecados e seu lado mais escuro, coisas que nunca teria feito na Dinamarca porque seria impedido pelo sistema. Mas ele encontrou um país com um banquete à sua frente para que pudesse seguir seus impulsos mais malignos”, diz um psicólogo dinamarquês ouvido no filme.

Boilesen com Delfim. Foto: reprodução

Presidente do grupo Ultragás, amigo dos generais e de poderosos do regime como Delfim Netto, o dinamarquês naturalizado brasileiro não só ajudou financeiramente a criar a famigerada Operação Bandeirante (Oban), como se comprazia em assistir aos militantes de esquerda sendo torturados lá. Ele chegou a importar do exterior um artefato para dar choques elétricos, apelidado de “pianola Boilesen”, ao mesmo tempo que os negócios da empresa que comandava eram beneficiados com contratos de pai para filho com a Petrobras. Morto, foi saudado pela imprensa como uma vítima inocente do “terror”, “amante da arte e da cultura brasileiras” e “torcedor fanático do Palmeiras”.

O dinamarquês naturalizado brasileiro não só ajudou financeiramente a criar a famigerada Operação Bandeirante (Oban), como se comprazia em assistir aos militantes de esquerda sendo torturados lá

A história do sádico executivo que ainda hoje é nome de rua em São Paulo foi relembrada há uma semana, quando se confirmou a identidade de uma das 1049 ossadas encontradas no cemitério clandestino de Perus, em 1990, como sendo do desaparecido político Dimas Antônio Casemiro, natural de Votuporanga (SP). Aos 25 anos, Dimas foi morto pela repressão como um ato de vingança por seu envolvimento na emboscada que matou Henning Boilesen em 15 de abril de 1971.

Ninguém sabe até hoje qual foi exatamente seu papel na ação, da qual participou provavelmente como motorista. Boilesen, que confiava no próprio taco a ponto de recusar escolta armada, foi fechado por dois fuscas pouco depois de sair de casa, na esquina da rua Barão de Capanema com a alameda Casa Branca, em São Paulo. Chegou a tentar fugir, mas foi metralhado com 19 tiros e morreu na sarjeta.

No local, os guerrilheiros deixaram panfletos assinados pelo MRT (Movimento Revolucionário Tiradentes) e pela ALN (Ação Libertadora Nacional) que teriam sido redigidos por Dimas, onde se lia: “Henning Arthur Boilesen foi justiçado, não pode mais fiscalizar pessoalmente as torturas e assassinatos na Oban (…). Olho por olho, dente por dente”. O tiro de misericórdia foi assumido pelo militante da ALN Carlos Eugênio da Paz, único sobrevivente.

Dimas Casemiro, pai de um menino então com 4 anos de idade, seria assassinado nos porões da ditadura dois dias após o justiçamento de Henning. De acordo com a Comissão Nacional da Verdade e a Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, foi atingido por arma de fogo em um tiroteio simulado, um recurso utilizado com frequência pelos órgãos da repressão para esconder a morte sob tortura.

O irmão de Dimas, Dênis Casemiro, de 28 anos, que não teve nenhuma ligação com a morte de Boilesen, foi fuzilado pelas costas pelo tristemente célebre delegado Sérgio Fleury, recentemente homenageado por um bloco carnavalesco de extrema-direita em São Paulo

No laudo necrológico, aparecia que o gráfico morrera em decorrência de choque hemorrágico e descrevia quatro ferimentos causados por arma de fogo. Nas fotos do corpo, localizadas nos arquivos do DOPS, eram visíveis lesões na região frontal mediana e esquerda, no nariz, e principalmente, nos cantos internos dos dois olhos, não descritas no laudo e certamente causadas por tortura.

A foto de Dimas morto

Parceiros da repressão, os jornais paulistas noticiaram a morte de Dimas um dia antes de seu corpo ser depositado no IML. “Morto ontem chefe dos assassinos de Boilesen: baleado e morto chefe dos assassinos do industrial”, dizia o Diário Popular de 18 abril de 1971, corroborando a versão oficial, como era de praxe. “Foi morto Dimas Casemiro, acusado, juntamente com Joaquim Alencar Seixas (morto ao resistir à voz de prisão), do assassinato do industrial Henning Albert Boilesen. Dimas resistiu à voz de prisão, iniciando o tiroteio do qual foi vítima.” Qualquer semelhança com os “autos de resistência” de hoje em dia não será mera coincidência.

O irmão de Dimas, Dênis Casemiro, de 28 anos, que não teve nenhuma ligação com a morte de Boilesen, também seria brutalmente assassinado pela repressão em maio daquele ano, após dias sendo torturado no DOPS. Foi fuzilado pelas costas pelo tristemente célebre delegado Sérgio Paranhos Fleury, recentemente homenageado por um bloco carnavalesco de extrema-direita em São Paulo. Dênis foi o primeiro enterrado como indigente em Perus a ser identificado, em 1991.

Parceiros da repressão, os jornais paulistas chegaram a noticiar a morte de Dimas um dia antes de seu corpo ser depositado no IML. Já Boilesen foi saudado como uma vítima inocente do “terror”

A identificação da ossada de Dimas foi possível graças ao trabalho de uma equipe multidisciplinar formada por um laboratório na Bósnia, a International Comission on Missing Persons (ICMP), o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), a Secretaria de Cidadania do Ministério dos Direitos Humanos, o Grupo de Trabalho Perus (GTP-Perus), as secretarias de Direitos Humanos do município de São Paulo e a Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), que juntos ainda procuram cerca de 40 desaparecidos políticos.

O coordenador científico do grupo de Trabalho Perus, o perito médico-legista e geneticista forense Samuel Ferreira, percorreu 44 mil quilômetros para colher as amostras de sangue de familiares de desaparecidos. O DNA retirado de uma das ossadas tinha semelhanças com as amostras de sangue da família de Dimas Casemiro: uma irmã, um irmão e o filho, Fabiano César Casemiro, hoje com 50 anos. Enquanto Boilesen foi enterrado com todas as honras, a família do guerrilheiro esperou 47 anos para ter o direito de sepultá-lo. Eles pretendem depositar os restos mortais de Dimas ao lado de Dênis, em Votuporanga.

Com quase 2 metros de altura e feições tipicamente arianas, Henning Boilesen foi o mais vistoso, até por seu fetiche em tortura, mas não foi o único colaborador da Oban: praticamente todo o empresariado paulista, com as honrosas exceções de José Mindlin e Antônio Ermirio de Moraes, aceitou contribuir financeiramente com a tortura a seres humanos. Em julho do ano passado, a Volkswagen alemã admitiu ter colaborado ativamente com a repressão no Brasil.

“Operários eram presos na planta da fábrica e, em seguida, torturados: a colaboração da Volkswagen com a ditadura militar brasileira foi, aparentemente, mais ativa do que antes presumido”, escreveu o jornal Süddeutsche Zeitung. “Eu estava trabalhando quando fui surpreendido com um cano de uma metralhadora nas minhas costas. Me algemaram com as mãos para trás e me levaram para o departamento pessoal da empresa. Ali mesmo começaram as torturas. Comecei a ser espancado dentro da empresa, dentro do departamento pessoal da Volkswagen. Por policiais do DOPS e na frente do chefe da segurança e dos outros seguranças da fábrica”, contou o ex-ferramenteiro Lúcio Bellentani ao jornal El Pais.

Entre os empresários brasileiros, este mea culpa nunca existiu. Boilesen foi escolhido pela luta armada para servir de exemplo a outros e como símbolo de que a repressão e a tortura não foram uma iniciativa isolada dos fardados. Assista ao documentário Cidadão Boilesen e entenda por que a ditadura militar foi, na verdade, civil-militar.

Com informações da Revista Pesquisa Fapesp

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(7) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

ari em 28/02/2018 - 17h52 comentou:

Ontem fiquei preocupado ao ver uma foto do interventor no Rio durante a entrevista , cercado de dois militares , ambos com cara de poucos amigos. Mais lamentável ainda, ver uma área tão importante de um estado entregue nas mãos de militares e o Ministério da Defesa de novo na mãos deles. Segundo li, algumas perguntas tiveram de ser escritas (velhos hábitos da ditadura), o interventor respondeu a 10, sendo 8 da Globo e a nenhuma pergunta de correspondentes estrangeiros . Finalmente o interventor fez os jornalistas calarem a boca interrompendo a entrevista. Gente arrogante que não está acostumada a prestar contas à sociedade que paga seus salários.
Nestes dias, temos visto centenas de pessoas na internet defendendo revista em crianças, habeas corpus coletivo, identificação de moradores e uma espécie de licença para matar. O curioso é que nenhum dos que li parecia de gente que mora em favela ou periferia, e todos eram brancos
É trágico voltar a ver cenas tão deprimentes de um Brasil que parecia finalmente estar se tornando o tão sonhado país do futuro.

Responder

João Junior em 01/03/2018 - 08h50 comentou:

Vejo iniciativas do tipo “não compre se não for verde”, “não compre se a empresa utiliza o trabalho escravo” e outras coisas do gênero. Mas não vejo boicote a quem apoiou a ditadura civil-militar no Brasil. Boicotes podem funcionar como recados dos consumidores às empresas. Neste caso, o recado é “não interfira na história e, principalmente, na política de novo”. Um pedido de desculpas, perto da desgraça que causou, beira o ridículo porque não repara e nem compensa o passado. Não move um processo judicial, não resulta numa indenização, é só uma indelicadeza (usando um termo publicável) com as famílias dos desaparecidos, e uma desonestidade para com a história do Brasil. A confissão de ter participado do esquema do delegado Paranhos Fleury, por si, já deveria ter resultado em algum tipo de punição, como para com a Globo. Como nada disso temos em vista, boicotar pode ser a forma de comunicar-lhes a insatisfação do povo.

Responder

Roberto Mendes em 02/03/2018 - 14h27 comentou:

E muito vergonhoso o estado do Rio de Janeiro está na mão de um militar só esperando o aval para matar nas favelas,e com certeza irão querer expandir para o Brasil inteiro…….

Responder

Flavio de Oliveira Lima em 02/03/2018 - 16h49 comentou:

Quando o país sair desse buraco, vamos trocar o nome da rua boilesen por rua Dimas. Esse nos representa. Justiçar esse facínora mostrou pra direita que eles também estão na guerra que promovem. Esse não foi beneficiado pela anistia. Viva Dimas Casemiro!

Responder

Sandro em 03/03/2018 - 16h54 comentou:

É impressionante ver o lado tendencioso sempre quando convém. Como é que ‘Ninguém sabe até hoje qual foi exatamente seu papel (Dimas) na ação, da qual participou provavelmente como motorista.’ sendo que Carlos Eugênio é sobrevivente. Então se sabe, sim. Não querem é mostrar.
A frase ‘Qualquer semelhança com os “autos de resistência” de hoje em dia não será mera coincidência.’ é uma referência típica de quem faz os discursos de defesa aos bandidos que hoje estão aí espalhando o terror, que torturam, tacam fogo em pessoas vivas e se divertem assistindo. Esses sim são defendidos.
É lamentável ver que pessoas que se dizem heróis se utilizaram das mesmas praticas. Tentar justificar a política do olho por olho dente por dente por questões ideológicas é uma tragédia.

Responder

Ângela Valério Horta de Siqueira em 04/03/2018 - 16h27 comentou:

Como sempre, brilhante artigo de Cynara Menezes, documentários em vídeo da maior relevância, gostaria de poder compartilhar.

Responder

Mara Nocilla em 04/03/2018 - 19h51 comentou:

Eu sinto tanta pena dessa ausência de conhecimento que esses nossos governantes provocam em nosso povo, o homem sem conhecimento da sua história da história do seu país como poderá mudar o seu Destino? Só mesmo no Brasil um torturador vira nome de rua enredo de samba é gritante a ofensa que esses monstros cometem na vida de cada um de nós. Agora atualmente gostaria de saber quem permitiu ao ditador da Coréia do Norte ter passaporte brasileiro? Só mesmo um país comunista pode permitir uma afronta dessas.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Intervenção no Rio de Janeiro: a volta do governador biônico (e militar)


Será o general Walter Braga Netto, interventor militar no Rio, o primeiro governador biônico desde a redemocratização?

Cultura

Eric Hobsbawn (1917-2012)


Morreu hoje, aos 95 anos, o historiador marxista Eric Hobsbawn. Como homenagem, algumas frases pinçadas de entrevistas do escritor: “Fui um leal membro do partido comunista por duas décadas até 1956 e portanto omisso sobre…