Socialista Morena
Politik

Leon Trótski em 1930: o perigo fascista

"Se o Partido Comunista é o partido da esperança revolucionária, o fascismo é, como movimento de massas, o partido da desesperança contra-revolucionária"

Leon Trotski em 1940 no México. Foto: Alexander Buchman
Da Redação
04 de outubro de 2017, 23h18

Reproduzimos trechos de um texto de Leon Trótski de setembro de 1930, O perigo fascista ronda a Alemanha. Como a história é cíclica, observem a atualidade do que ele diz, sobretudo nas frases destacadas em negrito pelo site. O artigo do revolucionário russo foi publicado dois anos antes da vitória de Adolf Hitler, e aborda a situação da Alemanha logo após a eleição parlamentar, quando os comunistas foram derrotados pelos nazistas e pelos sociais-democratas.

Trótski prevê que, como no mundo de hoje, o fascismo é um perigo real. Fala, inclusive, da necessidade da aliança da esquerda, representada então pelo Partido Comunista, com os sociais-democratas como a única saída possível para combater o fascismo. A história mostra que esta união nunca aconteceu.

***

Por Leon Trótski

A primeira qualidade de um autêntico partido revolucionário é a de ser capaz de olhar a realidade frente a frente.

Para que a crise social possa ser conduzida para a revolução proletária, é necessário que, ao lado de outras condições, se dê um decisivo movimento das classes pequeno burguesas em direção ao proletariado. Isto daria ao proletariado a chance de se colocar à frente da nação e liderá-la.

As últimas eleições revelam uma tendência na direção oposta. Sob o impacto da crise, a pequena burguesia tem se inclinado não pela revolução proletária e sim pela mais radical reação imperialista, levando consigo, nessa direção, um considerável setor do próprio proletariado.

O gigantesco crescimento do nazismo é resultado de dois fatores: uma profunda crise social, que desestabiliza o equilíbrio das massas pequeno burguesas, e a carência de um partido revolucionário que apareça diante das massas populares como uma reconhecida liderança revolucionária. Se o Partido Comunista é o partido da esperança revolucionária, o fascismo é, como movimento de massas, o partido da desesperança contra-revolucionária. Quando a esperança revolucionária abraça as massas proletárias por completo, isso empurra inevitavelmente no caminho da revolução consideráveis e crescentes setores da pequeno burguesia. Precisamente nesse plano, as eleições oferecem a imagem oposta: a desesperança contra-revolucionária abraça as massas pequeno burguesas com tanta força que empurra importantes setores do proletariado…

Nós teremos que chegar a acordos, inevitavelmente, com diversas organizações e facções sociais-democratas contra o fascismo

O fascismo na Alemanha tem-se convertido num perigo real, como uma aguda expressão da posição de desamparo em que se acha o regime burguês, do papel conservador da social-democracia nesse regime e da impotência acumulada pelo Partido Comunista para derrubá-lo. Quem negar isto é cego ou um fanfarrão.

É certo que a social-democracia preparou, com a sua política, o florescimento do fascismo, mas é certo também que o fascismo supõe uma ameaça mortal primeiramente para a própria social-democracia, cuja força está indissoluvelmente ligada às formas e métodos democrático-parlamentares e pacifistas de governo.

A crise social produzirá inevitavelmente uma profunda cisão no seio da social-democracia. A radicalização das massas afetará os sociais-democratas. Nós teremos que chegar a acordos, inevitavelmente, com diversas organizações e facções sociais-democratas contra o fascismo, colocando condições precisas aos seus líderes, diante dos olhos das massas… Devemos abandonar as declarações vazias sobre a frente unida e voltar à política de frente unida tal como ela foi formulada por Lenin e sempre aplicada pelos bolcheviques em 1917.

Texto original aqui.

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(7) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Eduardo Fernandes em 05/10/2017 - 08h57 comentou:

Leon, sempre Leon!

Responder

Sergio em 05/10/2017 - 10h38 comentou:

Uma pequena amostra. Pol Pot foi ditador no Camboja de 1963 a 1979. COMUNISTA, ele acreditava numa sociedade igualitário.

COMO ELE FEZ ISSO? Pot ordenou a destruição de qualquer traço de tecnologia do país e defendia uma sociedade 100% agrária.

O trabalho no campo era forçado e exaustivo, de 4h da manhã às 10h da noite Para comer, os camponeses recebiam uma porção de arroz a cada dois dias. O povo do Camboja perdeu acesso a educação e saúde. Cerca de 2,5 milhões de pessoas foram executadas por não seguir as regras do ditador. É essa coisa linda que o site defende?

Responder

    Cynara Menezes em 05/10/2017 - 20h20 comentou:

    não. o site despreza pol pot

    Vinicius Cavalcante em 06/10/2017 - 02h08 comentou:

    A linha stalinista que Pol Pot seguiu é diametralmente oposta à vida e obra revolucionária de Trotsky. A perseguição que este sofreu, em toda a sua vida, contra a burocracia e de toda a contra-revolução que Stalin representou torna tal colocação como inadequada. Trotsky representa acima de tudo a busca pela construção do socialismo, o fim da propriedade privada e do Capital sem abri-se mão da Democracia Operária, por tal luta ele foi assassinado.

    ari em 07/10/2017 - 20h13 comentou:

    1. Da mesma forma que o Sérgio, a imensa maioria das pessoas, por desinformação ou má fé confundem estados ou lideranças que se dizem comunistas com aquelas que de fato o são. Stalin obviamente perdeu-se no caminho, embora tenha sido fundamental para a criação de uma URSS forte. Pol Pot e outros vão na mesma linha. Comunismo, em última análise, é na verdade uma sociedade sem classes. Uma utopia? Talvez
    2. Cesar Ivanildo, você, infelizmente, está cheio de razão. A religiões ocuparam o espaço que deveriam ser dos partidos progressistas. Hoje não tenho dúvidas em dizer que a mídia e as igrejas são dois dos maiores males de nosso país, atuando como verdadeiro “ópio do povo”, levando-o a eleger figuras indigestas como Magno Malta.
    Faço uma exceção a uma parcela minoritária da igreja católica e a algumas poucas denominações aqui e acolá

Cesar Ivanildo da Silva em 06/10/2017 - 13h08 comentou:

No Brasil neste momento o que as massas proletárias abraçam por completo como esperança é um tal de Jesus Cristo .

Responder

Dagmar em 14/10/2017 - 00h56 comentou:

Seria muito bom que um maior número de pessoas estudassem Marx (socialista) e Adam Smith (capitalista) os dois com amplos conhecimentos em direito e economia eram tb. filósofos. O que fizeram com seus escritos está longe do que estudaram e sonharam para que o mundo fosse mais justo……..para todos ……..

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Saiu do portal e matou a família


Os mortos e feridos na chacina de Campinas são as primeiras vítimas fatais do ódio à esquerda estimulado pela mídia nos últimos anos. Para arrancar o PT do poder, revistas, jornais e emissoras de rádio…

Cultura

O reggae socialista de Max Romeo


Pouco conhecido no Brasil, o jamaicano Max Romeo, hoje com 71 anos, é uma das lendas do reggae mundial. Engajado, Romeo escreveu uma série de canções políticas nos anos 1970, sob a influência de Michael…