Socialista Morena
Feminismo

Mulheres que detestam Bolsonaro: grupo contra extremista ultrapassa 1 milhão no facebook

Criado há duas semanas, grupo fechado recebe 10 mil pedidos de adesão por minuto; grupo "mulheres a favor de Bolsonaro" só tem homens

Reprodução do grupo "Mulheres Unidas Contra Bolsonaro" no facebook
Da Redação
12 de setembro de 2018, 16h26

É natural que um deputado que costuma ser agressivo principalmente com adversárias mulheres, e que já foi capaz de dizer a uma colega de Câmara que só não a estuprava “porque é feia”, tenha a antipatia de parte das eleitoras do sexo feminino. De acordo com as pesquisas, o candidato de extrema-direita Jair Bolsonaro é o mais rejeitado entre as mulheres: 49% delas dizem que não votariam nele “de jeito nenhum”, diz o último Datafolha.

A rejeição é visível, e a prevalência de homens nas marchas a favor de Bolsonaro já virou até piada.

No horário gratuito, Geraldo Alckmin, do PSDB, reuniu várias cenas onde o candidato do PSL foi grosseiro e até violento com mulheres. O tucano e o direitista disputam em várias faixas do eleitorado antagônicas ao PT e Alckmin está atacando Bolsonaro direto.

Já não havia pegado bem entre as mulheres a famosa frase do candidato, no mesmo evento onde ofendeu quilombolas, de que sua única filha mulher foi resultado de uma “fraquejada”.

Também não ajudou o candidato a melhorar sua imagem entre as eleitoras do sexo feminino a bronca que levou de Marina Silva ao vivaço, no debate da RedeTV!.

Com tudo isso, não deixa de ser surpreendente que um grupo fechado criado no Facebook há menos de duas semanas já tenha conseguido reunir mais de 1,2 milhão de mulheres contra o candidato. E o grupo não pára de crescer: são 10 mil mulheres pedindo para serem adicionadas por minuto, segundo as administradoras. Iniciativas semelhantes estão surgindo em vários Estados do país, como Distrito Federal e Mato Grosso, e as organizadoras locais estão convocando manifestações de rua anti-Bolsonaro.

Também foram criados esta semana um grupo de negros e negras e um grupo de LGBTs contrários a Jair Bolsonaro. Não por acaso, LGBTs, negros e mulheres têm sido o principal alvo das manifestações preconceituosas do candidato e seus seguidores.

Para tentar sair do prejuízo, a turma do Bolsie resolveu criar um grupo de mulheres que apoiam Bolsonaro… que está cheio de homens. Ainda assim, até agora só reuniram 35 mil pessoas.

Se continuar nesse ritmo, as mulheres vão ser, sem dúvida, um fator importante na derrota do candidato da intolerância, do ódio, do machismo e do saudosismo da ditadura militar.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

As tranqueiras de Lula


Sabe aquele monte de coisas “valiosíssimas” que diziam estar no “acervo” que o ex-presidente Lula levou ao sair do Palácio do Planalto, insinuando até que ele havia “surrupiado” alguns? Tudo tranqueira. Dado com o maior…

Direitos Humanos

Neomacarthismo: jovens soldados em Jataí-GO são maltratados se forem “petistas”


MPF investiga denúncias de assédio moral, maus-tratos e perseguições contra jovens do serviço militar obrigatório por razões políticas e ideológicas