Socialista Morena
Politik

O “efeito banana” e por que a esquerda deve esperar para se posicionar sobre o Brexit

Dentre tantas coisas que me chamaram a atenção sobre as razões dos britânicos para sair da União Europeia, uma me pareceu particularmente bizarra e ao mesmo tempo emblemática: a queixa sobre as bananas. Um dos líderes do movimento, o ex-prefeito de Londres, o conservador Boris Johnson, foi ridicularizado ao criticar o fato de os dirigentes […]

Cynara Menezes
24 de junho de 2016, 20h51
bananacurva

(A norma sobre a curva das bananas da União Europeia)

Dentre tantas coisas que me chamaram a atenção sobre as razões dos britânicos para sair da União Europeia, uma me pareceu particularmente bizarra e ao mesmo tempo emblemática: a queixa sobre as bananas. Um dos líderes do movimento, o ex-prefeito de Londres, o conservador Boris Johnson, foi ridicularizado ao criticar o fato de os dirigentes europeus em Bruxelas interferirem até mesmo na curvatura das bananas. Sim: para ser considerada uma “banana ideal”, classe A, para os padrões da UE, a fruta não pode ter uma curvatura “anormal”. Parece notícia do Sensacionalista, mas é verdade. E o mesmo vale para pepinos!

Johnson foi alvo de todo tipo de gozação ao apelar para isso, mas a reclamação tem seu fundamento. Para começo de conversa, os britânicos adoram banana, é a quarta fruta de predileção no país. Eles consomem 5 bilhões de bananas anualmente, o que dá uma média de 10 quilos de banana por pessoa ou 100 bananas por cabeça por ano. Pensar que a União Europeia se mete até no tipo de banana que a pessoa come mexe com a cabeça de alguém. Ou não? Eu acharia bem ruim que o governo dissesse como deve ser o formato da minha fruta favorita (ainda mais porque prefiro orgânicos, por princípio contrários justamente a qualquer padronização). E, pelo visto, muitos britânicos também não aceitam.

O “efeito banana” sobre o Brexit ainda deverá ser estudado, mas calou tão profundamente na opinião pública que veículos importantes como a The Economist tentaram negar o inegável, que existem regras rígidas para tudo que é coisa na União Europeia, ditada pelos chefões em Bruxelas. “Yes, não temos bananas retas”, diz o texto da Economist, tratando de desmentir Johnson e lamentando que os britânicos queiram sair do bloco num momento em que se estaria “flexibilizando” estas normas. Será? Mesmo para quem acha essa discussão prosaica, sobressaem dois aspectos incômodos: a “ditadura” da UE sobre questões mínimas, coisa que não tinha vindo à tona até a discussão sobre o Brexit, e o excesso de burocracia existente para o bem de ninguém.

O bananagate fez chegar aos ouvidos do cidadão comum algo que poucos sabiam: que a tão civilizada democracia europeia repetia, nos bastidores, o comportamento ditatorial e a burocracia que pareciam ser característica unicamente da criticada (e extinta) União Soviética… O que nos leva à pergunta: afinal, qual é exatamente a diferença entre a velha URSS e a União Europeia, além do fato de uma ser comunista e a outra capitalista, uma totalitária e a outra aparentemente democrática?

Ambas, UE e URSS, são, cada uma a sua maneira, uma união de países sob um governo central. Ambas ensejaram, em sua essência, passar por cima de características nacionais em nome de um Estado único –não à toa, na UE as moedas dos países, culturalmente simbólicas dessa identidade, com anos de história, foram literalmente derretidas e substituídas pelo Euro (menos justamente na Inglaterra, que não quis abrir mão de sua Libra Esterlina). A URSS resistiu 69 anos, até que um dia acabou. Será que a saída do Reino Unido da UE não é, de certa forma, uma espécie de revival do fim da União Soviética? Após o Brexit, vários países ameaçam repetir o referendo: Itália, França, Suécia, Holanda, Dinamarca, Áustria… Além dos falidos Grécia e Portugal. A União Europeia pode não ser o problema central destes países, mas tampouco parece ser a solução.

Em todo o mundo, as reações foram de espanto, até de deus-nos-acuda. Confesso que estranhei um certo desespero por parte da esquerda com a saída da Inglaterra do bloco, como se fosse uma espécie de fim dos tempos –mesmo porque a esquerda nunca foi uma grande defensora da União Europeia, pelo contrário. Nestes 23 anos de sua existência, não se pode dizer que a UE tenha sido uma maravilha para as pessoas mais necessitadas da Europa –a pobreza e a desigualdade estão crescendo, inclusive– ou para os imigrantes, que todos temem se tornar o maior alvo da extrema-direita agora (como se já não fossem, com ou sem União Europeia). Sinceramente, acho tão exagerada a reação da extrema-direita em festejar o Brexit quanto da esquerda de lamentar.

Às vezes tenho a impressão de que entramos numas brigas que não nos pertencem. Quanto mais a gente olha para essa questão, mais percebe que era uma briga entre a direita rentista e a direita xenofóbica. Tanto é que a esquerda europeia se dividiu. Parte apoiou o Brexit; e parte era contra. Mesmo quem votou contra apontou incertezas sobre se estava agindo bem, já que nem mesmo os mais prestigiados analistas internacionais são capazes de arriscar o que pode acontecer daqui para a frente. Não podemos esquecer que, quando explodiu a crise na Grécia, a esquerda foi amplamente favorável à sua saída da União Europeia. Faltou coragem aos dirigentes do Syriza. Aos britânicos, não.

(Campanha do Partido Comunista Espanhol e do Podemos pela saída da União Europeia)

Os defensores da permanência do Reino Unido na UE argumentam que quem estava ao lado do Brexit era a extrema-direita e por isso nós, a esquerda, deveríamos nos posicionar automaticamente do outro lado, mas a coisa é bem mais complexa do que parece. Os partidos comunistas europeus, por exemplo, se declararam a favor da saída, embora as justificativas sejam outras, sobretudo a falta de democracia e o favorecimento dos monopólios rentistas. Este último ponto, aliás, nos empurra para um raciocínio oposto, o de que a esquerda deveria se alinhar naturalmente ao Brexit, já que o FMI, o mercado financeiro e os EUA são contra…

As reações das novas lideranças europeias de esquerda vão bem neste sentido: até lamentaram o fato, mas ainda mais a necessidade urgente de a Europa se repensar. “É um momento triste, mas de uma Europa justa e solidária ninguém iria querer sair”, cutucou Pablo Iglesias, do espanhol Podemos. O primeiro-ministro grego Alexis Tsipras foi na mesma toada de “mudança de rumos”. “A política deve recuperar a supremacia sobre a economia e os tecnocratas na União Europeia”, afirmou.

Prefiro, portanto, esperar para ver antes de automaticamente me afirmar contra o Brexit. Não bastassem todas estas complexidades, a mais importante delas para um esquerdista: se, por um lado, negros (73%) e minorias étnicas (67%) votaram pela permanência, a grande maioria dos mais pobres votou pela saída do Reino Unido da União Europeia (64% a 36%). Um sinal preocupante de que também lá a esquerda está distante dos anseios, temores e queixas da classe trabalhadora, à mercê dos populistas de direita.

Uma coisa é certa: as mudanças na Europa virão e a esquerda precisa se preparar para elas. Sem açodamentos.

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

Encontro com Milton Santos (2006), de Silvio Tendler


Para encerrar a Semana da Consciência Negra, Cine Morena orgulhosamente apresenta o documentário Encontro com Milton Santos: O Mundo Global Visto do Lado de Cá (2006), do cineasta Silvio Tendler. Trata-se de uma longa entrevista…