Com Marcela, golpistas recolocam a mulher no lugar que o machismo sempre lhe reservou: o de primeira-dama assistencialista

(Marcela Temer fala no lançamento do programa Criança Feliz. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)

Se o ministro da Cultura, Marcelo Calero, não estivesse na Suíça, a foto oficial do lançamento do programa Criança Feliz repetiria o que já se tornou rotina na era Temer: só homens nos principais lugares da cerimônia. A ausência de Calero foi providencial. Sentada entre o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, e o senador José Medeiros, a interina da Cultura, Mariana Ribas, pôde servir de cota feminina e evitou que a primeira-dama Marcela Temer, designada “embaixadora” do programa, aparecesse cercada por engravatados nas imagens.

Trajando um delicado vestido azul claro com detalhes em renda, Marcela representava ali o protótipo da “mulher ideal” sob a ótica machista que norteia o governo do marido. Doce, linda, submissa, disposta a “ajudar” os mais necessitados, mãe e esposa. Fez inclusive questão de frisar que será um trabalho “voluntário”, afinal é casada, não precisa de salário. Em pouco mais de três minutos de um discurso vago e cheio de clichês, a primeira-dama transmitiu a defesa dos cuidados na primeira infância, assunto do qual se tornou especialista (ela é advogada de formação) apenas por ter um filho pequeno.

Os objetivos do programa são ainda mais vagos que o discurso de Marcela, denunciando que o Criança Feliz foi criado às pressas com a função de alojar a mulher de Temer. “O programa Criança Feliz atenderá crianças de 0 a 3 anos do cadastro do Bolsa Família, com a integração de ações de várias áreas, como saúde, assistência social, educação, justiça e cultura. O objetivo é oferecer às famílias mais informação e interação com suas crianças, para identificar oportunidades e riscos ao desenvolvimento infantil”, diz a página oficial do Palácio do Planalto. O que exatamente isso quer dizer?

Quanta diferença daquela senhora já passada em anos, grossa, acima do peso, ex-guerrilheira e mal vestida que ousava, imaginem, governar o país! Agora, sim, a mulher foi colocada em seu devido lugar, um lugar de onde nunca deveria ter saído: o de primeira-dama. Ora, como se não fosse uma honra estar ao lado do presidente da República, inclusive na intimidade. Para que mais, gente? Já diz o ditado, “atrás de todo grande homem existe uma grande mulher”, não é mesmo?

Teve até site de direita comemorando o fato de Marcela ter “escrito o próprio discurso”. Lógico, é um feito e tanto para uma mulher escrever um texto. Ainda mais bonita como a primeira-dama. Só faltou pegarem na bochecha da moça e dizer: “Coisinha fofa, sabe até escrever, gente. Cuti, cuti”. Pobre Marcela. Será que algum dia, como a princesa Diana que parece inspirá-la, ela irá descobrir que existem outros mundos onde a mulher não precisa ser um enfeite ao lado de maridos poderosos?

primeiradama

Desde a época do império que a mulher exerceu o posto que foi destinado a Marcela, que ingressa, aos 33 anos, na a galeria das primeiras-damas que se dedicaram ao lar e ao assistencialismo. Dona Iolanda Costa e Silva era carola; Lucy Geisel oferecia chás da tarde para as esposas dos militares e controlava a dieta do marido. Entre as mulheres dos ditadores, Dulce Figueiredo foi a única do balacobaco: gostava de frequentar as boates mais badaladas do Rio de Janeiro e de São Paulo. Scila Médici era tão “recatada e do lar” que, em 1969, enviou uma mensagem louvando o fato de ter sido primeira-dama a vida inteira.

“Sou e serei sempre o que fui: a esposa de meu marido, duas vezes mãe. Ao longo de minha vida, não me tem feito maior diferença a função que ele exerce desde que permitido me seja estar ao seu lado. Minha valia é tão pouca, minha missão é tão fácil e tão suave. A mim toca fazer-lhe a casa amiga e serena, fazê-lo sentir-se o homem simples e confiante que sempre foi, fazer o presente encontrar-se com as raízes de si mesma no amor de nosso lar”, declarou Scila. Todo um modelo para Marcela Temer.

Com a volta da democracia, as primeiras-damas se dedicaram a “obras sociais” além de pajear o marido. Rosane Collor assumiu a presidência da LBA (Legião Brasileira de Assistência), de onde saiu por denúncias de desvio de verbas públicas. Mesmo a antropóloga Ruth Cardoso, intelectual de destaque, feminista, dirigiu um programa social durante os governos do marido, Fernando Henrique, o Comunidade Solidária. Marisa Lula da Silva não quis, preferiu manter-se praticamente anônima.

Quando Dilma Rousseff se tornou a primeira mulher a assumir a presidência, contava sempre uma história, que tinha encontrado uma menininha chamada Vitória que queria saber se mulher podia ser presidenta da República. E Dilma respondeu: “Mulher pode”. Após o golpe que a arrancou do poder, voltamos várias casas. Agora, essa menininha terá que ouvir que mulher não pode se tornar presidenta do Brasil senão vem um monte de homem e a derruba. Mulher só pode ser primeira-dama. Aí sim ela é aplaudida, elogiada e, quem sabe, ganha até presente do marido.

 

 

 

Leia também  "Bronca" uma ova: o que Silvio Santos fez com Sheherazade foi machismo e assédio moral

O Socialista Morena é um blog de jornalismo independente. Se você quiser contribuir financeiramente, doe ou assine. Quanto mais colaborações, mais reportagens exclusivas. Obrigada!!

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Ou, você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência 3310
Conta Corrente 23023-7

Publicado em 5 de outubro de 2016