Socialista Morena
Cultura, Politik

O Manifesto Comunista em cordel

O escritor cearense Antônio Queiroz de França, anarquista de 67 anos, se dedica a transpor clássicos da literatura mundial à linguagem do brasileiríssimo cordel. Foi assim com o Manifesto Comunista (1847), de Karl Marx e Friedrich Engels. Nos versos, França não só conta do que trata o manifesto como faz um recorrido pela história do […]

Friedrich Engels e Karl Marx. Ilustrações de Rômulo Geraldino
Cynara Menezes
09 de junho de 2015, 21h37

O escritor cearense Antônio Queiroz de França, anarquista de 67 anos, se dedica a transpor clássicos da literatura mundial à linguagem do brasileiríssimo cordel. Foi assim com o Manifesto Comunista (1847), de Karl Marx e Friedrich Engels. Nos versos, França não só conta do que trata o manifesto como faz um recorrido pela história do socialismo e da luta dos trabalhadores até os dias de hoje. “Escrevi desta forma para facilitar a assimilação por quem é menos politizado”, diz França. “A maior dificuldade foi ser fiel ao original, atendendo à métrica e à rima da Literatura de Cordel. Acho que consegui.”

O cordelista também transformou em cordel o conto Os Três Anciãos, de Leon Tolstói, e fez um apanhado de filosofia em Homem, o Lobo do Homem, inspirado no inglês Thomas Hobbes. “A ideia surgiu da minha preocupação com a falta de informação do povo sobre o que não é interesse do Estado divulgar”, afirma. Ótimo para aplicar em sala de aula, é o tipo de coisa que a gente lê e já escuta a viola acompanhando.

Leia trechos de O Manifesto Comunista em Versos,  a seguir.

foice

 

Pensadores, sociólogos
Cientistas sociais
Preocupam-se com o Homem,
Esse “rei dos animais”,
Que cultiva o egoísmo.
Da ética, não lembra mais.

Devido à desigualdade,
Estudam a economia,
E chegam à conclusão
Que a poucos privilegia.
Sem o mínimo pra ter vida,
Sofre a grande maioria.

Um grande gênio alemão,
E um outro camarada,
Prepararam uma tese,
Da humanidade estudada,
E descobriram a causa
Da fome verificada.

Foi De Karl Marx e Engels
A grande ação humanista,
Quando lançaram ao mundo
O Manifesto Comunista,
Dizendo que nosso grito
Necessita ser conquista.

Em mil e oitocentos e
Quarenta e sete emitiram.
Na Liga dos Comunistas,
Em congresso, decidiram.
O Manifesto dos pobres
Marx e Engels redigiram.

camponeses

O Manifesto Comunista
Está ainda atual,
Pois a causa da miséria
É aquele antigo mal:
São riquezas concentradas
Em forma de capital.

A atual economia
Tem base na exploração:
Pra que poucos vivam bem,
Muitos passam privação,
Despojados da virtude
Que é a indignação.

Quem repudia injustiça,
Ou defende injustiçado,
A fúria da burguesia
Deixa estigmatizado.
Se for um pobre operário,
Ficará desempregado.

A crise capitalista
Assola o planeta inteiro.
Quanto mais concentra renda,
Menos o povo tem dinheiro,
Isto é, o feitiço volta
Contra o próprio feiticeiro.

Hoje no capitalismo
O patrão é indiferente,
Não quer saber se o operário
Está com fome ou doente,
Se os filhos não têm comida:
“Quem for fraco, se arrebente!”

O valor do Homem é zero,
Menos que outro animal,
São as características
Da economia atual:
O Homem só tem valor
Se possuir capital.

Lamentamos o episódio
Do continente europeu;
A guerra dos bolcheviques,
A velha ordem venceu,
Mas a União Soviética
Um bom exemplo não deu.

Como qualquer outro Estado,
Usou sua autoridade,
Mas onde ela imperar
Não haverá liberdade.
Frustrada a revolução,
Só restou a crueldade.

Preparemos desta vez
A nova revolução
Modificando o conceito
Do que é educação:
“Difundir conhecimentos,
E não domesticação.”

capacordel

LIVRO: O Manifesto Comunista em Versos
AUTOR: Antonio Queiroz de França
EDITORA: Ensinamento
CONTATO: [email protected]

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Trabalho

O pequeno livro vermelho de canções socialistas (dos Estados Unidos)


Entre os relatos sobre “vencidos” pouco conhecidos das novas gerações, um é particularmente fascinante: a história do sindicalismo de tendência socialista e anarquista que dominou os Estados Unidos no início do século 20. Como quaisquer…

Cultura, Politik

Os muquiranas do conhecimento


A primeira vez que eu, menina do interior baiano, ouvi falar de Machu Picchu e da civilização inca foi num gibi de Tio Patinhas. O velho sovina de Walt Disney era incapaz de presentear Huguinho,…