Socialista Morena
Politik

O novo fenômeno político brasileiro: a “esquerda conservadora”

Tendência que une Rui Costa e Ciro faz restrições ao "Lula Livre", critica pauta identitária e flerta com conservadorismo "nos costumes"

O presidenciável Ciro Gomes na basílica de Aparecida em 2018. Foto: Leo Canabarro/divulgação
Cynara Menezes
14 de setembro de 2019, 15h48

Para além das críticas ao PT, as entrevistas de Ciro Gomes e seu aliado, o governador petista da Bahia, Rui Costa, respectivamente à BBC Brasil e à Veja, apontam para um novo fenômeno na cena política brasileira: a “esquerda conservadora”. Parece paradoxal, e é; trata-se de uma tendência do progressismo caracterizada pelo anti-identitarismo e pela adesão a itens da pauta conservadora nos costumes, com o intuito pragmático de conquistar os setores das classes B, C e D que se inclinaram ao bolsonarismo por influência das igrejas neopentecostais.

Une Ciro e Rui o discurso de que o PT deveria deixar de lado a bandeira “Lula Livre” para formar uma frente “por direitos”. Na entrevista à Veja em que defende que o PT deveria ter apoiado Ciro e não lançado Fernando Haddad em 2018, o governador baiano disse que o “Lula Livre” não deve ser condicionante à formação de alianças, embora afirme que o partido “não pode e nem deve abrir mão” dessa bandeira. “Não acho que esse é o ponto que deve ser usado pelo PT para condicionar qualquer diálogo com as oposições para formar uma frente”, afirmou.

O colunista Levi Vasconcelos, do jornal A Tarde, deu a definição perfeita para o petista: “Rui é de esquerda e governa com um pé na direita; e ACM Neto é de direita e governa com um pé na esquerda”

A esquerda nunca engoliu as célebres declarações de Rui Costa após o Brasil inteiro ficar estarrecido com a execução, pela Polícia Militar, de 12 adolescentes negros do bairro do Cabula, em Salvador, em 2015. “É como um artilheiro em frente ao gol que tenta decidir, em alguns segundos, como é que ele vai botar a bola dentro do gol, pra fazer o gol. Depois que a jogada termina, se foi um golaço, todos os torcedores da arquibancada irão bater palmas e a cena vai ser repetida várias vezes na televisão. Se o gol for perdido, o artilheiro vai ser condenado, porque se tivesse chutado daquele jeito ou jogado daquele outro, a bola teria entrado”, comparou.

Foi uma figura de linguagem absurdamente ruim, aplicada num momento infeliz. É inegável que a metáfora de quatro anos atrás imediatamente se conecta, hoje em dia, à imagem do governador de extrema direita, Wilson Witzel, comemorando a execução do sequestrador de ônibus na ponte Rio-Niterói, em agosto, como se fosse final de Copa do Mundo. Com o “detalhe” de que Rui é considerado de esquerda e Witzel, de extrema direita.

O inquérito sobre as mortes dos jovens instaurado pela Secretaria de Segurança Pública confirmou a versão oficial de que houve confronto e que os policiais agiram em legítima defesa; um Inquérito Policial Militar resultou em idêntica conclusão. O Ministério Público, porém, sustenta que houve execução. Os nove policiais envolvidos na ação chegaram a ser absolvidos por uma juíza do TJ da Bahia em julho daquele ano, mas o MP conseguiu anular o julgamento.

“Nosso povo é tolerante. Mas daí a você explorar essa tolerância com políticas públicas para afirmar um identitarismo de minorias que são mais próximas ao pensamento progressista, é falta de respeito”, disse Ciro

Outro dia o colunista Levi Vasconcelos, do jornal A Tarde, deu a definição perfeita para o petista: “Rui é de esquerda e governa com um pé na direita; e Neto é de direita e governa com um pé na esquerda”. Rui Costa afagaria a direita com grandes obras enquanto, em termos de “costumes”, o prefeito ACM Neto seria mais “esquerda” que o governador. Justiça seja feita: há quem sustente, como Vasconcelos, que é justamente essa mistura que está fazendo a Bahia ir bem.

Já Ciro Gomes parece não ter superado a derrota, quase um ano depois da eleição de 2018, e segue atacando Lula e o PT em entrevistas e falas públicas. À BBC Brasil, Ciro mais uma vez disse que Lula “não é inocente” e, ao justificar por que não apoiou Haddad no segundo turno, disse que o petista “é uma fraude” num partido de ladrões. “Não sou obrigado a apoiar ladrão, não sou obrigado a apoiar quadrilha”, afirmou.

A guinada de Ciro à esdrúxula “esquerda conservadora” se faz evidente em seus recorrentes ataques ao “identitarismo” do PT, ou seja, à pauta civilizatória do partido em relação a gays, negros e LGBTs. Em novembro passado, o pedetista afirmou ser contrário à inserção de pautas das minorias nas políticas públicas. “Nosso povo é tolerante. Mas daí a você explorar essa tolerância com políticas públicas para afirmar um identitarismo de minorias que são mais próximas ao pensamento progressista, é falta de respeito”, disse.

Na entrevista que deu à BBC Brasil, Ciro disse com todas as letras que a pauta “identitária” não pode ser o foco das esquerdas, assim como tem reiterado seguidamente sua aversão ao “Lula Livre”. “O PT não entendeu nada do novo Brasil neopentecostal, evangélico e, como não tem proposta de esquerda, nenhuma, se refugia no identitarismo. Então tem uma imensa afinidade com as teses identitárias, como se a soma de interesses identitários desse um interesse nacional. Isso não existe.”

Ciro foi além e criticou o PT por ter lançado como candidata ao governo do Rio de Janeiro, em 2018, a filósofa Marcia Tiburi, que, segundo ele, faz “apologia do cu”.

“A Marcia Tiburi, que é uma figura respeitável, queridíssima e tal, faz apologia do cu na televisão.  Você quer uma governadora que faz apologia?”. Parecia Olavo de Carvalho, mas era Ciro

“Quantos votos teve a candidata a governadora do Rio de Janeiro nas eleições passadas? Você tem ideia? Rio de Janeiro é a maior concentração de artista por metro quadrado, intelectuais, engenheiros, do Brasil. É a sede da Globo, da ABI, enfim, de tudo o que é progressista”, disse Ciro. “Sabe quantos porcento PT tirou lá? Dois por cento. Porque a Marcia Tiburi, que é uma figura respeitável, queridíssima e tal, faz apologia do cu na televisão. Eu tenho até vergonha de citar e isso não quer dizer que não haja uma grande interessante questão nesta tese da Marcia Tiburi, mas foi o que dominou o debate no Rio de Janeiro. Você quer uma governadora que faz apologia?”

Parecia Olavo de Carvalho, mas era Ciro. Na verdade, ele faltou com a verdade duplamente: a filósofa teve quase 6% dos votos, idêntico percentual do candidato do PDT, Pedro Fernandes, que apoiou o neofascista Wilson Witzel no segundo turno e acabou expulso do partido. Marcia Tiburi tampouco falou de “apologia do cu” na televisão e sim no festival literário curitibano Litercultura, em 2017, onde faz uma defesa intelectual e bem humorada do ânus. “O cu é das coisas mais laicas que há neste mundo. A gente tem que libertar o cu”, provocou.

Uma coisa é que Ciro, aos 61 anos, se choque com uma boutade sobre o ânus que remonta a Georges Bataille em a História do Olho, de 1928. Outra coisa é que, como um legítimo “fiscal de cu”, retrate como falta de estratégia o que foi um ato absolutamente corajoso do PT: lançar como candidata uma filósofa de pensamento livre, sem amarras, em tempos de obscurantismo.

O que Ciro propõe é covardia: que a esquerda esconda o que verdadeiramente pensa para seduzir os setores conservadores da sociedade. O PT já fez isso. Dilma Rousseff, que sempre foi favorável à descriminalização do aborto como política de saúde pública, recuou quando candidata, em 2010, para atender às chantagens do fundamentalismo religioso. E deu no que deu. Chega.

Uma coisa é que Ciro, aos 61 anos, se choque com uma boutade sobre o ânus. Outra coisa é que, como legítimo "fiscal de cu", retrate como falta de estratégia um ato de coragem do PT: lançar como candidata uma filósofa livre em tempos de obscurantismo

A esquerda não pode só pensar em ganhar a eleição. Temos um papel didático com as gerações futuras. Precisamos contribuir para conscientização da população para o que significa ser progressista; antirracista; contra a homofobia; feminista; pró- descriminalização do aborto e pró-descriminalização da maconha. Não podemos abrir mão de debater com a sociedade estes temas. Colocar a população para evoluir, não retroceder junto com ela. Ou agora teremos também que nos curvar à escola sem partido?

Como todo o resto, a “esquerda conservadora” não é uma jabuticaba, não é exclusiva do Brasil. Movimentos semelhantes contra a extrema direita têm encontrado espaço na Europa, optando por deixar em segundo plano as questões de gênero, raça e sexualidade: na Alemanha, o coletivo Aufstehen, e a França Insubmissa de Jean-Luc Mélenchon, são dois exemplos. No ano passado, a revista The Economist identificou a esquerda que combina “economia estatal” com “conservadorismo cultural” como um fenômeno em ascensão.

Com a esquerda em toda parte atônita com o ressurgimento do fascismo, estas vozes clamam, como fazem Ciro e Rui em suas entrevistas, a “ouvir” o trabalhador, o “homem do povo”, que estaria “distanciado” da esquerda por ela estar “focada em excesso” no politicamente correto e no identitarismo. A líder do Aufstehen, Sahra Wagenknecht, já foi acusada de “racismo” e de “flertar com o populismo” por sua postura ambígua em relação aos imigrantes para agradar ao “cidadão comum”.

O que Ciro propõe é covardia: que a esquerda esconda o que verdadeiramente pensa para seduzir os setores conservadores da sociedade. O PT já fez isso, e deu no que deu. No curto prazo, ganhou eleições; no longo prazo, foi derrubado do poder e Lula foi preso

Não por acaso, tanto Ciro quanto Rui ou Wagenknecht reivindicam a pauta da segurança pública como uma causa de esquerda. Segundo o governador baiano lamentou à Veja, o PT “sempre se mostrou reticente” em relação ao tema. Em 2018, disse que foi “mal entendido” ao defender uma parceria para implantar a “metodologia e filosofia” dos colégios militares em escolas do interior baiano. Militantes do próprio partido o criticaram.

“Fazer concessões táticas à direita não é só uma política socialista ruim. Isso não funciona”, defende o cientista político Leandro Fischer em artigo na revista Jacobin, em 2017, em que previa o fracasso do coletivo alemão Aufstehen. O Brasil é prova disso: no curto prazo, o PT ganhou eleições cedendo estrategicamente à direita; no longo prazo, foi derrubado do poder e Lula, preso.

No mais, “esquerda conservadora” para mim soa como “liberal conservador”: uma contradição em termos. Algo como “ambientalista latifundiário” ou “vegano carnívoro”.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(50) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Ledemir Alegre em 14/09/2019 - 17h05 comentou:

Ciro é um sociopata esclarecido com discurso de esquerda: PANES ET CIRCUS…
Ciro é um ótimo valor político, gestor e com conhecimentos. Uma mente quase brilhante.
Mas Ciro não é um legítimo representante da classe operária. Ciro não tem vínculos com sindicatos, não tem proximidade com movimentos sociais, não tem passado de classe proletária. Ciro é um projeto político individual, egóico. Ciro é um homem sozinho na ventania política. Ciro Gomes não é um líder operário. É um projeto político pequeno burguês de auto recompensa, celebridade ad eterno. -O proletariado agora quer algo mais, semelhante de si mesmo: representante e não apenas um ícone .
Mas política é um movimento histórico feito principalmente de desgraça anônima. E erros em momentos definitivos definem o caráter de um político: E Ciro errou, e errou feio historicamente. Fico triste por ele, gostaria de tê-lo em melhor avaliação, mas a história não se apaga, mormente quando a desgraça vai inscrever-se no corpo anônimo.
Ciro na prática é um sociopata, um projeto político egóico extremo. Sempre fazendo o jogo divisionista para tentar sobrenadar aos demais possíveis candidatos. Vai atacar o PT, Lula, Dino, Bolsonaro, Marina, Boulos, Manuela, Luciano Hulk etc: (é uma espécie de Dória às avessas) atirará para todos os lados, em quaisquer um que ele imaginar possa ofuscar o seu sucesso. É um movimento político individualista; Ciro dizer-se de esquerda é apenas um jogo de palavras.
Políticos egoícos, como Ciro, independente do discurso, não tem ideologia, são projetos de si mesmos. Podem até ser bons espetáculos de oratória, bons condutores de lógicas, bons formadores de bolos emocionais… mas o povo não vive de CIRCUS apenas.
Ciro é uma ótima ilusão de conforto intelectual, e uma boa fantasia de projeto político, acende uma vela de esperança… – O mundo midiático estará cheio de candidatos assim nas próximas décadas. – Eu chamo de “elementos vendedores de belos conteúdos insípidos”.
Não creio que Ciro minta seu discurso ideológico, ou exerça má fé a Priore… Aliás, sociopatas políticos deveras acreditam na sua própria lógica.
Estou aprendendo, depois das últimas lições, a assisti-lo e a não o levar a sério. É só mais um show!

Responder

ALEXZIN em 14/09/2019 - 17h55 comentou:

engraçado socialismo moreno é ” termo” ideologico ineventado por brizola e seus compas.. e vem uma pagina com mesmo nome e nao faz ideia de shistoria e ve mcriticar ciro gomes que esta seguindo a risca o projeto de nação que brizola queria… é vcs vão morrer lacaios do PT mesmo.

Responder

Fábiofreire em 14/09/2019 - 18h01 comentou:

Tem atacar a ditaduta petista tiveram 14 anos para mudar o país através de reformas estruturamtes e nao fizeram pela ânsia do poser pelo poder.
Ciro nao fala memtiras e sim uma realidade que é o PT, que faz de tudo pelo hegemonismo político.

Responder

Samir em 14/09/2019 - 18h14 comentou:

#ciro2022 ta logo ai… Melhor opção progressista em décadas.
Quebrar o paradigma e levar educação e prosperidade de forma defoniva a todo brasileiro.

Responder

mario em 14/09/2019 - 18h16 comentou:

Oi Cynara

Parábens pelo texto.Muito bom mesmo.Vi agora há pouco os textos das entrevistas e fiquei sem entender direito aquilo…Mas voce resumiu bem.

Responder

Álvaro Rosa em 14/09/2019 - 19h06 comentou:

Defina “conservadora” 😂🤣😂🤣
Quem “conservou” as taxas de juros do FHC ??
Quem “conservou” a quebra da tributação de lucros e dividendos do governo Itamar???
🤣😂🤣😂🤣😂🤣😂🤣😂🤣😂🤣😂😂🤣😂🤣😂🤣😂🤣😂🤣

Responder

Hudson Bezerra em 14/09/2019 - 19h13 comentou:

Parabéns pelo trabalho de enfraquecer qualquer nome que se oponha à fisiologia petista. Você deve tá recebendo muito bem pelo trabalho.

Responder

    Cynara Menezes em 16/09/2019 - 13h03 comentou:

    mais um que vende sua ideologia e acha que todo mundo é como ele

Roberto em 14/09/2019 - 20h18 comentou:

Conservadorismo é fazer aliança con o MDB mesmo depois do golpe. Conservadorismo e burrice.

Responder

José Leonel Hartmann Cambruzzi em 14/09/2019 - 20h41 comentou:

Em qual planeta do mundo o PT é um partido de esquerda? Imagina socialista. O problema é que as verdades doem para os petistas que tem uma visão de alice no país das marvilhas com o governo petista.

Responder

Bnak em 14/09/2019 - 21h37 comentou:

No final, como já foi dito por muitos, esquerda e direita tem projetos de sociedade opostos. Não tem como conciliar a ampliação de direitos e a destruição de todos os direitos. Conciliar nesse caso significa derrota pra esquerda (pq a direita é status quo que detém poder, então é a continuidade dessa concentração). A posição do Ciro é derrotista e mostra a diferença entre a esquerda ortodoxa e o progressista/desenvolvimentista que é mais centro.

Se vc pegar o Domenico Losurdo, dá até pra aceitar que alguns deles têm salvação. Eles poderiam ser inseridos na luta de classes entre trabalhadores de país subdesenvolvido e os capital Imperialista. Mas esses progressistas parecem não levar o nacionalismo até o fim, a formação de uma união latino americana de nações. Parecem estar mais dispostos a tornar o Brasil no poder imperialista da América Latina. Não sei.

Responder

Henri Figueiredo em 14/09/2019 - 22h17 comentou:

É impressionante como essas vozes conservadoras se levantaram, inclusive, dentro do PT já na semana seguinte à eleição de Bolsonaro, em 2018. E justamente o que eu ouvi foi a crítica à pauta identitária. Durante a própria campanha, a crítica de alguns setores do partido (formado por homens, por óbvio) ao movimento #EleNão demonstrava o recalque de ver as mulheres realizando o maior movimento popular de massa na campanha contra o “Coiso”. No entanto, a força da onda conservadora nos costumes já vinha tensionando por mudanças programáticas internas no PT desde antes. Dito isto, preciso frisar que a Resistência é maior, mais organizada e verdadeira nos propósitos, no programa e nas razões de ser de Esquerda. Obrigado por teu artigo e por ligar tantos pontos nos ajudando e olhar melhor o grande quadro.

Responder

Ric em 14/09/2019 - 22h49 comentou:

Que artigo patético. Petistas fanáticos não tem por onde atacar o Ciro Gomes, e não conseguem contrapor os argumentos levantados por ele. Resultado, recorrem a “notícias” importantes como o vinho que ele bebeu com a sua esposa e este brilhante ensaio sobre o cu.
Uma sugestão, abram o vídeo da Márcia Tiburi postado aqui, e leiam os comentários das pessoas. Ciro está certo, e vocês estão cada vez mais ridículos, e perdendo apoio da população.

Responder

Jairo em 15/09/2019 - 00h15 comentou:

Parabéns pelo artigo. Gostaria muito que os anos de governo reivindicado como um dos melhores desde a redemocratização do país fossem reconhecidos como anos de melhoria na qualidade da educação. E não pela capacidade de endividamento útil a alienação pelo consumo. Aí sim faria muito sentido “aguardar” a ficha da consciência cair num arroubo de compreensão dado pela nova consciência ninguém votou no Bolsonaro. Ops. Bolsonaro foi eleito e lamentavelmente com votos daqueles que antes votavam no PT.

Responder

Rodolfo em 15/09/2019 - 06h30 comentou:

A causa das minorias é uma pauta importante mas se esconder no identitarismo enquanto não tem projeto de governo não vai resolver nada…
Eu assisti a entrevista e o Ciro tem razão na maioria das vezes…
Gostaria de saber o que é socialista morena entende sobre tripé macroeconômico… Taxa Selic… Fundeb… neoliberalismo… etc…

Responder

Rodolfo em 15/09/2019 - 06h36 comentou:

E outra Esse é um conceito equivocado de esquerda conservadora

Esquerda conservadora é aquela e a esquerda radical tipo pco o que defende o governo do proletariado…

Já O “Liberal conservador” é o fundamentalista social que defende práticas neoliberais na economia, defende estado grande para costumes e estado minimo para o mercado.

Responder

Anelise em 15/09/2019 - 08h43 comentou:

E como vc colocaria daqui pra frente a questão ecológica e o desenvolvimento sustentável abandonados pelo PT de Lula e Dilma em tempos de pre sal? Para mim foi uma decepção muito grande o sepultamento da Agenda 21 na qual muito dinheiro e energia foram despendidos lá nos primeiros anos de governo e depois simplesmente esquecidos/trocados pelo discurso da exploração de combustíveis fósseis e expansão da metalurgia nosnpolos navais, atividades altamante danosas ao planeta e potencialmente contribuintes ao aquecimento global. Como vc acha que o PT e Lula devem conduzir essa questão crescimento versus desenvolvimento?

Responder

Felipe em 15/09/2019 - 12h38 comentou:

Pequena ou ingênua.

Responder

Julio em 15/09/2019 - 13h14 comentou:

Pessoal, boa tarde!
Assisti a entrevista em questão e não acho razoável essa crítica que elaboraram aqui. Ciro aponta ao longo de suas falas a necessidade de pensamento estratégico e complexo para a superação do momento político que vivemos, não é justo o acusar de associação ao conservadorismo com isso. A grande crítica que faz, e ao assistir fica bastante clara, é a falta de pautas e projetos estruturantes, de fácil entendimento, mesmo ao tiozinho operário ou agricultor que chega em casa depois de um dia exaurido. As falas sobre a Tiburi, são contra o contexto a que estamos atrelados, que agrega muito mais apoio ao hediondo juiz do que a pensadora – como se quiséssemos conquistar mentes, sem coração – não a pessoa em si, a quem se refere com bastante carinho. Quanto a Lula, Ciro não poupa críticas ao processo penal fraudulento a que foi submetido, sem, contudo, apontar os erros, políticos e estratégicos, conduzidos pela forma de pensar do Lula, fato também criticado nesse artigo, ou seja, não são críticas solitárias, antes, um aprendizado que muitos de nós já identificamos,mas, que facilmente repetimos com cirandas e frases de efeito. Acredito que uma Eduarda forte de constroe orbitando uma pauta forte, entendível a qualquer pessoa e com potencial de transformação. Esse é um ponto que precisamos buscar, um projeto de nação capaz de rivalizar com essa distopia que vivemos todos os dias.
Seguimos juntos!

Responder

Ulisses Adriano Fagotti em 15/09/2019 - 13h30 comentou:

Não concordo com sua matéria. Na verdade sempre fui de esquerda a vida toda e estou certo que de duas, uma … ou você não entendeu Ciro Gomes ou não gosta dele e claramente manipula os fatos para ferir sua imagem. Ninguém quer interromper o processo civilizatorio, muito menos Ciro , mas a agenda identitária das minorias que defende o PT pode ser muito “cool” mas não resolve o problema do país por isso não pode ser centro de importância. Ele , Ciro, está correto , nosso povo passa fome e carece de emprego e tudo mais , se você acha que discurso de cú é mais importante que isso não sei que tipo de pessoa você é. Para ajudar nosso povo precisamos estar no poder, precisamos do voto popular , para isso precisamos falar de uma agenda que interesse pu defenda o interesse do povo . Deixemos para falar de cú em casa compatriota.

Responder

Douglas em 15/09/2019 - 13h38 comentou:

Ciro sempre deixa claro que as causas identitárias são importantes, mas não são o que atinge a maior parte do povo brasileiro, a maior parte do povo é conservador nos costumes, essa é a realidade, ignorar isso é dar uma arma poderosa para a direita. E ele tá certo.

Responder

Valtencir Moraes em 15/09/2019 - 14h31 comentou:

Moça, não vai falar do Chomsky?

Responder

Adriano em 15/09/2019 - 14h42 comentou:

Isso, continuem assim, queriam ser a vanguarda do povo sem o mesmo estar na retaguarda de vcs.
O que li vai além da crítica a políticos mas sim o reforço da posição superior em relação ao povo que por vcs é tratado como resto que não merecem ter sua opinião, suas crenças, seus valores relevados em questão. O identitarismo é a cereja do bolo que vcs desejam reforçar em um bolo podre, afinal nem todos gays, mulheres, negros e etc vivem a vida tranquila de intelectual funcionário público de vcs.
A Fila do SUS e a Violência não fazem discriminação com ninguém, tratam todos de maneira igual e justa. Ao menos para vcs ponta da pirâmide que assumem uma posição de esquerda por fetiche intelectual progressista.

Responder

José Medeiros em 15/09/2019 - 15h05 comentou:

Já vi muita coisa ruim vir da direita.
Porem vir da esquerda é a primeira vez, eita não é não!
Enquanto o pt grita Lula livre o governo atual destrói o país.

Ciro Gomes é atualmente o único caminho para um país melhor.

O pt findou não por culpa de Ciro, ou vai me dizer que 13 milhões de votos veio de Boulos e Marina Silva ?

A culpa do atual governo e totalmente do pt e do Lula.
Não querem o melhor para o povo ensino o poder para continuar mamando como governantes.
Quando Lula falecer o pt irá acabar ?
Veremos quando isto acontecer !

Responder

Lucas Alves em 15/09/2019 - 15h21 comentou:

Lula livre não é pauta para nação, ele esta pagando pela areogancia, se o caso triplex esta cheio de nulidades, os demais processos tmbm eatao?? O Brasil nao precisa de um mito nem de um heroi, o Brasil precisa de um projeto de nacao! #Ciro2022

Responder

Rodrigo Rocha em 15/09/2019 - 15h39 comentou:

Ok,mas a alternativa é continuar se refugiando em nichos identitários em um país conservador,fechar os olhos para as práticas de corrupção do PT,pregar a conciliação com o sistema financeiro como nos governos Lula-Dilma,ter votado em um Haddad q seria um presidente por procuração e seria dizimado por um Congresso dominado por conservadores e mídia cobrando as tais reformas pró-mercado?
Nosso país está tão desgraçado assim q oposição se resume ao caudilhismo lulista e suas filiais como PSOL e PC do B?Q tem pavor de alguém que ponha o dedo na ferida de uma esquerda que aposta na burrice do povo?

Responder

Luciano em 15/09/2019 - 16h47 comentou:

Na verdade, nossa moderna concepção de esquerda é referenciada no partido democrata norte americano. Esse partido, obviamente, nunca foi socialista, mas aliado do mercado financeiro, que para buscar um ar simpático resolveu abraçar as causas identitárias e dialogar com as ditas minorias. Além de cavar um nicho mercadológico, conseguiria atrair o apoio dos oprimidos aos próprios opressores. O erro foi essa associação entre a politica vil do mercado financeiro (opressora, exploradora, injusta e fadada ao fracasso, como está ocorrendo) juntamente com as pautas identitárias, pois as consequências da exploração implacável do mercado foram atribuídas às bandeiras “progressistas”. A esquerda brasileira hoje nem sabe diferenciar o que é esquerda e o que é progressismo.
No mundo inteiro no decorrer da história várias pautas conservadoras foram encampadas pela esquerda e pautas liberais pela direita. Falta compreensão política das coisas. Ou vão dizer que George Soros e os Rockefeller são de esquerda por apoiarem pautas identitárias?
Agora, que há um aproveitamento político/eleitoral por parte dessas figuras há. Sempre há. Nada é neutro.

Responder

Pedro em 15/09/2019 - 17h05 comentou:

Parece que se foge a identificar o nosso mundo como capitalista. Enquanto isto não acontece, parece que tudo se torna possível. Aliás, mais precisamente estamos vivendo os últimos dias de um sistema que foi pujante, mas que, atualmente, como diz o papa, mata. Se não começarmos por aí, fica difícil entender o fenômeno político que já se assenhoreou de parte do mundo burguês. O desespero virou política de Estado e o genocídio americano, aqui representado por Bolsonaro, conseguiu dominar uma parte significativa da população. Mesmo quando são minoria, assassinos fazem grandes estragos.
Mas voltemos ao capitalismo, ou melhor, à decadência de um sistema econômico que parece ter como única palavra de ordem aquela do Filme do Arrabal: “Viva la Muerte”.
Sugeria aos leitores da Cynara a leitura do livro de Jean Ziegler: “Le capitalisme expliqué à ma petite-fille (en espérant qu’elle en verra la fin) .”O capitalismo explicado à minha neta (com a esperança de que ela possa ver seu fim).
Para Ziegler, vivemos num mundo que regurgita riquezas e mata de fome milhões de crianças todos os dias. Por isso, seu livro propõe que “é preciso destruir o capitalismo”.

Responder

Snake em 15/09/2019 - 17h38 comentou:

Assim fica fácil identificar as páginas administradas pelo PT. Elas começaram a atacar massivamente o ex candidato a presidência Ciro Gomes. O motivo é que este está se consolidando como novo líder da esquerda, que tem aglutinado muitos partidos e ideologias. O PT perdeu a legitimidade está acuado, pois perdeu o protagonismo de outrora.

Responder

    Cynara Menezes em 16/09/2019 - 13h02 comentou:

    “páginas administradas pelo PT”. “argumento” idêntico aos bolsominions. não é à toa que são chamados de cirominions

Marcos Saulo em 15/09/2019 - 18h06 comentou:

Temos tb uma outra onda política, a Esquerda sem povo, só fala de cú e ninharias identitárias, jogando 50 milhões a maluquice neopentencostal e midiática.

Responder

Guguboas em 15/09/2019 - 19h09 comentou:

Excelente artigo. Parabéns pela refutação. Ciro quer disputar o eleitor raivoso que votou em bolsonaro e é antipetista. E para isso ele adere a um discurso de ódio ao PT, rejeita a pauta de combate às opressoes contra minorias e à defesa do caráter politico da prisao de lula, as quais sao essenciais à democracia. O efeito colateral ja se mostra evidente: mais ódio, mais intolerância e menos normalidade democrática para se governar. Até uma legião de cirominions está se formando… O futuro do pais parece ser mesmo virar uma Faixa de Gaza onde israelenes e palestinos não conseguem mais nem mesmo coexistir.

Responder

luis em 15/09/2019 - 20h27 comentou:

não vamos nos esquecer da esquerda pequeno-burguesa moralista ultra identitária.

Responder

Rodrigo em 15/09/2019 - 21h45 comentou:

É de uma desonestidade intelectual comovente 😠
Como se ser de esquerda fosse definido por pautas identitarias e de costumes, e nao pelo tipo de agenda de desenvolvimento de país.
Pautas identitalárias a gente cobra de partidos e deputados. Quem governa e garante política econômica que garante comida na mesa de todos não pode se envolver estritamente nisso.
Lamento se isso dói, mas é verdade.
Presidente, governador e prefeito não são representantes, são aqueles que cuidam do orçamento público. Vc é um trouxa se espera mais q isso. Igual a um bolsominion só q com valência as vezes oposta 🙄

E me diz aí, coxinha de esquerda, qual é a politica macroeconômica de ESQUERDA que o PT usou em 13 anos 😉
Bolsa família e Minha casa minha vida? De inspiração liberal.
Obras do PAC? (Ah, pela amor de Jeová, isso qq nação com dinheiro de sobra como nós naquela época faz. É desenvolvimento básico… 😒).
Na matriz económica, o Ciro é esquerda até o talo.

Lula livre para ter um julgamento justo sim, mas ao preço de ser escravo do PT… teu c*

Responder

Antonio Brito em 15/09/2019 - 21h54 comentou:

Como Suzane Pharr diz, “não se deve olhar uma opressão isoladamente, pois elas estão todas conectadas: sexismo, racismo, homofobia, classismo, xenofobia”, especismo…

Responder

Godoi da Costa José em 15/09/2019 - 22h11 comentou:

Eu entendo que a pauta identitária não pode ser pauta de primeira linha das esquerdas, até porque os Direitos Humanos já engloba ela e tivemos avanços até maiores segundo esse modelos de proteção dos direitos de maneira geral. A pauta da esquerda deve focar no social e economico principalmente. Eu sou gay e acho que essas pautas identitrárias despertaram o ódio do Fascismo pois é muitas vezes o lado inverso deles, é uma pauta instavel que gera sensacionalismos num país onde a lei e a comunicação não funcionam de maneira correta. Fake News não são punidas e isso leva a destruição de reputações onde essas pautas servem de alimento , justamente pelo carater instavel e afrontador. Um dia se chama LGBT , outro dia GLBT, outro LGBTQ e há um conflito permante para um tema direcionado a uma parcela da sociedade, quando o mais inteligente é trabalhar num carater amplo e menos taxativo. Isso ão é Conservadorismo é modelo de atuação Politica e Cultural, os retrocessos também estão ligados a isso.

Responder

Júlio César Coelho em 16/09/2019 - 02h48 comentou:

Não vou me delongar. Sou conservador nos costumes e liberal na Economia (com algumas reservas, enfim). No fim da matéria, você falou em política socialista? Porém, à política de qual país socialista você faz referência quando compara ao que é citado no texto? União Soviética, Cuba, Coreia do Norte? Ou algum país “progressista”?

Veja bem: em todos os países socialistas, gastou-se verdadeiras fortunas em segurança e defesa, mais do que em qualquer país ocidental (com exceção dos EUA). Como negros, ciganos e gays eram tratados em países socialistas? Diga-me!

O identitarismo emerge em países capitalistas por conta dos direitos que os grupos representados auferiram nessas democracias CAPITALISTAS. Em países socialistas, gays e negros jamais seriam (como jamais foram) respeitados enquanto tais.

Concordo com o argumento de que políticas identitárias jamais contemplarão interesses nacionais que, embora não devam ser determinados pela maioria, não devem implicar em tratamento diferenciado a minorias.

O Brasil elegeu um presidente alinhado à Direita. Simples assim. Não me agrada o tom agressivo dele. Suas ações levantam suspeitas de que está protegendo seus filhos e gente do STF. Porém, jamais me alinharei às pautas da Esquerda.

Responder

bruno em 16/09/2019 - 07h04 comentou:

matar bebês no útero é ser progressista? isso é positivo para a sociedade? discordo de vc…

com esse pensamento aí o destino da esquerda é ser uma seita irrevelante na sociedade…

o Brasil não é sua mente deformada após uma vida fumando maconha

Responder

Paulo Helison em 16/09/2019 - 08h42 comentou:

Mas a esquerda vai conservar o quê? A fome e a miséria?

Responder

Ramon Gregorio em 16/09/2019 - 11h43 comentou:

Vocês deveriam abandonar a esquerda e se assumirem liberais.

Responder

Isaías em 16/09/2019 - 12h28 comentou:

Mas a verdade é essa mesmo, pessoas que se apegam na bíblia como eu e milhares de brasileiros, respeitam, mas não apoiam práticas que a palavra de Deus condena.
No mais o PT errou quando fez alianças excusas com outros partidos para se manter no poder, e acabou se perdendo do foco inicial de 2003, a verdade é dura mas tem que ser dita, eu sempre votei no PT mas tá difícil, continuar dando muito foco para uma minoria e esquecendo de cuidar da maioria, não ganha mais eleição nenhuma pra presidente!

Responder

Samir Mourad em 16/09/2019 - 13h30 comentou:

#ciro2022 … o projeto irresponsável de poder do pt jogou o bozo na presidência.

Responder

Rosana Borges em 16/09/2019 - 14h40 comentou:

Tu é fenômeno do oportunismo Ciro.
Pensa que a gente não lembra entre outras tantas coisas…foi de ferias pra Franca, apos primeiro turno quando podia ter ajudado a evitar essa catástrofe que estamos vivendo. #cirojamais

Responder

João Marcos Florênça em 16/09/2019 - 14h43 comentou:

No intervalo entre a primeira e a segunda guerra mundia, a esquerda Francesa vendo que, os partidos e grupos conservadores estavam conseguindo crescer em número e em popularidade entre a classe operária apontando como culpados pela crise econômica e financeira os negros, os imigrantes, e demais minorias da sociedade, o que essa esquerda na França Fez? Ao invés de aglutinar e unir as minorias em torno de suas pautas como um modo de se defender dos ataques fascistas, passa adotar e a requentar o discurso da direita COMO UMA MANEIRA DE ATRAIR A ADESÃO DA CLASSE OPERÁRIA PARA QUE ELES NÃO MIGRASSEM QUASE QUE TOTALMENTE PARA A EXTREMA DIREITA. É mais ou menos o que o ciro gomes e a ala pequeno burguesa do PT estão fazendo. É como você escreveu acima Cynara Menezes; Uma covardia sem igual. E só pra que eu não me esqueça, o PCO faz a mesma coisa, mas a diferença é que a pauta deles é a do LULA LIVRE.

Responder

Josue de Melo Dantas Neto em 16/09/2019 - 16h57 comentou:

Se esforçou, mas não colou. Deve ter agradado aos seguidores petistas, mas suas críticas são distorcidas.
Vc só está querendo estar certa, mas não force tanto. Está se queimando.

Responder

Marcelo arias em 17/09/2019 - 07h54 comentou:

Não entendi porque uma colunista tão esclarecida coloca em oposição o papel formativo das agremiações políticas de esquerda e a ação estatal… é correto dizer que a esquerda tem responsabilidade com valores avançados. Mas não deveríamos aparelhar o Estado com essas idéias… elas precisam ser desenvolvidas na ligação direta com o povo…

Responder

Evaldo em 20/09/2019 - 18h10 comentou:

Goste ou não, a esquerda terá que lidar com essas contradições. Inclusive por parte dos seus integrantes. Concordo com várias pautas da esquerda e igualmente discordo de várias delas. Se a esquerda acredita que implantará um socialismo, seja pela via revolucionária, seja pela via democrática, está redondamente enganada. A sociedade brasileira, diferentemente do que a esquerda e a direita pensam, não quer e não apóia essa polarização ridícula e ainda acredita que ela (polarização ideológica) seja responsável pelo atual estado “caos” no país. O PT e apoiadores errou feio ao não apoiar Ciro Gomes para uma composição frente aos tucanos e Bolsonaro. É preciso que admita isso! Ciro Gomes tem toda razão em afirmar que Haddad foi um factóide eleitoral, uma poste como disse os movimentos de direita. Era a hora do PT vestir a humildade, mas ao contrário, tentou humilhá-lo, achando que aceitaria uma vice-presidência. Sem uma autocrítica o PT e toda esquerda não conseguirá avançar. E ponham uma coisa de vez nessa teimosia: as pautas, ditas progressistas, não são exclusividades da esquerda. Ela não tem o direito de abraçá-las e afirmar ser a única capaz de levá-las adiante. Acordem de uma vez!

Responder

WAGNER DE MELO DUARTE BARBOSA em 21/09/2019 - 12h32 comentou:

Olha, cada vez mais a esquerda fica pequena, pq não vê o povo, não foco nos trabalhadores, nos que mais precisam, nos desvalidos, é óbvio que as questões identitárias são importantes, mas elas roubaram o protagonismo daquilo que é mais básico, a justiça social, o atendimento às condições mínimas de dignidade para o povo. A escolha de Márcia, sem passado de lutas pelos mais pobres, pelos desassistidos, que sempre foi o foco do PT, foi uma mostra de como a esquerda está perdida, sem se importara que perderemos de novo em 2022 e mais direitos serão tirados por esse grupo de neoliberais no poder.

Responder

WAGNER DE MELO DUARTE BARBOSA em 21/09/2019 - 12h34 comentou:

Lula se uniu, assim como Dilma, aos setores neopentecostais mais obscuros , tudo em nome da governabilidade, PMDB, TEMER, MAIA, RENAN E ETC….

Responder

baader em 23/09/2019 - 16h53 comentou:

e sobre a securitização, pré-sal, decretos e pl do fim do mundo, nada?

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cyberia

O que é ser 50% gênio e 50% idiota?


A resposta, de acordo com os leitores do blog: “ser um jornalista de extrema-direita” –embora eu tenha dúvidas sobre a parte “genial”. Empatadíssimo com “ser democrata e não respeitar a opinião alheia”. Logo em seguida…

Direitos Humanos

A teoria da relatividade do amor reaça


Nós, de esquerda, cometemos um erro ao falar que os reaças só sabem odiar. Não, gente. Os reaças também amam! Só que depende. Que negócio é esse de amar incondicionalmente? Mesmo se dizendo cristãos que…