Socialista Morena
Cultura

Cidade de Minas Gerais tem bloco de carnaval que usa “blackface” desde 1942

Os integrantes do bloco "Turistas de Adis Abafa", da cidade mineira de Cássia, ainda pintam o rosto com tinta preta, costume considerado racista

Integrantes do bloco "Turistas de Adis Abafa" no carnaval deste ano. Foto: reprodução/facebook
Da Redação
19 de fevereiro de 2023, 18h00

O bloco “Turistas de Adis Abafa”, da cidade mineira de Cássia, a 392 km de Belo Horizonte, desfila no carnaval com seus integrantes usando “blackface” há 81 anos, mesmo com o costume de brancos pintarem o rosto de preto ser considerado ofensiva e racista no mundo todo há pelo menos 30 anos. Em 2014, a prefeitura da cidade sancionou uma lei que considera o bloco como “de utilidade pública” e promove o desfile do “Adis Abafa” em suas redes sociais.

O “Adis Abafa”, que desfilou no sábado, 18 de fevereiro, e voltar a sair na segunda-feira de Carnaval, foi criado em Cássia em 1942. Como não houve carnaval de rua no ano passado em virtude da Covid-19, os desfiles deste ano estão sendo comemorativos dos 80 anos do bloco.

O instagram do “Adis Abafa” conta a seguinte história para justificar o nome e as caras pintadas de preto: “Eram meados de 1941, quando Wandic Mendonça, Júlio Batista e Jair Mahalem, cassienses carnavalescos, fundaram o Adis Abafa. Wandic havia feito uma viagem recente ao Rio de Janeiro, onde conheceu um grupo de excursionistas de Adis Abeba, a maior cidade e capital da Etiópia, que visitava a cidade maravilhosa, na época também capital do Brasil. Fizeram muito sucesso por lá, usando roupas iguais, todos pretos, e com cartolas brancas na cabeça. E foi assim que os africanos inspiraram o cassiense…”

“Por pura admiração, e recriando nos mesmos moldes vistos, adotando um inteligente trocadilho no termo ‘abafa’ (usado na época para enaltecer um grande sucesso), no lugar do nome da capital etiopiana, nasceu o ‘Turistas de Adis Abafa’. Para a nossa alegria, Cássia em peso adotou o bloco”, contam. Diante de possíveis críticas, ratificam o uso do blackface: “A família Adis Abafa permanece feliz, unida, cheia dessa cultura linda, de cara pintada SIM”.

Após a publicação deste texto, os administradores fecharam o perfil do bloco no instagram.

Morador de Cássia, um leitor do site que preferiu não se identificar disse que suas reclamações são vistas pelos integrantes do bloco, a maioria brancos, e por outros moradores da cidade, como mimimi. “Estamos em 2023 e eu me recuso a não tentar ação alguma contra as injustiças desse país. Na minha cidade existe um bloco de carnaval ‘tradicional’, com 81 anos, onde a tal tradição é fazer BLACKFACE e desfilar pelas ruas da cidade, cantando aquelas marchinhas tão racistas quanto a própria pintura”, criticou.

Integrante é pintado para o desfile. Foto: reprodução/facebook

“Ao tentar conversar com as pessoas da cidade sobre esse descolamento da realidade, a população em geral discorda, diz que o preconceito está em minha cabeça, que o mundo é chato, mimizento, e que a pintura não apresenta preconceito, e sim uma homenagem.”

Uma das marchinhas, Tinta Negra, também atribui a pintura dos rostos à “tradição”:

Esta negra tinta
que pintei meu rosto
Não manchei minh’alma
Nem meu coração

Se pintei meu rosto
foi uma ilusão
esta negra tinta
é a minha tradição.


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta: 000591852026-7
PIX: [email protected]
(4) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Amir Mahalem Filho em 20/02/2023 - 23h35 comentou:

Um dos fundadores do Adis Abafa, foi meu pai Amir Mahalem e não Jair Mahalem, na família Mahalem não tem ninguém com nome de Jair. E eu fundei quando criança o Adis Abafa Mirim que desfilou as crianças durante muitos anos, com apoio do meu pai. Quem pintou o estandarte do Adis Abafa Mirim foi o Sr Paulo Bento filho do Sr José Bento, moravam ao lado do cinema.Meu pai foi proprietário do Hotel Âncora por 15 anos.

Responder

    Cynara Menezes em 23/02/2023 - 21h40 comentou:

    o texto está no instagram do bloco, tem que reclamar lá

Francisco em 22/02/2023 - 02h39 comentou:

Relevancia zero!!!

Responder

Felipe XD em 18/11/2023 - 21h36 comentou:

Na moral, vai pra puta que pariu, importam até o racismo dos Estados Unidos. Meu vô que era negro, e infelizmente socialista que nem vocês, participava do bloco até 2015, quando infelizmente veio a óbito.
Mas nunca pensou desse jeito imbecil de vocês. Imputam racismo em tudo, galera passa fome, não tem esgoto, não tem dinheiro para nada com essa moeda desvalorizada, e o que vocês reclamam é do suposto racismo estrutural. Vão a merda.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Direitos Humanos

“Esquerdopata” é como uma parte do corpo: você só sente falta quando perde


Enquanto você ataca os que lutam pelos direitos de todos, aqueles que ganharam dinheiro defendendo os que eram contra você estão em casa, descansando

Direitos Humanos

Fora de controle: número de mortos pela polícia de Alckmin é o maior desde…


Policiais militares e civis de São Paulo, Estado governado pelo PSDB há 23 anos, mataram mais pessoas nos primeiros seis meses de 2017 do que nos últimos 14 anos, de acordo com dados oficiais da…