Socialista Morena
Politik

Os espanhóis vão virar “sudacas”?

Quando eu tinha 20 e poucos anos e queria morar um tempo no exterior, estudando, muita gente no Brasil e na América do Sul queria fazer o mesmo, mas para fugir da crise econômica, da miséria, da desigualdade social, da inflação, de países às voltas com a austeridade imposta pelo FMI (Fundo Monetário Internacional), inclusive […]

(Samuel Aranda/The New York Times)
Cynara Menezes
16 de outubro de 2012, 15h33

(Samuel Aranda/The New York Times)

Quando eu tinha 20 e poucos anos e queria morar um tempo no exterior, estudando, muita gente no Brasil e na América do Sul queria fazer o mesmo, mas para fugir da crise econômica, da miséria, da desigualdade social, da inflação, de países às voltas com a austeridade imposta pelo FMI (Fundo Monetário Internacional), inclusive o nosso. Queriam migrar para o “primeiro mundo”, onde não tinha nada disso, para ter uma vida melhor. Chegando lá, eram alvo de preconceito e se sujeitavam aos piores trabalhos para viver seu sonho de “melhorar” de vida.

Em 1995 finalmente consegui juntar um dinheirinho para estudar na Espanha, onde fiquei dois anos. E me impressionava cotidianamente com a maneira como os sul-americanos, migrantes, eram tratados pelo conservadorismo espanhol, sobretudo os que têm traços indígenas, chamados de forma depreciativa de “sudacas”, corruptela de sudamericanos. Nunca fui maltratada, até por passar quase anônima entre os espanhóis, com meus traços supostamente parecidos com os deles. Mas ouvi, sim, muitas vezes a pergunta: “Depois que você terminar o curso, vai continuar aqui?” Como quem diz: “Vai continuar aqui disputando nossos empregos?” Não, eu não fiquei.

Não sinto alegria nenhuma com a crise econômica pela qual passa a Europa, sobretudo porque amo a Espanha e desejo tudo de bom para o país. Mas não deixa de ser irônico que os espanhóis e muitos europeus estejam vivendo agora uma situação muito parecida com a nossa então. Quem diria! Nós, os “sudacas” que alguns queriam ver expulsos de lá, talvez estejamos hoje em melhor situação do que eles. E muitos, muitos espanhóis –117 mil de 2011 para cá, segundo o jornal El Pais – estão deixando a terra natal para buscar uma vida melhor em outros países, exatamente como os “sudacas” faziam. Mesmo levando em consideração os africanos, que continuam indo para lá, a Espanha já possui um saldo migratório negativo: mais gente sai do que entra.

O cúmulo da ironia: o principal destino dos espanhóis é a América Latina. De acordo com um estudo da União Européia, o fluxo de migrantes entre os países europeus e a América Latina se inverteu nos últimos anos. Cada vez mais cidadãos da Europa vêm à América Latina em busca de trabalho e não o contrário. A campeã de “foragidos” é a Espanha, seguida pela Alemanha, Holanda e Itália. Os países que mais recebem os europeus são o Brasil, a Argentina, a Venezuela e o México.

Particularmente triste é descobrir que a Europa (e também os EUA) copia do outrora “terceiro mundo” seu pior: a desigualdade social. Dados do FMI indicam que a distância entre ricos e pobres aumenta com a crise –imagina se os ricos deixariam de ganhar dinheiro com ela. Nos EUA, o 1% da população que ganha mais dinheiro e detinha 10% da riqueza do país, nos últimos 30 anos passou a deter 20% da riqueza. Mas continuemos com o exemplo da Espanha. Prognósticos do FMI citados pelo jornal ABC apontam que a terra de Miguel de Cervantes só voltará a crescer em 2018. Mas, neste meio tempo, o número de milionários crescerá 110%! Ou seja, não há dúvida que lucram com a miséria alheia. Só a América Latina e algumas regiões da África se salvam da tendência de crescimento da desigualdade social no mundo… Não é incrível?

A Espanha já é detentora dos infelizes títulos de campeã em desigualdade social entre os países da eurozona, de fracasso escolar e de desemprego entre os jovens. Um em cada três jovens entre 15 e 24 anos deixaram os estudos antes de acabar o nível secundário, segundo o estudo da Unesco “Educação Para Todos”, suplantando a média européia, que é de um em cada cinco. Os serviços sociais já atendem 8 milhões de necessitados e a Cruz Vermelha lançou, pela primeira vez, uma campanha para arrecadar fundos para necessitados do próprio país.

Talvez tenha chegado o momento de os espanhóis e os europeus em geral tentarem descobrir respostas para seus problemas econômicos não no primeiro mundo de Angela Merkel, dos EUA ou do FMI, mas nos países emergentes. De crise nós, sudacas, entendemos.


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(3) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

maria joana em 16/10/2012 - 22h55 comentou:

kennedy de alencar vai virar seu companheiro, blogueira suja. foi demitido da folha a pedido do serra apõs brigarem na cbn

Responder

    morenasol em 16/10/2012 - 23h07 comentou:

    o kennedy já saiu da folha, por conta própria, há muito tempo. é apenas colunista da folha online e trabalha na rede TV!

Helder em 12/12/2012 - 03h41 comentou:

Mas será que os europeus aprenderão com a crise ou chegarão com ar pedante, mesmo com uma mão na frente e outra atrás?

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Ocupação: o sonho da casa própria do excluído


Uma pesquisa do instituto Data Popular divulgada em 2012 constatou que 19,2 milhões de brasileiros das classes C e D sonham em ter uma casa própria. Entre a chamada “nova classe média”, ou classe C,…

Politik

Horrores do neoliberalismo: avó inglesa se mata por não poder pagar “imposto do dormitório”


Quem paga a conta da crise na Europa? Os pobres, claro. Assim como vem acontecendo na Espanha, onde tem gente se matando por conta dos despejos promovidos pelos bancos, agora é na Inglaterra que começam…