Socialista Morena
Cultura, Politik

Os submergentes: o descenso da classe A/B

Muito tem se dito sobre a ascensão da classe C, mas ninguém observou até agora um movimento paralelo: o estranho fenômeno do descenso das classes mais altas. Não em termos financeiros, mas de empobrecimento do espírito dos que ocupam o topo da pirâmide, nos modos, nas atitudes, na maneira de viver. Os bem-nascidos já não […]

(Paris Hilton, ícone dos submergentes)
Cynara Menezes
30 de novembro de 2012, 11h51

(Paris Hilton, ícone internacional dos submergentes)

Muito tem se dito sobre a ascensão da classe C, mas ninguém observou até agora um movimento paralelo: o estranho fenômeno do descenso das classes mais altas. Não em termos financeiros, mas de empobrecimento do espírito dos que ocupam o topo da pirâmide, nos modos, nas atitudes, na maneira de viver. Os bem-nascidos já não são mais os chiques de outrora, os elegantes, os finos. Parece que, à medida que os emergentes sobem, acontece uma certa novo-riquização dos ricos, como se estivessem… submergindo. Os principais sintomas:

– Em vez de se orgulhar de ter chegado em ótima forma à idade madura por ser bem-cuidada, colecionar silicone, plásticas e botox.

– Em vez de automóveis clássicos como Mercedes e Jaguar, SUVs e carros velozes.

– Em vez de dirigir o próprio carro, ter motorista.

– Em vez de respeitar as leis do trânsito, transferir as multas para o motorista ou segurança.

– Em vez de férias em praias exclusivas do Nordeste, Cancún.

– Em vez de Paris, Miami.

– Em vez de ser chique por atitude, não importando a marca de roupas e acessórios, gastar uma fortuna em bolsas e sapatos de grife.

– Em vez de livros, bugigangas eletrônicas.

– Em vez de boa educação, trabalho –nas empresas da família.

– Em vez de arquitetura moderna, edifícios neoclássicos.

– Em vez de tomar vinho, harmonizar.

– Em vez de festas seletas, megaeventos (a palavra “mega”, aliás, não combina com gente fina).

– Em vez de clean, over.

– Em vez de menos, mais.

– Em vez de obras de arte, jóias.

– Em vez da atitude blasé, chiquérrima, diante do mundo, o incômodo com as classes emergentes nos aeroportos e na vida social em geral.

– Em vez de discrição, ostentação.

– Em vez de fortuna, fama.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(3) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Alexandre Figueiredo em 30/11/2012 - 15h54 comentou:

Cynara, outra mudança que observo nesses "submergentes" em relação aos aristocratas de pouco tempo atrás, é que no lugar das orgulhosas dondocas que eram conhecidas como "Sra. (nome do marido)", hoje temos "donas-de-casa" ricas que se aventuram em escandalosos divórcios com seus maridos, desses que são verdadeiras "novelas" trabalhadas pela mídia das celebridades.

Responder

larry em 30/11/2012 - 16h36 comentou:

Tem a ver, mas discordo dos itens. Esse refinamento do passado é ilusório, o que não prejudica o argumento. O que vejo é que, ao invés do falso refinamento, optou-se por uma cultura de ostentação rapper-gangsta-dourado. De certa forma é o novo rico pautando o velho rico.

Responder

    morenasol em 30/11/2012 - 21h15 comentou:

    é exatamente o que quis dizer com novo-riquização do rico

Deixe uma resposta

 


Mais publicações