Socialista Morena
Kapital

Samuel Pinheiro: não é Fora Temer nem Fora Maia, é “Fora Meirelles, inimigo do povo”

Por Samuel Pinheiro Guimarães* O senhor Henrique Meirelles, ex-presidente do Bank of Boston e durante vários anos presidente do Conselho da J&F (de Joesley), de onde saiu para ocupar o Ministério da Fazenda, procura, à frente de uma equipe de economistas de linha ultra neoliberal, implantar no Brasil, na Constituição e na legislação uma série […]

17/04/2017- Brasília- DF, Brasil- O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, participa do seminário Os caminhos para a reforma da Previdência, no Hotel Golden Tulip, evento promovido pelo jornal Valor Econômico Foto: José Cruz / Agência Brasil
Cynara Menezes
10 de julho de 2017, 16h12
17/04/2017- Brasília- DF, Brasil- O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, participa do seminário Os caminhos para a reforma da Previdência, no Hotel Golden Tulip, evento promovido pelo jornal Valor Econômico  Foto: José Cruz / Agência Brasil

(O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Foto: José Cruz/Agência Brasil)

Por Samuel Pinheiro Guimarães*

O senhor Henrique Meirelles, ex-presidente do Bank of Boston e durante vários anos presidente do Conselho da J&F (de Joesley), de onde saiu para ocupar o Ministério da Fazenda, procura, à frente de uma equipe de economistas de linha ultra neoliberal, implantar no Brasil, na Constituição e na legislação uma série de “reformas” para criar um ambiente favorável aos investidores, favorável ao que chamam de “Mercado”.

O senhor Henrique Meirelles já declarou, de público, que se o presidente Temer “sair” ele continua e todos os jornais repetem isto, com o apoio de economistas variados e empresários como o senhor Roberto Setúbal, presidente do Itaú.

Estas “reformas” são, na realidade, um verdadeiro retrocesso econômico e político e estão trazendo, e trarão, enorme sofrimento ao povo brasileiro e grande alegria ao “Mercado”.

Enquanto crucificam o povo brasileiro e em especial os mais pobres, os trabalhadores e os excluídos, o debate político fica centrado na corrupção, desviando a atenção da classe média e dos moralistas, em torno de uma verdadeira “novela” com heróis e bandidos.

Discute-se se Michel Temer levou ou não “contribuições pessoais” e se foram 500 mil ou 20 milhões, a prazo; se o senador Aécio Neves pediu uma propina ou um empréstimo (informal!!) de 2 milhões de reais; se a J&F corrompeu quem e quantos e ficaram livres de pena; se o senhor Joesley merecia o perdão; se Sergio Moro, juiz de primeira instancia, é ou não a principal autoridade judiciária do país, acima da Lei; se o ministro Marco Aurélio é justo; se o ministro Gilmar Mendes é imparcial etc. etc. etc.

O tema verdadeiramente importante é a tentativa de tomar o poder das classes hegemônicas brasileiras, aqueles que declararam ao Imposto de Renda ganharem mais de 160 salários mínimos por mês (cerca de 160 mil reais) e que são cerca de 70 mil pessoas e que constituem, em seu conjunto, aquela entidade mística que os jornais e analistas chamam de “Mercado”.

O “Mercado” contra o povo

De um lado, o “Mercado”:

 os empresários, promotores do Pato e financiadores do MBL; exceto aqueles que já se deram conta que Meirelles é contra a indústria;

 os rentistas;

 os grandes proprietários rurais (entre eles o senador e ministro Blairo Maggi);

 os grandes proprietários urbanos;

 os banqueiros (não os bancos) e seus lucros;

 os gestores de grandes empresas privadas, modestos ex-professores universitários;

 os proprietários dos meios de comunicação;

 os grandes executivos brasileiros de megaempresas multinacionais;

 os professores universitários, formados em universidades estrangeiras, em teorias próprias dos países desenvolvidos e que, mesmo lá, fracassam;

 os economistas e os jornalistas econômicos, empregados do Mercado.

De outro lado, o povo:

 os 53 milhões de brasileiros que recebem o Bolsa Família, isto é, cuja renda mensal é inferior a 182 reais;

 as dezenas de milhões que são isentos do imposto de renda por terem renda inferior a 2,5 mil reais por mês.

 os 61 milhões que estão inadimplentes, com seus crediários;

 os 14 milhões de desempregados;

 os 3 milhões de crianças fora da escola;

 os mais de 11 milhões de habitantes de favelas (hoje chamadas comunidades!!);

 os subempregados;

 os 47 milhões que ganham menos de um salário mínimo por um mês;

 os milhões sem remédios e sem hospital.

O programa econômico de Henrique Meirelles é o verdadeiro inimigo do povo! Não é a corrupção que distrai a atenção da verdadeira catástrofe que está sendo consolidada na legislação através de um Congresso que representa principalmente empresários, banqueiros, proprietários rurais, rentistas, etc.

O Mercado agora deseja colocar um presidente de imagem “limpa” porque, como disse o senhor Roberto Setúbal na Folha de S.Paulo, o importante são as reformas! Não importa quem as conduza!

É preciso lutar com todas as forças contra este programa de “retrocessos” disfarçados, cinicamente, de reformas a “favor” do povo!

*Embaixador aposentado. Secretário-Geral do Itamaraty de 2003 a 2009. Ministro para Assuntos Estratégicos de 2009 a 2010

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Anistia Internacional: livre direito à manifestação sofre retrocesso com Temer


Durante o segundo mandato de Dilma Rousseff, manifestantes vestidos de verde e amarelo praticamente não saíam das ruas, protestando contra seu governo. Foi só Michel Temer assumir que o livre direito à manifestação sofreu um…

Kapital

ONU ataca rentismo das corporações: “um mundo de lucros sem prosperidade”


Nações Unidas criticam que o crescimento do controle dos mercados pelas grandes empresas não é proporcional ao crescimento do emprego e contribui para o aumento da desigualdade