Socialista Morena
Politik

Após um mês “fazendo a egípcia”, Senado tira nome de Aécio do painel de votações

Nesta quarta-feira, 14 de junho, quase um mês depois que o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, decidiu pelo afastamento de Aécio Neves do Senado, o nome do tucano foi finalmente retirado do painel de votações da Casa. Pressionado pelo ministro Marco Aurélio Mello, que cobrou publicamente o cumprimento da ordem, o presidente do […]

(O painel sem o nome de Aécio. Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)
Cynara Menezes
14 de junho de 2017, 15h33
(O painel sem o nome de Aécio. Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)

(O painel sem o nome de Aécio. Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)

Nesta quarta-feira, 14 de junho, quase um mês depois que o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, decidiu pelo afastamento de Aécio Neves do Senado, o nome do tucano foi finalmente retirado do painel de votações da Casa. Pressionado pelo ministro Marco Aurélio Mello, que cobrou publicamente o cumprimento da ordem, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), também mandou retirar Aécio da lista de “senadores em exercício” do site oficial da instituição. Agora ele aparece como “fora de exercício” por “ordem judicial”.

Na segunda-feira, 12 de junho, em entrevista à Folha de S.Paulo, Marco Aurélio havia questionado a desobediência do Senado em cumprir a ordem do Supremo em relação ao mineiro, da mesma forma que acontecera com Renan Calheiros em 2016. No dia seguinte, Eunício alegaria diante das câmeras que o afastamento foi comunicado a Aécio no mesmo dia da decisão e jogaria a bola de volta para o STF. Segundo o presidente do Senado, cabe à Corte determinar a forma do afastamento porque “não tem previsão regimental” para isso. Eunício argumentou ainda que a Casa tem 120 dias para convocar o suplente.

Marco Aurélio, porém, voltou à carga nesta quarta-feira dizendo que não há segredo no procedimento e discordou do prazo para a convocação de suplente, que para o ministro deveria ser imediata. “Ele está realmente afastado. Se foi afastado do exercício, alguém tem de ocupar a cadeira. O Senado é integrado por 81 senadores, e não 80. Para isso, o Senado tem dois suplentes, para que não fique vazia a cadeira”, disse Marco Aurélio ao Estadão.

Aécio não tem frequentado o Senado desde que foi pedido seu afastamento. Mas o fato é que precisou o Supremo cobrar para a presidência da Casa atestar que havia ordenado o corte do salário, o carro oficial e a verba do gabinete de Aécio Neves logo após a ordem de afastamento. Segundo Eunício, isto teria acontecido ainda no dia 18 de maio, conforme ofício encaminhado ao STF nesta quarta-feira, 14 de maio. Reportagens publicadas esta semana, porém, garantiam que o gabinete do tucano estava funcionando normalmente.

Tudo indica que, como diz a gíria, a Mesa Diretora estava “fazendo a egípcia” em relação à ordem de afastamento de Aécio. Ou seja, o Senado fazia de conta que não era com ele, exatamente como o próprio senador nas redes sociais: dias após seu afastamento pelo Supremo, Aécio publicou no facebook uma foto com colegas do partido cuja pauta, afirmou, eram “votações no Congresso e agenda política”. Como se nada tivesse acontecido.

 

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Para “salvar” a Previdência, Temer beneficia sonegadores e prejudica o trabalhador


Com a direita no poder, o governo se tornou um Robin Hood às avessas: tira dos pobres para dar aos ricos. Ao mesmo tempo que defende a "reforma" contra o déficit, Temer perdoa aos ruralistas…

Politik

Temer ouviu dono da JBS dizer que comprou procurador e dois juízes –e não…


Os diálogos gravados pelo dono do frigorífico JBS, Joesley Batista, de sua conversa com Michel Temer colocam o presidente em uma situação ainda mais complicada. Temer ouviu do empresário que teria comprado um juiz, um…