Socialista Morena
Cultura

Novos Baianos: a arte de viver em comunidade – e fazer música genial

Assista a dois documentários sobre os Novos Baianos, grupo que revolucionou a MPB

Cynara Menezes
06 de julho de 2016, 21h08

Se tem um grupo que realizou o sonho hippie de morar em comunidade foram os Novos Baianos. Moraes Moreira, Baby Consuelo (hoje Baby do Brasil), Pepeu Gomes, Paulinho Boca de Cantor, Dadi, o letrista Luiz Galvão e alguns agregados viveram juntos num apartamento no Rio de Janeiro, num sítio em Jacarepaguá (o lendário Cantinho do Vovô) e, por último, numa fazenda em São Paulo. Quase dez anos de convivência, entre 1969 e 1979, regada a muita música, futebol e maconha, até que um dia, como qualquer casamento, não deu mais certo e cada um foi para o seu lado.

O tempo que duraram a vida em comunidade e o grupo rendeu crias humanas e artísticas: muitos filhos e oito discos considerados clássicos da música popular brasileira. No documentário Filhos de João – O Admirável Mundo Novo Baiano, o diretor Henrique Dantas recria a história dos Novos Baianos, com histórias hilárias, como a origem do nome do disco Acabou Chorare (1972), que em uma votação da revista Rolling Stone em 2007 foi escolhido o maior álbum de MPB de todos os tempos.

No filme, Galvão conta que João Gilberto chegou contando uma história sobre a filha, Bebel, que tinha levado uma queda e quando o pai foi consolá-la, disse: “Acabou chorare, acabou chorare”. Não é demais? Também engraçadíssimo é o causo da filha de Paulinho Boca. Como a menina não havia recebido nome até os 2 anos, ficou sendo chamada de “Buchinha”, porque o pai tinha o apelido de La Bouche. Até que um dia, uma canção do mesmo João Gilberto inspirou seu papai a finalmente batizá-la como Maria.

Mesmo sem ter sido entrevistado, João Gilberto é como um sujeito oculto: o documentário abraça vigorosamente a tese de que os Novos Baianos são seus herdeiros, uma espécie de “continuidade” do trabalho do “pai da bossa nova”. O único porém: Baby do Brasil se recusou a liberar as entrevistas que fez para o filme, alegando que tinha falado para um “trabalho de universidade” e não para uma produção profissional. Fica desfalcada a presença dela, uma pena. Ainda assim, é imperdível. Lindo demais, puro amor. Assista gratuitamente aqui.

De bônus, assista também Novos Baianos FC, documentário de Solano Ribeiro, de 1973, que traz uma visão de insider sobre a vida em comunidade daquela galera genial: Ribeiro acompanhou durante dez dias o cotidiano dos Novos Baianos no Cantinho do Vovô. Música de primeira, rolando solta direto da fonte. Aproveitem.

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Beleza africana: as fotos de Holanda Cavalcanti + a música de NGola Ritmos


Nos últimos 18 anos, a fotógrafa Holanda Cavalcanti tem aproveitado as inúmeras idas e vindas ao continente africano a trabalho, como fotógrafa da revista da Odebrecht, para retratar a beleza de crianças e adultos nas ruas de…

Cultura

O dia em que eu e o Chico visitamos o Lula, por Martinho da…


Site reproduz texto do novo livro do sambista, Crônicas de um Ano Atípico, sobre a visita que fez ao ex-presidente na prisão