Socialista Morena
Politik

Salve Joaquim, Axé Barbosa

Acredito menos em destino do que em sincronicidade, esta coreografia de acasos que permite a alguns acontecimentos se tornarem emblemáticos. E é, sem sombra de dúvida, emblemático que a posse do primeiro presidente negro da história do STF (Supremo Tribunal Federal) aconteça justamente na Semana da Consciência Negra. Não houve planejamento algum nisso: seu antecessor, […]

(foto: STF)
Cynara Menezes
20 de novembro de 2012, 13h54

(foto: STF)

Acredito menos em destino do que em sincronicidade, esta coreografia de acasos que permite a alguns acontecimentos se tornarem emblemáticos. E é, sem sombra de dúvida, emblemático que a posse do primeiro presidente negro da história do STF (Supremo Tribunal Federal) aconteça justamente na Semana da Consciência Negra. Não houve planejamento algum nisso: seu antecessor, Carlos Ayres Britto, faz aniversário no dia 18 de novembro. Completou 70 anos domingo, teria que se aposentar. Uma total coincidência, portanto, com o Dia Nacional da Consciência Negra, celebrado hoje. Joaquim toma posse na quinta-feira 22.

Nada deve empanar o brilho da posse de Joaquim Barbosa no STF. Trata-se não só do primeiro negro a ocupar a presidência da mais alta Corte do País, é o primeiro negro a ocupar um cargo na cima do Poder no Brasil. A presidência do Supremo é um dos três cargos mais importantes em um sistema tripartite: os outros dois são o presidente do Congresso (Legislativo) e o presidente da República (Executivo). Em caso de impedimento do presidente da República, o chefe do Judiciário é o quarto na linha sucessória. Nunca houve, portanto, um cidadão negro em posição tão importante no País. É preciso comemorar, não importam as divergências com o ministro.

Quando, em 2003, o presidente Lula indicou Barbosa para o STF, a iniciativa foi elogiadíssima. Mineiro de Paracatu, o futuro ministro, então procurador federal, havia tido uma trajetória fulgurante: foi gráfico no Senado, oficial de chancelaria no Itamaraty, assessor jurídico do Serpro e consultor jurídico do Ministério da Saúde. Barbosa se formou em Direito pela Universidade de Brasília e é mestre e doutor em Direito público pela Universidade de Paris-2. Considerado um dos principais defensores da adoção do sistema de cotas nas universidades, não se salvou de ouvir dos jornalistas, na época, a pergunta de que iria ser membro da “bancada governista” no Supremo.

A intenção de Lula, tanto no STF quanto na Procuradoria-Geral, foi fazer o contrário de seu antecessor Fernando Henrique Cardoso, e atender aos pedidos do Ministério Público para que este fosse independente. Não podemos esquecer que, com FHC no cargo, o procurador-geral era conhecido pelo epíteto de “engavetador-geral”. O Judiciário independente que o PT pregava antes de chegar ao poder e que se consolidou com a maioria das indicações feitas por Lula quando presidente, personifica-se na figura de Joaquim Barbosa. Exigir o contrário dele só porque Lula o indicou seria exigir-lhe servilismo. E servil é uma palavra que não orna com Barbosa.

Tenho certeza que sua presença como presidente do Supremo, saudada neste momento pelos poderosos de direita, não continuará a ser tão confortável daqui para a frente. Assim como incomodou agora os poderosos ditos de esquerda, mais adiante Joaquim irá cutucar outros. A mão pesada que o ministro demonstrou no episódio do chamado mensalão não será, tenho certeza, ocasião única e de um lado só. Muitos dos que agora aplaudem Joaquim Barbosa por haver punido membros do PT terão razões para lamentar sua presença na presidência do Supremo, estou segura.

A entrevista da jornalista Monica Bergamo com o ministro, publicada em outubro pela Folha de S.Paulo, foi elucidativa por vários motivos. O mais importante deles, para mim, foi esclarecer o espectro ideológico por onde se move Joaquim Barbosa. Ao contrário do que muitos, da esquerda e da direita, gostariam de acreditar, percebe-se que Joaquim não é um conservador. Pelo contrário. Se eu fosse arriscar o partido que goza da simpatia do ministro atualmente, diria que é o PSOL, saído da costela do PT e que se fortaleceu justamente durante a crise do chamado “mensalão”.

Na entrevista, Barbosa declarou seu voto em Lula em 2002 e em 2006, e em Dilma, em 2010. E negou que, mesmo após o escândalo, tivesse se arrependido disso, diante dos “avanços inegáveis” dos últimos dez anos. A quem insinuava que estava seduzido pela mídia, o ministro também bateu nela, e duro. “A imprensa brasileira é toda ela branca, conservadora. O empresariado, idem. Todas as engrenagens de comando no Brasil estão nas mãos de pessoas brancas e conservadoras”, disse.

As frases de Barbosa foram, de certa forma, um tapa de luva nos auto-denominados “esquerdistas” que o atacam desde agosto por conta do julgamento do mensalão. É normal que sobretudo petistas achem que o relator exagerou na dose –para não falar na dosimetria. O que não é normal, é triste e vexaminoso é a apelação à cor da pele de Joaquim Barbosa por parte de gente, repito, que se pretende “de esquerda”. Não podendo diminuí-lo profissionalmente, já que o ministro possui um currículo brilhante, apelam para a questão racial. Nas redes sociais (sinto até vergonha alheia por ter de escrever isso), Barbosa chegou a ser chamado de “capitão-do-mato”, aquele negro que localizava os escravos fugitivos. Triste: estas pessoas são as mesmas que se indignaram quando o presidente Lula foi agredido no Twitter e Facebook por ser nordestino.

Não foram os únicos. Os que agora elogiam o ministro como “herói” já o chamaram de arrogante e insinuaram que era preguiçoso por não comparecer às sessões do Supremo por causa de dores nas costas. A revista que trouxe Joaquim Barbosa na capa agora, dois anos atrás o criticava por frequentar botecos de Brasília e até jogar futebol nos fins-de-semana enquanto estava de licença médica. Comparou-o, inclusive, com o falecido ministro Menezes Direito, que, “mesmo doente”, trabalhava. Menos mal que o ministro Barbosa deixou claro que não se deixa seduzir pela mídia branca e conservadora.

A mensagem racista subliminar tanto no uso do termo “arrogante” quanto nas insinuações de “preguiça” do ministro remontam à figura do “preto ousado” ou do “preto preguiçoso”, de utilização comum para atingir os negros desde os tempos do cativeiro. Somente no dia em que as críticas a um desafeto não fizerem referência alguma, direta ou velada, à cor de sua pele, o Brasil terá superado o racismo.

O novo presidente do Supremo é, quer queiram, quer não, a figura máxima deste Dia Nacional da Consciência Negra. Qualquer comemoração terá que passar por ele. Trata-se de um acontecimento histórico sem precedentes, é preciso deixar as diferenças de lado para celebrar. Joaquim Barbosa é, sim, um exemplo para qualquer menino e menina negros deste país. Espelhem-se nele, crianças. Vale a pena. Salve Joaquim, Axé Barbosa.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(57) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Adriano Oliveira em 20/11/2012 - 14h26 comentou:

Que pena que uma andorinha só não faz verão, acredito na lisura do Joaquim Barbosa, e que provavelmente ele terá a mão pesada em futuros julgamentos independente de quem esteja no banco dos réus, é uma pena que nem todos (o judiciário em um sentido mais amplo e até o mp) não sejam tão imparciais assim.

Responder

Gerson Carneiro em 20/11/2012 - 14h27 comentou:

Salve-me de Joaquim, Saravá Barbosa.

Joaquim Barbosa chega à Presidência do STF tão soberbo e arrogante, imbuído de Poder, quanto qualquer branco. Quer queira, quer não, isso tira, ou diminui, o mérito que poderia haver em função de ser Joaquim Barbosa um negro. Pelo contrário, depõe contra o que poderia ser motivo de orgulho.

É preciso tomar cuidado nesse tipo de avaliação para não incorremos em elogios aos também negros e super poderosos Idi Amin Dada, Jean-Bédel Bokassa, Joseph Mobutu, Roberto Mugabe, Charles Taylor, Hissène Habré, Mengistu Mariam, Omar al-Bashir.

Responder

    Paulo Haagensen em 20/11/2012 - 14h54 comentou:

    Nossa, comparar JB a Idi Amin Dada, e esses outros aí não é um pouco demais, não, Gerson?

    Gerson Carneiro em 20/11/2012 - 15h51 comentou:

    É a régua que ele usou no julgamento da AP-470. Nada mais justo.

    Há aquela máxima de que basta dar poder à criatura para conhecê-la. E pelo que vi da atuação dele no STF… já tenho uma miragem.

    Erico Almeida em 08/12/2012 - 21h18 comentou:

    Brilhante palavras Gerson Carneiro, o que vale ele ter pele negra e agir como um capitão do mato para a elite branca e conservadora que é a imprensa, ele agi em sintonia com esta elite. É autoritário e arrogante, tem todas as características de um ditador.

João Caetano em 20/11/2012 - 14h42 comentou:

Texto perfeito, Cynara!
Fico triste com os desdobramentos do mensalão. Mas, assim como você, tenho a certeza de que Barbosa (mesmo tendo um ego um pouquinho grande) será um dos maiores Ministros do STF,

Responder

Código das idéias em 20/11/2012 - 14h48 comentou:

Triste é ver que a cor da pele do Ministro justifica os seus equívocos,segundo pude entender do texto.
Quer dizer que ele pode jogar bola e ir a boteco quando está de licença médica apenas por ser negro??
Você seria tão complacente se ele fosse branco?

Responder

Aemiguel em 20/11/2012 - 14h53 comentou:

Não. Decididamente, não. Independentemente de raça, cor, credo, etc., não. Usou declarações de Dilma de maneira totalmente inadequada no processo. Tentou uma manobra inconstitucional para caçar congressistas. Condenou sem provas. Fez das tripas coração para que o processo influísse nas eleições, como queria mídia. E outra : não é de nossa conta, mas será que não tem médico competente no Brasil para examiná-lo?

Responder

luiz orquestra em 20/11/2012 - 15h01 comentou:

Se um ministro do supremo fosse japones e alguem tivesse que citá-lo,creio que não haveria um termo melhor do que chamá-lo de Kamikase(os aviadores suicidas do terceiro eixo)…..se fosse um descendente de alemão seria chamado de hitler …..ora …..capitão do mato é a figura mais proxima a´te agora que se conseguiu colocar como apodo de um juiz que afrontou totalmente todas as normas jurídicas e afrontou o Direito,discutiu como só um Imperador bárbaro discutiria ,tendo que ser chamada a sua atençaõ.Agora,se for por questão de cor de pele…..então temos ,por enquianto,pois os atos maravilhosos que voce espera dele,são presunções….taaaaaaaalvez ele faça isso ou aquilo…..Axè pro Genoino……descendente de negro e nordestino ….e nem vou falar mais nada pra não ofender o Olodum …..e Axe pro Mano Brown e nãpo pro Carlinhos Brown aliás agpra ….Carlinhos Globrown…….o estrabismo é comprometedor….

Responder

Benedito em 20/11/2012 - 15h09 comentou:

Cynara, seu texto é repleto de ótimas intenções. Mas tenho minhas dúvidas em relação às intenções do ministro JB ao buscar uma jurisprudência inédita no Judiciário brasileiro para condenar Dirceu e companhia por compra de votos – entre outras condenações – sem explicitar quanto se pagou para comprar votos e quem recebeu dinheiro para votar. Se há corruptor tem de haver corrompido. Quem são os corrompidos? Quanto receberam? São em número suficiente pra aprovar alguma coisa numa Câmara de 512 deputados? Temo que esse julgamento, no futuro, seja visto como uma página vergonhosa na história brasileira. E isso não tem nada a ver com a cor da pele de ninguém.

Responder

Nubia em 20/11/2012 - 15h51 comentou:

Muito pertinente e corajoso.
O triste é perceber o quanto há de cinismo e racismo nos comentários justamente de pessoas que esperamos o contrário. Isso sim é lamentável.

Responder

O Asno em 20/11/2012 - 15h55 comentou:

Barbosa fez papel que se espera de um subalterno meio atrevido, mas sempre subalterno. Quando sua histrionice serviu aos privilégios, virou herói. Agora tende a voltar a seu papel meio ridículo de sempre. Continua a ser malcriado, pois "denunciou" o domínio da elite branca, mas o fez de grilhão no pescoço, pois falando à Folha (é possível fazer denúncia na Folha?) em entrevista à colunista M. Bergamo (a colunista social, que se saiba, trata dos colunáveis, não dos brasileiros). Assim também foi no julgamento recente. Julgou como se estivesse perseguindo bandidões perigosíssimos e não imbuído da missão de acabar com o fisiologismo naturalizado na política nacional. Em outros termos, julgou crente dos relatos da mídia "branca" a quem criticou aos ouvidos da colunista. Os jornalões são brancos e conservadores, mas o que dizem não tem cor para mim que sou "negro"… Ao contrário do que disse a Morena Socialista, o Brasil está cheio de negros, mulatos, mestiços ricos e poderosos. O que não há é uma negritude que se oponha de forma reiterada, objetiva, fudamentada, consequente, eficaz ao preconceito elitista. Na ausência dessa negritude "enfática", tudo é Carnaval… e os de baixo quando em cima clareiam, inevitavelmente. Como o Quinzim…

Responder

Ivam Cabral em 20/11/2012 - 16h48 comentou:

Cynara, você é corajosa; sou seu fã!

Responder

Inácio França em 20/11/2012 - 17h37 comentou:

Cynara,

leitor e assinante "empedernido" de Carta Capital, já conhecia seus textos de repórter. Que bom conhecer a lucidez e a voz autônoma do seu blog. Esta postagem sobre o Joaquim Barbosa abre uma possibilidade que, até então, não enxergava. Numa braçada só, você nadou contra duas correntezas, uma à esquerda e outra à direira.

Antes de escrever esse comentário, tomei o cuidado de guardar "Socialista Morena" em meus favoritos.

Responder

dukrai em 20/11/2012 - 17h48 comentou:

Não desejo e o Joaquim Barbosa não vai usar a mesma doutrina adulterada do domínio do fato para os poderosos da direita, duvido até mesmo que use provas pra condenar a galera do mensalão tucano, ou porque vai ser minoria, ou porque prescreveu, ou porque não vai ter mídia. O equívoco do PT é achar que faz parte do quadro partidário e pode agir como todos os outros partidos, um caixa dois aqui, uma coligação na marra ali e assim deu a deixa pra direita, oposição, mídia, judiciário e o PSOL fazerem a festa com um crime eleitoral prescrito elevado a corrupção, peculato e formação de quadrilha.

Responder

Celso Orrico Filho em 20/11/2012 - 18h16 comentou:

Cynara dessa vez discordamos em 100%..qualquer estudante do segundo ano de Direito sabe que esse julgamento foi político e bem ao estilo de um Promotor Público, caso de Joaquim Barbosa, que tem como função precípua sempre acusar..temo por esse padrão na Presidência da Suprema Corte..

Responder

Gerson Carneiro em 20/11/2012 - 18h22 comentou:

OK, é pra escolher um negro que seja a figura máxima deste Dia Nacional da Consciência Negra, eu escolho Gilberto Gil.

Responder

Eduardo em 20/11/2012 - 18h25 comentou:

Desde Gilmar Mendes, o Mello e agora com o JB que o STF desequilibra a democracai. Racismo é elogiá-lo
porque é negro. É arrogante sim! Como confiar em alguém que condena sem provas? Ou como um colega dele que ja deixou o STF acusou de que ele bate na mulher? Obama que também é negro autoriza os vôo dos Drone. Alguem ja esqueceu da Condoleza Rice?
Neste 20 de novembro é justamente dos JB da vida que nao devemos lembrar!
Ah, antes que me esqueça, sou negro!
E de esquerda.

Responder

Romário Schettino em 20/11/2012 - 18h34 comentou:

Ser de direita ou de esquerda não depende da cor, do sexo, da opção sexual. Qualquer um pode ter uma postura mais ou menos progressista. Mulher, negro, homossexual, índio, todos podem ser de direita ou de esquerda. Portanto, não me venham com o endeusamento. Sou a favor das cotas, sim, mas com a ideologia não se brinca. Todos merecemos críticas. É questão de vida ou morte. Na complexidade do ser humano, sejamos democráticos, em defesa do Estado de direito e livres para emitir qualquer opinião. Para mim, não basta ser negro, tem que ser progressista, democrático, socialista. O STF e suas decisões nunca foram tão debatidos e esse dado é o mais importante de toda a história do julgamento do chamado mensalão.

Responder

Gerson Carneiro em 20/11/2012 - 18h35 comentou:

Geógrafo baiano Milton Almeida dos Santos, um exemplo para qualquer menino e menina negros deste país.

Pesquisem aí no Google.

Responder

    Gerson Carneiro em 20/11/2012 - 18h44 comentou:

    Aliás, o negro não quer ser Presidente do STF. Só quer ser respeitado e considerado ser humano, gente. Só. Isto basta. Não importa o que ele faz.

    Negro analfabeto, também é gente. Não carece estudar para provar que o é. E não tema obrigação de estudar para provar nada pra ninguém.

    Quer ir criar galinhas (o que exige muito conhecimento)? Vá. E deve ser respeitado do mesmo jeito.

Roberto Locatelli em 20/11/2012 - 19h15 comentou:

Joaquim Barbosa é o exemplo que os negros NÃO devem seguir. Na ânsia de agradar à elite e sua mídia, ele comandou um linchamento público. Joaquim Batman é o capitão do mato dos dias atuais.

Responder

    morenasol em 20/11/2012 - 19h58 comentou:

    eu acho seu comentário racista e lamentável. ia deletar, mas é um perfeito exemplo do que eu falo neste texto

    Gerson Carneiro em 20/11/2012 - 21h50 comentou:

    Disse tudo, Roberto Locatelli.

    Não há razão para seguir um negro, e tê-lo como exemplo, que só faz agradar a elite e a mídia.
    Zumbi dos Palmares chora e lamenta.

    Indianara em 24/01/2013 - 14h16 comentou:

    O mais interessante dos comentários é a necessidade de dizer negro, negro, negro, negro, negro, negro, negro, negro, negro, negro, negro… Que coisa mais chata. E daí se o homem é negro? Ele serve de exemplo sim, por ser NEGRO, como alguns comentários insistem em enfatizar, e chegou onde está por mérito e não por sistema de cotas.

Paulo David em 20/11/2012 - 21h29 comentou:

Estão louvando, por ser negro, o Quincas, como se ele fosse o próprio fosse Zumbi dos Palmares, na semana de comemoração ao segundo e à consciência negra, porque aquele está presidente do STF justamente nessa semana, embora vá ser empossado na próxima. Independente de raça, o que para mim não vem ao caso, independente de que esteja na posição mais elevada do Poder Judiciário, e uma das três mais importantes da República, o fato é que Joaquim Barbosa se mostrou um limitado, descontrolado e parcial juiz, e, como tal, em meu sentir, jamais será um Magistrado. E mais: temo pelo Direito, por sua participação à frente do STF. Axé para o povo brasileiro e mais controle para o ministro.

Responder

Artur em 20/11/2012 - 21h52 comentou:

Não sei, não, mas aplaudir só por causa da cor da pele carrega o mesmo princípio de execrar pelo mesmo motivo. Negro por negro, os capitães do mato – que faziam o serviço sujo para os brancos na época da escravidão – também eram negros. Esse aí cuspiu na imparcialidade da justiça, na Constituição do país e no estado de direito ao condenar sem provas.

Responder

Gerson Carneiro em 20/11/2012 - 22h21 comentou:

ATENÇÃO – Cachoeira poderá comparecer à festa da posse do Joaquim Barbosa. Aguarda alvará de soltura do STF.

Responder

    Luís em 21/11/2012 - 13h19 comentou:

    E Maluf poderá comparecer na posse do Haddad como prefeito de São Paulo.

    Isso se a Interpol e a justiça de Jersey não prender antes esses valoroso aliado dos petistas.

mario cezar em 20/11/2012 - 22h58 comentou:

cynara, você com esses olhos atiçados (semelhantes aos de capitu ou diadorim) pois bem, e sinceramente falando, seu texto a respeito do joaquim barbosa é longo. fiquei com a sensação que essa lonjura de elogios; esse aglomerado de palavras tinha como objetivo (principal) atiçar a blogosfera; incendiar o clima de idealismos; a grande imprensa faz isso muito bem. com suas chamadas ibopianas. com seus textos e rótulos espetaculares. para este matuto sertanejo. andante de brejos e lajedos(ao por do sol) e sob as estrelas cearenses. a questão é compostura nos dizeres . cito aqui gênios: machado de assis e graciliano ramos; lima barreto e guimaraes rosa. negros e brancos que disseram algo, além da disputa mesquinha ou como diria GOETHE " isso na eternidade não vale um peido"

Responder

Messias Macedo em 20/11/2012 - 23h39 comentou:

VIVA O ‘BRAZIL’ QUE MUDOU!

… Nas próximas horas, o notável (sic) *“professor” Carlinhos Cachoeira deixará o presídio da Papuda… Tomara que dê tempo para que o Cachoeira, acompanhado do DEMÓstenes Torres e do Marconi ‘Periggo’, possa assistir, de cátedra, a posse do [inclemente] “menino pobre que mudou(?!) o Brasil” na presidência do “supremoTF”!…
*segundo o ilibado (sic) magistrado [DEMotucano] DEMÓstenes Torres!
Viva o Merval Pereira, a Eliane Cantanhêde e a Cristina Lobo et caterva!
Viva o ‘Brazil’!…

Que país é este, sô?!… República de ‘Nois’ Banana, responde, “na lata”, o matuto ‘bananiense’!

Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Messias Macedo em 21/11/2012 - 03h34 comentou:

O ‘BRAZIL’ MUDADO PELO MENINO POBRE! ENTENDA

21/11/2012 – 00h20
Após nove meses preso, Carlinhos Cachoeira é solto em Brasília

FERNANDO MELLO
DE BRASÍLIA

CACHOEIRA – perdão, ato falho -, FONTE: http://www1.folha.uol.com.br/poder/1188632-apos-n

Que país é este, sô?!…

Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

saggio2 em 21/11/2012 - 10h28 comentou:

Desta vez, para homenagear a querida raça Negra, nossa socialista morenda desandou a maionese.
Ao desrespeitar a Constituição reiteradas vezes, ao Condenar SEM PROVAS, o ministro JBatman jogou por terra qualquer esperança que tinha em sua "Justiça". Infelizmente, agiu como "Capitão do Mato" a serviço da midia Cachoeira (já solto, né – linda nossa "justiça").
JB parece realmente se comprazer com as capas do esgoto Veja, com matérias favoraveis da Globo e afins. Se o Ministro JB acredita no PIG, pior pra nós que ainda temos senso critico e esperamos um Brasil melhor – porque do PIG, só vem GOLPE!
Infelizmente…

Responder

Trevisolli em 21/11/2012 - 13h10 comentou:

Estou gostando do trabalho dele. Por não ser de nenhum partido, acompanhei com satisfação suas penalidades quanto ao mensalão, e quero ver agora qual será o próximo episodio e escândalo que vai tomar os papéis. Será que vai ter espaço para o "mensalão tucano"?

Responder

Sergio em 21/11/2012 - 13h56 comentou:

Negro e fascista!

Responder

Enderson em 21/11/2012 - 18h21 comentou:

Por que Joaquim Barbosa merece ser criticado pelos seus erros e o PT não? Discordo da opinião da mídia com relação ao suposto mensalão, mas não acho certo isentar o PT pela barrigada que fizeram. Do mesmo modo não concordo em crucificar ou santificar Barbosa pelas suas ações.É bom ter cuidado nas criticas! Algumas podem conter um ranço racista…

Responder

Cícero em 22/11/2012 - 03h44 comentou:

Independente de ser ou não ser negro, um Ministro do STF deve ser imparcial, o que não é o caso do Joaquim Barbosa, que vergonhosamente se tornou subserviente do PIG, num julgamento que está longe, muito longe das regras que norteiam o "Devido Processo Legal". Esse ministro está se revelando o mais sujo e aviltante ministro na história do STF…. O tempo dirá!!!!

Responder

Fernando Souza Jr. em 22/11/2012 - 13h45 comentou:

A esquerda partidária e militante ficou cega diante do julgamento do mensalão, partindo até mesmo para ataques racistas contra Joaquim Barbosa. Perdeu qualquer noção da realidade e age sem espírito crítico nenhum. E, pior, viraram todos juristas da noite pro dia. Uma coisa triste, deprimente…

Responder

andrevps em 22/11/2012 - 18h45 comentou:

(1) Cara Cynara,

como sempre, suas considerações são muito lúcidas e – por que não admitir – bastante elegantes. Quanto ao texto em si, tenho de concordar com a vitória que representa a posse de Joaquim Barbosa como presidente do Supremo. No meu ver, a ocupação de espaços de poder por negros significa, sempre, alguma esperança de valorizar essa parcela do povo histórica e contemporaneamente explorada, massacrada e subjugada. No caso de Joaquim, o exercício marcante desse poder (como bem anotado em seu texto ao lembrar não só a condução da AP 470, mas o brilhante voto das cotas, as declarações sobre racismo e a atuação como Procurador) tem uma importância fenomenal – ao menos simbólica – na luta pela emancipação dos negros. Nesse sentido, é, sim, realmente significativa a investidura em seu novo cargo exatamente na semana da Consciência Negra.

Responder

andrevps em 22/11/2012 - 18h46 comentou:

(2) Quanto aos lamentáveis comentários sobre o Ministro desses que se dizem de esquerda (“capitão-do-mato” e coisas piores), acredito que nada mais representam do que um racismo latente que toma toda a sociedade brasileira, e que irrompe em momentos de emoção aguda. O certo é que há racistas de direita e de “esquerda”, todos eles muito acostumados a usar o negro-objeto de acordo com seus interesses, como sempre foi e é até hoje, muito depois de 1888. Basta recordar, como você mesma pontuou, seu achincalhamento pela grande mídia conservadora em outros tempos (quando ele incomodava), e sua exaltação pela mesma mídia (agora que seu atuar coincide com suas pretensões). Na verdade, toda essa ciranda, entre esquerda e direita, de ofensas e ovações ao Ministro só faz refletir o que a massa espera, consciente ou não, do negro: que lhe sirva sempre. Que não tenha personalidade. Porque, se não for desse jeito, é um folgado, um abusado que não sabe se colocar no seu lugar, um insolente que merece mais é o chicote.

Responder

andrevps em 22/11/2012 - 18h46 comentou:

(3) O que acho criticável no atuar do Ministro, especialmente na AP 470, passa por análises muito menos apaixonadas do que técnicas. O atropelar das garantias fundamentais, a exasperação desproporcional das penas, o desrespeito à atuação da Defesa, a distorção de bases teóricas em nome de uma punição a qualquer custo, a proatividade do magistrado no processo penal, etc. – tudo isso envolve um prejuízo enorme e que ultrapassa, em milhares de quilômetros, o efeito político de toda a coisa (que, apesar dos esforços da Veja e afins, não atingiu sequer as eleições municipais da semana seguinte). O que isso significará, Cynara – e vejo isso claramente em comentários efusivos no meio jurídico em que vivo -, é que a justiça penal se apoiará no precedente para se ver livre de embaraços (é assim que a maior parte dos juízes vê as garantias fundamentais) para punir (=exterminar mediante encarceramento massivo) pobres e negros (clientela preferencial e seletiva das varas criminais).

Responder

andrevps em 22/11/2012 - 18h47 comentou:

(4) Por isso é que, por via oblíqua, o posicionamento de Joaquim pode ser um tiro no pé na própria luta pela afirmação dos negros. E é nesse sentido que não quero, enquanto cidadão preocupado com a preservação das garantias fundamentais, que ele continue atuando assim em processo penal algum – mesmo no chamado “mensalão tucano”, como sonham, sedentos de vingança, alguns militantes da esquerda. Isso manifesta, também, a perniciosa ideologia da esquerda punitiva, identificada com precisão pela brilhantíssima Maria Lucia Karam. Mas entrar nesse tema seria alongar demais isso que era para ser um mero comentário.

Parabéns pelo texto e pelo blog, Cynara!

Responder

Marcelo Semer em 23/11/2012 - 15h05 comentou:

Cynara! Esse Blog é uma beleza! Parabéns; sou fã como já sabe. Do post discordo um pouco quando você diz que a iniciativa de Lula de nomear Barbosa foi muito elogiada. No meio jurídico, fortemente criticada, pela ideia de estar introduzindo "cotas" no STF ao anunciar, antes, que pretendia nomear um negro. Também a imprensa virou a cara com esse processo. Hoje, engenheiros de obra feita, muitos aplaudem uma novidade que, se tivessem dependido deles próprios, jamais ocorreria. Beijos. Marcelo Semer

Responder

    morenasol em 23/11/2012 - 16h51 comentou:

    marcelo, pesquisei antes de escrever o artigo em matérias da época: teve até editorial elogiando a indicação de barbosa. na CCJ, também, só elogios ao ministro. o único reparo foi a questão (pessoal) da agressão à ex-mulher e, ainda assim, foi dito que estava superada. não encontrei uma só fala na época contra a indicação do ministro. pelo contrário. beijo

Vivi em 23/11/2012 - 22h12 comentou:

Ele não é um exemplo apenas para meninos e meninas negros, Cynara. Ele é exemplo pra TODOS os meninos e meninas do Brasil! 😉

Responder

Mauri em 25/11/2012 - 13h57 comentou:

Tenho certeza que com a história de vida de Joaquim Barbosa não será surpresa se daqui a dois anos no término do mandato(é assim que chama?)muitos que hoje o exaltam,dedicam-lhe capas,manchetes,loas,etc estarão com a pena invertida:ataques racistas serão o mínimo.E Lula que usou o tal mensalão pra depurar seu governo e melhorá-lo terá mais um golaço no currículo.E se Joaquim chegou aonde chegou é por mérito.Sim porque com a cor da pele que tem,jamais teve ajuda como os branquelos com seus colégios caríssimos devidamente abatido no Leão de Renda.Esse País ainda precisa de muitos Joaquins pra ser considerado justo.

Responder

Vitor Angelo em 01/12/2012 - 01h08 comentou:

o texto mais lúcido que eu li da esquerda sobre o Joaquim Barbosa e mais do que ele, sobre o STF e os avanços que o PT inseriu na corte suprema que foram vitais para todo este protagonismo da corte em emdidas progressistas nos últimos anos. a crítica de muitos petistas ao JB e ao Supremo nnao fazem parte da dialética mas apenas da contradição e infelizmente muitas apontam para o mais puro racismo

Responder

pontes em 06/12/2012 - 23h03 comentou:

JB nos deu um pingo de esperança. Canalha tanto da direita como da esquerda tem sim que pagar. O governo é do povo e esses políticos para não falar outras palavras porque o comentário não vai ser divulgado , so vou pedir para que não esqueçam o passado mas o presente está sendo muito mais calhorda. Quem falar que este governo não rouba e que é ´sério tenha santa paciência. Parem de falar de cor religião e aprendam a falar sobre o ser humano que é tão carente de pessoas de carater. Este país está podre e é preciso ser limpo. Por enquanto OBRIGADO Ministro presidente do STF Joaquim Barbosa

Responder

Odálio Botelho em 13/12/2012 - 20h22 comentou:

Caríssima socialista morena,
Sinto a postura do ministro Joaquim Barbosa carregada de ranço acusatório, egresso do MP. O tratamento que dispensa à classe de advogados não condiz com o cargo que ocupa. No mais, tem competência e poderá fazer o brasileiro lembrar-se do ex-escravo Luiz Gama e de Nelson Mandela, cada um líder a seu tempo.
Odálio Botelho, um fã.

Responder

Odálio Botelho em 13/12/2012 - 22h58 comentou:

Cynara,
A arrogância e a prepotência do ministro Joaquim Barbosa não seria uma defesa, um sinal de complexo de inferioridade? Há uma lição espiritual, segundo a qual, "cada criatura trás na fronte, mas principalmente nos atos, o cunho da sua grandeza ou da sua inferioridade".
Odálio Botelho
Alexânia

Responder

Renato Fabriga em 17/01/2013 - 15h08 comentou:

Desculpe, Cynara, mas currículo não isenta ninguém de crítica. Nem a cor da pele; isso sim seria trabalhar a favor do preconceito. Outra coisa: seríamos todos ingênuos de não acreditar que o fato de um negro ocupar posição tão importante e destacada no cenário político (e social) nacional desagrade muita gente; talvez, até alguns dos seus leitores. É fato que nossa sociedade, principalmente do sudeste pra baixo, é preconceituosíssima. Abomino completamente tal prática. Mas imaginar que as críticas são apenas motivadas pelo preconceito e não considerar que muitos entendem que o ministro se prestou sim a serviçal da casa-grande, e que o ministro fez sim mau uso e má interpretação de teses jurídicas no julgamento do "mensalão", se deixando levar pelos clamores da grande mídia não por ser negro, mas por ser humano e, portanto, falível como qualquer humano, volúvel com qualquer humano e vaidoso como qualquer humano, é pensar estreito e não notar que o uso de tal prerrogativa é um desserviço à própria causa defendida pelo artigo.

Responder

Indianara em 24/01/2013 - 14h11 comentou:

Acredito que enquanto se discute a cor da pele do ministro, ele está lá em cima, presidindo a Corte Maior da República. Gostei de sua atitude perante o julgamento do mensalão e creio que estamos evoluindo na aplicação de nossas leis. Muito lentamente, é verdade, afinal, fazer o que é certo é chato, monótono e não dá qualquer sensação de adrenalina, mas é um começo. Não tenho lado nenhum para defender, acredito na eficácia da lei quando aplicada corretamente. Se o excelentíssimo senhor ministro tem algum interesse por trás desse atos só o tempo dirá. Por enquanto está agradando.

Responder

Rafael S O em 04/02/2013 - 00h25 comentou:

Não concordo que devamos comemorar que o presidente do supremo seja negro, não por racismo, mas simplesmente não existem ligações racionais nessa situação, NESSA SITUAÇÃO.
Joaquim poderá se haver com os demais processos de mensalões, porém, não deve atuar da mesma maneira que andou fazendo no mensalão do PT, isso é anti-ético, ele deveria sair mal dessa situação, justamente por se colocar acima da justiça.
Esse blog tem potencial para ser muito bom, não o conheço ainda, porém, conheci com uma matéria que eu diria, infeliz.

Responder

Paulo em 20/02/2013 - 17h19 comentou:

"…A intenção de Lula, tanto no STF quanto na Procuradoria-Geral, foi fazer o contrário de seu antecessor Fernando Henrique Cardoso…", mas você esqueceu de dizer sobre o Toffoli, ou você acha que aindicação de advogad de partido é imparcial??

Responder

Evaniel Brito em 09/10/2013 - 14h49 comentou:

Pena que as palavras de Cynara Menezes, passados um ano, é bem diferente da postura do Ministro Barbosa. Ele claramente serve a elite, ama os holofotes,assim como aquele a quem criticou, Gilmar Mendes, atende a mídia golpista e se mostra o oposto do artigo escrito. Pena mesmo.

Responder

Thobias em 21/11/2013 - 16h39 comentou:

E então… será que Barbosa pesou ou vai pesar a mão aos poderosos de direita? Já faz muito tempo e nada… quem sabe saia presidente do partido cristão!

Responder

Lucas Costa em 22/12/2013 - 19h26 comentou:

Excelente texto. Concordo com cada vírgula. Está aqui guardado o link, para uso dentro em breve.

Saudações cordiais.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Julgamento do mensalão: sentenças exemplares? Tenho dúvidas


Caiu a formação de quadrilha no julgamento do “mensalão”, o que obrigará o STF (Supremo Tribunal Federal) a recalcular as penas impostas aos condenados, porque alguns ministros, como haviam votado pela absolvição na primeira rodada…

Politik

Cineasta Fernando Meirelles, de Cidade de Deus, faz campanha por impeachment de Gilmar


Campanha na rede colhe assinaturas para que Senado instaure processo de impeachment de Gilmar Mendes por ter mandado soltar pai de sua afilhada de casamento. MPF-RJ pede suspeição do ministro do STF no caso