Socialista Morena
Feminismo

Ana Amélia sai em defesa do ex-colega de RBS Lasier Martins, acusado de agredir a mulher

Por Katia Guimarães* Na contramão do combate à violência contra a mulher travado diariamente no país, a senadora Ana Amélia Lemos (PP-RS) saiu hoje em defesa do conterrâneo e ex-colega de RBS, senador Lasier Martins (PSD), acusado de agressão física e psicológica contra sua mulher, a jornalista Janice Santos. A denúncia foi registrada, na semana […]

Cynara Menezes
04 de abril de 2017, 19h53
analasier

(Os senadores Ana Amélia e Lasier Martins. Foto: Geraldo Magela/Agência Senado)

Por Katia Guimarães*

Na contramão do combate à violência contra a mulher travado diariamente no país, a senadora Ana Amélia Lemos (PP-RS) saiu hoje em defesa do conterrâneo e ex-colega de RBS, senador Lasier Martins (PSD), acusado de agressão física e psicológica contra sua mulher, a jornalista Janice Santos. A denúncia foi registrada, na semana passada, na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (DEAM) de Brasília, onde Janice compareceu, acompanhada de testemunha, e realizou exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML).

A jornalista acusou o marido, de quem está se separando, de tê-la agredido inclusive utilizando um cinto. O caso foi parar também no Senado, onde a Procuradoria Especial da Mulher cobrou celeridade e rigor nas investigações. “Estaremos atentas e acompanharemos os desdobramentos de tão lamentável acontecimento. Faremos o que for necessário para ver o caso elucidado, pois reafirmamos nossa convicção de que a vida sem violência é um direito inalienável de todas e de todos”, diz a nota assinada pelas senadoras.

Hoje Lasier subiu à tribuna para se queixar que se trata de um “problema pessoal, que deveria ter ficado restrito a uma vara de família”. Sem fazer referência direta à denúncia, o senador se disse “defensor da Lei Maria da Penha” e citou a filha da ex-mulher, que, segundo Janice, presenciou as agressões, que ele nega. “No drama pessoal a que qualquer pessoa está sujeita, há uma criança. Há uma menina de 10 anos, uma menina talentosa, cativante, muito querida, que não pode sofrer efeitos negativos, deletérios sobre o cenário que foi armado”, afirmou o senador gaúcho.

Lasier chegou a dizer que a repercussão do caso ultrapassou os limites e que só não abre mão do foro privilegiado para acelerar o processo porque “não pode”. “Naquilo que depender de mim, o processo judicial andará muito rápido, porque eu quero ver o fim desse dilema que se transformou num pesadelo injusto. E quando me perguntam: mas por que não abre mão do foro privilegiado? Se eu pudesse, já teria feito, mas é imperiosidade constitucional, é prerrogativa da função e não da pessoa. Então, se pudesse, eu estaria abrindo mão do foro privilegiado”.

A ex-colega de RBS Ana Amélia se recusou a assinar a nota das senadoras e criticou que a denúncia esteja sendo tratada com “dois pesos e duas medidas”. “Houve casos semelhantes, análogos aos seus, envolvendo colegas que não tiveram o mesmo tratamento”, disse, sem citar quais. “Eu queria apenas ressaltar, como jornalista, sua colega, que trabalhamos numa empresa, a forma sempre respeitosa que V. Exª teve com as colegas jornalistas e também das informações que tenho sobre a sua convivência familiar com a sua família. É muito difícil, num caso estritamente pessoal e particular, íntimo, porque é a sua palavra e a palavra da pessoa que o denunciou.”

A declaração de Ana Amélia causou indignação entre as senadoras que têm atuado no enfrentamento à violência contra a mulher. “Houve fatos anteriores. Verificamos antecedentes de todos. E aqueles em que havia um processo à época do acontecido, em que houve denúncia, nós nos posicionamos da mesma forma”, reagiu Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), procuradora Especial da Mulher no Senado. “Nós brigamos muito contra aquele velho ditado que diz ‘em briga de marido e mulher, ninguém põe a colher’. Põe a colher, sim”, afirmou.

A última alteração na Lei Maria da Penha foi justamente nesse sentido, para permitir que a agressão seja denunciada à revelia da vítima. O Supremo Tribunal Federal decidiu que o Ministério Público pode entrar com a ação penal, em casos de violência doméstica, mesmo que a mulher decida voltar atrás na acusação contra seu companheiro. A ideia é que o Estado proteja a vítima mesmo quando ela se mostra incapaz de fazê-lo. Esta decisão tornou possível, por exemplo, que a suposta agressão do cantor Victor à mulher continue a ser apurado pela polícia, mesmo que ela tenha recuado da queixa.

“Nós não poderíamos nos omitir de maneira nenhuma. Seja parlamentar, seja lá quem for, nossa posição aqui é um dever, uma prerrogativa que a gente tem. Repito, o que se quer é a investigação, é a apuração e que tudo seja feito com muita seriedade, para que ao final a verdade venha à tona”, disse a senadora Fátima Bezerra (PT-RN).

Nessa quarta-feira, 5 de abril, será instalada no Senado a Comissão Mista de Combate à Violência Contra a Mulher, com a divulgação de relatório do Observatório da Mulher contra a Violência (OMV), que aponta que, em 2014, houve 4,6 assassinatos a cada 100 mil mulheres no país. Do total de vítimas, 62% eram negras ou pardas.

 

*PAGUE A AUTORA: Gostou da matéria? Contribua com a autora. Todas as doações para este post irão para a repórter Katia Guimarães. Se você preferir, pode depositar direto na conta dela: Katia Guimarães, Caixa Econômica Federal, agência 4760, conta 21602-1, CPF 602.735.771-15. Obrigada por colaborar com uma nova forma de fazer jornalismo no Brasil, sustentada pelos leitores.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Os cascões e cebolinhas cresceram e viraram uns machistinhas gordofóbicos (com o apoio das…


Sempre fui fã de Mauricio de Sousa e de seus personagens. Mas ando relendo seus gibis com outros olhos, olhos do século 21. A maioria das trapalhadas da Turma da Mônica continua hilária. É impossível,…

Kapital

Adeus, Natal: a direita quer acabar com o 13º “contra a crise” tirando 170…


É muita burrice, não de quem fala, porque tem outros interesses por trás, mas de quem acredita. Movimentos de direita orquestrados como o MBL (Movimento Brasil Livre) defendem acabar com o 13º salário sob a justificativa…