Socialista Morena
Feminismo

Por que as mulheres desistem da política? Por Manuela d’Ávila

A ex-deputada federal reflete sobre as razões que levaram Jacinda Ardern a renunciar ao cargo de primeira-ministra da Nova Zelândia

Jacinda Ardern com seu companheiro Clarke Gayford e a filha recém-nascida. Foto: divulgação
Manuela d'Ávila
03 de fevereiro de 2023, 21h55

Por que mulheres desistem?

Quantos líderes homens você já ouviu falar sobre seus limites para exercer o tão cobiçado poder?

Quem lembra de Jacinda Ardern interrompendo uma live para colocar a criança para dormir?

Falo sobre uma das reflexões que fiz quando decidi não concorrer e que acho válida. Quando a gente toma uma decisão importante nunca decide baseado em uma única razão, né? Mas essa certamente foi determinante para mim.

Volto a 2016, quando não concorri, ou a 2018, quando ouvi de um homem que minha filha me acompanhava demais. Quem cuidava das crianças dele em suas longas ausências? Um dia a gente vai debater publicamente sobre isso. Quem cuida das crianças dos homens políticos?

Muitas vezes eu respondia aos meus interlocutores que me provocavam para concorrer ao Senado nas eleições de 2022: ‘Olha, minha filha precisa de mim nesse momento, não foi fácil o que vivemos no último período’. Eles interpretavam isso como um gesto equivocado meu. Como se eu estivesse cedendo aos ataques ou virando uma pessoa menor.

Claro, eu entendo as razões para que ninguém fale sobre família quando um homem político se movimenta no cenário como quem joga xadrez. Mas esse pra mim também é um tema. Ir para Brasília causa impacto na vida das famílias dessas pessoas. Ocorre que, na maior parte das vezes, essas pessoas são homens que não calculam esses impactos na vida de suas esposas e crianças.

Volto a 2016, quando não concorri, ou a 2018, quando ouvi de um homem que minha filha me acompanhava demais. Quem cuidava das crianças dele em suas longas ausências de 15, 20 dias? Eu vivo em uma casa em que responsabilidades afetivas e com cuidados são compartilhadas. Sei que essa não é a realidade da maioria das mulheres. Sei que a forma como Duca, meu marido, assume essa jornada, não lembra em nada a realidade de praticamente nenhum dos homens com quem cruzei na jornada política.

Um dia a gente vai debater publicamente sobre isso. Quem cuida das crianças dos homens políticos? Canso de ver matérias em jornais sobre políticos europeus que vão de bicicleta ou ônibus para o trabalho. Acho interessante nossa preocupação com transporte e sustentabilidade ou mesmo com os padrões de vida proporcionados aos políticos de cada país. Mas nunca li uma linha sobre a dinâmica da política e a rotina de cuidados.

Alguém já se perguntou por que as sessões das casas legislativas começam, em geral, no fim do dia? Por que a reunião de líderes é no horário do almoço? É o mundo dos homens. Dos horários de quem não sabe o nome da professora da criança, de quem chega em casa com a geladeira abastecida e a camisa passada

Sei que num país desigual como o nosso, mulheres (majoritariamente brancas, assim como eu) eventualmente ocupam espaços de poder contando com outras mulheres para dar conta das responsabilidades familiares que são tidas como delas: levar e buscar filho na escola, organizar as refeições e a limpeza das famílias. Muitas, flertando com o feminismo liberal, dizem ter rompido o teto de vidro imposto pelo machismo quando chegam lá. Mas romperam exatamente com o quê, se esse lugar não pode ser ocupado por qualquer mulher?

A gente vive debatendo as razões pelas quais as mulheres não fazem política. Mas cabe na política o mundo invisível (porque invisibilizado) do trabalho reprodutivo? Não. Vocês já pararam para pensar que quando estamos numa reunião sobre a cidade, muitas mulheres estão preparando a comida da família? Já pensaram que a cada cara feia para uma mulher que se desloca para uma atividade com sua criança, uma porta se fecha para quem assume sozinha essas responsabilidades que deveriam ser todos?

Alguém já se perguntou por que as sessões das casas legislativas começam, em geral, no fim do dia? Por que a reunião de líderes é no horário do almoço? Não dá pra ter um horário compatível com a vida em sociedade? É o mundo dos homens. Dos horários de quem não sabe o nome da professora da criança, de quem chega em casa com a geladeira abastecida e a camisa passada.

*Texto originalmente publicado por Manuela d’Ávila em seu perfil no instagram.

NOTA DA EDITORA: Em 2018, Jacinda Ardern, que renunciou ao cargo de primeira-ministra da Nova Zelândia em janeiro deste ano, foi criticada por ajustar seu calendário oficial aos horários de amamentação de sua filha recém-nascida. Ela foi uma das duas únicas mulheres em cargo de poder no mundo a dar à luz durante o exercício do mandato. A outra foi a paquistanesa Benazir Bhutto em 1990. 

 


(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Camila em 14/02/2023 - 09h43 comentou:

Uma servidora pública com cargo comissionado teve um filho e foi afastada, alguns meses depois ela ficou grávida novamente e foi exonerada. Aí um colega homem me disse: mas ela tinha que ter esperado o fim da gestão pra ter filho né! (Como o prefeito foi reeleito, ela teria que esperar 8 anos pelo jeito).

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Feminismo

Atriz Emma Thompson se arrepende de depilação dos pelos pubianos: “Lavagem cerebral”


Britânica vencedora do Oscar em 1993 por "Retorno a Howard's End" fez nu frontal na tela pela primeira vez aos 63 anos –e não se depilou para isso

Feminismo

Enquanto o Brasil quer proibir até em caso de estupro, ONU defende legalização do…


Fundamentalistas no Congresso Nacional tentam avançar sorrateiramente em pelo menos duas frentes pela criminalização completa do aborto