Socialista Morena
Cultura

Biógrafo de Che: “Que herói a direita tem para colocar em camisetas? Pinochet?”

Qual o interesse dos cérberos reaças de enlamear Che Guevara? Será que é porque não tem nenhum ídolo para servir de modelo a não ser torturadores, generais ditadores e exploradores da miséria?

Cynara Menezes
16 de novembro de 2013, 15h13

Em 2007, quando o assassinato de Che Guevara completou 40 anos, a revista Veja, cujo modelo de jornalismo já conhecemos (leia aqui sobre minha experiência na semanal da Abril) publicou uma reportagem de capa, ao estilo “guia politicamente incorreto” de seus foquinhas amestrados, para tentar demolir o mito. Dias depois, uma carta pública do biógrafo de Che, o premiado jornalista norte-americano Jon Lee Anderson, desmentia o teor da reportagem praticamente por completo, acusando seu autor de ter sido parcial e desonesto (leia aqui).

“O que você fez com Che é o equivalente a escrever sobre George W. Bush utilizando apenas o que lhe disseram Hugo Chávez e Mahmoud Ahmadinejad para sustentar seu ponto de vista”, escreveu Anderson, cujo livro é apontado pela própria Veja como “a mais completa biografia de Che”. Espantosamente, este libelo de mau jornalismo vem sendo utilizado nos últimos anos pela direita indigente intelectual brasileira para tentar reduzir Che a um “assassino”, como se o contexto, uma revolução, não justificasse mortes. Tem colunista de jornal aí que só se refere a ele como “porco fedorento”. Este é o nível deles.

Mas qual o interesse dos cérberos reaças de enlamear Che Guevara? Será que é porque não tem nenhum ídolo do lado de lá para servir de modelo aos jovens a não ser torturadores, generais ditadores e exploradores da miséria do mundo? Leiam abaixo a entrevista que fiz com Jon Lee Anderson para CartaCapital na época e vejam o que ele responde.

***

O jornalista Jon Lee Anderson. Foto: divulgação

Guerra é guerra*

O jornalista norte-americano Jon Lee Anderson, autor de Che Guevara – Uma Biografia (Editora Objetiva), considerado o mais completo relato sobre a vida do guerrilheiro executado em 1967, rebate incisivamente as acusações de que Che fosse não um herói, mas um assassino frio que se regozijava de matar seus inimigos. Lee Anderson é colaborador da revista The New Yorker desde 1998. Respeitado correspondente internacional, escreveu, além do livro sobre Che, A Queda de Bagdá (Editora Objetiva) e Guerrillas (inédito no Brasil), em que analisa os mujaheddin do Afeganistão, a FMLN (Frente Farabundo Martí de Liberación Nacional), de El Salvador, a Unidade Nacional Karen (KNU) birmanesa, a Frente Polisário do Saara Ocidental e um grupo de jovens palestinos que luta contra Israel na Faixa de Gaza.

O jornalista criticou a reportagem de capa da revista Veja em que o revolucionário argentino é acusado de ser uma farsa e até de não gostar de tomar banho. “O artigo de Veja é ridículo! Baseado em fontes parciais e comprometidas, sem nenhuma novidade, é um exemplo singular de jornalismo barato, ou seja, algo construído a partir do nada, mas com o objetivo de fazer sensacionalismo. Embora aparente ser jornalismo investigativo, na realidade é puramente tablóide.”

Leia a seguir a íntegra da entrevista de Jon Lee Anderson, que se encontra atualmente viajando por vários países dando palestras sobre Che Guevara. Ele falou à CartaCapital via e-mail enquanto esperava, no aeroporto de Miami, um vôo para Caracas.

CartaCapital: É verdade que Che Guevara se acovardou em seus últimos momentos, dizendo: “Não disparem. Valho mais vivo do que morto”?

Jon Lee Anderson: Não me consta e francamente duvido que tenha dito isso. Tudo parece crer que, ao contrário, demonstrou muita coragem em seus últimos momentos, como havia demonstrado antes. Não se acovardou. Isso é uma invenção para desacreditá-lo.

CC: Che foi um assassino frio e cruel? Tinha prazer em matar?

JLA: Che queria mudar o mundo. Não foi cruel. Foi, isto sim, uma pessoa muito rigorosa e teve um período severo (mas totalmente justificado pelas normas da guerra) na guerrilha cubana com traidores, desertores e demais. Executou algumas pessoas e ordenou a execução de outras. Depois do triunfo, presidiu os tribunais para criminosos acusados de delitos pelo antigo regime, tais como tortura, violação e assassinato. Centenas deles foram julgados e justiçados. Posteriormente, houve uma tentativa de um grupo de críticos da revolução cubana de reviver essa época para apresentar o Che como uma espécie de assassino em série, como fez Veja. A verdade é que Che se portou como um soldado encarregado de uma tropa em precárias condições e com a responsabilidade de um oficial. Não fez nem menos nem mais do que qualquer outro militar confrontado com situações de vida ou morte. Não se regozijou de matar, assumiu-o como um mal necessário da guerra, por sua vez necessária para mudar o regime cubano de Fulgencio Batista. Ninguém nunca acusou Che e seus combatentes de haver matado soldados inimigos capturados, nem os feridos que encontraram. Ao contrário: Che os socorreu pessoalmente ou providenciou para que fossem socorridos. Em alguns casos liberou soldados presos, à diferença da tropa de Batista, que assassinou rebeldes capturados e civis simpatizantes também. Descontextualizar as ações de Che na guerra, além de tendencioso, é totalmente absurdo do ponto de vista histórico.

CC: Alguns soldados criticam a atuação de Che como líder, dizendo que foi fraca, desastrosa. Ele não sabia liderar?

JLA: Os líderes nem sempre são populares com todos os seus subordinados. Alguns podem ter se ressentido com Che por sua língua afiada e tendência a não perdoar os idiotas nem os frouxos – podia ser muito ácido. Mas outros respeitaram este mesmo rasgo da personalidade do Che e o definiram como um fator de seu crescimento pessoal. Aceitaram a crítica e trataram de melhorar para também receber o beneplácito de Che, a quem respeitaram muito por sua coragem, honestidade e incorruptibilidade. Em resumo, sim, sabia liderar, mas era muito exigente.

CC: Che matou gente com suas próprias mãos?

JLA: Que soldado não mata? A guerra é um teatro bélico no qual os homens enfrentam sua própria morte e tentam matar os inimigos para que não os matem.

CC: A biografia do Che é a história de um fracassado, como defendem alguns?

JLA: Isso depende da ótica política de cada um, obviamente. Eu acho que o legado do Che é mais inspirador que derrotista. Quer dizer, é certo que ele não triunfou em seus esforços para fomentar a revolução em países como o Congo e a Bolívia. Mas o legado que deixou, de que um homem pode tentar mudar o mundo e que pode deixar um exemplo que estimule outros a segui-lo – inclusive depois de morto –, é mais duradouro. Universalmente, o Che é, fracassado em vida ou não, visto como um herói, um símbolo de rebeldia e princípios diante de um status quo injusto. Isto é o que enlouquece os de direita, o que os incomoda: que o Che siga potente como um símbolo, um mártir, um herói. Que herói eles têm para ostentar à raiz da Guerra Fria, alguém que a garotada queira pôr em camisetas? Pinochet???

CC: Em sua opinião, quem matou Che, a CIA ou o Exército boliviano?

JLA: Está comprovado que foram os dois. A CIA esteve presente. O agente Félix Rodríguez admite ter recebido a ordem de executar Che do Alto Comando militar boliviano e de haver pedido a um voluntário para cumprir a ordem. O sargento boliviano Mario Terán levantou a mão e o fez. A responsabilidade é conjunta, compartilhada.

CC: O senhor é um fã de Che? Acredita que ele seja um herói?

JLA: Sou seu biógrafo, não um fã. Os fãs são totalmente acríticos, são groupies para quem seus heróis podem fazer qualquer coisa e o aceitam. Eu não sou fã de ninguém porque ninguém é infalível. O Che tem meu respeito, isso é verdade. Havia aspectos nele dos quais eu não gostava, e outros que sim. Se no meu julgamento tinha aptidões de herói? Sim. Viveu de uma forma muito heróica, sobretudo ao final. E morreu com valentia. Isso, como sempre foi para a humanidade através da história, o faz um herói. Assassinar um homem ferido e depois esconder seu cadáver, isso é covardia. Qualifica- se como um crime de guerra.

*Reportagem originalmente publicada em CartaCapital em 11/10/2007.


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(191) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Guilherme em 16/11/2013 - 15h50 comentou:

Desculpe Cynara, mas parei de ler no "como se uma revolução não justificasse mortes". Qualquer tipo de figura histórica responsável por atrocidades, de Mao e Lenin a Hitler, não merece idolatria, independente de qualquer "bem maior político". Assassino e fascinado por armas que foi, Che também não deveria receber nenhum tipo de grande mérito, nem pelos esquerdistas mais convictos.

Responder

    Gustavo em 16/11/2013 - 16h25 comentou:

    Tá bom, vamos acreditar numa revolução com diálogo e amor entre todos. É uma hipocrisia querer justificar como assassinos uma ideologia que possivelmente defenderia o bem ao menos para o "povo".

    Rodrigo_Galera em 24/03/2014 - 10h42 comentou:

    Gandhi te manda lembranças!!!!

    Marcelo em 16/11/2013 - 16h35 comentou:

    Guilherme, toda revolucao resulta em mortes. Os franceses comemoram a sua ha mais de 200 anos. Revolucionarios tiraram do poder com armas tiranos comunistas, como o Ceausescu (alguem condena?) e o Fulgencio Batista! As 2 se justificam!

    ricardo em 16/11/2013 - 17h00 comentou:

    o que ela quis dizer é que em uma guerra ou uma revolução armada pessoas morrem, e essas mortes são jogadas nas costas de che como se ele tivesse matado cada uma delas..

    alexandre em 16/11/2013 - 17h19 comentou:

    HAHAHAHAhahahHAHA!!

    Renan em 16/11/2013 - 17h37 comentou:

    Guilherme, no que você acredita? Que as grandes transformações do mundo tenham se dado de maneira pacífica? Que não foi preciso de revolução armada para se mudar as estruturas?

    Norman Borlaug em 17/11/2013 - 13h31 comentou:

    Sabe quanta gente mataram de fome na Revolução Verde? Nenhuma. Aliás, sabe quantas vidas foram salvas com ela? Milhões. É comportamento típico de psicopata tentar "mudar o mundo" na base do genocídio.

    Guilherme em 17/11/2013 - 23h59 comentou:

    Quem falou sobre o mérito das revoluções? É óbvio que qualquer mudança radical de uma sociedade exige mortes. Mas qual o sentido de cultuar alguém que só perseverou esse raciocínio? Matar para que não haja mais mortes faz sentido pra você? Che não tem que ter nenhum mérito! Nao merece ser defendido e exposto como herói.

    João Henrique em 21/02/2014 - 03h59 comentou:

    As mortes da "revolução americana" pelo menos se deu nos campos de batalha e não em execuções em série de cidadãos de seu próprio país em tempos de paz, como ocorre invariavelmente na revolução de viés comunista.

    Maria Tereza em 16/11/2013 - 17h57 comentou:

    Muito bem dito.

    Mauricio em 16/11/2013 - 18h33 comentou:

    Sim , concordo com você , porém isso não impede vc de ler. Ótima matéria , Eu nunca fui muito de procurar saber do Che , mas vou procurar ler sua biografia.

    Marcos Garcia Neto em 16/11/2013 - 20h58 comentou:

    Guilherme, nem tanto, nem tão pouco. Considero Che uma figura simbólica, mas certamente não foi "um herói". Para mim, herói é uma pessoa tipo Carlos Chagas ou Simo Hayha, que operam pelo bem comum com grande sacrifício pessoal. Che foi um guerreiro, mas não creio que suas causas tenham sido absolutamente nobres e bondosas. Ele obviamente queria poder.

    Enfim, já fui muito xingado por causa das minhas críticas. Minha base crítica é o seguinte: religiosos em geral têm uma crença cega na bíblia e em jesus. Na bíblia há passagens de mortes de crianças, inocentes, etc. Há uma lei bíblica que manda vender a filha estuprada. Mesmo assim, religiosos possuem uma crença inabalável de que é tudo perfeito e justo.

    O mesmo eu vejo ocorrendo com Che. São poucos que reconhecem seus defeitos. Em meus encontros de estudantes de direito, quando falo do lado obscuro da vida de Che, sou automaticamente um "direitista" e "reaça" e otras cositas más. É bem divertido, devo ser o primeiro "reaça" a favor do casamento gay, legalização do aborto, das drogas, reforma política, reforma agrária e prisional.

    O que quero dizer é: há muitas pessoas da esquerda que tratam Che com o mesmo fanatismo e ilusão de um religioso, e isso NÃO é bom. Seja realista. Há um ideal a ser perseguido em tudo isso, há uma inspiração a ser obtida na história, mas muitas partes dessa história não merecem ser repetidas. Eu não acredito que execuções mudem alguma coisa, e não acredito em "revolta armada". Só mudaremos algo com muita educação e consciência coletiva. Devemos construir um saber coletivamente, o saber não pode ser imposto pelos poderosos (sim, discordo das políticas monopolizadoras do MEC, pra mim o conhecimento deve ser abrangente).

    Renan em 17/11/2013 - 12h26 comentou:

    Marcos, só que a construção desse "saber coletivo" demanda tempo e em determinados pontos da história, foi preciso de mudança imediata, o que fez da revolução armada um "mal necessário". Eu sei que isso soa estranho, quisera eu que tudo tivesse se dado de maneira pacífica e serena… Porém não é a toa, por exemplo, que os países onde os processos de independência foram mais violentos, as mudanças foram mais profundas, incisivas e o desligamento para com a metrópole realmente foi estabelecido.

    Luiz David em 17/11/2013 - 21h46 comentou:

    Se ele queria poder, por que se foi de Cuba, onde teve diversos cargos no governo, influência política absurda? Por que foi continuar, como guerrilheiro, na Bolívia, correndo o risco de ser morto, como foi?

    Che foi um herói sim, mas não um herói romântico, idealizado e sem defeitos. Ele sacrificou sua vida pessoal, sim, desde o momento em que se propõe como revolucionário e guerrilheiro, para aproveitar a oportunidade de libertar um povo, de um lugar muito distante de onde nasceu.

    Não existe revolução sem mortes, não existe uma revolução romântica. A Revolução Francesa, que arrancou o que restava de poder da nobreza, não ocorreu a partir de discursos, e nem aconteceria assim. Temos diversos exemplos do porquê revoluções idealizadas, sem violência, são impossíveis, podendo citar o que aconteceu com Salvador Allende, no Chile, ou na Guatemala, que o Che presenciou.

    Esperar uma revolução "pacífica" é esperar que os contrarrevolucionários serão "pacíficos". A luta armada não é uma escolha dos revolucionários, não é uma opção, é uma imposição da classe dominante.

    Lígia Paiva em 16/11/2013 - 21h27 comentou:

    Primeiramente, Che Guevara nunca foi fascinado por armas, antes de postar inverdades, pesquise!! Em segundo lugar, não existe e nunca existirá maior assassino que o capitalismo!! O capitalismo não só tira vidas, como também tira o direito das pessoas de viverem igualmente em sociedade, o que só estimula o ódio e a violência. O capitalismo não foi só o causador de tantas mortes em Hiroshima e Nagasaki, como também foi o grande causador de mortos de fome. Por que, ao invés de perderem os seus preciosos tempos( afinal tempo é dinheiro não é?) tentando manchar a imagem do eterno herói Che Guevara, vocês não lutam contra o MAIOR ASSASSINO DOS ÚLTIMOS TEMPOS?

    Bob 'pela liberdade' em 17/11/2013 - 00h07 comentou:

    Guilherme, o Chê faz lembrar do período da revolução francesa e certos personagens daquele período.

    beatriz em 17/11/2013 - 19h53 comentou:

    Não é pelo "bem maior político", é pelo, acompanhando suas ideias, bem maior social.

    Luiz David em 17/11/2013 - 21h52 comentou:

    Certo, então que o povo continue sendo explorado, oprimido, roubado, morto? Lênin e Mao não escolheram a luta armada, isso foi uma imposição que lhes fizeram. Compará-los a Hitler, é não entender o papel histórico de cada um, os interesses de quem cada um representava. É também ignorar o contexto das mortes, os dois primeiros devido à luta armada, e a um processo revolucionário, o terceiro, representando os interesses reacionários, não em guerras, mas como forma de limpeza social.

    Guilherme em 17/11/2013 - 23h49 comentou:

    Ótimo Luiz David, o que importa quem escolheu a luta armada e o papel histórico de cada um? Ambos cometeram uma série de assassinatos, desculpe-me, mas foda-se os motivos. Cultuar qualquer figura histórica desse tipo é burrice!

    Paola Barioni em 25/11/2013 - 16h25 comentou:

    Ora, Hitler acreditava nisso também: Limpeza Social (e racial), já que todos aqui sabemos Hitler atacou os judeus não SOMENTE por serem Judeus, mas por deterem uma boa parte do capital, o que foi distribuído entre o povo alemão, que naquela época achava justo o que ocorria, pois a economia ia bem.

    Ideologia, TODAS são para o bem. Se você olhar o Capitalismo em sua IDEOLOGIA é bom, não diz que haverá exclusões, as pessoas terão dinheiro de acordo com o seu esforço: Quem trabalha mais, ganha mais. Certo? Na TEORIA, sim. Não é o que acontece atualmente. Quem trabalha mais, tem seu esforço pó.

    E o que dizer do Socialismo/Comunismo? Marx estaria muito desgostoso se visse seu ideal como está agora. Virou um Capitalismo de Estado, onde as pessoas trabalham para o governo, ou pagam altas taxas de impostos, sendo retirada a mais valia delas duas vezes e tendo em troca coisas muito poucas em vez de emprego e salários dignos para a própria sobrevivencia.

    Aliás, muito se fala em embargos a Cuba, mas o engraçado é que o Fidel Castro adora um uniforme esportivo da Adidas e da Nike, sem falar das suas Harley Davidson's. E Chê não se contentava em ver o horário em um relógio simples, tinha que ser um Rolex. Mas Mac Donald's? Coca – Cola? Isso não pode.

    Se as pessoas que Chê matou ou ordenou que matasse foi justificado pelo momento em que se vivia, as pessoas que mataram Chê não foram safados ou canalhas, apenas pensavam do mesmo jeito que Chê, só que ao contrário. Mataram-no por acreditar que o Capitalismo seria melhor para o mundo, e para eles, obvio!
    Até porque Chê e Fidel ocuparam cargos de chefia. E porque, depois da revolução ter acabado, e o povo apoiado, não se fizeram eleições.
    Revolução para o bem do povo, mas sem que o povo de palpites. Democracia, cadê?

    Por isso que não se pode matar por ideologia (que é o que foi feito

    Sim, eu vestiria uma camisa de Salvador Allende. Que apesar de ter fracassado, entendia o socialismo assim como eu entendo. Não deve ser algo imposto, visto que nada que é imposto é bom para o povo deve ser imposto. O povo deve querer o socialismo. Um dia o encontrarei…

    Diogo em 18/11/2013 - 02h10 comentou:

    Concordo – e tive a mesma reação quando li a quela frase. Sou um admirador da história das revoluções e entendo que muitas vezes as mortes são justificadas. Mas a questão é – quais mortes são justificadas? E essa qualificação está totalmente ausente na absolvição concedida por Cynara a Che – e é óbvio que isso se dá por causa da simpatia que ela sente.

    A verdade é que a justificativa das mortes – específicas – não poderão ser julgadas nem mesmo pelo autor de biografia premiado – mas sim por historiadores da revolução como um todo. Por toda a evidência que existe, me parece que houveram, sim, assassinatos, mortes injustificáveis. Inclusive, independentemente de haver um prazer pessoal, parece-me claro que a ideologia de Che era, nesse sentido, perversa e perigosa, no sentindo de minimizar a necessidade de justificar a morte – a revolução era a única justificativa necessária.

    Lexmar em 18/11/2013 - 22h52 comentou:

    Concordo. A morte nunca deverá justificar qualquer ideologia, seja ela de direita ou esquerda. Os ideais podem ser modificações. Já a condição de morto…!

    hugo em 19/11/2013 - 12h24 comentou:

    pensei exatamente a mesma coisa. Depois criticam a ditadura.

    Victor em 29/12/2013 - 02h23 comentou:

    Por que será que tenho a impressão que a maioria que participou deste debate, e que se pois contra as mortes nas costas das Revoluções não tem a mesma convicção pacifista quando o assunto é a violência nas cidades do Brasil e o trato que os PMs tem com esta. Talvez seja somente impressão minha.

    Marcelo em 29/12/2013 - 13h43 comentou:

    existe uma grande diferença entre revolucionário e hippie. E comparar Mao, Lenin a Hitler a a prova que nada que você falou deve ser levado em consideração.

    Alexandre em 29/12/2013 - 14h25 comentou:

    Parei de ler seu comentário quando você disse "parei de ler", porque significa que a manutenção de seus preconceitos é mais importantes do que confrontá-los à vista de novas informações e/ou argumentações.

Vítor em 16/11/2013 - 16h36 comentou:

Não ter heróis denota maior maturidade intelectual, uma vez que todos são seres humanos falhos, cheios de erros e acertos (assim como todas as linhas ideológicas tem seus erros e acertos).

O Socialismo, ao passo que pode propor conceitos muito úteis e válidos, também propõe muitos erros crassos, ao supor que todos os homens são iguais, tem necessidades iguais e, principalmente, que desejam ser iguais, o que não poderia ser mais errôneo, pois é da natureza humana o processo e sobretudo a vontade de individualização, até mesmo para fins de formação de uma identidade pessoal.

Além do mais, fracassa inegavelmente ao teste prático da realidade, pois precisa necessariamente que o poder esteja concentrado nas mãos de poucos (como na "ditadura do proletariado") que, como humanos, sempre cometerão injustiças, se beneficiarão de sua posição privilegiada e etc. Por isso este sistema sempre fracassou e sempre fracassará.

Responder

    Beto em 19/11/2013 - 06h47 comentou:

    Então conte-me como a Suécia prosperou como social-democracia desde 1917. Ou você tem poucos modelos de socialismo aí, para demonstrar, ou não entende lhufas do que está falando. Não confunda socialismo com comunismo. Só porque o socialismo tem muito mais vertentes que a direita pode pensar e ter também, não misture tudo no liquidificador e bata. Não é nada saboroso.

    gordon em 20/02/2014 - 04h19 comentou:

    a suecia é infinitamente mais liberal e de direita que o Brasil!! Voce nunca vai ver o governo de lá tentando limitar a taxa de retorno do investidor, ou simplesmente dando uma canetada no setor eletrico inteiro!!
    Estude financas publicas primeiro e procure entender mais de mercado financeiro, depois veja a palhaçada que esses incompetentes lutam por….

    Amani em 18/02/2014 - 05h06 comentou:

    Sem delongas, é arriscado citar natureza humana. Leia "A existência precede a essência" de Sartre.

Thiago em 16/11/2013 - 16h36 comentou:

Cynara, eu sou seu fã. Já disse e repito: você me dá orgulho para seguir o caminho que, acredito eu, ser o da verdade e mais honroso a todos os cidadãos de bens, que almejam e exigem dias melhores. Abraço.

Responder

    morenasol em 20/11/2013 - 21h12 comentou:

    que gozado, os caras vieram aqui só pra votar contra teu comentário. é muita falta do que fazer. obrigada, thiago! é pra gente como você que escrevo ; )

H.92 em 16/11/2013 - 16h48 comentou:

Direitista pode fazer camiseta daquela bruxa inglesa que morreu e teve sua cerimônia paga pelo contribuinte logo ela que adorava uma privada e um ditador chileno…

Responder

    Luis em 09/10/2014 - 10h11 comentou:

    Ela chegou ou poder pelo voto, e foi reeleita duas vezes. Ninguem no Reino Unido quer modificar os fundamentos do que ela fez.

Tonio Cunha em 16/11/2013 - 16h53 comentou:

Sem duvida, ninguém livre e inteligente, usaria uma camiseta com a figura do Pinochet, pois este não passava de um ditador sanguinário, que torturou e fuzilou milhares de opositores. Assim como ninguém capaz de prezar por princípios morais e éticos usaria uma camiseta de um individuo que tenha feito um discurso como este: "Fuzilamentos? Sim, temos fuzilados , fuzilamos e seguiremos fuzilando sempre que necessário, nossa luta é uma luta à morte". Che e Pinochet, inclusive se prestam a uma rima perfeita, são feitos do mesmo barro, amalgamados com o sangue de seus inimigos políticos..

Responder

AmADEU em 16/11/2013 - 17h46 comentou:

Caramba, Cynara, você se superou….Então pode matar?

…pela direita indigente intelectual brasileira para tentar reduzir Che a um “assassino”, como se o contexto, uma revolução, não justificasse mortes.

Responder

    Nelson Lima em 09/12/2013 - 04h36 comentou:

    Qual o pais q não teve mortes em lutas políticas? Aqui no Brasil até hj tem desaparecidos. Ainda há família q não sabem onde foram parar seus familiares. Che jogava com regras claras porém duras.

    Luciana em 09/02/2015 - 17h02 comentou:

    uma pena vc estar ai esvrecendo isso!!!
    vá fazer algo útil.

Caio em 16/11/2013 - 18h10 comentou:

Que idiotice! O comunismo, que é caricata de nascença, quer impingir caricaturas ao liberalismo e ao conservadorismo.

Tem sentido a esquerda enxergar o reverso de sua moeda em Pinochet: Guevara, como ele, era assassino e sádico.

Que face em colocaria na minha camiseta? Churchill, para começar. Quem, na esquerda, deste quilate, se apresenta?

Vá plantar batatas! E doe seu holerit e sua propriedade privada à causa social! Bah!

Responder

    Alex em 18/11/2013 - 21h10 comentou:

    Recolha-se a sua insignificância…

    Ricardo em 19/11/2013 - 17h57 comentou:

    Perfeito!!!! Sou liberal e meu ídolo sou eu mesmo! Não preciso do governo pra viver, nem pra ganhar meu dinheiro e nem pra dizer como devo pensar.

Carlos em 16/11/2013 - 18h47 comentou:

Em breve vou completar 50 anos. Quando era adolescente achava Che e outros tantos heróis. Mas aí a gente vai crescendo, começa a trabalhar e percebe que de herói ele não teve nada. Me espanta ver pessoas por ai carregando no peito a cara de um cidadão que na minha ótica em nada contribuiu para nosso desenvolvimento. Herói, pra mim, é o Batman que além de trazer a paz a Gotham City nos diverte….
Meus pais, que eram Suiços, diziam: comunistas aos 30 é sinal que algo não vai bem….

Responder

    Beto em 19/11/2013 - 06h58 comentou:

    Batman é o herói mais paradoxal que existe. A causa do crime é o senso de injustiça oriundo aa concentração de renda nas mãos de poucos. Um bilionário que combate o crime é como uma mão que puxa os próprios cabelos a fim de se levantar do chão. Ele causa, ele combate. Infinito paradoxal.

    Luiz em 20/11/2013 - 00h08 comentou:

    Puxa Vida filho, você está muito doutrinado. Que lavagem cerebral fizeram em você hein?

    Carlos em 20/11/2013 - 21h04 comentou:

    Bom, a minha lavagem cerebral se traduz em 18 anos estudando na Suiça e não num grupo escolar brasileiro, registre-se. De maneira que sob essa ótica todos os Suiços sofreram lavagem cerebral e são uns manés enquanto os Brasileiros, principalmente da esquerda, são gênios, fruto da educação que receberam nas escolas, que convenhamos, deixam e deixarão sempre, muito a desejar.

    morenasol em 20/11/2013 - 21h13 comentou:

    "estudei na suíça". por que não ficou lá?

    Carlos em 20/11/2013 - 23h05 comentou:

    Estudei no Brasil, numa Escola Suiça. Meus filhos estudam na Panamericana. Há algum erro nisso?

    Carlos em 20/11/2013 - 21h11 comentou:

    A causa do crime é outra. Essa história de que o crime é oriundo de questões sociais é falácia. Basta você ver que a maioria dos vagabundos quando são presos como estão bem alimentados….

Elaine em 16/11/2013 - 18h49 comentou:

Herói assassino de famílias inteiras, crianças, homossexuais, visto por seus companheiros de armas como dedo-duro, puxa-saco, mimado e babaquinha? Sério?

Eu prefiro admirar seres como Gandhi, Madre Teresa, Chico Xavier, Luther King e qq outra pessoa que tenham deixado mensagens de paz e não de violência.

Mas se o que os socialistas admiram é isso, explica muito do que tem acontecido no país…

Olha esse documentário sobre o Che e depois continue ou não admirando ele. Mas conheça a versão de pessoas que lutaram ao lado dele na "revolução". Não são "parciais". São relatos em vídeos de gente real. Um documentário sério e melhor que esse blablabla que li aqui.
http://www.youtube.com/watch?v=7m6QKgv2opk

O vídeo foi feito pela sociedade de memória histórica cubana e contem vários depoimentos de gente que participou da história lutando diretamente ao lado dele.

Responder

    Erick em 14/08/2014 - 21h02 comentou:

    Madre Teresa? Sério?
    Acho que você deve dar uma olhadinha no "que dizem dela por aí" também, companheira.

edson em 16/11/2013 - 19h28 comentou:

"como se uma revolução não justificasse mortes". E desde quando existe assassinato justificado

Responder

Bruno Ribeiro em 16/11/2013 - 20h37 comentou:

É verdade, Guilherme. Revoluções se fazem distribuindo flores aos tiranos.

Responder

    gilberto em 19/11/2013 - 22h24 comentou:

    Ele fez uma revolução pra implantar uma tirania 1000 vezes pior!!! Tirano não é o Fulgêncio somente, o Chê e o Fidel foram muito piores!!!

Ben Monteiro em 16/11/2013 - 20h59 comentou:

Meu heroi de direita é o empreendedor anônimo, que trabalha todos os dias para inovar e servir seus clientes, lutando contra a regulamentação excessiva do estado e para pagar impostos escorchantes, que servem para sustentar um aparato estatal improdutivo e cruel.

Responder

    Helena em 17/11/2013 - 21h36 comentou:

    HAHAHAAHAHAHAHAHAHAAHAHAHHAHAHAHAHAH essa foi muito boa.

    Bruno Ribeiro em 18/11/2013 - 18h29 comentou:

    Mas essa resposta é a cara da nossa classe média, HAHAHAHAHAHAHA!!!!!!!

    Beto em 19/11/2013 - 07h02 comentou:

    Engraçado ele falar do empreendedor anônimo, sem saber ele que os que mais pagam impostos escorchantes são os mais pobres, é o tio da barraquinha. Ele acha que é alguém da classe média, enquanto o Brasil segue a passos largos na evasão de divisas desses mesmos 'empreendedores anônimos'. Essa classe média brasileira chega a ser engraçada.

    Igor em 20/11/2013 - 02h16 comentou:

    Sim, o pobre paga mais imposto porque o Estado diz que ele deve pagar mais, imagina um estado sem esse poder! Botar a culpa no cara que compra o político é valido mas não conclusivo, quem compra quer levar algum valor/vantagem, que valor/vantagem tem um político que legalmente não pode interferir em prol da classe x ou y?

    Pedro em 20/11/2013 - 16h50 comentou:

    Essa "classe média brasileira" é a coisa mais gasosa que eu conheço, porque é ela quem fala mal de si mesma e defende a si mesma. Ou você é classe média e critica a classe média, ou você é classe média e defende ela. Ou se acha importante ou se desvaloriza: mais um motivo pra falar mal da classe média. Ainda bem que LULA tirou onda do discurso "esclarecedor" de Chauí depois que ela terminou sua "argumentação".

    Ben Monteiro em 20/11/2013 - 22h44 comentou:

    Qual é o problema de ser classe média? Você é maoísta? O comunismo é engraçado: ou você é do partido, ou você tem que ser pobre miserável, escravo do Estado. Quantos exemplos à disposição, e certas pessoas não querem ver….! Classe média é luta, é crescimento pessoal, não dependência das benesses do Estado, em troca de bajulações ao partido. Acorda, pessoal! Não se constroi nada com este modelo de vocês!

    Guilherme em 18/11/2013 - 22h16 comentou:

    HAHAHAHAHAHHAHAHHA mt bem observado!

Ben Monteiro em 16/11/2013 - 21h08 comentou:

Cynara, quem disse que o Pinochet era de direita? Direita é liberdade e Estado pequeno e sob controle. Não é possível uma ditadura de direita. Se o Estado cresceu e controla a sociedade, isto é outra coisa, não direita.

Responder

    Carlos Mar Quis em 17/11/2013 - 13h12 comentou:

    Um livro de História lhe faria bem!

    Cris em 18/11/2013 - 00h32 comentou:

    vc realmente não sabe o que é Direita… mas tudo bem, é justificavel, deve assistir novela da Globo e ler Veja…

    Bruno Ribeiro em 18/11/2013 - 18h30 comentou:

    Se Pinochet não era de direita, quem é? O Lula?

    Pedro em 20/11/2013 - 16h51 comentou:

    E você não faz estereótipos. Leu história, já tira a ficha logo né? Olhar clínico de quem entende tudo. Parabéns.

    Alex em 18/11/2013 - 21h14 comentou:

    A Ditadura no Brasil, foi instituida e apoiada pela elite brasileira, portanto reflita sobre tema antes de se pronunciar….

    Beto em 19/11/2013 - 07h05 comentou:

    Pinochet armado até os dentes pelos americanos e pela elites. Com certeza era de esquerda. #sóqn
    Boa leitura, amigo. Você necessita disso.

    Dá pena dessa galera que acha que toda ditadura é de esquerda, como se a direita viesse nos livrar das correntes do 'Estado Malvadão'. "É ditadura e matou? É de esquerda". Hahahahaha.

    Ben Monteiro em 20/11/2013 - 22h33 comentou:

    A direita moderna existe para limitar o poder do estado. A humanidade vem tentando fazer isto, de diversas formas, e sob diversas bandeiras, há milênios, desde que o Estado foi criado na forma das monarquias originais, e terminou excedendo seus poderes. O Pinochet não era de direita, ele era simplesmente MAU e MAL INFORMADO. A ditadura dele atrasou o Chile socialmente por décadas. diferença é que a esquerda prega abertamente o aumento do poder do Estado, o que sempre vai dar em opressão e crueldade. Aí voltamos ao berço da história. História, aliás, que nossos amigos aqui pararam de estudar, em nome do seu fanatismo religioso que ignora as evidências do passado.

Jackson em 16/11/2013 - 21h32 comentou:

Concordo absolutamente com Guilherme.
Da mesma forma que os militares não tinha direito de tomar o governo à força para "proteger o Brasil do comunismo" Che não tinha direito de querer tomar o governo da Bolívia ou do Congo à força para implementar a "sua revolução". A cada povo o direito de se auto governar. Quanto às mortes? bem. Nada justifica nenhum assassinato. E nenhum assassino, de Bonaparte a Milosevic (que os sérvios "idolatram") deveria ser utilizado como ídolo. Está na hora da humanidade compreender que o fim não justifica os meios. Nem no caso dos nazistas, nem no caso dos militares do golpe de 64 nem no caso do Che ou do mensalão.

Responder

    Isaac Bezerra em 17/11/2013 - 15h37 comentou:

    As revoluções socialistas acontecem exatamente por conta da falta de democracia. Com democracia ampla não é necessário revolução para alcançar o socialismo, acho.

    Bruno Ribeiro em 18/11/2013 - 18h33 comentou:

    Perfeito Isaac. E acrescento: a invasão da Tchecoslováquia pela URSS foi um erro, parte do plano expansionista típico das nações imperialistas e autoritárias. Já a revolução cubana, assim como a sandinista na Nicarágua, nasceu como resposta do povo insatisfeito a governos de direita, oligárquicos, repressores e lacaios dos interesses estrangeiros. Se houvesse democracia, tais revoluções não teriam logrado êxito. O direito dos povos de derrubar regimes tiranos é assegurado pela ONU.

    Ben Monteiro em 20/11/2013 - 22h40 comentou:

    Alcançar o socialismo pra quê? Pra ter um Estado solto sem controle, se imiscuindo na vida das pessoas e rapidamente descambando para o autoritarismo? Você não vê que NENHUMA experiência socialista JAMAIS deu certo nestes 100 anos de tentativas e só erros? Quantos anos mais precisamos tentar? A Venezuela está chegando lá – está bom? O que dizer da milícia pessoal do Chávez, idêntica à SA e SS Nazistas? Era bem intencionada? Quanto sangue ainda vai ter que ser derramado por esta religião?

    Arthur em 19/12/2013 - 20h01 comentou:

    Meu amigo, Me diga algo sobre a Suécia e a Noruega? Ninguém diz sobre estas. Você vê os EUA, a Inglaterra, a Alemanha e acha que o capitalismo dá certo. Porém, não vê que estes países são ricos porque existe uma penca de países pobres. Você apenas a parte de cima da pirâmide, não a base. Capitalismo só dá certo quando há desigualdade, e isso é o que mais tem no mundo.

leonardo em 16/11/2013 - 21h52 comentou:

roberto carlos?

Responder

Cla em 16/11/2013 - 22h21 comentou:

Ele considera o cara um HERÓI e não é fã… tá bom! kkkkkkkk
Qd era adolescente fui fã do Tchê, depois cresci e não sou fã de nenhum ser humano, acho uma coisa tão imatura! Tb não acredito mais em Papail Noel!

Responder

    Ricassio em 05/04/2015 - 12h59 comentou:

    Sera que era mesmo? Sabe nem escrever o apelido dele. É CHE e não Tche, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Fã vc nunca foi. O mundo é imaturo então, já que o CHE é o segundo rosto mais reproduzido. Diga isso a Johnny depp, Gisele bundchen e Maradona. Até mais ;0

Bruce Wayne em 16/11/2013 - 22h41 comentou:

Ai Cynara, pq vc não falava mal da Veja na época que trabalhava lá?

Responder

Xavier em 16/11/2013 - 23h22 comentou:

Winston Churchill. Margareth Thatcher, Václav Klaus, Ronald Reagan, Edmund Burke, Ludwig von Mises, Russell Kirk, Gilbert Chesterton, João Paulo II, Roberto Campos, Mário Kosel Filho. De fato existem centenas de ídolos de direita para se colocar numa camiseta, num broche, num boné, numa bandeira. Com vidas incomparavelmente maiores em ações; com vontades mais heróicas; reputações mais ilibadas; resultados mais produtivos; respeito incondicional à vidas humanas; promoção de maiores liberdades; ou mesmo em suas completas biografias do que a um lunático assassino revolucionário.

Responder

    Rafael S. Calsaverini em 17/11/2013 - 13h32 comentou:

    Eu sou de direita e nunca usaria uma camiseta com nenhuma dessas pessoas. Por uma razão simples: nenhum deles é herói, nenhum deles é uma figura bidimensional. Todos eles são pessoas complexas, com motivações complexas e nem todas elas eram admiráveis. Aliás, poucas delas são admiráveis.

    Assim como Che, e como todo outro ser humano de verdade (incluindo você e eu), essas pessoas eram em grande parte egoístas e mesquinhas e não merecem ser idolatradas como pequenos deuses.

    Xavier em 20/11/2013 - 08h59 comentou:

    O FATO, meu caro tolo de "direita", é que nenhum destes citados jamais quiseram ser "admiráveis". Eram pessoas comuns, e se enxergavam como pessoas comuns. Viam-se como simples mortais. Que na hora da luta, não tiveram medo de dizer a VERDADE. Jamais hesitaram em dizer o pensavam, o que acreditavam. Jamais deixaram de seguir seus ideais, mesmo sob ameaças (até de morte). E não precisaram ceifar uma única alma humana inocente – nem a de alguns de seus opositores – para tentar fazer prevalecer o bem.

    Isaac Bezerra em 17/11/2013 - 15h39 comentou:

    "respeito incondicional à vidas humanas; promoção de maiores liberdades" heheheh…..

    Michel em 19/11/2013 - 15h11 comentou:

    Gilberto Freyre, Rui Barbosa (O águia de Háia), Joaquim Nabuco, Juscelino Kubistchek… A direita não tem ninguém não bobo! Quem tem é a esquerda, Stalin, Pol Pot, Ceaucesku, Kin Jon Il, Mao Zedong, Fidel, Lula, Zé Dirceu… Só gente fina!

    morenasol em 19/11/2013 - 21h29 comentou:

    JK é ótimo!!!! ele era tão de direita que escolheu um comunista para fazer brasília… e no seu memorial JK foi homenageado por niemeyer com a foice e o martelo. com certeza existem suspeitas de que JK foi assassinado pela ditadura porque era de direita demais! ; P

Bob 'pela liberdade' em 17/11/2013 - 00h03 comentou:

É incrível como tem gente que idolatra uma personagem dessa que promoveu a morte (guerra) e um regime ditatorial e sem democracia como é o regime cubano, que praticamente aboliu toda a liberdade dos indivíduos. Acho que a humanidade deve com todas as forças que tem repudiar a luta armada pelo poder, pois temos a democracia e por ela devemos mover, e não por regimes que tira essa liberdade e a democracia como ficou provado nos regimes socialistas que foram implantados.

Acho que independente de ideologia politica e econômica, não devemos valorizar ações como essas que foram praticadas no período da guerra fria, período que foi intenso de guerrilhas e guerras civis.

Devemos lutar pela democracia, pela liberdade econômica, pela liberdade expressão do pensamento, etc, tudo que a democracia pode nos proporcionar.

Responder

    João Domingos em 17/11/2013 - 13h29 comentou:

    Muito oportuno seu comentário, Bob. A política de "Os fins justificam os meios" devem acabar para que a civilização suba …um degrau.

Bruno em 17/11/2013 - 00h08 comentou:

Triste o país que precisa de heróis.

Responder

    Marcus em 29/12/2013 - 22h08 comentou:

    Concordo, só ver o que estão fazendo com o Barbosa.

Lucas em 17/11/2013 - 00h10 comentou:

Com um herói como o Che, pra que oposição?
"Che queria mudar o mundo. Não foi cruel. Foi, isto sim, uma pessoa muito rigorosa e teve um período severo (mas totalmente justificado pelas normas da guerra) na guerrilha cubana com traidores, desertores e demais. Executou algumas pessoas e ordenou a execução de outras." Se os senhores endossam o histórico de assassinatos de Che (ele mesmo também o fez: youtube.com/watch?v=UIaf-zd6SNE), repito: Para que haveria oposição (em camisetas – me contorço de inveja)?

Responder

heyjonnes em 17/11/2013 - 00h37 comentou:

Me desculpe moça, mas em camisas até Justin Bieber aparece. E seu texto deixa claro uma idolatria cega por um ídolo – que eu não vou julgar correto ou não -, e por isso atos, que se fossem feitos por outros, são tratados apenas como "consequências de uma revolução". Triste isso, mas a Carta Capital e a Veja são exatamente a mesma coisa, só que de lados opostos, talvez um dia descobriremos que os donos das duas são irmãos separados no parto.

Responder

    Mauricio em 03/04/2015 - 13h05 comentou:

    Você vai descobrir que um dos criadores da Veja é o Mino Carta… 🙂

Guilherme Marinho em 17/11/2013 - 00h44 comentou:

Entendo. Por acaso vão usar falsos "herois" de um vasto grupo de anti-coletivistas, para negar a verdade e a realidade em relação ao assassino Che Guevara? Um heroi que matava gays e negros! "Guerra é guerra"
Criam esse dualismo pois são preguiçosos e não se prestam a estudar sobre a existencia de filosofias como o libertarianismo, por exemplo. Quer exemplo de camisetas? Rothbard, Enemy of the State.

Responder

    Marcus em 29/12/2013 - 22h23 comentou:

    Rothbard, cara que dizia que vender, prostituir, deixar morrer de fome os filhos não deveria ser crime.

WILL em 17/11/2013 - 00h51 comentou:

TENHO CAMISETAS DO ADAM SMITH, CHURCHILL E THATCHER FIIIIIIA ¬¬

Responder

Diego Cesar Simi em 17/11/2013 - 01h03 comentou:

Que patético! Apoiando esse verme sujo, assassino, psicopata e maníaco que foi Ernesto Guevara. Apoiando quem usa de violência e terror para seus 'ideais'. Apoiando quem prefere a brutalidade à democracia. Daqui a pouco a "jornalista" vai declarar apoio a Adolf Hitler e Stalin.

Quem não reconhece o direito à vida como inalienável já se iguala aos animais.

Este blog deveria se chamar Fascista Morena!

Responder

    ronau em 02/12/2017 - 07h42 comentou:

    Você leu o texto inteiro?

Juninho em 17/11/2013 - 01h11 comentou:

Meu Deus do céu … posso até concordar que a ideia do Che foi boa, mas justificar mortes em prol de um ideal ? as crianças que a "pomba branca" da esquerda estuprou ninguém fala nada ? maldita esquerda caviar hipocríta.

Responder

Leonildo em 17/11/2013 - 01h16 comentou:

Não sou de esquerda, mas peço meu comentário seja datado aqui no blog. Espero que haja coerência de ambos pontos de vista para que haja um diálogo saudável, as ideia de Che podem ter sido até nas melhores intençoes, mas pelo um amor de Deus, agora acobertar isso tudo por causa de um ideal, várias mortes e estupros, por causa de um "bem" para os cubanos já é negligência.

Responder

Matt em 17/11/2013 - 01h40 comentou:

A mesma injustiça aconteceu com Conde D'Eu aqui no Brasil, onde os republicanos tentaram transforma-lo em um demônio

Responder

Pablo em 17/11/2013 - 01h51 comentou:

Absurda essa idolatria… se assassinos são heróis podemos povoar as camisetas com diversas "celebridades" ttanto de direita como de esquerda…

Responder

Edmilson em 17/11/2013 - 03h24 comentou:

Muito bom o texto. A visão mais distante (menos apaixonada) do biógrafo foi um bom contrapeso para a matéria. Infelizmente, algumas pessoas não sabem diferenciar atrocidade de contingência.

Abraços.

Responder

    ronau em 02/12/2017 - 07h45 comentou:

    Ufa, uma luz fim do túnel!

Vitor em 17/11/2013 - 04h04 comentou:

Guilherme "como se uma revolução não justificasse mortes", idiota não ler por causa de uma frase, isso porque você esqueceu das virgulas "como se o contexto, uma revolução, não justificasse mortes". A nada justifica mortes, mas a revolução acaba trazendo consigo mortes.

Responder

Ana Elise em 17/11/2013 - 04h13 comentou:

Che, um herói?!? É esse tipo de gente escolhida para ser ídolo? tinha que partir da esquerda mesmo.

Responder

Rafael S. Calsaverini em 17/11/2013 - 13h30 comentou:

Quem precisa de heróis? Quem precisa cultuar santos e deuses?

Afinal, eu achava que o comunismo criticava e rejeitava as práticas de controle de massas estabelecidas pelas religiões. Mas parece que alguns preferem incorporar e reciclar essas práticas: culto, ritual, santos, ortodoxia doutrinária e perseguição inquisitória de dissidentes.

Que tal tentar LIBERTAR o mundo dessas coisas ao invés de achar bonito pessoas usando uma imagem sem a menor idéia do que ela significa?

Responder

Leticia Martelle em 17/11/2013 - 14h57 comentou:

kkkkkkkkkkkkkkkkkkk, Quem precisa de Criminoso, Terrorista e Assassino para idolatrá-lo o colocando em camisetas?
O mais interessante, é observar que no Brasil ainda tem uma meia dúzia de Marias Vai com as outras(Otários desinformados)que idolatram esse criminoso, Terroristas e Assassinos como se ele fosse algum herói nacional só porque é bonitinho e é moda. rsrsrsrsrsrsrsrs Vê se pode.

Responder

Fabio em 17/11/2013 - 15h09 comentou:

Até hoje tento ver alguma diferença entre Augusto Pinochet e Ernesto Che Guevara e não consigo ver nada. São iguais, precisaram matar em nome de um ideal.

Che tem esse fascínio por muitos pelas histórias quando jovem (descritos pelo filme Diário de motocicleta) e pela assistência média que ele fez em vilarejos antes da revolução, mas matou, era um psicopata, era também um grandiosíssimo homofóbico, enfim…não deve nada a Pinochet e outros ditadores de direita.

Responder

Bob 'pela liberdade' em 17/11/2013 - 15h25 comentou:

Testemunhos da historia mostra a verdadeira face humana do Chê, não precisa de biógrafos e nem de Hollywood e suas milionárias produções.
…………………………………………………………………..
Vítimas de Che Guevara: Cornelio Rojas http://www.youtube.com/watch?v=9Uu5iVMKr6A

Responder

robsodin em 17/11/2013 - 15h33 comentou:

é o mesmo que justificar atitudes de seres como Hitler, Mussolini, e o próprio Pinochet. a editora deveria escolher melhor seus bloguistas.

Responder

Matheus em 17/11/2013 - 15h33 comentou:

É claro que Che foi uma figura gigantesca, não há como negar. Mas assim como ele é desfigurado por uns é super estimado por outros. E assim é com todo mundo, no mundo todo. Estupidez isso de direita e esquerda, no fim das contas, ainda mais aqui no Brasil, o povo é esmagado por qualquer ideologia. Vemos o PT num esquema horroroso de corrupção e os outros partidos, direitistas ou esquerdistas, fazem o mesmo.

Responder

Isaac Bezerra em 17/11/2013 - 15h47 comentou:

O 'herói' pode ser entendido de várias formas. Usar o rosto de alguém estampado em uma camiseta tb. Tem gente que gosta de usar uma 'coca-cola', 'nike', etc. Apesar de que nestes casos eu não me preocuparia em descobrir suas motivações.

Responder

Daniel em 17/11/2013 - 16h24 comentou:

Que fonte confiável, um biógrafo. É hora de carta capital entrevistar os homens e mulheres torturados assassinados e oprimidos por apenas dizer um NÃO a che.
Nossa, que herói né ? que assassinava seus próprios companheiros por apenas um discordar de sua opinião. E mais uma celebre frase do herói após a crise dos mísseis cubanos: " (cuba) é o exemplo tremendo de um povo disposto ao autossacrifício nuclear, para que suas cinzas sirvam de alicerce para uma nova sociedade" dedicar sua vida ao autossacrifício é de total responsabilidade sua, mas sacrificar toda a população de um país em prol de seus ideais (malucos) isso é o socialismo.

Responder

Vítor em 17/11/2013 - 16h26 comentou:

Rafael S. Calsaverini, exatamente. O Comunismo é tão errôneo em seus julgamentos que impõe inclusive a abolição das religiões, ignorando o fato de que as mesmas são extremamente úteis, muitas vezes até necessárias, para a maioria das pessoas. Certos ensinamentos e práticas religiosas são essenciais para o desenvolvimento da sociedade e também da própria natureza do indivíduo. Uma prova disso é justamente o fato de que eles próprios tomam seus líderes como santos, quase semi-deuses.

Responder

Bruno Mirra em 17/11/2013 - 18h25 comentou:

Algumas vezes te critiquei em posts por ter uma visão política diferente. Até hoje discordei de um colega seu da CC por um artigo sobre Dirceu e Genoíno. O fundamental é que não descordo de suas teses e sim de como vocês as defendem. Mas este seu post está maravilhoso. Parabens

Responder

Eduardo em 17/11/2013 - 18h32 comentou:

Dois comentários apenas:

"como se o contexto, uma revolução, não justificasse mortes" Mahatima Gandhi, Nelson Mandela e Martim Luther King mostraram que não justifica. Justificar os meios pelos fins?!? Machiavel já está meio batido. Você pode melhor que isso.

"Que herói a direita tem para colocar nas camisetas?" O próprio Che. A direita torna Che num bem de consumo em massa e vende para os intelectuais de esquerda, auferindo lucro disso e fazendo girar a economia capitalista. Ou você já viu um socialista presidente de uma fábrica de camisetas? Realmente você pode bem mais que isso.

Responder

Cris em 18/11/2013 - 00h45 comentou:

O mundo seria outro se não houvessem líderes com coragem suficiente para tirar da mão de tiranos o destino de um povo… se houvesse uma ditadura hoje, você poria teu rabo entre as pernas, ou lutaria pelo direito a liberdade???? Pergunta rídicula… pode até ser… mas quando necessário foi, alguns homens e mulheres decidiram abdicar de suas vidas, muitos morreram, no Brasil a ditadura ceifou muitos, e foram as ruas, esconderam-se para continuar lutando, para que hoje pudessemos ter o direito de termos direitos, de falar o que queremos, de ir aondo quisermos ir… a construção da história é composta por contextos diferentes, parece tão desumano falar em matar, o que vejo é muita hipocrisia, matar, hoje, é banal, e não vejo esses defensores arduos da moral, dos bons costumes, nas ruas, pedindo menos violência, morrem crianças estupradas, mulheres espancadas, homens perdem suas vidas por ninharias, e não vejo nada além de comentários inflamados em redes sociais. Respeito a história do Che, e quem não respeita é por que não conhece. O recado é curto é grosso, vamos estudar, parar de assistir a Globo, passar mais tempo com pessoas do que com computadores, sair da redoma da perfeição e ver o mundo como ele é. Viva ao Che!

Responder

Flávio Alimandro em 18/11/2013 - 01h26 comentou:

Tenho uma camiseta do Winston Churchill e outra do Ludwig von Mises, que por sinal tenho o maior prazer de usá-las…

Responder

Diogo em 18/11/2013 - 02h15 comentou:

Essa esquerda que precisa de Che, de Fidel, de Lenin… é uma esquerda falida, que vive de passados e mitos. Precisamos de uma esquerda para o futuro – e essa só vai nascer quando aquela morrer. Dessa forma, a maior inimiga da esquerda que precisamos é a esquerda que existe.

Então fique aí nessa competição infantil com a direita sobre quem tem idolo de camisetas melhores. Vocês realmente se merecem…

Responder

Felipe Primo em 18/11/2013 - 03h37 comentou:

Huhauhauhauhauhahauhauhaua. Não se fazem omeletes sem se quebrarem ovos né??? O Che era um heroi, só um pouco assassino, na medida certa, não?? Fazer o que. Sério Cynara, não existe meio criminoso ou assassino, nada justifica matar alguem, e você aqui defende mortes em prol de um regime salvador qualquer. Sério, quanto você ganha para ficar defendendo essa agenda??? Puta coisa chata. Deus vai te punir em vida. Seja ética consigo mesmo. Acredite em algum valor do "bem", em algo real que transmita amor. Se você quer tanto a tal igualdade, faça um ato de solidariedade sem contar a ninguem. Seja boa com os outros. E só. Hitler também pregava esta mesma revolução que você tanto propagandeia.

Responder

Kíldare Lemos em 18/11/2013 - 05h41 comentou:

Que tal uma passagem só de ida pra Cuba, Cynara?

Responder

malvina cruela em 18/11/2013 - 10h48 comentou:

cá entre nós; essa discussão não está com um certo atraso??? pouca coisa..algo aí como uns 30 anos?

Responder

Patricksss em 18/11/2013 - 17h25 comentou:

Quem nós temos para colocar nas camisetas?
Respondo a senhorita.
Temos OLAVO DE CARVALHO!!!
Temos Lobão
Temos Rodrigo Constantino
Ronald Reagan
Margaret Tactcher
Castelo Branco
Médici…
"A meu ver, o ideal comunista – a construção deliberada de uma "sociedade mais justa" – é intrinsecamente mau. Não existe justiça nenhuma em planejar de antemão a vida das gerações futuras, obrigando-as a arcar com o peso de milhares de decisões que não tomaram e com as quais talvez não venham a concordar. É monstruoso decidir hoje, de maneira irrevogável, a vida dos homens de amanhã."
(Olavo de Carvalho)

Responder

    Rogério Tomaz Jr. em 18/11/2013 - 18h26 comentou:

    faltou:
    – Ustra
    – Cabo Anselmo
    – Geisel
    – Figueiredo
    – Pinochet
    – René Barrientos
    – Jorge Videla
    – Alfredo Stroessner
    – Hitler
    – Mussolini
    – Salazar
    – Franco
    – W. Bush
    e por aí vai…

    Fabio em 18/11/2013 - 21h02 comentou:

    Nicolae Ceaușescu?

Guilherme em 18/11/2013 - 18h04 comentou:

Heróis como o Che mataram cerca de 20 milhões de pessoas na URSS. Apenas na Ucrânia, mataram 7 milhões confiscando alimento da população. Mas não há problema, tudo pela Revolução, que sempre projeta um futuro maravilhoso que nunca chega, mas mantém um presente sombrio

Responder

Eduardo em 18/11/2013 - 18h24 comentou:

Só pra entender Churchill, Tatcher, Reagan? Não mandaram matar ninguém? Tem certeza? A direita sempre me faz rir.

Responder

Lucas Pelizaro em 18/11/2013 - 18h49 comentou:

Não costumo usar camiseta com cara de assassino. Façam bom proveito.

Responder

Bacellar em 18/11/2013 - 19h14 comentou:

Há um tempo tentaram emplacar umas camisetas reaças "descoladinhas" tipo um lettering escrito enjoy capitalism com a fonte da coca-cola….nunca vi ninguem na rua usando uma…
No mais a entrevista é interessante mas não diz nada de novo. Che foi um revolucionário de muita coragem e ideais sólidos e com as contradições que qualquer homem real de carne e osso possui.

Responder

Rubens em 18/11/2013 - 23h56 comentou:

Esta antítese de Yaoni Sanchez devia ler a verdade sobre o psicopata Che no livro "O verdadeiro Che Guevara – e os idiotas úteis que o idolatram", de Humberto Fontova e no documentário "Anatomia de um Mito", de Pedro Corzo (disponível no Youtube) baseados em fatos reais e depoimentos de vítimas e familiares de vítimas reais do "guerrilheiro bonzinho". Não há o que justifique o genocídio orquestrado e perpetrado por monstros como Lenin, Stalin, Hitler, Mao e Fidel. São figuras monstruosas cujos atos abomináveis vão ficar registrados nos anais negros da história humana, ao lado de Calígula, Anibal, Gengis Kan, Idi Amim Dada e outros monstros.

Responder

    Bob 'pela liberdade' em 19/11/2013 - 10h03 comentou:

    Não há nenhuma dúvida de que exite uma quantidade expressiva de inocentes úteis que adoram certos personagens fazendo deles ídolos. A idolatria é algo tão antigo quanto o próprio homem, e não há nenhum motivo racional para tais adorações, porque se fosse usado a razão com certeza tais ídolos não passariam de simples humanos cheios de defeitos como qualquer um de nós no presente.

    Agora é triste ver tanta gente adorar um assassino e anti democrático como era o Chê.

Beto em 19/11/2013 - 07h08 comentou:

Cynara, não tem jeito. Seus maiores fãs são a reaçada. Não precisa ler os comentários, é só ver a quantidade de negativas para comentários claramente esquerdistas e positivas para os direitistas. Eles vivem aqui, te vigiando. Durma com um barulho desses! Hahahaha.

Responder

Michel em 19/11/2013 - 11h09 comentou:

Que herói a direita pode ostentar?

Churchill
Burke
Leo Strauss
David Ricardo
Hayek

E a lista segue…

Responder

    Rodrigo em 19/11/2013 - 20h00 comentou:

    A Inglaterra utilizou armas químicas contra os Russos (em território Russo) por ordem de Churchill. Este é meu herói!!! 😀

Rafael Tirapelli em 19/11/2013 - 11h26 comentou:

Esquerdou geral, e defendeu até execução de crianças, parabéns socialista morena, ao menos o Pinochet fez o país mais desenvolvido da América Latina, Cuba é só uma ilha que trafica escravos diplomados, tem favelas igualitárias e 99,9999% da riqueza ta concentrada em 0,00001% da população, e você sabe que população é essa, depois vocês idiotas úteis vem falar em distribuição de renda e igualdade enquanto Fidel veste roupas finas, nada em piscinas e tem tudo ornado com o mais belo Mármore Italiano…

Responder

Ediene em 19/11/2013 - 11h32 comentou:

Na minha opinião, heróis são aqueles que trabalham para ajudar os famintos, doentes, desvalidos, que lutam para salvar vidas. Quem comete atrocidades em nome do que quer que seja, em hipótese alguma, pode ser considerado herói. Os valores estão invertidos.

Responder

    ricassio em 05/04/2015 - 13h13 comentou:

    O Che não simboliza apenas socialismo/comunismo. Foi também um médico que curou muitos pobres doentes de graça. Melhor ficar calado, que comentar besteiras e pagar mico.

Daniel Venturi em 19/11/2013 - 11h52 comentou:

Só o socialismo, uma doutrina de faz de conta, precisa de heróis idealizados e idolatrados. O capitalismo não precisa desses engodos para se sustentar.

Responder

João em 19/11/2013 - 12h01 comentou:

Que heróis a direita tem ?

Pessoas com posicionamento liberal/conservador prezam pela VERDADEIRA liberdade individual e não exercem CULTO A PERSONALIDADE DE NINGUÉM. Isso é coisa de gente da Esquerda, pessoas que normalmente têm problemas mal resolvidos de relacionamento com a figura paterna, e necessitam de BENGALAS PARA A PERSONALIDADE.

Só gente entregue ao PENSAMENTO DE MANADA se sente a vontade com a atitude vexaminosa de estampar a imagem de um PORCO ASSASSINO como o Gue Guevara no peito, e sair desfilando na rua com ares de "libertário, revolucionário mente aberta, anti-conservadorismo", como se estivessem "lutando contra uma tirania" quando na verdade só estão demonstrando o estado de miséria de suas personalidades, além de sua profunda incapacidade de refletir a respeito da História.

Responder

    Rodrigo em 19/11/2013 - 19h57 comentou:

    Claro que a direita tem seus heróis. Justin Bieber, o dólar, PS4, Calvin Klein dentre outros. Mas um bichinho muito venerado é o jacaré. Existem várias camisas com ele no peito.

marklah em 19/11/2013 - 13h09 comentou:

Credo, mulher, desapega da Veja. Parece que não aconteceu coisa mais importante na sua vida. Desilusão amorosa dessas que não passam? Canta pra subir e muda de galho.

Responder

Renato em 19/11/2013 - 14h02 comentou:

Alguns fatos sobre Che Guevara:
Quando era Ministro da Economia de Cuba, Che Guerava disse que os bons operários não deveriam ser premiados, os maus operários deveriam ser punidos.
Ao deixar o Ministério da Economia de Cuba, Che Guevara deixou em seu lugar uma jovem camponês de 19 anos e analfabeto dizendo que ele estava qualificado para o cargo.
Quando a Crise dos Mísseis acabou (para quem não sabe, foi o momento mais tenso da Guerra Fria e o mais próximo de uma guerra nuclear, e a guerra iria começar sobre o território cubano), Che Guevara lamentou dizendo que o povo cubano morreria feliz pela revolução.
Che Guevara era tão mala que Fidel o mandou para a Bolívia com a promessa de que reforços estavam a caminho. Como sabemos, os reforços nunca saíram de Cuba e ele não recebeu apoio nem dos guerrilheiros bolivianos. Che Guevara foi capturado e executado na Bolívia.
Che Guevara criou e liderou campos de trabalhos forçados e pelotões de fuzilamento para punir e matar os contrarrevolucionários (ou os oposicionistas, como você preferir chamar aqueles que não concordavam com a ditadura socialista). Posteriormente Fidel Castro transformou os campos de trabalhos forçados vem campos de concentração para os oposicionistas, homossexuais (ainda é crime ser homossexual em Cuba) e aidéticos.

Che Guevara foi um assassino psicopata que se sentia bem matando aqueles que discordavam dele. Era por isso que ele gostava de ser guerrilheiro, pois em batalha, matar é natural. O pensamento socialista de Che Guevara era apenas para sustentar sua personalidade autoritária típica dos egocêntricos. Fidel mandou Che para a morte porque era o melhor que podia fazer por Cuba. A única coisa boa de Che Guevara foi a foto, que até hoje é símbolo do socialismo latino-americano.

Responder

    Rodrigo em 19/11/2013 - 19h54 comentou:

    Que interessante! Quais as referências destes eventos?

    morenasol em 19/11/2013 - 21h27 comentou:

    a veja que o biógrafo desmentiu ; P

Renato em 19/11/2013 - 14h11 comentou:

Percebam o verdadeiro viés da esquerda: Guevara queria a justiça mas construiu a injustiça. Não foi sempre assim na história do comunismo? Criou campos de trabalho forçado com seus "domingos de trabalho voluntário" e os famosos paredões de fuzilamento a "reacionários pequeno-burgueses" da Revolução de 1959, bem como ajudou a aprimorar a burocracia criminosa de prisão aos "inimigos" da ditadura cubana. Centenas de pessoas morreram diretamente por ele e por quando decidia fuzilamentos em massa. De duas uma: A socialista Morena , ao estar ciente de tudo isso, ou é um perfeita idiota com tendência à criminalidade sanguinária, ou uma verdadeira sociopata picareta. E se não sabe quem realmente era o homem, então é um ignorante que deveria ler mais e militar menos. Qual das três possibilidades qual é a correta? Ou há alguma a mais que eu não vislumbrei? Deixemos que ele e os outros gueravistas provem a nós.

Responder

Renato em 19/11/2013 - 14h14 comentou:

Só uma coisa: quem cultua Pinochet? Este deveria ter sido condenado pelos inocentes que matou, nunca pelos terroristas que exterminou. A Constituição do Chile previa interferência militar caso houvesse desrespeito por princípios da mesma, e Allende a violou. A diferença entre Pinochet e Castro é que, embora ambos tenham sido ditadores, Castro é responsável pela morte de 100.000 pessoas, e Pinochet 3.000. Castro aniquilou todas as liberdades fundamentais do povo cubano, violando os direitos humanos como nunca antes acontecera na América Latina, enquanto que Pinochet tornou o Chile um país próspero e livre para se viver após a catástrofe comunista. Pinochet deveria ter sido julgado pelos crimes à vida humana, mas não contra as ações necessárias que salvaram o Chile de se tornar uma ditadura comunista, como garantia a própria Constituição chilena na época. A função dos militares é restituir a ordem constituional de uma nação. E isto é garantido em nossa Constituição brasileira de 1988: portanto, caros amigos, nossos militares intervirão novamente em qualquer desrespeito à nação democrática. Já vimos o que aconteceu com os países que caíram sob o domínio imperialista vermelho: 100 milhões de mortos. Quantos mais teriam morrido no Chile? Quanta pobreza a mais teria sido criada? Quantos campos de trabalho forçado? Quanta fome? O socialismo demonstrou ser incompatível com a democracia representativa e é inimigo das liberdades individuais. Pinochet convocou eleições dentro de 17 anos. Fidel Castro manteve sua população em um cativeiro ilha-prisão durante 49 anos. Pinochet cumpriu sua função de militar, Fidel e Che cumpriram sua função de levar o terror revolucionário tão desejado por Karl Marx a seu povo.

Responder

    morenasol em 19/11/2013 - 14h54 comentou:

    "terroristas que exterminou". quem os julgou? você?

Marcos em 19/11/2013 - 14h55 comentou:

Prefiro o Ronald Reagan

Responder

Danilo em 19/11/2013 - 18h37 comentou:

O herói que não criou nada, fora um império capitalista de venda de camisetas….
O maior legado dele é cuba ?, essa foi a vitória dele ?, então ele perdeu….

Responder

gilberto em 19/11/2013 - 22h16 comentou:

" modelo aos jovens a não ser torturadores, generais ditadores e exploradores da miséria do mundo? " _ Chê e Fidel são chefes de torturadores, são ditadores e exploradores da miséria do povo cubano. Tome vergonha na cara Cynara. Não minta tão descaradamente!

Responder

Caio em 20/11/2013 - 00h18 comentou:

Tinha feito um texto enorme pra argumentar ai li que o blog era de humor tambem e entendi que esse texto trata se de uma sátira. Vou mandar pro pessoal do meu trabalho com fotos suas em power point com o tema do benny Hill tocando
http://www.youtube.com/watch?v=MK6TXMsvgQg

Responder

Carlos em 20/11/2013 - 15h54 comentou:

"como se o contexto, uma revolução, não justificasse mortes".

Shhhhh… Fale baixo. Os órgão de Direitos Humanos podem te escutar.

E, vem cá: se a "revolução" (adoro esse termo, é divertidíssimo) justifica mortes, porque o combate à "revolução" não as justifica da mesma forma? A morte é uma só para quem morre, mas não é a mesma para quem mata?

Por esse raciocínio, quais foram, então, os crimes da Ditadura Militar no Brasil? – que, aliás, também teve o nome de "Revolução" de 1964.

Não basta ser de esquerda. Tem que ser idiota.

Responder

    morenasol em 20/11/2013 - 15h58 comentou:

    direitista é sinônimo de burro. golpe é antônimo de revolução. fica a dica ; )

Ramon em 21/11/2013 - 10h43 comentou:

Em nome dos bons costumes a ditadura matou e executou quem fosse conta a maré.
Qualquer semelhança é méra coincidência! kkk
Penso que é digno quem morreu em nome do que acredita, mas tirar a vida de alguem por não pactuar com sua ideologia é a maior das covardias.
Se a guerra para justiça fosse a unica solução, Mahatma Gandhi, Martin Luther King, Nelson Mandela entre outros personagens seriam grandes fiascos né!

Responder

Lourenço em 21/11/2013 - 15h47 comentou:

Che guevara é um assasino e pronto,
ninguem chega em um vilarejo e obriga um campones a ir para uma revolução dizendo "la revolução ou la muerte" e se o cara se nega a ir ele matava na hora …. tem q ser muito inocente pra acreditar nessas crendices que Che é herói… ele e o rolex dele …

Responder

morenasol em 21/11/2013 - 16h40 comentou:

inspirado no post, o genial tumblr camiseteria reaça. perfeito para quem está elogiando os pinochets da vida http://camiseteriareaca.tumblr.com/

Responder

Alexandre em 24/11/2013 - 14h44 comentou:

GENOINO, O BOM FILHO A CASA TORNA!

– mais uma vez –
o José Genoino
do Brasil
voltou para a casa!

Genoino que veio
do Ceará,
voltou do Araguaia,
da ditadura,
de uma cirurgia,
Genoino voltou!

Genoino voltou
de longe!
Voltou!
Do arbítrio,
Voltou!
Do bom
combate,
voltou!
(…)
E antes
de entrar em casa,
voltou-se
para nós:
podemos voltar
a dormir,
e os nossos
sonhos,
sempre tão perto!

(José Genoino do Brasil, genuinamente brasileiro!)

Messias Franca de Macedo
Feira de Santana, Bahia
BRASIL

Responder

Riobaldo em 24/11/2013 - 17h17 comentou:

Acho que a direita deveria fazer camisetas com estampa do Roberto Jeferson.

Responder

Amaral em 25/11/2013 - 19h46 comentou:

Cada um tem o "herói" que merece… Quer ser cego, seja feliz!

Responder

Darcio em 26/11/2013 - 15h11 comentou:

Então veste uma camiseta do Pol Pot, Stalin, Mao kkk… Don't tread on me!

Responder

Old Bull Lee em 26/11/2013 - 15h59 comentou:

O culto de personalidade (_qualquer_ personalidade) é, em última análise, uma burrice, além de ser extremamente cafona.

Responder

Razorback de Farias em 05/12/2013 - 02h51 comentou:

Gente, o esquerdismo considero uma sociopatia, agora, o amor é cego e esse autor deve nutrir um amor platônico pelo "Che". Quanto a camisetas eu usaria uma com a foto do Médici, o melhor presidente que o Brasil já teve.

Responder

Raoni em 16/12/2013 - 10h26 comentou:

Melhor não ter heróis do que idolatrar assassinos.
Ora, não existe justificativa para o que o Che fez. Se pensarmos dessa forma, podemos justificar os feitos de Hitler, de Stalin, de Mao e de toda sorte de ditadores e tiranos. Inclusive, se guerra é guerra, então por que criticam a ditadura militar, a qual ocorreu no contexto da guerra fria ?

Responder

Raoni em 16/12/2013 - 12h59 comentou:

Guerra é Guerra !
Bela tentativa de justificar mortes e barbárie ! https://www.youtube.com/watch?v=RCwQBaLqq3g#t=155

Responder

Cláudio em 24/12/2013 - 08h42 comentou:

Pobres árvores! Se por um lado já tínhamos a Veja, do outro agora temos a Carta Capital, duas maneiras supostamente antagônicas de desperdício de papel. Entre uma e outra, fico com Neve.
O Dr. Ernesto merecia tratamento psiquiátrico, não se tornar mito. O cara adorava odiar! " Ódio como um elemento de luta"; "um ódio que é intransigente"; "um ódio que é tão violento que impulsiona um ser humano para além de suas limitações naturais, fazendo dele uma violenta e fria máquina de matar."

Responder

Marcus em 29/12/2013 - 22h24 comentou:

Vejo muita gente citando o Churchill.
http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/asia/in

Pelo jeito ele aprendeu bastante com aquela bebedeira com o Stalin.

Responder

Henrique Silverado em 30/12/2013 - 02h18 comentou:

O herói é o indivíduo, não uma entidade, uma pessoa colocada num pedestal, idolatria cega é coisa de esquerdista…e desde quando Che Guevara, que matou até criança (procure pelo relato de Pierre San Martín)

“Papai, eu queria confessar que agora eu descobri que realmente gosto de matar.” Che Guevara (apud BRAVO, 2004, p.136)
“Não preciso de prova para executar um homem – apenas de prova acerca da necessidade de executá-lo.” Che Guevara (apud ORTEGA, 1970, p.179).

Esse é o seu herói…eu cuspo na sua camisa, socialista!

Responder

Genovês em 30/12/2013 - 20h50 comentou:

"A economia política do socialismo, a filosofia e a sociologia, estão repletas de conceitos antiquados e não se encontram mais sintonizados com a dialética da vida. As ciências históricas precisam passar por uma revisão importante." Mikhail Gorbachev – Um verdadeiro herói que, sem derramar uma única gota de sangue, derrubou o muro do atraso e da tirania.

Responder

ferreira1955 em 18/01/2014 - 01h31 comentou:

Regime politico bom seria aquele que nao despreza vida de pessoas inocentes.. Governo bom e o que salva vidas. Comunismo nao deu certo em lugar algum do mundo. Como pode em pleno seculo XXI alguem usar uma camiseta com a foto de um dr que matava .. Apoiar ideologias politicas falidas em todo o mundo!!! ??????

Responder

Helder em 21/02/2014 - 01h27 comentou:

Pinochet? Seria o mesmo que dissesse que o herói da esquerda é Stalin. Ninguém precisa de heróis.

Responder

Renato em 21/02/2014 - 01h34 comentou:

Acho que alguns heróis da 'direita' são Thomas Jefferson, Benjamin Franklin, George Washington, Martin Luther King. Mas é importante deixar claro que Pinochet não é de direita. Ser de direita é ser liberal como era Thomas Jefferson… Pinochet era um autoritário. A esquerda tenta distorcer o que é ser liberal. Então ser de esquerda é gostar do Kim Jong-il, Stalin e do Mao Tsé-Tung. Não podemos cair no maniqueimo da Morena. Há muitos liberais que sonham com a Justiça Social, com o fim dos privilégios, da igualdade, liberdade, etc… eles discordam da Esquerda apenas na forma de atingir esses objetivos. Claro que a esquerda quer que a gente acredite que ser liberal é ser ditador, autoritário, contra os pobres! Mas a principal razão do Che ser esse 'herói' da esquerda é que a esquerda defende um estado central autoritário e essa visão de mundo favorece a criação de icones messiânico

Responder

oliveira castro em 23/02/2014 - 11h51 comentou:

Faltou na entrevista:
“Era uma situação incômoda para as pessoas e para Eutimio, de modo que acabei com o problema dando-lhe um tiro com uma pistola calibre 32 ao lado direito do crânio, com o orifício de saída no temporal direito. Ele arquejou um pouco e estava morto. Ao tratar de retirar seus pertences, não consegui soltar o relógio, que estava preso ao cinto por uma corrente e então ele ainda ( Eutimio) me disse, numa voz firme, destituída de medo: ‘Arranque-a fora, garoto, que diferença faz…’. Assim fiz, e seus bens agora me pertenciam. Dormimos mal, molhados, e eu com um pouco de asma.”

Este relato é de autoria de Che Guevara em seu diário onde o repórter John Lee Anderson adquiriu com a viúva de Che, para desenvolver o seu trabalho de biografia do então famoso guerrilheiro. Eutimio Guerra, primeiro cubano assassinado por Che, era um simples camponês que trabalhava como guia para os guerrilheiros, condenado a morte por Fidel Castro por ser informante do exército inimigo. Como ninguém obedeceu as ordens para executa-lo, o próprio Che fez o serviço sem nenhum peso na consciência.
Mais algumas escritas encontradas em seu diário:

“Para mandar alguém para o pelotão de fuzilamento, as provas judiciais são desnecessárias. Esses procedimentos legais são um arcaico detalhe burguês”.

“Enlouquecido com fúria irei manchar meu rifle de vermelho ao abater qualquer inimigo que caia em minhas mãos! Minhas narinas se dilatam ao saborear o odor acre de pólvora e sangue. Com as mortes de meus inimigos eu preparo meu ser para a luta sagrada e me junto ao proletariado triunfante com um uivo bestial.”

“Jurei ante um retrato de velho camarada Josef Stálin não descansar até ver aniquilados estes polvos capitalistas”

"Adoro o ódio eficaz que faz do homem uma violenta, seletiva e fria máquina de matar".

O perfil psicológico de Che Guevara é marcante e interessante no que tange o ser egocêntrico, arrogante, soberba, temperamento explosivo e a frieza, inclusive confirmado por sobreviventes e ex-comandados que conviveram com ele no dia a dia. Ingredientes mais do que suficientes para transforma-lo em um tirano brutal regado com assassinatos e execuções sumárias.
É conveniente ler outras biografias como “ El Rostro Oculto Del Che” do jornalista cubano Jacobo Machover, depoimentos de José Vilasuso, Dariel Jiménez Alarcón e outros.
A ironia do destino não ficou de lado, por tudo aquilo que ele lutou através de seu idealismo fanático acabou virando um legado para as indústrias capitalistas que faturam rios e mais rios de dinheiro com a sua imagem estampadas em bottons, camisetas,…
Existe heroísmo com uso da violência física ou psicológica, através do medo e terror?

Responder

Ricardo S em 26/03/2014 - 16h42 comentou:

"O contexto de uma revolução justifica mortes", sim… Mas desde que só rolem cabeças da direita! Já se a revolução for de direita e matar esquerdistas, aí já é assassinato ignominioso, terrorismo de Estado e outros nomes feios. De tão rasa, impressiona como essa cantilena ainda seduz muitos… Viva a ignorância!

Responder

Ricardo S em 26/03/2014 - 16h51 comentou:

"A verdade é que Che se portou como um soldado encarregado de uma tropa em precárias condições e com a responsabilidade de um oficial. Não fez nem menos nem mais do que qualquer outro militar confrontado com situações de vida ou morte. Não se regozijou de matar, assumiu-o como um mal necessário da guerra, por sua vez necessária (…)" O frase é válida porque foi o idolatrado Che. Porque não valeria também para o Gen. Nilton Cerqueira, no Araguaia?! O tribunal revolucionário comunista "julgou e justiçou"; se fosse de direita, teria "torturado e executado friamente e com requintes de crueldade". Porque democracia é quando eu mando em você; se você manda em mim, aí é ditadura….

Responder

Luiz Rodrigues em 05/04/2014 - 03h03 comentou:

Jesus Cristo que não matou ninguém, não era pedófilo, nem racista.

Responder

Felipe em 23/04/2014 - 03h21 comentou:

Ué. Se vocês tem um Herói Assassino pra colocar a camiseta, vou colocar a do Pinochet. Se você balançam a da URSS, vou balançar a Nazista. Tu e a Comunista Morena com certeza já usaram uma camisetinha com a foice e o Martelo,e acham lindo. Por que eu não posso colocar uma de uma ditadura de direita, sendo que estas, segundo teus livros de História, não mataram nem 1% da União Soviética?

Responder

    Johny Saints em 06/05/2014 - 04h35 comentou:

    Vai lá campeão. Junte-se com os seus e pare de amolar.

Luh em 15/05/2014 - 14h28 comentou:

Meu problema com o Che – e outros "heróis socialistas"- é que ele era machista e homofóbico. Entendo o contexto da revolução, mas nem dentro do contexto da revolução a misoginia, a tortura e morte de [email protected] homossexuais pode ser justificada.

Abraços, Cynara! =*

Luh

Responder

    morenasol em 15/05/2014 - 14h41 comentou:

    cabeça da época, luh. e não sei o que você andou lendo para dizer isso. o biógrafo dele diz o contrário.

    ricassio em 05/04/2015 - 13h24 comentou:

    Ele não era homofóbico, pois essa palavra nem existia na época. Machista? A mãe dele era uma mulher super moderna para a época, na juventude Che lutou para que as mulheres entrassem no mercado de trabalho e tivessem seus direitos reconhecidos.

Janderson em 20/05/2014 - 18h52 comentou:

A direita não tem heróis, a direita não quer heróis. Principalmente porcos assassinos covardes que só se sustenta graças a uma legião infindável de "intelectuais" que reescrevem sua biografia a cada dia para disfarçar o odor da sanguinolência que ela carrega. Na direita, o herói do povo é o próprio povo.

Responder

JotaPê em 03/06/2014 - 04h10 comentou:

Alguém está disposto a discutir o conteúdo do curta metragem? https://www.youtube.com/watch?v=YQ4RRvg7NuQ

Responder

Pedro Kobielski em 04/07/2014 - 14h23 comentou:

Não entendo direitistas. Falam que Che era um assassino, mas adoram os filmes do Stallone.

Responder

    Silvio Jardim em 13/07/2014 - 18h06 comentou:

    Eu não sabia que nos filmes as pessoas morriam de fato…

Wagner em 04/08/2014 - 12h56 comentou:

Só risos… Tentei, juro. Tentei ver algo sábio, nesse texto. Só lamento meu tempo perdido aqui. Mas ainda existe salvação pra todos…

Responder

Lucas em 15/11/2014 - 16h48 comentou:

Churchill, Thatcher, Russel Kirk, Ronald Reagan, Bolsonaro, Adam Smith, Abraham Lincoln, Chiang Kai Shek, Mises, Dom Pedro II e por aí vai. Relativistas desse jeito, vocês deviam sair por aí com uma camisa do Maquiavel.

Responder

Nicolau em 30/11/2014 - 11h48 comentou:

Guevara, um filho de militares e aristocratas burgueses argentinos é o "heroi" covarde dos esquerdopatas mais covardes ainda!

Responder

Gilson em 15/12/2014 - 01h51 comentou:

Respondendo à escalada. Se todos os heróis à esquerda precisam ser inventados, a ponto de um canalha como Che Guevara ser tratado como tal, os defensores 'dessa' esquerda antolhada deveriam lavar a boca para de falar de Pinochet e de outros facínoras de seu naipe.
Por coisas como essa que Camus e Orwell, que foram de esquerda durante muito tempo, viraram as costas para esse pensamento obtuso e maniqueísta.
Há canalhas em ambos os lados, e em profusão, mas só os da esquerda recebem um photoshop histórico para aparecerem como heróis. Chega a ser ridículo e tenho pena das pessoas que não conseguem se libertar dessa farsa…

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Frente Ampla do Chile: a esquerda latino-americana vive e se renova


Nosso correspondente conta sobre o novo bloco de esquerda que se tornou na eleição de domingo a terceira força política do país

Trabalho

FGV: esquerda está convencendo brasileiros que reforma trabalhista = perda de direitos


Uma análise das redes sociais elaborada pela Fundação Getúlio Vargas no dia 28 de abril, dia da greve geral, indica que a esquerda está ganhando a disputa narrativa sobre a reforma trabalhista e conseguindo convencer…