Socialista Morena
Direitos Humanos

Colecionador de injúrias, Danilo Gentili perde mais uma para Maria do Rosário

TJ do Rio Grande do Sul nega recurso a "humorista" e determina que retire das redes vídeo ofensivo contra deputada do PT

Gentili com chupeta de cristais Swarowski. Foto: divulgação
Katia Guimarães
16 de dezembro de 2017, 14h28

Em decisão unânime, o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS) determinou nesta quinta-feira, dia 14 de dezembro, a retirada de todas as redes sociais do vídeo em que o apresentador de TV Danilo Gentili faz ofensas contra a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS). Os desembargadores negaram recurso ao humorista, confirmando decisão anterior do relator do caso, desembargador Túlio Martins, que considerou o vídeo “misógino”.

Em maio, Gentili divulgou um vídeo rasgando uma notificação extrajudicial enviada pela deputada contra o “humorista” por espalhar notícias falsas sobre sua filha menor de idade. Em uma atitude característica dos machistas, ele aparece rasgando o documento, colocando dentro das calças, esfregando nas partes íntimas e novamente no envelope, com indicações ofensivas e obscenas e, também, com incitação ao ódio e violência contra a parlamentar. Na época, a Justiça ordenou a retirada do ar no facebook, youtube e twitter sob pena de multa de 500 reais por dia.

No julgamento, o TJ decidiu o mérito do recurso, confirmando também que o vídeo é não só misógino, mas criminoso. Para o magistrado, é evidente que Maria do Rosário foi agredida e humilhada. “Constata-se que, a princípio, o conteúdo apresentado naquilo que seria um vídeo humorístico em verdade não é notícia, nem informação, nem opinião, nem crítica, nem humor, mas apenas agressão absolutamente grosseira marcada por prepotência e comportamento chulo e inconsequente”, afirmou o desembargador.

O conteúdo apresentado naquilo que seria um vídeo humorístico não é notícia, nem informação, nem opinião, nem crítica, nem humor, apenas agressão grosseira marcada por prepotência e comportamento chulo e inconsequente

O “comediante” fez de suas frases “politicamente incorretas” um ganha-pão e uma maneira de atrair audiência, sempre em nome de uma “liberdade de expressão” que só admite para si mesmo: ao mesmo tempo que se diz vítima de “censura”, tenta calar seus críticos judicialmente. Em 2015, chegou a enviar para a editora deste site, Cynara Menezes, uma interpelação judicial por “crime contra a honra” em virtude de um tweet em que a jornalista ironizava o fato de um professor da PUC-RS ter feito uma “piadinha” machista no estilo “politicamente incorreto” que Danilo e seus seguidores utilizam. Um dos exemplos foi o tweet em que o “humorista” do SBT ensina como se aproveitar de mulheres bêbadas que, depois, foi apagado.

Danilo já foi acusado de racismo, homofobia e incitação ao ódio. Durante o processo de votação do golpe que derrubou a presidenta eleita Dilma Rousseff, ele comparou a senadora Regina Souza (PT-PI), que é negra e de origem humilde, com a “tia do café”.

Outro caso envolveu o deputado Jean Willys (PSOL-RJ) e a cartunista Laerte, que reagiram à burra comparação entre os dados alarmantes divulgados pelo Grupo Gay da Bahia sobre assassinatos de homossexuais no Brasil com as mortes de heterossexuais.

Quando uma de suas piadas de mau gosto atingiu os judeus, o apresentador acabou sendo forçado a se desculpar. Ao ironizar os moradores de Higienópolis, bairro de São Paulo com grande número de judeus, por não quererem uma estação de metrô na região, ele afirmou: “entendo os velhos de Higienópolis temerem o metrô. A última vez que chegaram perto de um vagão foram parar em Auschwitz”, disse, referindo-se aos campos de concentração da Segunda Guerra Mundial.

Gentili repetidamente recorre à falácia da “tentativa de censura” para manter suas injúrias e foi também assim que reagiu ao projeto Humaniza Redes, criado pelo governo federal contra as ofensas online. Para ele, a ação seria para perseguir quem “estiver zoando nas redes”, e, assim, criou uma outra campanha, a Desumaniza Redes para fazer justamente o oposto: confundir liberdade de expressão com liberdade de ofensa.

Seus seguidores também não vacilam quando o assunto é defender o ídolo. Recentemente, o jornalista Diego Bargas questionou o humorista, durante entrevista sobre o seu filme Como Se Tornar o Pior Aluno da Escola, sobre a apologia à pedofilia no longa-metragem. Atacado nas redes sociais, o jornalista acabou demitido pela Folha de S. Paulo. “As perguntas eram espinhosas, mas eram perguntas. Era a oportunidade de o Danilo rebatê-las. Como eu poderia ser mais honesto do que questionando-o? Disseram que as perguntas tinham conotação política, mas são as respostas que importam. Fui condenado por fazer perguntas. São tempos sombrios”, afirmou, no facebook.

Danilo gosta de falar em “liberdade de expressão”, mas só vale para ele mesmo. Certa vez, ao ser criticado, chamou uma internauta  de “chupadora de rola de genocida e corrupto” e outra de “arrombada”

Na crítica que publicou no portal UOL sobre o filme, Paulo Pacheco diz que o longa de Gentili “ensina dois estudantes de 14 anos a deixarem de ser ‘cabaços’ (palavra repetida 27 vezes no longa). Eles bebem cerveja (o público não sabe que é guaraná), fumam, fazem bullying e objetificam mulheres”. Há também “uma cena de masturbação entre um homem e o protagonista de 14 anos”.

Nem sempre Gentili é aprovado pelos seguidores e não costuma reagir bem às críticas, apesar de pregar pela sua liberdade de fazer piadas e falar o que quer na internet. Certa vez, ao ser criticado, chamou uma internauta  de “chupadora de rola de genocida e corrupto” e outra de “arrombada”. Em um dos episódios de maior repercussão, Gentili demonstrou toda a sua misoginia ao chamar de “vaca leiteira” Michele Maximo, a maior doadora de leite materno do Brasil. Depois de ter a sua imagem divulgada sem autorização, Michele acionou a Justiça e o humorista foi condenado a pagar 200 mil reais.

Um dos principais alvos dos machistas e misóginos da rede, Maria do Rosário vem vencendo na Justiça ações movidas contro os autores dos ataques. O número um deles é o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que já foi condenado por unanimidade pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça) por “incitação ao estupro”. O pré-candidato da extrema-direita à presidência da República terá de fazer retratação pública e pagar 10 mil reais em danos morais à deputada. Bolsonaro também é réu em duas ações penais movidas pela petista no STF (Supremo Tribunal Federa) pelo mesmo motivo. A ofensiva tem provocado a reação furiosa dos seguidores de Bolsonaro e levou Maria do Rosário a pedir proteção à Câmara dos Deputados e à Polícia Federal contra ameaças e insultos dos bolsominions.

Com informações do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul

 

 


Apoie o autor

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Katia Guimarães Vaz
Caixa Econômica Federal
Agência: 4760
Conta Corrente: 21602-1
CPF 602.735.771-15
(15) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Hapepi em 16/12/2017 - 17h28 comentou:

Retirar o video da rede eh muito pouco! Ele deveria perder nao somente para a Maria do Rosario mas perder geral… tomar destino e deixar a TV para sempre! Nao tem conteudo para estar em programa algum! Eh vulgar, xulo… Por que nao “ir catar coquinho”?

Responder

Mágica Festas em 16/12/2017 - 17h58 comentou:

A sra estava indo bem no seu texto, até que chegou a última palavra r manchou sua matéria. Bolsmonions? Condena agressão do humorista, critica posturas ofensivas e no final faz o mesmo? Poderia ter encerrado em grande nível mas preferiu revidar.

Responder

    Fábio P. R. em 18/12/2017 - 18h23 comentou:

    Bolsominions Bolsominions Bolsominions Bolsominions Bolsominions Bolsominions Bolsominions Bolsominions Bolsominions Bolsominions Bolsominions Bolsominions Bolsominions Bolsominions Bolsominions Bolsominions Bolsominions Bolsominions

Roberto Agostinho Simões em 16/12/2017 - 20h38 comentou:

Das poucas vezes que vi Gentili na TV, não tive boa impressão. Pensei que talvez fossem episódicas, sem continuidade, as cenas de sarcasmo, deboche e insinuações deploráveis, a serem esquecidas ou, melhor ainda, por ele mesmo deletadas de uma vez só!
Mas, agora, vou prestar atenção se as condenações judiciais surtiram algum resultado, com o indivíduo entrando nos eixos, embora essa corretiva tenha demorado acontecer. Resta saber se sobre ele, Gentili, haverá algum significativo merecido reparo financeiro, a favor de suas vítimas!

Responder

Vitor Moreira Santana em 16/12/2017 - 21h53 comentou:

Recentemente li uma postagem interessante feita por um membro da Mensa Brasil, associação que reune as pessoas mais inteligentes do país, na qual a geração atual é classificada como “floco de neve”. Basicamente, consiste num amontoado de jovens fracos e muito sensíveis a qualquer crítica, e aí me incluo também. Concordo com algumas coisas ditas pelo Pondé em seus livros: todo mundo se ofende com qualquer coisa hoje, e se Hitler tivesse lutado com uma geração tão frouxa, covarde, mimada e ressentida quanto a nossa teria vencido a guerra.

Responder

    Fábio P. R. em 18/12/2017 - 18h26 comentou:

    Roger Moreira (related?) faz parte dessa associação. Portanto, cuidado com os “mais inteligentes”…

    Luciano em 18/12/2017 - 23h05 comentou:

    Essa geração de hoje é muito sensível mesmo! No meu tempo de garoto em 1982 eu era xingado constantemente por ser negro e sabia como me defender, as provocações que eu enfrentei só me deixaram mais forte e mais aguerrido, essa molecada de hoje em dia se magoa com tudo, eu fico imaginando como vai ser quando eles tiverem que enfrentar o mercado de trabalho( esse dia vai chegar cedo ou tarde) e levarem uma bronca do chefe por ter dado alguma mancada.

    Cynara Menezes em 19/12/2017 - 15h16 comentou:

    você era xingando constantemente por ser negro e quer que façam isso com seus filhos ou quer que isso tenha mudado?

Luiz Carlos P. Oliveira em 17/12/2017 - 08h00 comentou:

E esse sujeito ainda tem um programa na TV. Aliás, um programa de péssima qualidade, feito para ignorantes que acham graça nas suas piadas nojentas.

Responder

José Edivaldo Silva em 17/12/2017 - 10h15 comentou:

É uma pena, que tenha empresas dispostas a patrocinarem este ser abjeto. Mas aos poucos a Justiça vai se fazendo. Aos defensores do mal caratismo que sejam alcançados pela Justiça.

Responder

Christina em 17/12/2017 - 10h15 comentou:

Reparei que você se refere ao cartunista Laerte, mas a, até onde eu sei, a cartunista Laerte se identifica como “ela”.

Responder

    Cynara Menezes em 18/12/2017 - 12h24 comentou:

    corrigimos

Boruto REI de Mauá em 17/12/2017 - 13h03 comentou:

Discordo

Responder

r3h5b em 17/12/2017 - 14h03 comentou:

Bom eu gostaria de dizer que não concordo com quase nada do que você diz, acho que o Danilo se expressa apenas, na maioria das vezes, também apoio Bolsonaro e não gosto da Maria não, e é por isso que eu coloquei meu e-mail para ler seu conteúdo, acho que seu conteúdo vai ser algo construtivo pra mim, pois como eu não concordo vai ser algo a mais para aprender e refletir outro ponto de vista, espero que possamos estar em um mútuo respeito, mas que não deixemos de defender nossos ideais, um bom trabalho.

Responder

MARCELO em 17/02/2018 - 08h34 comentou:

O Senhor Danilo Gentili gosta de “posar ” como intelectual perfomático, mas não passa de um aprendiz da Direita.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Decifrando MOROLAND: uma investigação sobre o “conservadorismo” de Curitiba


(Ilustra exclusiva: Cris Vector) Desde o começo da operação Lava-Jato que a capital do Paraná, Curitiba, está sendo cantada em prosa e verso como “a mais coxinha do país”, “paraíso reaça” e “tucanistão 2”. Para azar…

Cultura

Quando pais, irmãos e maridos votavam pelas mulheres: o filme As Sufragistas


  Por Liliane Machado O cinema inglês resgatou um momento ímpar das lutas feministas ao redor do mundo com As Sufragistas, em cartaz nos cinemas brasileiros. O título remete ao movimento iniciado ainda no século 19,…