Socialista Morena
Feminismo

Documentário retrata machismo da carreira de diplomata no Brasil

Só a partir de Celso Amorim, no governo Lula, mulheres diplomatas ganharam mais oportunidades de ascender na carreira

Maria José Rebello, a primeira mulher diplomata. Foto: Itamaraty
Da Redação
11 de março de 2019, 22h41

Em 1918, o Brasil teve sua primeira mulher diplomata, a baiana Maria José de Castro Rebello, que foi aprovada em primeiro lugar para o Instituto Rio Branco após recorrer a Justiça para poder fazer o exame. Era também a primeira funcionária pública concursada. Mas, em 1938, a presença de mulheres no Itamaraty foi proibida, só voltando a ser admitida em 1954.

O documentário Exteriores – Mulheres Brasileiras na Diplomacia, realizado pelo Grupo de Mulheres Diplomatas, coletivo criado em 2013 e que hoje reúne mais de um terço das diplomatas brasileiras, foi produzido como celebração do centenário de ingresso de Maria José na carreira. O filme mostra que diplomatas mulheres sendo preteridas na hora das promoções era a praxe no ministério até o governo Lula.

A partir de 2002, com Celso Amorim à frente das Relações Exteriores, o cenário começa a se modificar. Em 2003, foi nomeada a primeira mulher subsecretária-geral do Itamaraty. Em 2005, Amorim escolheu uma mulher para ser sua chefe de gabinete e, dois anos depois, a primeira mulher chefe da missão brasileira junto às Nações Unidas. Desde 2008 a Delegação Permanente do Brasil em Genebra também é chefiada por mulheres.

Ao todo, o chanceler de Lula nomeou 21 embaixadoras em oito anos. Antes dele, só havia três mulheres embaixadoras para 95 homens. Com um bolsonarista Ernesto Araújo no cargo, é possível que haja retrocessos também neste sentido.

Diplomatas mulheres sendo preteridas na hora das promoções era a praxe até o governo Lula. Celso Amorim nomeou 21 embaixadoras em oito anos. Antes dele, só havia três mulheres embaixadoras para 95 homens

“Acompanhar por dentro o processo de uma ação afirmativa em favor das mulheres na carreira para mim foi uma alegria. Eu concordava com essa medida. O que me incomodava nesse momento era uma certa visão coletiva de que aquelas promoções eram um favor e não é verdade. Há muitas mulheres competentes nessa carreira, não só da velha guarda como das mais jovens”, disse Maria de Nazareth Farani Azevedo, chefe de gabinete de Amorim.

Em 2014, foi criado o Comitê Gestor de Gênero e Raça no Itamaraty para coordenar no âmbito do ministério programas e política voltadas à promoção da efetiva igualdade de gênero e de raça dentro das Relações Exteriores. Até hoje, embora sejam metade da população, as mulheres representam apenas 23% dos diplomatas brasileiros.

O documentário traz depoimentos das diplomatas que mostram como o ambiente nas Relações Exteriores está impregnado por machismo, racismo e também LGBTfobia. Duas diplomatas lésbicas dão seu depoimento sobre como o preconceito as prejudicou na carreira e uma negra, Marise Ribeiro Nogueira, expõe o racismo institucional. “Dificilmente o barão do Rio Branco estaria muito contente e satisfeito em ver a Marise diplomata”, disse.

Assistam.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Feminismo

Mulheres que detestam Bolsonaro: grupo contra extremista ultrapassa 1 milhão no facebook


Criado há duas semanas, grupo fechado recebe 10 mil pedidos de adesão por minuto; grupo "mulheres a favor de Bolsonaro" só tem homens

Cultura

6 razões pelas quais reaças jamais gostarão de Moonlight, o vencedor do Oscar


1. Reaças não possuem empatia suficiente para se sentir tocados pela história de um menino negro, pobre, filho de mãe solteira e viciada em crack. Eles devem olhar para a tela pensando assim: “Ah, esse…