Socialista Morena
Politik

Filhote da ditadura, presidente eleito do Paraguai é cara nova para a velha política

Entre as promessas de "Marito" Abdo, filho do secretário particular de Stroessner, está vetar qualquer tentativa de legalizar o casamento gay

O presidente eleito do Paraguai, Marito Abdo, no dia da eleição. Foto: divulgação
The Conversation
10 de maio de 2018, 18h53

Por Ignacio González Bozzolasco, no The Conversation

Tradução: Cynara Menezes

Quase três semanas depois das eleições para presidente, congresso e governos regionais no Paraguai, os resultados das urnas permanecem causando polêmica. O vencedor, por uma diferença de apenas 3,7%, segundo os resultados parciais, foi o senador Mario Abdo Benítez, o “Marito”, candidato do Partido Colorado, que derrotou o adversário, o opositor Efraín Alegre, liberal, da Alianza Ganar.

A partir do início da contagem oficial dos votos começaram as denúncias e protestos. Entre acusações de fraude por parte da Alianza Ganar e o pedido de recontagem oficial, Alegre se negou a admitir a derrota. Tudo isso colocou em dúvida a confiabilidade não só dos resultados como do sistema eleitoral paraguaio como um todo, minha área de pesquisa acadêmica. No entanto, o triunfo de Abdo já é oficial.

Com 46 anos, Marito é filho do antigo secretário particular do ditador paraguaio Alfredo Stroessner, que governou o país de 1954 a 1989. Stroessner encabeçou um processo de modernização conservadora que impulsionou o desenvolvimento de infraestrutura neste pequeno país sul-americano e o orientou para a agroindústria.

O pai do presidente eleito Mario Abdo Benítez, seu homônimo, formou parte do círculo mais íntimo do ditador Alfredo Stroessner, conhecido como o quarteto de ouro

Ao mesmo tempo, durante 35 anos, ergueu um regime autoritário brutal. Deixou como saldo mais de 20 mil vítimas diretas de violações de direitos humanos, com 18772 pessoas torturadas, 9862 detidos de forma arbitrária, 3470 exilados, 336 desaparecidos e 59 executados extrajudicialmente, segundo os informes da Comissão da Verdade e da Justiça. O Paraguai tem atualmente uma população de 6,7 milhões de habitantes.

O pai do presidente eleito Mario Abdo Benítez, seu homônimo, formou parte do círculo mais íntimo do ditador, conhecido como o quarteto de ouro. Como secretário particular de Stroessner, Abdo Benítez desenvolveu o papel de articulador e referência da juventude colorada que respaldava o regime.

Durante a campanha presidencial, Abdo sempre evitou se colocar no lugar de defensor do ditador. Diante das perguntas sobre qual sua opinião em relação a Stroessner, tentou separar a política repressiva de outros aspectos do regime. “Não posso respaldar a tortura, a corrupção, o autoritarismo, a perseguição à imprensa”, disse, em uma entrevista ao jornal ABC, “mas, em seu momento, quando houver sentimentos menos apaixonados, se poderá fazer um julgamento mais equilibrado de Stroessner”.

O pai do novo presidente (esq.) e o ditador Stroessner

É preciso reconhecer também que quase um terço dos votantes registrados no tribunal eleitoral nasceram em tempos de democracia. Neste sentido, pode ser que o resultado apertado tenha mais a ver com algumas das propostas e posturas conservadoras de Abdo. Antes de ser indicado como o candidato oficial do Partido Colorado, Marito começou a pré-campanha de 2017 criticando as políticas econômicas e sociais do presidente colorado Horacio Cartes. Inclusive o questionou sobre a utilização do cargo para facilitar a ampliação de seus negócios como magnata do tabaco.

Não posso respaldar a tortura, a corrupção, o autoritarismo, a perseguição à imprensa, mas, em seu momento, quando houver sentimentos menos apaixonados, se poderá fazer um julgamento mais equilibrado de Stroessner

Esta estratégia tentava capitalizar o desgaste geral com o Partido Colorado, após vários anos no poder. Este partido, que é o partido de Stroessner, governou o Paraguai de forma ininterrupta desde 1948. Em 2008, os paraguaios elegeram como presidente um sacerdote progressista, Fernando Lugo, mas ele foi destituído em 2012 antes de terminar seu mandato de cinco anos. Oficialmente, o Congresso destituiu o presidente após “a matança de Curuguaty”, uma violenta repressão policial a camponeses sem-terra que custou a vida de 11 agricultores e 6 policiais.

O Partido Colorado voltou ao poder em 2013, com a eleição do atual presidente Cartes.

Uma vez nomeado candidato oficial, Abdo se posicionou mais confortavelmente com posturas conservadoras tradicionais. Diante das posições mais progressistas de seu adversário, defendeu o serviço militar obrigatório para os jovens paraguaios, explicando que o serviço militar não é somente uma oportunidade de educação, mas “uma ferramenta a mais” para aquelas mães em situação de vulnerabilidade que não conseguem controlar os filhos. Abdo também se opôs às demandas feministas de descriminalizar o aborto no Paraguai e prometeu vetar qualquer tentativa de legalizar o casamento gay.

O general Alfredo Stroessner

Em geral, estas bandeiras conservadoras não confrontavam posições de seu adversário nem respondiam a propostas concretas da sociedade civil paraguaia. Em minha concepção, não havia chance real de que o Paraguai impulsionasse leis contra o serviço militar obrigatório nem a favor do matrimônio igualitário nesta conjuntura. Mas incitar o medo do progressismo ajudou Abdo a colocar seu adversário em situações incômodas perante amplos setores da sociedade com acentuado pensamento conservador.

Ao mesmo tempo, projetou a si próprio como defensor dos valores tradicionais católicos latino-americanos, num momento em que toda a região está experimentando uma guinada à direita. Brasil, Argentina e Chile, anteriormente conhecidos por sua liderança de esquerda, também viram presidentes conservadores chegarem ao poder nos últimos anos.

No Paraguai, o velho retorna com rostos remoçados. Com o triunfo de Mario Abdo, o país continua inserido no caminho do conservadorismo em que se recolocou após a destituição de Lugo em 2012

Com o triunfo de Mario Abdo, o Paraguai continua inserido no caminho do conservadorismo em que se recolocou após a destituição de Lugo em 2012. O presidente eleito prometeu manter os impostos baixos e buscar melhores formas de investir na educação e na saúde.

Mas no Paraguai parece que o velho retorna com rostos remoçados. Há uma década, a entrada de figuras midiáticas, empresários como o presidente Cartes e outsiders como Lugo, um ex-bispo católico, à cena política fez alguns analistas vaticinarem que o Paraguai estava entrando em uma nova era política.

Parças: Stroessner e Pinochet

Ao que tudo indica, isso mudou. Os mesmos partidos de sempre voltaram a ser os grandes protagonistas das últimas eleições, tanto em nível nacional como local, com políticos profissionais nas principais candidaturas. Este retorno à política tradicional já começa a se notar nos primeiros nomes escolhidos pelo presidente eleito. Os primeiros anúncios de Abdo para seu gabinete foram na Chancelaria e no ministério do Interior, com dois políticos de longa trajetória.

Marcando uma diferença com seu antecessor, Cartes, que privilegiara burocratas e executivos do setor privado, Abdo voltou a considerar expoentes do Partido Colorado para o novo gabinete. Desta forma, o retorno às forças tradicionais de seu partido é a primeira marca do início de seu governo.

*Ignacio González Bozzolasco é professor de Política Comparada na Universidade Católica de Assunção

 


(2) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Sergio em 11/05/2018 - 15h03 comentou:

Mas, foi eleito pelo povo. Fazer o quê? Dá um golpe? Chama Temer e José Eduardo Cardozo para ser advogado de defesa do presidente eleito.

Responder

João Junior em 13/05/2018 - 13h29 comentou:

É a mídia como instrumento de alienação, pelo uso da estética capitalista, que convence os eleitores a votar nesse ou naquele político. Cada vez mais, o horário eleitoral gratuito na TV ganha importância porque é realmente um enclave no meio do discurso neoliberal único. É uma pequena oportunidade de contraponto. No mais, se esforçam as Mírians Leitões do mundo em desinformar, em divulgar uma ideia cujos resultados a desqualificam como válida. Ou certificam que a validade delas está oculta por interesses particulares e excludentes, escamoteada por um discurso vago e preconceituoso. O lúmpen tem garantido a continuidade dessa idiossincrasia, e a idiossincrasia capitalistas mantém a alienação que forma o lumpesinato.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Esquerda, volver


Dizer-se de esquerda é ser de esquerda? Candidato favorito à prefeitura de Palmas (TO), o colombiano naturalizado brasileiro Carlos Amastha, do PP, se define como “um empresário de esquerda”. A prova? “Lia Marx em casa…

Cultura

Documentário sobre a Comissão da Verdade mostra como a tortura atingiu índios, camponeses e…


Uma das mentiras mais repetidas pelos defensores da ditadura militar no Brasil é a de que as torturas durante o período foram dirigidas apenas a quem participou da luta armada. Tentam esconder dos incautos que…