Socialista Morena
Politik

Liderança da agricultura familiar é assassinada com cinco tiros em emboscada no Pará

Por Fátima Gonçalves, da CUT-PA A trabalhadora e líder rural Kátia Martins, de 43 anos, foi assassinada com cinco tiros numa emboscada ocorrida na noite desta quinta-feira, 4 de maio, em sua própria casa, localizada no assentamento “1º de Janeiro”, quase na divisa dos municípios de Castanhal e São Domingos do Capim, no nordeste paraense, […]

Cynara Menezes
05 de maio de 2017, 15h08
katiamartins

(Kátia Martins, a líder assassinada. Foto: reprodução Facebook)

Por Fátima Gonçalves, da CUT-PA

A trabalhadora e líder rural Kátia Martins, de 43 anos, foi assassinada com cinco tiros numa emboscada ocorrida na noite desta quinta-feira, 4 de maio, em sua própria casa, localizada no assentamento “1º de Janeiro”, quase na divisa dos municípios de Castanhal e São Domingos do Capim, no nordeste paraense, a 130 quilômetros de Belém.

Kátia era presidente da Associação de Agricultores Familiares do assentamento e foi assassinada por volta das 20 horas na frente do neto de apenas oito anos. Segundo Pablo Esquerdo, do Sindicato dos Assalariados Rurais de Castanhal, o crime tem todas as características de uma execução. Os dois covardes assassinos surgiram de moto no momento em que ela chegava em casa após uma reunião. De acordo com testemunhas, Kátia chegou a correr e pediu que o neto fosse poupado.

O assentamento “1º de Janeiro” está localizado no quilômetro 20 da PA-127, onde, há cinco anos, vivem 94 famílias. E Kátia sempre se destacou como liderança na área. Pablo Esquerdo observou que o local é uma área de conflito e que Kátia Martins já tinha sofrido ameaças. “Existem grupos rivais da associação que queriam a terra para vender”, disse.

Kátia lutava para garantir uma vida de qualidade para as famílias assentadas. Pela manhã, inclusive, ela tinha participado de uma reunião para conseguir alguns projetos para o assentamento através do Banco da Amazônia (Basa). O corpo dela vai ser velado por poucas horas no assentamento e depois segue para ser sepultado em Capanema, município também do nordeste paraense, onde moram seus familiares.

A morte de Kátia Martins é mais uma a engrossar a triste estatística de mortes por conflitos agrários no Pará. A violência vem recrudescendo nos últimos anos no Estado. Segundo dados da Comissão Pastoral da Terra, em 2014 ocorreram 36 mortes, subindo para 50 em 2015, enquanto que no ano passado foram registradas 61 mortes.

 

 

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Direitos Humanos

Ataques aos direitos humanos na era Temer são denunciados na ONU


Por Katia Guimarães* Violência policial, massacre de índios e trabalhadores rurais, perdas de direitos civis, agravamento de conflitos sociais, violações e arbitrariedades praticadas contra a população, em especial as minorias. Esta é a realidade do…

Direitos Humanos

ONU condena assassinato de líder do Movimento dos Atingidos por Barragem


Comissariado de Direitos Humanos cobrou investigação; ex-presidenta Dilma responsabilizou "discurso de ódio" do atual governo