Marilena Chaui errou em atacar a classe média

grandefamilia

(Elenco original de A Grande Família, um símbolo da classe média brasileira. Foto: divulgação/TV Globo)

Aquele vídeo em que a Marilena Chaui, intelectual que respeito, ataca a classe média, sempre me deixou incomodada. Poxa, eu sou de classe média! Compreendo, claro, que ela se referia, mais que à classe média, ao pensamento médio, tacanho, mesquinho, egoísta. Ainda assim, foi como se ela estivesse me atacando pessoalmente. Sinto de forma parecida quando criticam o Lula e percebo que, por trás dos ataques, se esconde um enorme preconceito de classe e de origem, por Lula ser nordestino e de família humilde. Isso me atinge, porque, além de tudo, eu também tenho origem simples e sou nordestina.

É duro, para uma pessoa de classe média, ouvir uma intelectual de esquerda dizer que a odeia, que a acha “uma abominação política porque fascista, uma abominação ética porque violenta, e uma abominação cognitiva porque ignorante” —sobretudo quando não se é nada disso. Soa pior ainda quando vemos que tem a seu lado, no palco da palestra em questão, um ex-presidente que se gaba (e é verdade) de ter possibilitado a ascensão dos pobres à… classe média!

Essa crítica tão feroz à classe média, que me perdoe a Marilena Chaui, me parece elitista, uma velha contradição da esquerda intelectual no Brasil. Um certo esnobismo, complexo de superioridade. Me lembra aquele personagem de Terra em Transe, de Glauber Rocha, gritando a todos pulmões que o povo é débil mental. Não acredito que faça bem nenhum à imagem da esquerda este tipo de postura, pelo contrário. O vídeo de Marilena Chaui virou um clássico da direita contra a esquerda na internet, popularizado em memes e edições grotescas.

Do ponto de vista estratégico, o ataque da filósofa petista é um desastre. Atiçou a turba sem necessidade, ajudou a desatar a ira da classe média sobre a esquerda (como se não bastasse a mídia…). Principalmente porque sabemos que na hora agá, em ano eleitoral, o PT gasta milhões com marqueteiros para atrair justamente a classe média —com doações dos banqueiros que, aliás, ele NÃO critica. Taí, eu simplesmente não consigo entender uma esquerda que poupa os banqueiros e detona a classe média. E sejamos francos: se quem vai às ruas atacar a esquerda é de classe média, também o é boa parte de quem se manifesta para defendê-la.

Auto-denominado “socialista democrático” e com sérias chances de vencer a disputa na pátria do capitalismo, os EUA, o pré-candidato à presidência Bernie Sanders tem tentado uma estratégia oposta, a de seduzir a classe média para o que pretende. Porque lá o sonho americano está se desfazendo e a principal vítima é a classe média. É a classe média norte-americana quem está sedenta por mudança e que é capaz de enxergar que o “outro mundo é possível” pode ser experimentado na terra de Ronald Reagan. Bernie faz promessas diretas para a classe média, de que o modelo que propõe vai ajudá-la a recuperar seu poder aquisitivo.

“A grande classe média norte-americana está desaparecendo”, Sanders costuma lembrar nos comícios, apontando para o tão acalentado “american dream”, que se esfuma diante dos olhos da nação. O sonho americano acabou?, perguntam-se articulistas atônitos em publicações liberais e conservadoras, confrontados com indicadores que mostram o empobrecimento da população e a desigualdade crescente. Que dor maior seria possível, para o americano médio, do que admitir que o sonho acabou?

Em seu discurso vitorioso na convenção em New Hampshire, Bernie novamente acenou à falida classe média do país. “A ganância, a imprudência e o comportamento ilegal de Wall Street levaram a nossa economia a ficar de joelhos. O povo americano socorreu Wall Street, agora é a hora de Wall Street ajudar a classe média”. A promessa de que haverá saúde gratuita universal (além de universidade gratuita) ajuda a conquistar a classe média também pelo bolso, porque significará uma economia no orçamento apertado de gente que precisa ter até três empregos para ganhar a vida.

O discurso de Bernie Sanders mostra que a classe média pode ser despertada para uma visão progressista do mundo, em lugar de desprezada. Mas é preciso detectar o que ela deseja. Melhor: é preciso convencê-la de que o que ela deseja de verdade em sua vida é algo muito mais profundo do que um novo smartphone ou televisão de plasma. Nos EUA, a classe média está decaindo, e por isso este interesse pelo socialismo de Sanders, pela outra via. No Brasil, a classe média subiu pelo consumo, mas este apoio ao PT pelo consumo se mostrou volátil, superficial, não duradouro além da eleição. Estamos vendo isto com toda clareza neste momento.

Em vez de pensar em um discurso mais abrangente e sedutor, no sentido de mostrar ser possível um lugar melhor para viver para a maioria das pessoas, a esquerda brasileira repete o mesmo comportamento de Hugo Chávez na Venezuela, espantando a classe média como um todo ao invés de tentar ganhar pelo discurso ao menos parte significativa dela —uma pena, este foi o grande equívoco do comandante. Desculpa, mas para mim o real inimigo nunca foi a classe média e sim a burguesia; as classes altas; os especuladores; as “elites” de que falava Lula; o 1%. É exatamente quem Bernie Sanders tem atacado, com sucesso.

Se um partido fracassou em conscientizar politicamente a classe média, não me parece justo culpá-la por sua falta de politização.

 

Leia também  Quem tem medo dos comunistas? Por... Carlos Lacerda

O Socialista Morena é um blog de jornalismo independente. Se você quiser contribuir financeiramente, doe ou assine. Quanto mais colaborações, mais reportagens exclusivas. Obrigada!!

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Ou, você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência 3310
Conta Corrente 23023-7

Publicado em 14 de fevereiro de 2016